Política

Governo promete pela primeira vez nos últimos anos apresentar as contas gerais do estado

Na sessão parlamentar da última semana em que o Orçamento Geral do Estado para 2011 foi aprovado com 27 votos da bancada da ADI(26) e do MDFM(1), o Primeiro Ministro Patrice Trovoada(na foto), garantiu que pela primeira vez nos últimos anos, o governo vai apresentar as contas gerais do estado.

Foi uma das reclamações do Tribunal de Contas nos últimos anos. As contas gerais do estado nunca foram publicadas. Com o orçamento para 2011 avaliado em 153 milhões de dólares, aprovado na generalidade pela Assembleia Nacional, o Chefe do Governo, promete fazer a diferença. «O governo está a tomar medidas para que pela primeira vez depois de muitos anos, se possa apresentar ao Tribunal de Contas e a todo o povo as contas gerais do estado para 2011. Nelas estarão reflectidas rigorosamente as despesas e as receitas bem como as suas devidas justificações», assegurou Patrice Trovoada.

A estabilidade política, que se vive no país foi saudada pelo Chefe do Governo. «O país vive um clima de relativa estabilidade institucional que o governo aprecia sobremaneira, mas estou plenamente consciente da sua fragilidade. Reconheço que a estabilidade é uma condição fundamental para o sucesso de toda e qualquer acção política de desenvolvimento, para o sucesso deste governo, para o sucesso de todo o povo de São Tomé e Príncipe», frisou.

Ainda no seu discurso na sessão parlamentar, Patrice Trovoada, reconheceu o que é óbvio, ou seja, o seu governo é minoritário. Facto que ficou provado durante a votação do Orçamento Geral do Estado. O documento foi aprovado com apenas 27 votos, num parlamento de 55 assentos. A oposição que representa 28 assentos no parlamento preferiu abster. «Temos igualmente consciência que o nosso governo não goza de uma maioria parlamentar. Mas a ausência dessa maioria não pode inibir-nos do exercício pleno da nossa missão nem tão pouco desviarmos do rumo que o povo claramente escolheu na sua sabedoria muitas vezes ignorada pelos actores políticos. Uma mudança verdadeira contra a injustiça social e todas as formas de exclusão», afirmou o Primeiro-ministro.

O orçamento geral do estado para 2011 no valor de 153 milhões de dólares, depende em mais de 90% da ajuda financeira internacional. Patrice Trovoada realçou a importância de mobilização dos recursos externos, para sustentar uma economia que não gera poupança. «Mas essa mobilização tem que assumir uma dimensão mais dinâmica, criativa e inovadora do que tem sido até então. O país os seus dirigentes, os seus quadros, as suas elites intelectuais, e económicas tem que interagir com as fontes de financiamento quer públicas quer privadas. O país não pode permanecer enclausurado só no golfo da Guiné, ou nas malhas das solidariedades clássicas. O país tem necessidades enormes e de todo o tipo. O país não pode esperar que as pessoas vêm, que as pessoas declarem o seu interesse por ele a vista de uma simples foto na Internet. Antes pelo contrário, o país tem de ir ao encontro das coisas e das pessoas, o país tem de estar presente lá onde as coisas acontecem agarrar todas as oportunidades e estar lá onde as coisas se decidem», explicou.

No entanto para o país recuperar a confiança dos doadores internacionais, por um lado, e por outro lado, para atrair a ajuda financeira internacional, o Chefe do Governo considera que o país tem que prestar contas também a comunidade internacional. «Para que tudo isso aconteça é preciso também viajar», defendeu Patrice Trovoada.

Abel Veiga

    10 comentários

10 comentários

  1. CELSIO JUNQUEIRA

    10 de Janeiro de 2011 as 14:32

    Meus Caros,

    Já temos a jusitificação das viagens dada pelo próprio “«Para que tudo isso aconteça é preciso também viajar», defendeu Patrice Trovoada.”.

    O Sr. PM PT não tenho nada contra, se a viagem servir para o proposito de financiar o Orçamento de Estado, totalmente apoiado.

    Mas temos que avaliar os resultados das inumeras viagens do pessoal do Estado em busca de financiamento.

    Abraço e boa sorte ao Governo,

  2. Bili wé

    10 de Janeiro de 2011 as 14:54

    Saudo a aprovação do OGE. Mostra que a oposição aprendeu a liçãp de 2008.Quanto a promessa do Primeiro Ministro…No coment.
    Depois da trapalhada com a promessa no principe, esse senhor ainda tem a lata de prometer alguma coisa? Pelo menos dessa vez n assinou nehum contrato com os deputados.

  3. Alberto Nascimento

    10 de Janeiro de 2011 as 17:34

    o prometedor Lol?

    Este senhor alguma vez cumpriu alguma das suas?

    Quando ‘e que ele vai declarar o valor do seu trono?

  4. hernane dos prazeres ferreira

    10 de Janeiro de 2011 as 18:41

    SUA : EX: Senhor 1º ministro em primeiro lugar venho parabenizar saudosamente e encoraja-lo a fazer mais e mais, como o senhor mesmo disse vamos trabalhar e aproveitar para dizer a pessoas preconcetuosas ou maldosas para deixar de criticar e ajudar. deixar o passado e prespectiva mais o futuro que si faz trabalhando, sou estudante ade aters e estou ca pra ti ajudar enquanto jovem enquanto patriota ,,..mais uma vez meu parabens a vitoria é nossa e a luta continuaa….

  5. N C

    10 de Janeiro de 2011 as 18:55

    Quer macar a diferenca?Marca pela positiva Sr P.Ministro e nunca se esqueca ouvir a voz da razao(povo).Esperemos que os finaciamentos nao sejam de origem duvidosa

  6. Fernando Augusto(Cocas)

    11 de Janeiro de 2011 as 9:21

    Deixa o SrºPM e o seu Governo trabalhar,estao numa fase inicial e as promeças e as outras resoluçoes virao.Temos e que esquecer o espirito de ingorança e vingança,mais de maos dadas construirmos o nosso pais,lembrando em todos e todas e nao a singularidade…Vamos juntos construir o nosso pais.Ate StºTome Podereso esta aborrecido dos maus funcionamentos do passado e vai ajudar o melhoramento das coisas.Temos e que ter fe,calma,força,espirito de irmandade,dedicaçao,e tudo dara certo.PM esta a trabalhar abertamente com o Povo,aja calma.Saudades do Barro Vermelho.Abraço meus irmaos e força.

    • Mimi

      11 de Janeiro de 2011 as 11:01

      O PROBLEMA NAO E DEIXAR OU NAO DEIXAR TRABALHAR. ATE AGORA NAO HOUVE IMPEDIMENTO PARA QUE O FIZESSE.
      O PROBLEMA E QUE AS PROMESSAS SAO TANTAS QUE, CONHECENDO O PAIS REAL, CUSTA ESPERAR PARA VER…

  7. kwa pia

    11 de Janeiro de 2011 as 20:32

    estou de acordo contigo Mimi sao tantas as promessas que seguro eles nem lembram das outras sao todos mentirosos tal pao tal astrilla (tal pai tal filho)jajaaa

  8. justiça

    11 de Janeiro de 2011 as 23:53

    Não é mais que dever e obrigação do estado tornar publica as suas contas. Esta falta de transparência que nunca houve é que justifica tanta corupção no país.

    Portanto, é boa noticia, mas é uma obrigação. É bom que não se veja isso como boas intenções mas sim o respeito pela direito democrático.

  9. Adriano Málé Bobo

    14 de Janeiro de 2011 as 16:25

    Tudo bem o Sr.PM, agora é o momento de aregueçar a manga, mão a obra,
    obrigado,
    fui,

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo