As 9 candidaturas assinaram código de conduta eleitoral

O documento com 24 pontos foi assinado pelos mandatários das 9 candidaturas às eleições presidenciais. Foi um desafio da Comissão Eleitoral Nacional, lançado aos 9 candidatos. Garantia da paz e tranquilidade durante a campanha eleitoral, é um dos objectivos do código de conduta eleitoral.

Dentre outros aspectos, contidos nos 24 pontos do código de conduta, os 9 candidatos às eleições presidenciais, comprometem-se em aceitar os resultados legítimos das eleições ou contestá-los no Tribunal Competente, nos termos das leis eleitorais. O ponto número 7 do código de conduta, refere que os candidatos devem contribuir, para que os cidadãos eleitores votem de forma livre e sem exercer sobre os mesmos qualquer tipo de influência ilegítima.

O ponto número 16 do código de conduta realça a necessidade de se garantir a paz e tranquilidade. «Durante a campanha usar linguagem que contribua para um ambiente pacífico, não difamando, ameaçando, incitando à violência, ou dirigindo críticas de natureza pessoal, sobre qualquer pessoa ou grupo de pessoas, nomeadamente outros candidatos e seus apoiantes», diz o ponto 16 do documento.

Em nome dos mandatários, Alberto Paulino, sublinhou a importância do documento assinado pelas nove candidaturas. «No fundo é uma manifestação do interesse dos candidatos através dos seus mandatários em cumprir as normas do código de conduta, para que haja harmonia, paz e tranquilidade durante a campanha eleitoral, para que campanha eleitoral seja um momento de festa. Não um momento de divisão no seio da sociedade», afirmou o jurista Alberto Paulino.

A Comissão Eleitoral Nacional, que lançou o desafio aos candidatos, diz ser a primeira vez em São Tomé e Príncipe, que os concorrentes ao cargo de Presidente da República, assinam um código de conduta eleitoral. «A Comissão Eleitoral Nacional, pretende que seja uma campanha pacífica, onde haja paz e harmonia. É nesse sentido que a CEN lançou esse desafio aos candidatos, através dos seus mandatários», afirmou João Ramos, na qualidade de porta-voz da CEN.

Abel Veiga

  1. img
    Paracetamol 500mg Responder

    Pode-se retirar da assinatura deste pacto, como um anuncio de que as candidaturas excluídas não vão readmitidas.

    Ao certo, trata-se de proteger os candidatos, dado que, todos estão manchados e sujos, por corrupção.
    E não há consequências em caso de violação desse pacto?

  2. img
    Nando Vaz (Roça Agostinho Neto) Responder

    Gostei da iniciativa da CEN. No que tange ao código de conduta eleitoral, ponderação para o fortecimento e consolidação da Democracia Santomense!..

  3. img
    Grupo Zero Responder

    Iniciativa ridícula e despropositada.

    Show off.

  4. img
    JAILSON CRAVID Responder

    tanta confusão para nada servir

  5. img
    Quebra Osso Responder

    este pacto não tem qualquer valor, existe porque muitos dos candidatos estão envolvidos na corrupção.
    a Assembleia Nacional é que tem poderes para fazer leis, pactos, etc

Deixe um comentario

*