ADI, UDD e CDN-Fessu Bassola, procuram espaço no poder local

No total das 6 forças políticas que concorrem as eleições autárquicas deste domingo, apenas a ADI, UDD, e a CDN – Fessu Bassola buscam pela primeira vez depois de 2006 um lugar na presidência das autarquias em São Tomé.

ADI, presidiu a câmara de Cantagalo ainda na década de 90. Após as eleições de 2006 acabou por ficar de fora. Aliás o mandato das autarquias em São Tomé e o Governo Regional no Príncipe, só foi legitimado em 2006. Os poderes locais instituídos nas primeiras eleições autárquicas de 1994, estavam caducados há mais de 12 anos.

Em 2006, a coligação MDFM-PCD ganhou quase tudo. O MLSTP/PSD único adversário, ficou apenas com a câmara de Lembá no norte de São Tomé. No sul Caué, passaou a ser presidido pelo PCD, assim como o distrito de Cantagalo no eixo centro –sul. O Distrito de Mé-Zochi no centro da ilha ficou com o MDFM-PL. Lobata no eixo centro – norte com o PCD, e Água Grande que envolve a capital do país também com o PCD.

No total São Tomé tem 6 câmaras distritais. Segundo a lei eleitoral, nos distritos com população superior a 20 mil habitantes como são os casos de Mé Zochi e Água Grande, são eleitos 11 membros para a Assembleia Distrital. Caberá depois aos 11 membros da Assembleia Distrital elegerem entre si, 5 membros para a câmara, incluindo o Presidente.

Nos restantes distritos, por sinal com população inferior a 10 mil habitantes, são eleitos 7 membros para a Assembleia Distrital. A câmara é composta por três membros dentre os quais é eleito um presidente.

Para as eleições regionais na ilha do Príncipe, são eleitos 7 deputados a Assembleia Regional, que por sua vez elegerão o Presidente do Governo Regional.  

Na ilha do Príncipe tudo aponta para mais uma vitória da UMPP de José Cassandra. O MLSTP/PSD único adversário da UMPP, poderá na melhor hipótese eleger pelo menos 2 deputados a Assembleia Regional. Factor que poderá ser importante para a democracia na região autónoma.

Já em São Tomé, a sondagem só poderá ser feita pela própria expressão popular, após a contagem dos votos. Num país de mentalidades imprevisíveis, é bastante arriscado fazer-se sondagens. Aliás há quem diga que o eleitorado são-tomense, é um autêntico desafio para qualquer empresa mundial de sondagens. Ele é imprevisível e muito instável.

Abel Veiga

  1. img
    h da silva Responder

    td isto acontece pk ha muita ignorancia ainda na populacao k se vendem facilmente.nao ha ideias certas do que querem e o melhor.mas sim votam pelo amor a familiares,amigos e quem os demostram querer ajudar no futuro ao inves de ver oq poderam fazer pela suas comunidades.td isso vem dop estado de pobreza k os governantes proporcionam ao pais e tb falta de conhecimentos.pois a politica nao e clara e aberta de forma k as pessoas possam saber o que esta a passar a sua volta.boa sorte ao meu pais e k dessa tenhamos bons governantes.

  2. img
    Chicodesperto Responder

    Concordo contigo h da silva mas por outro lado a multiplicação de partidos políticos também não ajuda em nada e contribui para perpetuação da ignorância.
    Sinceramente eu gostaria de saber qual a diferença de fundo entre CDN- fessu bassola e a UDD. Qual a diferença entre a MDFM e PCD? Porque razão esses partidos não se coligam.
    STP ganhava com menos partidos políticos.

  3. img
    Alberto Nascimento Responder

    Muito obrigado pelo artigo.
    A Sondagem normalmente pode ser feita atravez de uma apreciacao ao “banho” mas espero que neste ano as coisas sejam diferente.
    Cumprimentos ao povo.

  4. img
    Dr.Amado(Vulgo Saca Papo) Responder

    ESSES VOTOS TODOS FORAM FEITAS COM FORÇAS DE BANHO VIVO FICARIAM TÃO BONITO ESSE POVO ISSE HOJE AS URNAS EM NOME DA CONSCIÊNCIA MAS ESSES BANDIDOS DA POLÍTICA NÃO DEIXEM ACONTECER,MINHA,GENTE,MEU POVO ATÉ QUANDO ACABAM COM A EXISTÊNCIA DO BANHO VIVO ?

Deixe um comentario

*