Política

STP e Angola estreitam relações no domínio da Comunicação Social

A propósito esta no país uma importante delegação angolana chefiada por Vice- ministro da comunicação social de Angola, na perspectiva de acelerar e reforçar a cooperação neste domínio.

Manuel Miguel Carvalho, vice-ministro da comunicação social de Angola faz-se acompanhar na sua visita à capital santomense, de profissionais da Televisão e Rádio pública bem como da Agência de notícia estatal angolana.

A estadia da importante delegação angolana do sector da Comunicação social em S.Tomé, perspectiva a aceleração e o reforço da cooperação, de acordo com Manuel Miguel Carvalho «tivemos já em Angola jornalistas de S.Tomé a fazer estágios, formação técnica no passado, nós queremos avaliar isto, essa cooperação si é satisfatória ou não, se essa cooperação tem sido eficaz e depois desta avaliação para reflectir-mos o caminho para melhoramos a cooperação, precisamos que a comunicação social dos dois países estejam ao mesmo nível, sabe que ao nível da nossa comunidade da língua portuguesa existe um certo desequilíbrio» disse o governante angolano.

A modernização dos órgãos de comunicação social públicos santomenses afigura-se na lista das prioridades. Afonso Varela que tutela a pasta da comunicação social santomense admitiu que a cooperação entre os dois países é excelente e a vinda do dirigente angolano poderá vir a ajudar o país a definir prioridades «as excelentes relações de amizade e cooperação que existe entre os nossos dois povos e países, estabelecidas ainda nos tempos da luta de libertação do tempo colonial, essas relações afirmaram-se ao longo do tempo e é caracterizada hoje pela amizade, respeito mútuo, partilha de valores comuns, pela solidariedade e pela fraternidade», pontuou.
No âmbito da sua visita à S.Tomé, a delegação angolana efectuou visita aos três órgãos de comunicação social público santomense tendo programado para hoje, 03 de Abril uma visita a zona norte do país.

Carlos Tiny

    11 comentários

11 comentários

  1. Madalena

    3 de Abril de 2012 as 10:55

    Cada noticia!
    Como pode um país, onde a liberdade de imprensa é uma miragem, estreita relações com outro, quase igual?
    No dominio de CS(comunicação social), devemos estreitar relações com BBC, Voz de America, Euro News, etc.
    Nós queremos livre circulação de pessoas e bens. Comunicação interpessoal, aerea, maritima sem barreiras e tabus. Perda de tempo e de oportunidade. A nossa massa critica, não desenvolve. Os jornais devem atriburi nota negativa a este tipo isolado de acordo.
    Proxima semana, será acordo de educação e agricultura. Actos isolados. Temos de crescer mais, ter mais ambições. Tabelar pela positiva.

    • Eustaquio angolano

      3 de Abril de 2012 as 19:26

      Estou plenamente de acordo com a madalena.
      Comunicação social é um poder, ou pelo menos é entendida como um poder nos paises onde se pratica a liberdade de imprensa. EM STP já se preticou liberdade de imprensa, mas nos ultimos tempos tem-se praticado um jornalismo de encomenda do governo da ADI. Nem mesmo a presidencia da república, a assembleia nacional e os tribunais cantam na comunicação social santomense.
      A imprensa daquele meu pais que está a desmoronar já teve bons jornalismos como João Carlos, Idalina Martinho, Juvenal Rodrigues, São Lima, Adelino Lucas, Ovideo Pequeno, Telmo Trindade, Barbosa Neto, e mais um ou outro que não se venderam à alma ao diabo ao contrário de uns que eram bons e agora são caçadores de eurodolares.
      O que Angola pode fazer por S.tomé é apenas dar apoio material ou financeiro, mas não tem como ajudar STP na melhoria da sua produção jornalistica,

  2. Mario da Costa

    3 de Abril de 2012 as 12:51

    O Jornal precisa desta cooperação?
    Não acredito.

  3. Mario da Costa

    3 de Abril de 2012 as 12:52

    Quem não tem não pode dar.

  4. Hiost. Vaz

    3 de Abril de 2012 as 13:22

    Eles vao ensinar a opressao da emprensa e nao liberdade da emprensa como fizeram la em luanda com William Tonet arrombar e ivadir o semanario folha 8 isto esta mais do que visto acordem rapazes

  5. assis mata

    3 de Abril de 2012 as 13:23

    os santomenses,que estão radicado,no exterior,pensam que o jornal de são tomé e principe é um equivoco-poucas noticias,zero veracidade,tenhen que fazer um jornal,cuerente e pra todos

  6. kuali tassondu

    3 de Abril de 2012 as 13:46

    Concordo plenamente com Mario da Costa
    quem nao tem nao pode dar.

  7. Trinta Mil Barris de Petroleo

    3 de Abril de 2012 as 17:25

    Esta cooperação, em suma é viagem pra angola de alguns chefitos, e aquisição de umas viaturas, só para chefes. De resto nepias.
    Estagios para portugal, ja no proximo mês. Queremos televisão digital, formação de quadros em estações de radios e tv de renome.
    Va

  8. Trinta Mil Barris de Petroleo

    3 de Abril de 2012 as 17:30

    Sinceramente!
    Avaliar o quê?
    Tenha santa paciencia!
    Não temos jornalistas licenciados.
    MSC e PHD!
    Quem tem fica fora de radio. Ha gente que nem fez o 11ºano(Jornalista). Muitos foram ao CENJOR e depois deluiram-se em jornaleiros e não jornalistas, salvo raras excepções.

  9. paparazzi

    5 de Abril de 2012 as 20:49

    sinceramente eu nao concordo com que li dos meus compatriotas acham que angola nao pode melhorar o estado da radio nacional de sao tome e principe sejam serios e nao escrvem a toa e uma vergonha ouvir estes comentarios

  10. paparazzi

    5 de Abril de 2012 as 20:53

    outro sim acham que angola nao pode melhorar o estado da televisao da sao tome com ofertas de mais camaras mesmo estreitar relacoes no dominio de formacao dos jornalistas,locutores operadores de camara sejam serios e deixam de comentarios incendiarios que nao nos ajudam em nada

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo