Política

Palácio do povo volta a ser local de trabalho do Presidente da República

O Palácio do Povo voltou a ser com Pinto da Costa o local de trabalho habitual do Presidente da República. Ao contrário do seu antecessor, o novo presidente desloca-se diariamente para o palácio cor-de-rosa onde passa grande parte do dia.

Nestes primeiros tempos de mandato a postura do Presidente tem sido caracterizada por alguma discrição numa fase em que, mais do que agir, Pinto da Costa tem-se preocupado sobretudo em ouvir, segundo revelou ao Tela Non uma fonte da Presidência.

Nesse sentido o Presidente tem recebido, em audiência, no palácio, representantes dos mais variados sectores da sociedade santomense e tem desenvolvido, em conjunto com a sua equipa, um estudo detalhado sobre os principais dossiers socioeconómicos do país bem como sobre as questões estruturantes para o futuro como o petróleo e as grandes infra-estruturas.

Politicamente e fiel à promessa de tudo fazer para um bom relacionamento institucional entre a presidente e o governo, Pinto da Costa mantem contactos regulares e frequentes com o primeiro-ministro de modo a colocar em prática a prometida cooperação entre órgãos de soberania, um eixo que considera fundamental para a estabilidade política.

Segundo a mesma fonte do palácio, Pinto da Costa decidiu manter fora do domínio público as reuniões de trabalho com Patrice Trovoada de modo a que, tal como acontece noutras democracias, os encontros decorram sem qualquer tipo de pressão que possa condicionar o relacionamento entre ambos.

No que respeita ao combate à corrupção, uma das bandeiras para o seu mandato reafirmada no discurso da tomada de posse, o Presidente, nesta primeira fase, quer começar por dar o exemplo na sua “própria casa” e para isso decidiu estabelecer regras claras no funcionamento dos serviços da presidência da república.

Assim e para além da orgânica publicada através de decreto presidencial está em fase de conclusão um regulamento interno, em nome da transparência com regras, sobre contratação de serviços, marcação de audiências e até, um código deontológico com normas de conduta para todos os que prestam serviço na presidência da república.

Segundo explicou a fonte do Tela Non, o Presidente Pinto da Costa tenciona, a curto prazo, “tornar os serviços da presidência um exemplo ao nível da administração pública do país”.

Abel Veiga

    18 comentários

18 comentários

  1. Helves Santola

    31 de Outubro de 2011 as 13:57

    Oba, as expectativas são grandes. Pelas informações publicadas, a postura do Presidente era a que eu esperava. Observador num primeiro momento, está a se inteirar do estado das coisas e bem perto da sociedade. Esperamos que “a presidência” de MPDC seja mesmo um exemplo nacional de transparência e de boa governação. Abraços

  2. Abúbè e gíquitxi

    31 de Outubro de 2011 as 14:37

    De facto, ir depressa demais é coisa de gente sem norte. Mas parece que o povo que estava à espera de orientação do senhor presidente para maior envolvimento nas decisões importantes quanto ao futuro do país, já está com medo de chegar tarde para evitar o derramamento do petróleo nos acordos secretos. O povo já está com medo de ser rico e morrer com fome e sem assistência nos hospitais devido a desvio crónico das riquezas da nação. Fica toda a gente a espera que o nosso presidente ensine a reverter o curso da maldade em S.Tomé.

  3. MÉ SOLO

    31 de Outubro de 2011 as 16:17

    È mesmo assim,

    Cada governo com seu governar, cada chuva com seu lamaçal.

    O importante é que haja estabilidade política para atrair investimento externo e poder desenvolver o país.

    Viva STP

    • Bartolomeu Lêdesaua

      1 de Novembro de 2011 as 12:34

      Não né a primeira vez…
      SEI QUE ESSE COMENTÁRIO NÃO VAI SER PUBLICADO, MAS A MINHA CONSOLAÇÃO É QUE TENHO CONSCIÊNCIA DE QUE PELO MENOS” TELA NOM “FICA A SABER O MEU PONTO DE VISTA.

      Refugiar-se na estabilidade, só por si, para atrair o investimento?
      Valia-me Deus! …
      Todos nós sabemos que não basta a “estabilidade!“
      Permita-me, sem pretensão de querer dar lições:-
      A estabilidade é apenas um factor necessário, indispensável e importantíssimo, mas não o suficiente para atrair os investidores.
      Sabemos também que é difícil combater a corrupção, mas não é impossível, a competência que se serve para combater a corrupção, é a mesma que serve para combater todos outros males de que enfermam o desenvolvimento de São Tomé e Príncipe.
      Pois, torna-se imperioso complementar a estabilidade com outros componentes que são também tão importantes, necessários e indispensáveis para garantir a confiança aos investidores, cito:-
      A intensificação de uma cultura séria, honesta e responsável para combater a corrupção, o bom funcionamento de Polícia e dos Tribunais, a intensificação do controlo e transparência dos negócios de coisa pública, sem se esquecer da imagem cuidada dos rostos das cidades mormente da cidade capital, o que irá contribuir para melhoria das actividades turísticos de qualidade já existentes.
      Incrementar o melhoramento na área de Saúde e formação profissional capaz de satisfazer casos emergentes.
      Também se impõe uma comunicação social ao serviço de verdade e só a verdade, imbuído no espírito democrático e nunca para difamação e/ou denigrir fosse o que fosse nem de quem fosse, mas nunca ao serviço de politiquice;
      Com inteligência e determinação de fazer bem e melhor
      São Tomé e Príncipe vencerá

  4. ECAS

    31 de Outubro de 2011 as 16:33

    O verdadeiro lider é aquele k lidera pelo exemplo, com muita humildade, prudência, solidariedade aos demais elementos da S/equipa e meios posto a sua disposição, organização, informação, Transparência, etc…
    A expectativa é grande, muito grande, logo, o N/Presidente ñ pode falhar.

    Por isso, enquanto Santomense k SOU, desejo k Deus lhe dê a INTELIGÊNCIA Infinita e SABEDORIA para cumprir os seus compromissos de campanha e discurso de tomada de posse e para de uma vez por todas, criamos as bases necessárias para rumarmos O NOSSO país num sentido de maior consenso.
    Bem haja!

  5. Lembá

    31 de Outubro de 2011 as 17:15

    Se continuar neste dialogo franco e nobre, pode ser um forte candidato ao prémio IBraim.
    Haver vamos!
    Ele tem condições. O povo agradece.

  6. Francisco Ambrósio Agnelo

    31 de Outubro de 2011 as 17:17

    Não é nada mais do que a perca de tempo. Quando se fala em analisar questões que se prendem com grandes infra-estruturas, tem a ver com o desmantelamento do bairro de Reboque, a sua urbanização, tal como outros bairros que não tem qualquer classificação em termos Urbanístico? Essa terra de homens de 7 ofícios, situado no coração da Cidade, a mais populosa do País, não passa de ser a mais vergonhosa de todos os tempos. Porém, à que pensar como intervir nesta. O relacionamento institucional não depende dos encontros periódicos entre às partes, pois este poderá ser quebrado pelo facto de certa matéria não ser de consenso. Nos locais em que a Democracia é adulta, não tem faltado algumas picardias. Portanto, esta é ultrapassada em nome da defesa dos interesses nacionais, com a cedência de uma das partes. O empecilho é aquele que está à defender-se sem ser atacado, razão pela qual no nossa sociedade quando se quer não há quem

  7. NINA

    31 de Outubro de 2011 as 20:17

    BOM SINAL

  8. manuela de mamade

    31 de Outubro de 2011 as 22:19

    As indumentarias do palacio, devem ser devolvidas ao seu lar. Quem nao conhece os pertences do palacio em casa de cada um.
    Sofas, cadeirao, cortinados, loiças, inclusive as sanitarias. Qua li…
    Tudo que foi dado ou adquirido, pelo antigo (FM), enquanto chefe de estado, pertence em bom rigor a presidencia, sobretudo movel.Sabiam:

    • Antonio Santos

      5 de Novembro de 2011 as 20:29

      Olha , senhora Manuela de Mamade pergunte ao proprio Pinto para onde ele enviou coisas do Palacio em 1991.
      Sérios? So no inferno.
      Fui

  9. Monamgamba

    31 de Outubro de 2011 as 22:22

    Muita banalizacao da coisa publica.
    Presidente presisa-se.

  10. Anca

    31 de Outubro de 2011 as 22:46

    Matéria que deve preocupar a sociedade civil organizada, Santomense, as autoridades competentes, e que deve ser, uma das prioridades do Presidência da República, do governo e do cidadão Comum, em particular.

    Atentem a informação veiculada ontem, pelo jornal português DN;

    “Papa denuncia mortes associadas à feitiçaria”

    “O papa Bento XVI denunciou hoje as mortes de crianças e idosos associadas à feitiçaria em determinadas regiões de África durante a três semanas da sua segunda viagem aquele continente. ”

    “”O coração dos baptizados está por vezes dividido entre o cristianismo e as tradições africanas”, disse Bento XVI a bispos de Angola e de S. Tomé e Príncipe durante a visita “ad limina”, a tradicional visita que os bispos de determinado país efetuam cada cinco anos ao Vaticano.”

    “”Aflitos com os problemas da vida, não hesitamos em recorrer a práticas que são incompatíveis com o caminho de Cristo.” “Os abomináveis efeitos são a marginalização e mesmo a morte de crianças e de idosos condenados pelas falsas percepções da feitiçaria”, acrescentou num discurso divulgado pela assessoria de imprensa da Santa Sé.”

    “”Lembrando que a vida humana é sagrada em todas a fases e situações, continuai caros bispos a elevar a voz a favor das vítimas da feitiçaria”, prosseguiu o papa, exprimindo-se em português.”

    “”Atendendo a que se trata de um problema regional, um esforço conjunto das comunidades religiosas contra esta calamidade será oportuno, procurando compreender o significado profundo destas práticas bem como os seus riscos pastorais e sociais para elaborar um métodos que permita a sua erradicação definitiva, em colaboração com os governos e a sociedade civil”, estimou.”

    “O papa criticou também as uniões conjugais fora do matrimónio nos dois países lusófonos.”

    “Bento XVI afirmou que o primeiro dos “escolhos” onde “naufraga a vontade de muitos são tomenses e angolanos que aderiram a Cristo” é o “chamado ‘amigamento’, que contradiz o plano de Deus para a geração e a família humana”.”

    “”O reduzido número de matrimónios católicos, nas vossas comunidades, indica uma hipoteca que grava sobre a família, cujo valor insubstituível para a estabilidade do edifício social conhecemos”, acentuou o Papa.”

    “Depois de lembrar que a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé “escolheu o matrimónio e a família como prioridades”, Bento XVI vincou que o “amor esponsal” deve ser “único e indissolúvel”, sendo este um “tesouro precioso” que “deve ser salvaguardado, custe o que custar”.”

    “O papa recebeu os bispos angolanos e são tomenses a três semanas da sua segunda viagem ao continente africano, uma deslocação que levará Bento XVI ao Benin de 18 a 20 de Novembro, para proferir uma “exortação apostólica” aos bispos do continente.”

    “Bento XVI visitou pela primeira vez o continente africano em Março de 2009 quando se deslocou aos Camarões e a Angola, onde pediu aos católicos que trabalhassem na conversão dos seguidores da feitiçaria.”

    “Cerca de 55 por cento da população angolana é católica e 25 por cento refere crenças tradicionais e está referenciada no país a prática de sacrifícios humanos envolvendo crianças, por vezes acusadas de feitiçaria.”

    In Diário de Notícias

    Tendo em conta que 90% da população pertence às igrejas Católica Romana, Evangélica, Nazarena, Congregação Cristã ou Adventista do Sétimo Dia, que, por sua vez, mantém laços estreitos com as igrejas em Portugal.

    E o valor que a instituição, família e casamento, poderá desempenhar na nossa sociedade, no momento sócio-político-económico-financeiro em que o país atravessa.

    Questões da crianças e jovens,seus registo de paternidade.

    Questões dos idosos, discriminação, por associação a bruxaria.

    Questão de desintegração familiar da sociedade Santomense, das famílias com consequências que tem nos filhos, menores(trabalho infantil/ prostituição), violação dos direitos das crianças,discriminação da mulher.

    A violência domestica.

    Em suma violação dos Direitos Humanos = a desintegração social.

    Estejamos atentos.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  11. voz do emigrante

    1 de Novembro de 2011 as 0:08

    O pinto esta ainda a panhar a queda depois irao ver,ainda é sedo minha gente

  12. Digno de Respeito

    1 de Novembro de 2011 as 0:34

    Toda a prudência e ponderação também deve passar pela auscultação da comunidade santomense na diáspora. Ao menos que seja duas vezes ao ano, A reunião com os quadros técnicos fora do País tb é uma boa forma de manutenção da suberania do País.
    Espero que o novo presidente se distancia ou faça distanciar as pessoas porque na democracia existe sempre ideias antagonicas. Por isso, o espaço público é valorizado pelo bem comum – todos pela causa de todos.
    Assim, sãotomenses jamais terão motivo de acusar um ao outro porque somos todos responsabilizados pela culpa de causas mal sucedidas no País.
    Vamos envolver pessoas na verdadeira democratização de São Tomé e Príncipe tornando funcional todos os Órgãos de soberania do País – Relatórios Público

  13. Teodora Martins

    1 de Novembro de 2011 as 8:25

    O nosso presidente tem bases suficientes para levar este país a vante. por isso,temos que saber esperar.É verdade que já esperamos demais… Paciência!
    Se demos um voto de confianca, temos que saber esperar. Penso que o nosso presidente está agir como devia,ouvir prerepresentantes da camada social antes de agir. Isso é uma virtude e muita inteligência. A base para uma boa governacão comeca por escutar antes de agir.

  14. truquim deçu

    2 de Novembro de 2011 as 9:01

    Quero desejar muitas forças ao nosso presidente Manuel Pinto da Costa , quanto a Ambrosio, camarada presidente não liga ele é, e sempre será o teu adversario nunca gostou de te, camarada presidente,mas o melhor de uma boa governação é escutar mesmo toda a sociedade, quero aconselhar o camarada presidente que aranje um conselheiro cristão que não tem interesses na politica, os grandes Reis antigo que tiveram um bom reinados assim procederam, e quando desviavam do conchelho do homém de Deus, sofriam derotas, tem que ser homém de Deus que esteja em comunhão sempre com Deus , possa ser que esta vez, Deus terá a pena de nós santomenses, camarada presidente, precura junto ao governo ,colocar a iluminação na cidade e nas localidades, porque onde há estreva ali abita os demonios, mas onde há luz ali habita os anjos de Deus, parece tão simples, mas não é, vamos todos ajuntar as nossas mãos ligado ao presidente, ao fim de levantar a nossa maravilhosa ilha, deichemos todas as ignorancias ao lado. Bem aja povo de STP e o nosso presidente tambem .

  15. Cláudio Dias

    2 de Novembro de 2011 as 10:53

    Oração

    Orem comigo assim,os amantes do pogresso de S.Tomé e Príncipe: Senhor Jesus Cristo, ajuda o Pinto da Costa a se relaccionar bem com Patricio Trovoada e vice-versa. Ajude-hes também a formarem-se um bloco homogénio junto aos santomenses de todos os extratos social contra a corrupção e abencoe todos os santomenses e os que lá vivem Amém.

  16. Esperanças Renovadas

    2 de Novembro de 2011 as 18:38

    Depois de ter lido todos os comentários que aquí passaram e num breve resumo, cheguei a uma certa conclusão e permitam-me dizer o seguinte:
    1. Não há outra explicação.Sou tentado a ler e comentar;
    2.Por mais que custe aceitar “O PIOR CEGO É AQUELE QUE NÃO QUER VER” E PEQUENOS GESTOS PARA O NOSSO PÁIS NESTE MOMENTO, PODEM FAZER A DIFERÊNÇA E TODOS SOMOS POUCOS PARA ERGUER ESTE EDIFÍCIO E EMPURÁ-LO P´RA FRENTE.
    3. Este tema cai que nem uma bomba relógio e cabe a cada um de nós tirarmos as nossas elações.Entretanto, por natureza sou um homem de optimismo moderado e estou conven cido que o actual P.R.,enquanto estadista que é, um homem maduro e pilar desta nova construção saberá com muita inteligência gerir estas anciedades e espectativa e confiança que o nosso povo nele depositou nas urnas, apontando ao País o rumo certo.De resto, atrevo-mo desejar ao sr. Presidente da República que é preciso acreditar, embora saibamos que a missão é difícil, mas não impossível e que um lider é a figura concensual que aglutina e acrescenta os valores sem perder de vista a “DIÁSPORA” que “GROSSO MODO” é parte integrante deste projecto.O QUE SE QUER E O QUE SE EXIGI DE P.C. Neste seu mandato,um madato moderador, fiscalizador e virado para as pessoas e que insere-se na estabilidade,energico e de diálogo,na acção rápida, na captação de investimentos para o País,na aposta e aconselhamento ao Governo em funções para o aproveitamento de recursos nacionais,exportando mais e importando menos, na formação do homem e na criação de melhores qualidade de vida para as populações, trazendo cidade ao campo e levando o campo às cidades,trazendo a àgua potável e a enegia a casa das pessoas, apostando nas reformas do sector da justiça,na tecnologia de informação e de comunicação,na modernalização do sistema nacional de saúde,na smelhores qualidade do ensino e na inovação de modo criar empregos para os jovens e pessoas em idades activa e não para os grupos neuliberais e de capitalismo selvagem.Este é o papel de um Presidente.Efusivamente sou!E.R.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo