Política

Evaristo Carvalho reuniu em Sacavém a diáspora santomense

O Presidente da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe e candidato da Acção Democrática Independente, ADI, as eleições presidenciais deste ano, Evaristo Carvalho, reuniu-se com os são-tomenses na tarde deste sábado, 25 de Junho, na Urbanização Terraços da Ponte, a conhecida Quinta do Mocho em Sacavém – Loures, perto da capital portuguesa.

Mário Bandeira, um interventor da diáspora em Portugal, crítico das sucessivas políticas optadas pelos diferentes governantes do país e antigo membro fundador do partido CÓDÓ, deu início a tarde com um discurso apelando os votos ao seu favorito, porque a corrida de catorze candidatos a cadeira do Presidente da República, demonstra que não há entendimento na classe política são-tomense e que Evaristo Carvalho é um homem de consenso, deve ser ele, o eleito no dia 17 de Julho.

O moderador dos trabalhos, uma antiga figura da propalada Mudanças de 1990/91 que actualmente resume a sua participação cívica nas presenças habituais num jornal online das ilhas com textos despertando a deriva da Nação, argumentou ainda de que a opção no Evaristo Carvalho, deve-se ao seu discurso reconciliador virado para o futuro e não no regresso ao passado, daí, não dividir os são-tomenses, pelo contrário, o meu candidato, quer unir o país a volta da solução dos problemas que imperam o nosso desenvolvimento.

Evaristo Carvalho que iniciou o seu discurso com uma reflexão exaustiva e histórica da sua participação na luta pela independência nacional e da sua contribuição na equipa directiva do regime dos quinze anos alegou que a partir do início dos anos oitenta conjuntamente com os outros compatriotas que pressentiam de que havia a necessidade de mudar o caminho que o país se direccionava, rejeitamos a política de então e afastamo-nos do MLSTP. Recordou ainda, na condição de são-tomense nacionalista, santanista de nascimento e citadino de residência permanente desde os meus dez, onze anos, nunca desisti em dar a minha contribuição pelas causas do país, onde achasse necessário o meu envolvimento.

Questionado por uma das intervenções da diáspora presente, se considerava um homem de consenso, quando a altura da mudança fez parte dos descontentes do MLSTP que ajudou a formar o Grupo de Reflexão, o PCD e, com as divergências entre o Governo do Partido de Convergência Democrática e o Presidente da República, rapidamente saltou para a ADI, Evaristo Carvalho, justificou-se de que as minhas opções foram sempre ponderadas e decididas ao favor de São Tomé e Príncipe. No meio daquele turbilhão e convidado pelo Presidente Trovoada a assegurar um Governo de iniciativa presidencial, não podia recusar. O mesmo sucedeu-se com o Presidente Fradique Menezes e o Governo legítimo de Pósser da Costa. Eu tive que assumir o meu papel de figura de consenso, não obstante, não estivesse de acordo com a queda desse Governo que estava há meses de completar a sua legislatura. Reclamou o seu papel de reconciliador, adiantando de que organizei e realizei as eleições no tempo devido. Devolvi, quer num caso quer noutro, o poder aos vencedores das eleições na maior tranquilidade. Nesses anos da minha intervenção política pelo país já dei provas convincentes de que não tenho ambições em usar o poder político para ser rico. Defendeu Evaristo Carvalho como que a sua manifestação e condenação a usurpação do bem público pelos actores políticos da elite são-tomense.

Uma outra questão com que Evaristo Carvalho teve de lidar, deve-se a sua presença na corrida eleitoral na condição de uma imposição de ADI, o seu partido que tem o Governo do país e a maioria parlamentar, não venha a desembocar no abuso do poder numa democracia tão frágil quanto a são-tomense. O candidato deu exemplos de países democráticos e utilizou o caso actual de Portugal como uma prova de opção do eleitorado com que os políticos devem lidar ao bem da Nação. No concernente ao poder presidencial de vetar, se estaria em condições de reprovar qualquer proposta normativa vinda do seu ADI, Evaristo Carvalho, afirmou que na convicção de ser o eleito no dia 17 de Julho, passarei de imediato a ser o Presidente de todos os são-tomenses, um Presidente da estabilidade política e não o Vice-Presidente do ADI.

Não convencido com os seus fundamentos, uma outra intervenção vinda da assistência incomodou o candidato, recordando de que Fradique Menezes chegou a presidência da República pelas mãos de Miguel Trovoada e no dia seguinte tornaram-se inimigos. O senhor a ser eleito Presidente da República, não passaria também a ser o inimigo do actual Chefe do Governo, Patrice Trovoada? Não é ariscada essa sua aceitação a corrida presidencial?

Eu, Evaristo Carvalho sou um homem sério, honesto e permanentemente advogado das causas dos são-tomenses. Advogou o candidato presidencial. Não me abdicarei de arbitrar o jogo político são-tomense e quando for necessário a usar o cartão vermelho ou amarelo saberei fazê-lo em prol dos são-tomenses e da Nação. Defendeu o candidato que disse também não ter um projecto de sociedade a apresentar ao eleitorado, porque sabe distinguir o papel do Presidente da República do das outras instituições democráticas, sendo a matéria governativa do pelouro executivo, eleito no ano passado pelo eleitorado do país para cumprir uma legislatura de quatro anos.

Além do candidato presidencial e de Mário Bandeira, apoiante dessa candidatura, fez parte da mesa da reunião Arlete Zeferino, Vice-Presidente Nacional do Movimento das Mulheres em Acção, MMA, o braço feminino do partido ADI que integrou a comitiva de Evaristo Carvalho na sua digressão de Norte ao Sul de Portugal.

Quinta do Mocho, um bairro constante da boca do mundo pelos maus motivos, recebeu no auditório da Associação Pomba da Paz, o Vice-Presidente da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe e candidato as presidenciais no maior sossego sem qualquer presença policial visível, não obstante, o dispositivo normal de segurança à paisana posto a disposição da segunda figura do Estado são-tomense, pelas autoridades portuguesas.

Depois de Liberato Moniz e Maria das Neves que já sondaram os votos da diáspora santomense, reunindo com a comunidade na Quinta do Mocho, com o escassear dos dias, quem será o senhor candidato que se segue, tendo em conta que Elsa Pinto já reuniu com os emigrantes em Lisboa?

Uma verdade que já não comporta qualquer margem de dúvidas é a de que a campanha eleitoral presidencial são-tomense, ao contrário das legislativas, conseguiu calar todos os críticos e interventores políticos, económicos e sociais na diáspora, espalhando-lhes na direcção das diferentes candidaturas, ou seja, distribuiu o mal pelas aldeias, o que significa que o Governo de Patrice Trovoada que já gozava da paz da oposição parlamentar, agora tem razões de sobra para também estar em paz com a sociedade civil das santas ilhas.

«No concernente a diáspora são-tomense usarei a magistratura de influência junto as autoridades de países de acolhimento para que sejam desenvolvidas políticas que visem a melhor integração dos concidadãos que tiveram de optar pela emigração. O actual Governo das ilhas tem desenvolvido no seu programa políticas viradas a valorização da diáspora são-tomense.» Promessa e garantia de Evaristo Carvalho no encontro de Quinta do Mocho-Sacavém.

26.06.11

José Maria Cardoso

    27 comentários

27 comentários

  1. santa catarina

    27 de Junho de 2011 as 11:17

    Bem haja Senhor Evaristo carvalho.
    Estamos a espera e ancioso desta estabilidade que tarda em chegar.
    Viva STP

  2. Miltom

    27 de Junho de 2011 as 12:03

    Palavras BOM SENSO… COERÊNCIA..é por causa disso que brasil perdeu a copa 2010 ..devido o técnico quíz ser coerente…a momentos que termos que ser ousados e renovadores..deixar a nova geração comandar também ..”UM TEMPO NOVO PARA TODOS”..

  3. Anca

    27 de Junho de 2011 as 13:38

    Pois um país, novo e moderno, se constrói, quando sabemos,ser e estar, para melhor saber fazer,para o bem de todos.

    Quando todos soubermos ser e estar, rapidamente saberemos fazer com inteligência para um caminho rumo a trajectória diferente,para o desenvolvimento e bem estar.

    Mais para isso temos que vencer o obscurantismo, a ignorância,o analfabetismo, à falta de humildade e ponderação,o egoísmo e inveja que existe dentro de cada um de nós.

    A sociedade muda,quando muda o comportamento e pensamento dos Homens e cidadãos que a compõem.

    Pois as aves do mesma espécies agem da mesma forma e andam em grupo,comem em grupo, defendem-se em grupo para o bem de todos os indivíduos que compõem a mesma espécies, e as aves de espécies e comportamento diferentes agem e comportam-se de modo diferentes.

    A nossa sociedade foi criada e estratificada, com várias culturas e povos vindos de diferentes locais e espaços da qual tinham um modo de pensar e agir característicos, pois se não formos capazes de nos unir e agir de modo coeso,dentro daquilo que são as nossas diferenças,rapidamente os outros povos e sociedades mais evoluídas,vão perceber as nossas fragilidades como povo,e vão mais uma vez tentar nos dividir para reinar, como já aconteceu no passado, submetendo-nos ao subdesenvolvimento e a pobreza, pondo em causa a nossa, soberania enquanto povo e nação de indivíduos livres.

    É necessário que haja indivíduos responsáveis a dirigir e governar o país com capacidade de dar exemplo(agindo,escrevendo,pensando para o bem comum), de como podemos nos unir, para nos defender, rumo ao desenvolvimento e bem estar de todos.

    Assim mudaremos a nossa sociedade rapidamente.

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

    Bem haja a todos

  4. Primo de Evaristo Carvalho

    27 de Junho de 2011 as 14:12

    Fogo avó Evaristo, palácio do Povo não tem quarto suficiente para meter todos os seus filhos (mais 40 filhos), cada um com uma mulher.
    O senhor devia ter vergonha, não serve de exemplo para ser Presidente.

    Um homem com filho espalhado em todo canto de STP!

    Velho tlobê subê..

    • STP Trading, Doca Pesca, Passeio da Cidade

      27 de Junho de 2011 as 15:33

      Realmente, esse homem não é exemplo nenhum, tantos filhos cada um com sua mãe..

      • Gógó

        27 de Junho de 2011 as 15:59

        Ele é tesudo

        Fôrro Gigti,

        Puro Homé Santomé

        • Diana

          28 de Junho de 2011 as 13:29

          Claro,

          Patria – Pai – Pais, sem patria. Filhos sem pai…filhos sem patria.

          Logo.
          Quem ganha são os angolanos, os nigerianos etc..

          Os machões vão dando cabo da sua terra para sustentar as boquitas.

          Já te perguntaste como é que ele sustenta mais do que uma mulher sem tirar de ninguém?

  5. Anca

    27 de Junho de 2011 as 15:12

    Existe um ditado, que diz que os pobres precisam de alguém que pense e agi, por eles…,

    pois com a sua pobreza, miséria e fome estão incapacitados e agir e pensar…,

    Hora sabendo nós, que o mundo está estratificado em, países desenvolvidos,países desenvolvidos médios,e países subdesenvolvidos, que é exemplo o caso de São Tomé e Príncipe,

    Como podemos fazer para sairmos do subdesenvolvimento, pobreza e miséria que nos encontramos, e a que chegamos?

    Agindo(mudar de comportamento) e pensando(mudar de pensamento) como no ditado acima a semelhança dos povos dos países ditos desenvolvidos.

    Pois para sermos desenvolvidos, temos que espreitar os comportamentos(modo de pensar e agir) daqueles que nos acham subdesenvolvidos(os ditos países desenvolvidos,estando atentos os seus modos de pensar e agir, subtraindo aquilo que fazem de melhor para o bem de todos, sem mudar aquilo que de bom nos caracteriza enquanto povo, e sociedade, pois por isso, somos hoje livre, por termos uma cultura diferente que devemos defender e valorizar,por exemplo, o dialecto fôrro,a ussúa,o dialecto linguiê, a Dexa,o tchiloli,a puita, o danço de côngo,o calúlú, o d´jogó,etc,etc…pois nos caracteriza enquanto povo e sociedade.

    O ser desenvolvido, implica primeiro perceber conhecer, quais as nossas fragilidades e fraquezas enquanto nação e povo,segundo agir e espreitando o modo de ser estar daqueles que nos acham subdesenvolvidos, alterando e apreendendo com aquilo que consideramos ser erros de visão dos ditos desenvolvidos,mas também mudar aquilo que considerar-mos bom nos ditos desenvolvidos e evoluídos, de modo a aperfeiçoar o nosso modo de ser estar(nossa cultura), traçando um caminho diferente, mesmo em relação ao modo de ser estar e pensamento daqueles que nos acham subdesenvolvidos, mais primeiro temos que ganhar a consciência do bem e do mal da nossa existência enquanto cidadão,povo,sociedade,País livre.

    Pois nas costas dos outros, vê-se a nossa,

    tanto para o nosso bem, como para o nosso mal.

    Nunca esperemos que os outros pensem por nós.Unamos de uma vez por todas para o bem de todos nós Santomenses.

    Não continuemos a dividir para reinar como foi no passado até hoje(colonialismo,independência,e abertura democrática),no fundo ampliamos um fenómino,(pratica,modo de agir) que nos foi imposto, veio de trás, já na era colonial,pois tomamos como exemplo, essas praticas como sendo pertencente a nós,(assim como o bacalhau cozido com batata e bom vinho,não que comer bacalhau ou qualquer prato típico português e beber bom vinho desejável não seja desejável, nada disso, pois vivemos num mundo globalizado,os nossos pratos também são apreciados por portugueses), sem nos apercebemos da evolução do mundo, outro modo de ser estar e de pensar, e isto devido ao nosso indelével isolamento interno/externo marítimo, aéreo,rodoviário, mental, mantendo-nos assim na ignorância e obscurantismo na relação com outros povos ditos evoluídos e desenvolvidos.

    Pois, uma ideia de sucesso, implementada num determinado espaço e momento,
    pode ter sucesso desde que bem aplicada a formula o principio ideia que a criou, pois assim diz a regra da probalidade,desde que se sigam bem a fórmula, ou reformulando-a para melhor.

    Por ex;
    uma receita de bolo que tem sucesso de venda num mercado,

    tem a probalidade de ter o mesmo sucesso, desde que a receita seja bem aplicada a fazer o bolo.
    ex,
    500g de farinha,
    depois mistura-se 600g de açucar
    etc,etc… por aí fora

    se quisermos melhorar a receita então temos que a melhorar,

    como temos que investigar e inventar nova receita com novos ingredientes e experimentar.

    Pois assim também sucede na nossa vida assim como na vida e trajectória de um País,na vida de um povo.

    É preciso escolher(fazer triagem)dos dirigentes sérios, responsáveis,humildes,ponderados que tenham esta visão, que possam dar exemplo daquilo que é uma nova receita e formula para os problemas que nos assolam enquanto nação e povo, para o bem de todos.

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

    Bem haja a todos

  6. Lucileide Lima ( GIBELA)

    27 de Junho de 2011 as 15:15

    Tenha calma Camarada Ervaristo. O Senhor já é Presidente da Assembleia. Quem com o pouco não se contenta muito não lhe Chega. Descança em em Paz Aqui Jaz

    • Luis

      28 de Junho de 2011 as 14:39

      Credo!Estes apoiantes de Pinto da Costa perderam completamente a moral! Também com nome de travesti tudo vale!

      Imagino que este candidato deve ter muito mais paz na consciência do que vocês.

      Como o povo pode parecer mas não é parvo quem irá descansar mas sem paz na consciência será você e o seu Pinto.

  7. lino

    27 de Junho de 2011 as 15:17

    VENHO PERGUNTAR O SEGUINTE:
    porque vão todos para a “quinta do Mocho”?
    Por mim, devem pensar que o pessoal de lá são ignorantes e fáceis de manipular.
    Coitado desse pessoal.
    Vão atás desses senhores….votão e no final continuam na treta.
    Lembram-se do Fradique!?
    Tb andou por lá.
    Depois , ganhou a eleições e nunca mais pôs lá os pés.
    è tudo interesse .
    Tudo tan~ga.
    Deixem de ser parvos amogos.
    Não deviam aparecer nessas campanhas.
    Só vão aí gentes para enganar-vos.
    deixem de andar atrás de migalhas.

  8. bom gosto

    27 de Junho de 2011 as 15:32

    Acho que o problema de filhos, agora não é relevante.Temos na verdade que escolher um homem de consensos.Homem de estabilidade.Homem verdadeiramente santomense.Viva EVARISTO.VIA STP.

  9. serpente venenosa

    27 de Junho de 2011 as 17:47

    Oh senhor bom gosto, não sabes o que dizes pá, ter um monte de filhos espalhados por ahí não é relevante?
    Só pode ser gozo da tua parte?
    Um dirigente com tantos filhos por ahí é sinónimo de um bandido, de um homem mau, desorganizado sem ética, sem moral, aliás num país sério este homem nunca sería político quanto mais Presidente de Assembleia e mais Presidente da República..A brincadeira tem hora, se fosse um outro candidato isto já teria a superfície, mas como é protegido pelo ADI o partido no poder dizem que é irrelevante…
    Meus senhores o nosso país está como está, porque muitos políticos sem moral, sem éctica, sem consciência ignoraram estes principios básicos da vida.Colocaram o poder e o dinheiro acima de tudo enganando os coitados…Francamente este senhor Evaristo sabe e deve ter a consciência do pecado cometido antes de abrir a boca,não serás vencedor mesmo que uma parte de ADI te apoie…

  10. Anca

    27 de Junho de 2011 as 17:49

    Falta-me um comentário

  11. Manuel costa

    27 de Junho de 2011 as 17:51

    O Avô Evaristo sabe que é pau mandado do Patrice Trovoada. Que pena.
    Só com cristo.
    Fui

  12. Manuel costa

    27 de Junho de 2011 as 17:52

    ja me disseram que os filhos do avô Evaristo não concordam com a sua candidatura.
    Quá Lí…

  13. Anca

    27 de Junho de 2011 as 17:53

    Por favor publiquem o comentário em falta

  14. Paracetamo 500mg

    27 de Junho de 2011 as 18:47

    Quando foi primeiro ministro por ocasião (aproveitando uma crise politica para ser 1º Ministro, saiu do palácio com um grande jeep toyota land cruiser top de gama. Dedo na vista não senhor.

    Gostaria de saber se, caso não ganhe as eleições, colocará a sua cadeira de Presidente da A.Nacional a disposição?

    Não tem que temer colocar o seu lugar a disposição. Seria o mais correcto, coerente, e de bom senso da parte do Sr. Evaristo Carvalho, colocar a disposição o seu lugar caso não vença as eleições.

  15. principe

    27 de Junho de 2011 as 19:01

    Os candidatos não conhecem outros cantos de portugal que vivem saotomense também? Todos os candidatos que passam em portugal vão concentrar em sacavem como se la vivesse todos os saotomense que estão em portugal…ja porque la vive foros pronto, é porque não existe mais saotomense por outros cantos de portugal.

  16. Anca

    27 de Junho de 2011 as 19:25

    Porque não publicam o meu comentário?

  17. MELHORES DIAS VIRAO

    27 de Junho de 2011 as 21:08

    Só com um debate televisivo,com todos os candidatos,assim como acontece aqui em Portugal,saberemos quem é quem!A democracia assim sai a ganhar e nós ficamos com uma noçao de quem é quem.Que Deus abençoe S.Tome e Principe!!!!

  18. Intrigado

    27 de Junho de 2011 as 21:59

    Acho que vou votar nele, mas sei que muitos não, porque vão dizer:Bom senso, Calma, Estabilidade Governativa, Honestidade? Isto não é para nós!Queremos é fogo!
    Uma gaja ou um gajo que promete o Céu e a Terra… e não cumpre! Que mude 10 governos (de preferência de uma só vez!)!Queremos um gajo com um mega carro, quinta, piscina, TUDO COM O NOSSO DINHEIRO!
    No bila dôdô!

  19. Conóbia cumé izê

    28 de Junho de 2011 as 9:25

    Rosa casaca foi da Pide. Organizou e matou o General Humberto Delegado. fez parte do regime do SALAZAR. Não devemos apostar em nenhum candidato que fez parte do regime de GORGULHO PRETO em STP.Aconselho o Senhor Evaristo de Carvalho de 70 anos de idade como amigo a sair desta atrapalhada. Cuide sua vida e dos seus netos e esperando com fé em Cristo o fim da vida a que todos temos direito um dia. Ser não se deve ser marionete toda vida. Aos setenta anos, é uma pena e complicado.O Povo de STP perdou o passado mas não esqueçeu.Fique quieto … Não arranja mais problemas para sua vida.Deixe esse isso para os jovens e dá-lhe conselhos. O mundo mudou.Miliom sun fô dôquê sum légamu ! … Fui

    • Joaquim Marcelino

      28 de Junho de 2011 as 14:55

      Conóbia, tenho que te esclarecer, porque tal como muitos compatriotas, não sabes o que é um regime semi-presidencialista.

      Num país normal e com o nosso regime semi-presidencialista o Sr.Evaristo Carvalho como Presidente da Assembleia, mais velho, e consensual entre os Partidos, seria o candidato ideal e o Presidente natural de S.Tomé e Principe.

      Mas como muitos dos nossos compatriotas não sabem ainda que o presidente não tem poderes executivos, não se aperceberam daqueles que lhes querem enganar com promessas que nunca vão cumprir.

      Por isso temos tantos candidatos a presidência! Percebes?

      Os nossos espertos compatriotas querem é se aproveitar da nossa ignorância.Querem de facto trabalhar 1 mês e viver a nossa custa toda a vida.

      Conobia ê, bili uê oh!

  20. Joaquim Marcelino

    28 de Junho de 2011 as 15:07

    Deixo aqui o artigo da constituição que descreve as competências do presidente da República. E pergunto que revolução poderá fazer algum jovem com estas competências?

    Em minha opinião os jovens deveriam organizar-se nos Tribunais, nos Partidos e Governos. Deixando a presidência para os mais velhos e os mais consensuais.

    Um dia quando percebermos seremos melhores alunos!

    Artigo 80.º
    Competência própria
    Compete ao Presidente da República:
    a) Defender a Constituição da República;
    b) Exercer as funções de Comandante Supremo das Forças Armadas;
    c) Marcar, de harmonia com a lei eleitoral, o dia das eleições para
    Presidente da República, para a Assembleia Nacional e para as
    Assembleias do poder regional e local;
    d) Convocar referendo a nível nacional e marcar a data da sua realização;
    e) Promulgar as leis, os decretos-leis e decretos;
    f) Indultar e comutar penas, ouvido o Governo;
    g) Declarar o estado de sítio e de emergência, ouvido o Governo e depois
    de autorizado pela Assembleia Nacional;
    h) Autorizar a participação das Forças Armadas são-tomenses em operações
    de paz em território estrangeiro ou a presença de Forças Armadas
    estrangeiras em território nacional, sob proposta do Governo, ouvido o
    Conselho de Estado e mediante o assentimento da Assembleia Nacional;
    i) Requerer ao Tribunal de Constitucional a fiscalização preventiva da
    constitucionalidade ou legalidade dos diplomas legais e dos tratados
    internacionais;
    j) Conceder as condecorações do Estado.

  21. Maria Guerra

    28 de Junho de 2011 as 17:20

    Pois para vir reunir compatriotas e apoios politicos o Sr podes(leitura em brazil como o da zora total), para ser elito o sr. podes, o tempo e o palavrado também podes.E para juntos os estudantes revindicar necissidades vutasi que faltam os estudantes em portugal o sr não pode?(agora em português poruqe a brazileiro leva outar intrepretação eo sr não deve fugir da respiosta.)
    XD

  22. MANUEL PENHOR

    5 de Julho de 2011 as 10:47

    Os politicos nunca fizeram nada para os que vivem em diaspora e so recordam dos mesmos quando precisam de votos para engordar o poder politico porque?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo