Política

Portugal considera São Tomé como âncora para dinamizar cooperação com os países do golfo da Guiné

Com vontade de manter uma forte dinâmica nas relações com a região do Golfo da Guiné, o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Portugal, Luís Amado, termina esta quinta – feira visita de dois dias a São Tomé e Príncipe.

Na primeira deslocação a São Tomé e Príncipe, após a entrada em funções do governo de Patrice Trovoada em Agosto passado, o Chefe da Diplomacia portuguesa, manifestou uma grande vontade. «Temos vontade de manter uma forte dinâmica nas relações com esta região, não só São Tomé e Príncipe, mas também com a Guiné Equatorial, com os Camarões, com a Nigéria», declarou Luís Amado à imprensa são-tomense.

O crescimento económico galopante de alguns países da região, sobretudo por causa da exploração do petróleo, interessa a Portugal. Aliás desde o ano passado que o governo português tem levado a cabo forte acção diplomática junto aos países vizinhos de São Tomé e Príncipe com destaque para a Guiné Equatorial. «Estamos muito empenhados em fortalecer os laços de relação bilateral entre Portugal e toda a região do Golfo da Guiné, mas naturalmente que a nossa âncora na relação com a sub-região é São Tomé», precisou Luís Amado.

O facto do governo de Patrice Trovoada ter definido a cooperação com os países da sub-região africana como acção estratégica a nível da política externa do país, reforça mais a posição do Governo Português. «Este governo de São Tomé também privilegia muito as relações com a região em que se insere, por isso teremos oportunidade de aproveitar a visita a São Tomé para falar também com as autoridades são-tomenses das suas perspectivas em relação a toda a região», sublinhou, o chefe da diplomacia portuguesa.

Luís Amado anunciou também a intenção do primeiro-ministro português, José Sócrates em visitar a sub-região africana ainda neste ano. «O Primeiro-ministro também tem a intenção de visitar a região, não só São Tomé mas também Guiné Equatorial e Gabão. A agenda está condicionada pelas circunstâncias que todos conhecemos. Mas a vontade de realizar esta visita é muito firme e vamos explorar datas que possam acomodar os interesses e as conveniências das duas partes», concluiu.

Encontros com o Presidente da República Fradique de Menezes, com o Primeiro Ministro Patrice Trovoada e com o seu homólogo são-tomense, Salvador dos Ramos, marcam a visita de Luís Amado a São Tomé.

Téla Nón

    34 comentários

34 comentários

  1. flogá

    28 de Janeiro de 2011 as 14:50

    Não se esqueçam que o nome do País é São Tomé e Príncipe.
    Bem Haja.

  2. madalena

    28 de Janeiro de 2011 as 15:18

    Nós STP, temos que ter a nossa propria estrategia, nada disto.
    Respeito as vossas excelencias, mas ja temos idade para deixar-mos de ser pau mandado de qualquer um.
    Pensar STP
    ” Um forum que se precisa urgente” Podemos convidar Pinto da Costa para fazer uma intervenção economica/politica, mas actualizada.
    Vamos la ver se o mesmo aceita o convite.

    • Colomba

      28 de Janeiro de 2011 as 19:39

      Minha cara senhora… Dou-lhe toda a razão: Lá continuamos nós cheios de complexos de culpa e de paternalismo. Só me admira que a Sra. não fale da linha de crédito (a fundo perdido. Vai ser mais uma para ser perdoada daqui a 5 ou a 10 anos)aberta de 35 milhões de Euros para com esse País. E nós, que estamos a nadar em dinheiro.
      Cada anguê cu vida dele (desculpem se está mal escrito)
      Cumprimentos.

  3. madalena

    28 de Janeiro de 2011 as 15:21

    Portugal o país a beira de entrada do FMI, não tem lições a dar a ninguem.
    Fui.
    Hollanda, reino unido, EUA, França, India, Luxemburgo, ai sim.

    • RS

      28 de Janeiro de 2011 as 16:57

      Poderá um mendigo dar-se ao luxo de recusar a esmola vinda de um pobre?

    • Politico da Elite Corrupta de STP

      28 de Janeiro de 2011 as 17:26

      Quanta ingratidão!!! Sinceramente é por isso que nosso país não vai a lado nenhum.

      Vê-se que és uma pessoa inocente, e pouco esclarecida.
      Se Portugal está a beira de FMI, e STP está a beira de quê? Talvez a beira de um grande precipício…
      Sabias que o nosso país está dentro do FMI até ao pescoço, nunca mais vai sair deste buraco chamado FMI…

      Devias é estar calada

      Portugal está a beira de FMI, mais anda a sustentar centenas de estudantes de STP que se encontra em Portugal que nosso a mais de 8 meses que não paga as bolsas de estudo.

      Faça uma pesquisa em todas as cantinas universitárias de Portuguesas, verás quantos cidadão do nosso país comem com senhas oferecidas pelos serviços de Acção social dessas universidade.•
      Sabes porquê, não sabes, é que muitos estão sem dinheiro a passar fome, e Governo Português mesmo assim dá ajudas.

      Enquanto isso, os nossos ministros, passam as suas lindas vidas a viajar de um lado para outro.

      “Quem tem telhado de vidro não deve andar as pedradas”.

    • CELSIO JUNQUEIRA

      31 de Janeiro de 2011 as 14:12

      Minha Cara Madalena,

      Discordo total e frontalmente da Srª pelo seguinte. Nós S. Tomé e Principe precisamos de todos os países que nos queiram ajudar.
      Não estamos em posição e nem em situação de escolher os parceiros.
      Quem não entende isso ou não quer entender, ou faz de avestruz.

      Por favor, tenham paciência que vai levar tempo o nosso desenvolvimento a ser uma realidade.

      Abraços,

  4. Dalton Sousa

    28 de Janeiro de 2011 as 16:30

    Costuma se dizer que é pela boca que morre o peixe….
    Não devemos ser ingrato, é bom nao se esquecer que maires infratrutura que o pais tem foi constuido pelos os Portugueses…
    E os melhores quadros do pais tambem foram formado em Portugal, e que é um dos pais com maiores comunidade Santomense Emigrada e muitas coisas mais….
    Os pais que a Senhora se refere nem sabe da nossa existencia.

    • A vila condenada

      31 de Janeiro de 2011 as 8:10

      Senhores me desculpem, até ja me tinha decidido não escrever mais, mas não pude conter-me.
      Quais são as infraestructuras que temos? O portugal desgraçou o nosso país. Tens que viajar para teres a ideia do que é uma infraestructura.

      • Dalton Sousa

        31 de Janeiro de 2011 as 14:17

        Deixa de ignorância, e presta um pouco da atenção o esta a tua volta. O hospital que o senhor nasceu, as escolas que senhor estudou o mercado que muitas vez foste la fazer as compras as estrada que hoje esta todo esburaca o palacio presedencial o unico porto do pais queres mais as roças que destruimos, e mais recetemente o unico hotel de 5 estrelas, o senhor conheceu o Clube Nautico e unica pscina publica que tinho no pais??? falar é muito facil…Nem vou te responde se sou viaja ou não porque uma coisa nunca serei é hipócrita.

      • CELSIO JUNQUEIRA

        31 de Janeiro de 2011 as 14:17

        A vila condenada,

        Se calhar não é preciso viajar para saber o legado deixado na altura da independência feito (por todos que viveram e trabalharam em STP): angolanos, moçambicanos, caboverdianos, santomenses, portugueses, etc.
        Basta consultar a estatistica nacional geral de 1900 a 1975.
        O nosso grande problema foi não ter sabido conservar e melhorar/actualizar as infraestruturas.
        Sinceramente,não pratiquemos o ódio cego como forma de resolução dos nossos problemas internos. Temos que ser auto-critico e falar verdade para dentro (nas nossas mentes), pode ser que comece o primeiro passo para o “tratamento”.

        Abraço,

        • A vila condenada

          1 de Fevereiro de 2011 as 8:53

          è triste que vcs pensen assim, eu respeito, não é odio nem nada disso, eu digo e repito, NÃO TEMOS NADA….

          • Celsio Junqueira

            3 de Fevereiro de 2011 as 10:02

            Minha Cara,

            Nem oito e muito menos oitenta.

            Conhece Portugal de ha trinta anos atrás? Não é comparavel com o de hoje.

            Cresceu imenso.

            STP para a época tinha as infraestruturas necessárias para o desenvolvimento que possuia.

            Não soubemos conservar e também não edificamos de novo outras infraestruturas para as novas necessidades.

            Vou acreditar que voce não tem nada contra os portugueses. E já que fala em viagem, dê um salto ao Monaco, São Marino, Lichenstein, Andorra, etc e veja, o que eles têm!
            Nenhum desses países tem uma autoestrada, porque não é necessário. Entende!

            Vamos com calma, o país STP está no bom caminho, mas ao nosso ritmo “leve-leve” vamos chegar lá. Sei que há muita gente ansiosa em querer ver coisas que viu fora do país, mas tudo tem uma razão de ser/necessidade.

            Vamos ser positivista e optimista, não fazer o discurso terra-queimada e inflamado, criticar sim, mas com responsabilidade e construtivo.

            Saudações cordiais,

  5. madalena

    28 de Janeiro de 2011 as 17:37

    O desconhecimento não é perdoado neste espaço.
    Os paises que mencionei sabem muito bem da nossa existencia.
    EUA? não sabe! estação da Voz de america, projectos de melhoramento de milho de Pinheira, assistencia militar, etc.
    Reino unido, foi outrora o maior fornecedor de viaturas toyotas- Gibraltar, maior consumidor de cacau, hoje uma grande parte da nossa gente se encontra em REINO UNIDO, sairam de portugal, quero referir aos saotomense de nacionalidade portuguesa. Auferem de um rendimento 5 a 10 vezes superior daquilo que tinha em Portugal, logo fazem transferencia a STP.
    Belgiga, foi o país onde o actual presidente esteve como embaixador, representandos os paises baixos, quer saber mais???
    India?
    investiga um pouco.
    A nossa mentalidade é sempre redutora, sempre..
    Os portugueses construiram o seu proprio imperio, a casa deles, veja par a arquitectura do Palacio, hospital de Ayres de Menezes e RIo de Ouro!!
    Vamos ter a nossa propria estrategia, a estrategia nacioanalista, a nosso duque de Paus. Acabou!!!
    Agradecemos os portugueses, mas nada nos obriga a sermos definitivamente juntos. A cooperação não tem que ter a benção de Portugal sempre, apenas isso.
    Não gostou , paciência, chupa limão.

    • Colomba

      29 de Janeiro de 2011 as 18:48

      Continuo a dar-lhe toda a razão.
      Malditos colonos que nunca mais os deixam em paz. Os EUA, o Reino Unido e a Bélgica sim… nunca colonizaram ninguém, nem nunca tiveram impérios coloniais.
      Abençoada ignorância.
      Olhe: nem sei o que lhe hei-de mandar chupar.

    • Dalton Sousa

      31 de Janeiro de 2011 as 16:11

      Se queres comprovar vai a uma instituição dos paises as norte de Sahara que pertence ao nosso continente e os pergunta aonde esta situado STP…

  6. aluno do Januario

    29 de Janeiro de 2011 as 4:07

    Portugueses nao dao ponta sem no(fala-se do petroleo em sao sao tome que esperavamos dos portugueses aproximacao)

  7. ze cabra

    29 de Janeiro de 2011 as 19:01

    falase muito mas nunca vamos ter um pais nós e a nossa futura geraçao vamos sempre viver na escuridao problema maior é que todos sabem dar opnioes fazer nada ainda bem que temos ajuda do exterior senao ja estavamos num cao num beco sem saida emquanto houver muitos doutores e engenheiros nesta terra nao chegamos a parte nenhuma so garganta e com manias de grande e vamos rolando na miséria acho piada a esses comentadores sao todos bons para dar opnioes seu parazitas chulas

  8. madalena

    31 de Janeiro de 2011 as 12:19

    Olha, as senhas distribuidas nas universidades portuguesas, não são favor nenhum, apenas uma obrigação. Leia e consulte as diretivas da união europeia. Se lisboa é região objectivo 1, penso que sabe o que estou a referir, então deve de facto dar senhas e mais.
    Fiz formação el Portugal, sou amigo dos portugueses, mas em matéria de desenvolvimento do nosso país, sei bem as limitações de portugal, continuamos a ser amigos, mas temos a nossa propria estrategia que não passa por Lisboa. Mesmo que atribuem subsidio a todos nossos compatriotas que lá estão a sofrer de frio sem possibilidade de regressar ao torão natal. Temos que demamar de Lisboa.
    Uma nova visão!!! apenas isto.
    Façam um exercício simples, vejam Dudai.
    Emiratos, Singapura, Vieteman, etc, sei lá.
    Portugal muito obrigado, Basta.

  9. um Fulano

    31 de Janeiro de 2011 as 12:40

    Que pena!!!!
    Portugal quer ajuda de STP! Estão tão miseraveis na europa que querem voltar a africa! Veja so o que fazem em Angola?
    Africanos, Santomenses, abram os olhos. O osso que Portugal nos dà para comer não deve ser suficiente para nos tapar os olhos. A gente, mesmo erspeitando a boa relação fraternal, precisa ter orgulho de si mesmo. Cultivemos este valor que ele possa permitir-nos de reconstruire a nossa patria.

  10. madalena

    31 de Janeiro de 2011 as 14:38

    Vejam o preço das passagens aereas de saotome a Lisboa.
    Veja o nº de bolsas que o país recebe anualmente e compara com Cabo Verde.
    Veja voluntarios e ONGs portuguesas que visitam o nosso país e o fazem realmente.
    Veja o Projecto de energia do Principe, Barragem do rio Papagaio.
    Veja a formação dos policiais de outros paises e compara com o nosso. O nº de quadros formados em escola de policia de portugal em relação à outros paises lusofonos.
    A força aerea e armada?
    Medicos ?
    Falando em medicos?
    Portugal neste momento deve ter mais de 25 medicos sãotomenses que deviam estar a prestar serviço no país. E cveja quantas bolsas de medicina portugal dá anualmente.
    Os medicos de STP, muitos formamram em outras paragens.
    Nós servimos portugal mais do que aquilo que neste momento nos oferecem.

  11. madalena

    31 de Janeiro de 2011 as 14:47

    Precisamos de crecimento economico.
    depois o desenvolvimento economico, certo?
    Para atingirmos o crescimento economico, temos de criar riquezas internas, produzir, exportar mais.
    Investir nas pessoas, educação de qualidade, infraestruturas, industria alimentar de qualidade com controle alimentar,transformação de produto, artesanato de qualidade, cultura a musica, turismo e segurança quer de pessoas quer segurança juridicas para atrair investidor.
    O Saber fazer, onde está?
    Brasil!
    É uma saida.

    • CELSIO JUNQUEIRA

      31 de Janeiro de 2011 as 15:54

      Carissima,

      Tem razão no que precisamos, mas só peca por ser selectiva (gosta de alguns paises e gostos não se discutem).
      So lhe digo, que cada país que nos queira ajudar terá sempre alguma coisa que não sabemos fazer e poderá com certeza nos ensinar/ajudar.
      “A cavalo dado não se olha aos dentes”, interessante proverbio.

      Saudações cordiais,

  12. vando portugal

    31 de Janeiro de 2011 as 21:50

    STP é como as putas, sempre de perna aberta sem olhar a cliente… vamos mas é trabalhar.
    Vamos expulsar os tugas

  13. Un fulano

    31 de Janeiro de 2011 as 22:57

    Senhor junqueira tente entender o que a Madalena esta lhe dizendo.Numa conjontura mondial do genero que vivemos temos que escolher o que hà de melhor para nos. Por enquanto, as ofertas e o modelo vehiculado pelos Portugueses e pelo ocidente em geral, ja não são “o” exemplo. Todos os paises que criaram uma distancia com estes modelos têem uma taixa de desenvolvimento elevada. Imagina, si o Brasil, a Africa do sul, a China…etc, seguissem cegamente ainda hoje esse Modelo? O objectivo nao é de recusar em bloco, é simplesmente tentar existir. Como uma criança que atinge a idade adulta e tente fazer a sua propria vida. Si estou entendendo bem, o capitalismo puro e duro chegou ao seu limite maximo. O financeiro prevalece ao economico e ao social. O ocidente esta em crise meus senhores. Marx ja tinha previsto esse limite. Ja nao nos podem ajudar como antigamente. Sejamos realistas. Não somos ricos como o Brasil, nem como a China, etc. Mas temos riqueza humana. Na era em que vivemose a tendencia para o futuro é a valorização do factor humano no crescimento economico. Quantos empregos Brasil não criou? Quantos pobres mudaram de vida no Brasil? A nossa pequinez não implicauma submissão constante e cronica!
    Madalena, fico satisfeito de vêr santomenses como tu, capazes de fazer analises téao pertinentes.

    • Celsio Junqueira

      3 de Fevereiro de 2011 as 10:13

      Meu Caro,

      Entendi e concordei perfeitamente com a colega Madalena e só discordei da “selectividade” que faz quanto aos parceiros para o desenvolvimento.

      Mas não é crime discordar da solução, menos mal que no diagnóstico concordamos, isto é Democracia.

      Com o seu post, também concordo com o fim do capitalismo puro e duro.

      E lhe digo mais, se o nosso país tivesse uma auditoria geral e intersectorial, com o trabalho de casa feito, podiamos ter a lista dos países que nos podem ajudar, fazendo as demarchés necessárias junto dos alvos.

      Agora, como estamos sem saber o que falta e muito menos o que precisamos, resultado, qualquer ajuda é bemvinda, mesmo que venha algo que já temos e não precisamos.

      Entende?!

      Um Grande Abraço,

  14. ET

    31 de Janeiro de 2011 as 23:20

    È isso que eu espero de um país com bom senso e não a arrogância e tom ameaçador implicitos no artigo que se segue.
    http://www.ionline.pt/conteudo/94786-portugal-deixou-ser-uma-prioridade-sao-tome

    • Téla Nón

      1 de Fevereiro de 2011 as 16:41

      Atenção ao espaço ASCERCA. Comentários com links para outros portais não devem ser rejeitados. Téla Nón abre a última excepção quanto a este pormenor.

  15. madalena

    1 de Fevereiro de 2011 as 13:57

    Quanto mais alto for maior será a queda. Por isso é melhor escolher outro.
    Temos que ter ousadia. visão do futuro.
    Empreendedorismo.

  16. madalena

    1 de Fevereiro de 2011 as 13:59

    Pinto disse:
    A Camarada Alda Graça morreu triste.
    Sabem porquê?
    A curta visão que temos das coisas.

    • Mário Fonseca

      2 de Fevereiro de 2011 as 12:47

      Mas a senhora Alda Graça não tinha razão para morrer tão triste. Afinal de contas ela também exercer grandes cargos neste país.Se ela deu o seu contributo como dirigente, porquê que a nossa terra continua tão miserável? E a culpa não pode morrer solteira.

      • Celsio Junqueira

        3 de Fevereiro de 2011 as 10:18

        A sua intervenção é oportuna e reflexiva.

        As vezes dou por mim, pensando, quando haverá “um mea culpa” da malta que participou no regime e como o regime falhou não dizem nada a não ser a tristeza e lamentações.

        Abraços,

  17. madalena

    2 de Fevereiro de 2011 as 13:00

    Caros leitores
    Para terminar o meu comentario sobre o artigo queria apenas e tão somente dizer-vos que o atraso ou progresso dos povos era resultante de desigualdades raciais. A questão da raça aponta a civilização industrial como acontecimento histórico possivel graças ao desembocar dos génios grego, romano e judaico. Também o factor social, mas foi concebido a eugenia como um processo para melhoria social.Cf, Manual de “Introdução à Psicologia” de Maria Antonia Abrunhosa e Miguel Leitão

  18. ze cabra

    2 de Fevereiro de 2011 as 19:38

    muito se fala dos outros se durante 35 anos nao construimos nada mas sim distruimos porque que cantam de grande precisamos de tudo e de todos nós forros só sabemos criticar com mania de grandes nao chegamos a lado nenho porque nao sabemos gerir nao temos capaciodades para nada senao criticar e falar de tudo e todos tenham vergonha porque estamos atrazados e na miséria

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo