Comissão Eleitoral prevê aumentar em 8% o número de eleitores em São Tomé e Príncipe

A partir deste domingo, começa em todo o território nacional a campanha de recenseamento eleitoral, com vista as eleições presidenciais de Julho próximo. O Presidente da Comissão eleitoral Nacional, Victor Correia, (na foto), disse ao Téla Nón que prevê um aumento de 6 a 8% de eleitores.

O último recenseamento eleitoral de raiz realizado no ano passado, e que permitiu a realização das eleições legislativas, autárquicas e regionais, fixou o eleitorado são-tomense em 78 mil 796.

Num país de cerca de 160 mil habitantes, sendo a maioria jovem, a Comissão eleitoral Nacional, espera um crescimento de inscrição de novos eleitores para as presidenciais na ordem de 6 a 8%. «Estamos a prever um aumento de 6 à 8% de eleitores, só a nível nacional», assegurou o Presidente da Comissão Eleitoral Nacional.

Victor Correia, recordou que para as eleições presidenciais os cidadãos emigrantes também são chamados a exercer o poder político. A comunidade emigrante em Angola, Guiné Equatorial, Gabão e Portugal, deverão participar no recenseamento de raiz que começa em Abril próximo.

A Comissão Eleitoral Nacional, garantiu ao Téla Nón, que já tem meios técnicos e materiais para dar início este domingo ao processo de recenseamento de novos eleitores em São Tomé e Príncipe.

No entanto as dificuldades financeiras, são evidentes, reconheceu Victor Correia. «Ainda não temos todo o montante financeiro para fazer o trabalho. O Governo já disponibilizou 2 mil milhões de dobras (1 euro igual a 24.500 dobras) para realização dos trabalhos. Mas o orçamento que apresentamos é de 18 mil milhões de dobras», explicou.

Segundo o Presidente da Comissão Eleitoral Nacional, o montante em causa visa apenas a actualização dos cadernos eleitorais em São Tomé e Príncipe e a realização do recenseamento eleitoral de raiz na diáspora.

Dificuldades financeiras que não tiram optimismo a Comissão Eleitoral Nacional. Victor Correia, disse ao Téla Nón, que o Japão vai financiar boa parte do processo. Através do Fundo de Contra-partida resultante da venda do arroz, ofertado a São Tomé e Príncipe, o reino nipónico vai colocar a disposição da CEN um total de 11 mil milhões de dobras.

Estados Unidos de América e PNUD, são outros potenciais patrocinadores das eleições presidenciais que deverão acontecer em Julho próximo.

Abel Veiga

Deixe um comentario

*