Patrice Trovoada diz que a proposta do PCD para revisão da Constituição Política não tem pernas para andar

Presidente do partido ADI e Primeiro Ministro e Chefe do Governo de São Tomé e Príncipe, Patrice Trovoada, que foi candidato às eleições presidenciais no ano 2006, considera que a proposta de revisão da constituição política submetida ao parlamento pelo PCD, visa atingir alvo pessoal.

«Nós não podemos rever as leis em função das circunstâncias das pessoas eu creio que essa proposta contradiz muita coisa que o PCD, alguns anos atrás quis e fez. Por conseguinte, por conseguinte eu estou sereno, eu penso que essa proposta de revisão não tem pernas para andar», referiu o Primeiro-ministro.

Patrice Trovoada é cidadão são-tomense, no entanto nascido no Gabão. A proposta de revisão constitucional apresentada pelo PCD, sobretudo no capítulo de quem deve ser eleito Presidente da República, pode pôr em causa as aspirações do Primeiro-ministro, para 2016. «Fazer uma revisão constitucional que em alguns pontos ate aprece para impedir Patrice trovoada a ser candidato as próximas eleições presidências não faz sentido. Uma proposta de revisão da constituição que obriga o Presidente, ou alias o Primeiro-ministro a pedir assentimento do Presidente para poder sair do país, até altera no meu entender a natureza do regime o que não é possível fazer no quadro da revisão constitucional», pontuou Patrice Trovoada.

Abel Veiga

  1. img
    TVSA-Televisão Santomense Aberta Responder

    Nós não vimos no Projecto do PCD, o nome de Patrice Trovoada!!!
    Está “arrasca” como “KAUIKE” já ou quê?

    • img
      Para um STP melhor Responder

      Patrice Trovoada, por favor, deixe de arrogancia, seja humilde e colabora. Esse tipo de atitude nao te leva ao lado nenhum. A tua reacao nos faz crer que tens rabo de palha como disse PR Pinto da Costa.

      Abaixo arrogancia de Patrice Trovoada!

    • img
      Calibre12 Responder

      Patrice é pior que Kauiki.
      E Patrice está com presa demais. Bastou PCD avançar com a proposta de revisão para Patrice anunciar a sua candidatura às presidenciais de 2016.
      Calma oh Patrice, ainda falta muito tempo. Tenta acalmar essa sua apetencia maluca pela presidencia e procure fazer algo de util na governação. Você está a matar este país. Nos ultimosdois anos, a pobreza que atingia 50% dos santomenses subiu para 64%. Voce passa vida a simular inaugurações de projectos cirurgicos e engalar o Povo. O Povo precisa de coisas concretas e não de babuseiras na governação.
      Esse país precisa de estabilidade. Este governo da ADI teve e tem oportunidades para uma boa ação executiva porque a oposição tem apenas estado a fazer o seu papel.
      PCD fez o que lhe é permitido por lei e nada mais.
      Seria bom que a ADI entendesse a mensagem do deputado do MDFM, dita em paraboladanossa lingua materna, dando exemplo de “ninguê cu bila lico plovia de ximidô”.
      Comojáhavia dito e volto a dizer, ADIque se põe a pau com o MDFM e o PCD porque nas proximas eleições a ordem das parcelas poderá inverter.
      Bem se espera que agora a ADI mude de comportamento, pois um primeiro sinal de uma oposição forte foi dada agora na assembleia nacional na votação do caso Amandio Pinheiro.

  2. img
    lupuye Responder

    Acho que a proposta e necessaria mas deveriam ter uma alinea permitindo aos filhos de santomenses nascidos fora do pais cujos pais estavam em missao de servico ou em servico militar de se poderem candidatar caso o decidam. Estes, os pais, estao fora do pais mas representando o pais. Os seus filhos nao tem culpa de terem nascido fora do solo santomense. Obrigado pela consideracao.

    • img
      De Longe Responder

      Penso que nascer, crescer e conviver dentro do país poderia aumentar o sentimento de pena quando se vê a destruição da terra pela ganância, mas analisando todos os políticos até aqui, já não sei o que pensar. Parece que a política endoidece é preciso o povo tomar concientemente a rédea do seu futuro. Isto é, escolher os políticos, mas controlá-los.

    • img
      Quase la? Responder

      Em qualquer caso, o filho nunca poderá ter culpa por terem nascido fora do solo santomense.
      E se a mãe tiver que se tratar fora das ilhas e o filho nascer nessa altura?

      E se a mãe sair gravida para uma formação ou estagio?

      E se os pais tiverem fora, temporariamente, em busca de melhores condições de vida? E se…

      Penso que o problema só poderá existir quando os filhos nascidos fora, façam toda a sua vida fora, pois poderão sentir menos a terra como a sua.

      Mas que têm feito os que lá nasceram e cresceram?

      Porquê não reverem o cancro das imunidades parlamentar?

      O problema está em quem governa ou como governa?

      Claro que os pontos apresentados pelo PCD devem ser analisados oportunamente mas será que isso constitui a prioridade para a solução dos problemas que o país se encontra?

      Então político, um dos maiores problemas do país não é a corrupção? Que real solução apresentam para isso?

    • img
      mosssad Responder

      Os filhos dos Santomenses que nasceram fora…mas que tambem contribuiram para o pais…nao aqueles que crescem fora do pais…so voltam quando querem roubar???

    • img
      Maiker Responder

      Concordo com lupuye, na verdade poderia ter uma alinea que permitisse os filhos dos santomenses em missão de serviço a candidatar-se.

  3. img
    bbvasantander Responder

    Parabéns PCD. Não deêm atenção a reacção do Patrice Trovoada. Isto demonstra que ele é efctivamente um estrangeiro e maldoso. Além do PT tem nascido em Gabão ele é filho de uma mãe estrangeira. Pela quantidade de Libaneses e Nigerianos que estão em S. Tomé e considerando a forma como os mesmos estão integrados em S.Tomé sou de opinião que o PCD devia ir mais longe. Para ser presidente o cidadão teria que ser alem de filho de mãe santomenses também netos de Santomenses.

    • img
      Carlos Vila Nova Responder

      Se vocês ameaçam Patrice,ja estamos preparando outro nosso candidato às presidenciais há muito tempo.Trata-se do RAMY Libanês-Santomense.
      Vem dar na mesma.

  4. img
    santa catarina Responder

    Este é um projecto retrogado. Estamos a retroceder é mesmo do PCD “partido com deficiencia”

  5. img
    assim voce mi mata Responder

    Sá cada cuâaaa, coisa esta aquecer …. O por conseguinte já sabe que não tem hipoteca de ser Presidente de STP. Por conseguinte já demonstrou a sua incompetência perante o povo.
    Por conseguinte esse pais sempre foi governado pelos uns cambadas de bananas.. todo estudaram fora de STP…mas ninguém consegue fazer nada….
    Por conseguinte a proposta é boa mas deve abrir um leque para os filhos dos cidadãos santomense que nascem no estrangeiro. PCD, aqui você me matáaa relembra que, por conseguinte quase 80% da população de STP têm dupla nacionalidade.
    Sá cada cuâaaaa….

  6. img
    Leeley Daio Responder

    Caros compatriotas o projecto do PCD representa uma ameaça importante a unidade nacional e a paz em STP. Tal manipulação da Constituição criará santomenses de diferentes categorias, injustiça que nunca sera tolerada. Hoje Patrice Trovoada é claramente visado, amanhã qualquer santomense nascido no estrangeiro.
    O exemplo da Côte d’Ivoire não interpela os iminentes dirigentes do PCD ? Senão vejamos, Henri Konan Bédié, segundo presidente daquele paiz, com o conceito da « ivoirité » impediu na década 90 a candidatura de Alassane Ouattara. Estatégia reconduzida por Laurent Gbagbo. Resultado: mais de uma década de conflitos polico-militatres, milhares de mortos e deslocados de guerra, conflitos étnicos exacerbados e um atraso consideravel do desenvolvimento daquela grande nação Africana. Como não ha mal que nunca acabe, Alassane Ouattara é hoje o presidente da Côte d’Ivoire.

    Não sera com falsos debates sobre a “nacionalidade” do presidente da republica ou de qualquer outro dirigente que o PCD podera aceder ao poder. Sera que o PCD não tem outra estragégia? Que tristeza… E dizer que um dia este partido, juntamente com Miguel Trovoada, conduziu STP a democracia ! Encareço o PCD de rever os fundamentais da sua missão enquanto partido politico e traballhar sériamente para a desenvolvimento de STP.

  7. img
    Odair Baía Responder

    No último paragrafo do artigo diz que “Patrice Trovoada é cidadão são-tomense, no entanto nascido no Gabão. A proposta de revisão constitucional apresentada pelo PCD, sobretudo no capítulo de quem deve ser eleito Presidente da República, pode pôr em causa as aspirações do Primeiro-ministro, para 2016”.
    A nossa lei de nacionalidade é clara quando diz que “são santomense de origem: os filhos de pai ou mãe santomense nascidos no estrangeiro, se declararem que querem ser santomense” (art. 5.º, n.º 1, al. c) da Lei da Nacionalidade, Lei n.º 6/90, Texto publicado no Diário da República, n.º 12, 2ª suplemento, de 13 de Setembro). Estamos aqui perante situação de jus sanguinis (é um termo latino que significa “direito de sangue” e indica um princípio pelo qual uma nacionalidade pode ser reconhecida a um indivíduo de acordo com sua ascendência). Caso em apreço não corresponde a situação de jus soli ( jus soli (que determina o “direito de solo”). Tendo o nosso PM nascido no Gabão não poderá ser são-tomense de origem por via de jus soli, mas selo-á por via de jus sanguinis ou de sangue. Por isso poderá sempre candidatar-se e ser eleito Presidente da Republica, visto ser um cidadão com nacionalidade originária. Sendo assim não vejo qual a preocupação em dizer que o actual PM não poderá ser candidato a PR de São Tomé e Príncipe nas eleições de 2016.

    Odair Baía

    • img
      Odair Baía Responder

      Acresce dizer que:
      A não ser que a proposta de revisão constitucional obriga a dois elementos que será jus soli e jus sanguinis. Se for este o caso não restará duvida a pretensão do PCD em condicionar claramente a candidatura do PM de um dia vir a ser PR, como também será uma questão preconceituosa.

      Odair Baía

    • img
      Eusebio Neto Responder

      Caro Odair

      Parece-me que estas a fazer alguma confusao na elaboracao do teu juizo sobre o assunto em debate. Senao vejamos, o que o PCD propoe e a alteracao da Constituicao da Republica e nao de uma lei que aprova TdR do Presidente da Republica de S. Tome e Principe. Isso quer dizer que nao ha e nao havera quaisquer choques legislativos porque ao aprovar a prposta do PCD, tacitamente o teor da Constitucao e alterada, passando o seu texto a ser outro, o proposto pelo PCD. A partir desse momento os textos dos artigos que citaste deixam de existir. Nao achas que isso?

  8. img
    maria chora muito Responder

    Vocês querem ter dentro de 50 anos um Nigeriano Presidente da República? Deve-se agir já e imediatamente, antes que sejá tarde. Os nigerianos estão a povoar a Ilha. Consultam os dados do ultimo recenseamento da população. Força para os parlamentares. Revisão precisa-se.

    • img
      leucadio Responder

      Para evitar que um nigeriano ou filho de nigeriano nascido em STP seja Pr da República, não é de todo necessário coartar as hipoteses de um cidadão filho de pai e mãe sãotomenses que por acaso do destino nasceu fora da patria. Não é preciso ser-se muito intiligente para se ver que o objectivo é impossibilitar que o Patrice Trovoada se candidate e… ist é politiquice!!

    • img
      matuitui Responder

      Senhora Maria Chora Muito, não se pode evitar o inevitável. Quando se atribui nacionalidade a uma determinada pessoa seja porque motivo for, cria-se um irreversível imperativo que nenhuma legislação pode contrariar. Se repararmos bém nassa história,quem somos nós os ditos santomenses? Como é que formou a nacionalidade santomense? O mundo é um processo continuo e nós não temos poderes para paralisar a histótória! Como é que Barack Obama, um Qeniano de origem ( como disse alguém, solo e sangue) atigiu a presidência dos EUA. Não tenhamos ilusões nem medo de colhermos o semearmos!
      O mundo está cada vez mais globalizado, o conceito de uma aldeia comum é o refrão da politica economica internacional, a xenofobia e a pigmentação fazem partes de preconceitos inademissíveis para uma sociedade que se pretende moderna democratica e universal.
      Por isso sem omiscuir-me nos aspectos politiquiticos da quetão, penso que não é pertinente uma revisão constituicional apenas para satisfazer os caprichos de uns e de outros dando mais poderes a algum em detrimento do outro. Isso é deveras desnecessário num estado de direito democratico em que o detentor máximo do poder é o povo. O que deve ser revisto é o papel que cada orgão tem feito com os poderes, pouco ou muito que tem. O que o PR tem feito, o que PM tem feito, O que a AN tem feito, O que PGR tem feito,o TJ e o TC. Isso sim. Se cada orgão tivesse que desempenhar com exactidão as tarefas que lhe foi confiado, a questão de revisão costitucional tornar-se-ía insustentável.
      O problema é que ninguem quer desempenhar o seu verdadeiro papel relactivamente a posição que ocupa, desde o da posição povo até ao dos seus representantes, em detrimento do seu um pão de cada dia (povo) ou do seu saco de pão ( seus representantes).
      Contudo, apesar da minha opinião quanto a esta materia, caso haja questões que seja imperiosa uma revisão constituicional, que não seja uma decisão da Assembleia Nacional mesmo com os terços de deputados que a lei confere. Terá de ser por votação popular tendo em conta a forma em que os nossos deputados são eleitos e o nível de conduta têm-se revelados nos últimos tempos!Bem haja!
      Um dia Maria deixará de chorar!

  9. img
    Manga pada Responder

    Essa é a ideia dos larápios k só kerem S.Tomé e Píncipe para eles. Filhos dos emigrantes ñ têm culpa de nascerem no pescoço de palmeira ou baixo da ponte. O legítmo lugar deles é a terra dos seus projenitores. Os mesmo devem gozar dos mesmos direitos como qualker santomense Essa é a ideia da mais patética k pode ter sido pensada.
    Não é esse o problema k enferma o pais. Tónó mun tan pá bô pô pia

  10. img
    Francisca Delicia Responder

    Oh Minguito? Pai Grande?…Foste a escola? Fui. Lavaste a loiça? Lavei E o pó? Limpei. Ê ça kada kua.

  11. img
    Manga pada Responder

    Já deu para perceber a cor da camisola k este jornal defente. è uma vergonha …

  12. img
    Santomense Responder

    Em termos eticos, tenho tendencia e obrigacao moral de respeitar as pessoas.Infelizmente Patrice Trovoada,vc perde sempre q. abre a boca.Como homem e politico de “terceiro nivel” nunca vai aprender.Se vc pensa q. a proposta do PCD “nao tem pernas pra’ndar”, Explique.
    Vc, nao nasceu em Sao Tome.Vc nao pensa como nos, nao entende a nossa linguagem sunscinta,nossas brincadeiras e forma de ser,nao lembramos de vc no Liceu ou Escola Tecnica,??? donde vc saiu???

    • img
      leucadio Responder

      Palhaçada!!! Oh santomense só te faltava dizer :” você non foi pa matu-jaka ku gênti, nem deu bichu ku lasku ni matu”. Você acha que os factores por si enumerados é que faz um verdadeiro santomense??

    • img
      sum mé chinhô Responder

      De onde saíu? De onde não devia ter saído para vir encher seu cofre. INFERNO.

    • img
      Solange Responder

      Não vejo lógica alguma nesse comentário,
      Sem querer me intrometer , mas creio que distanciaste muito do Assunto em causa.

  13. img
    Pidu Mamom Responder

    Felinto,Nanda,Alda,Norberto, por fovor correm com estes empecilhos do PCD por favor.Vergonha muito ééééé.

  14. img
    Pidu Mamom Responder

    Manga Pada dinheiro é que está a falar.

  15. img
    Casca Pau 3 Responder

    PT, quem nao deve nao teme. Vejo a tua inquietacao e rapida resposta ao caso. Deveria ser assim a quando da interpelacao dos deputados no parlamento sobre o estado na nacao mas pelo contrario andaste a fugir. Tenho dito e porque sou santomense.

  16. img
    N. Bánka Responder

    O país precisa superar e resolver muitos problemas, é necessário vermos as consequências essenciais das coisas e dos actos, Presidente da República e Presidente da Assembleia são funções de muita responsabilidade em vários aspectos, logo penso k ñ devem ser ocupados por qualquer um, deve haver SIM algum requisitos fechado k protegem a nossa identidade, cultura, valores, entre outros, portanto é coisa séria. Todos gostariam ser presidente, mas todos ñ pode ser, penso eu. Por isso, penso k todos os santomenses devem estar atentos a este processo de modo a dar o seu contributo para o bem dos nossos filhos e netos e ñ fazermos politica com esse processo importante.

    Bem haja a todos.

  17. img
    N. Bánka Responder

    Todos nós gostariamos de ser presidente, mas penso k todos nós ñ podemos, pk Presidente da República e da Assembleia Nacional, ñ é um função qualquer, deve ser alguem k seja capaz de proteger os nossos valores culturais entre outros. Por isso devemos analisar com muita frieza de termos algum cuidado com as comparações k fazemos, é necessário analisarmos os contextos e etc…

    A bómu xuntá ubuê de vêdê, pá nón pô pinçá téla nón, pá inen mina cu netu nón pô vivé ni pági cu sôssegu!

  18. img
    Fernando Castanheira Responder

    O PCD e tantos outros deveriam e pensar no trabalho e producao para o Pais sair da miseria e pobreza. Isto de dizer “genuinamente” eu goistaria de perguntar donde todos nos viemos? Desde quando esta palavra tem mais actualidade?
    O Patrice Trovoada e tal como PCD. So aguardam boleias e favoritismo. Vamos e produzir mais riqueza.

  19. img
    Santomense Genuina Responder

    E melhor ele que e gabones, esta a fazer trabalho notavel do que aqueles que em 34 anos nunca fizerao nada e ele em 2 anos e tal conseguio estabelecer a luz,,agua,, melhorou mtas estradas e mto mais..Por isso deixem o homem trabalhar,,porque se for pra melhorar o Pais deixem vir quem vier,e nao interessa a nacionalidade..falei e disse

  20. img
    Engenheiro( LISBOA) Responder

    É necessário sim uma revisão constitucional. Eu sou de opininião de que se faça uma revisão sim, mas consultando o povo, pois somos nós que elegemos os ditos deputados.
    Quem esse Primeiro Ministro pensa que é?
    Eu estava convencido de que mesmo em democracia, o primeiro Ministro tem que dar satisfação ao Presidente da República onde vai como vai e o que vai fazer e no seu regresso tem por obrigação reunir com o Presidente e dar-lhe sastifação sobre o que fez e qual os seus resultados. Mesmo que em democracia eu penso que isso deve ficar patente na constituição.
    Viajar quando quer e como quer e quando regressa antes de falar com o PR, põe a frente da Comunição Social a fazer propagandas política? Uma falta de vergonha que esse senhor não tem!!!
    É necessário rever a constituição!
    Vamos a referendo e o povo decide.
    Esse voador, só anda a passear e só pensa em eleições e quer ser presidente da República?? Nunca!!!
    O povo que abra os olhos porque esse Senhor é perigoso nas sua boas intenções!
    Lembrem-se do drible do pai dele com o negócio de petróleo?
    Se se esqueceram perguntam a Fradique!

  21. img
    Engenheiro( LISBOA) Responder

    Desgraçado!

  22. img
    sum mé chinhô Responder

    Teemos que impedir que Patrice candidate a presidência em S. Tomé e Príncipe. É plano dele e o pai arrebentar com nossos bem.

  23. img
    bbvasantander Responder

    Este Primeiro minstro é que não tem pernas para andar. O PCD devia ir mais longe. Exigir que o candidato saiba falar uma lingua

  24. img
    maria chora muito Responder

    Em frente com a revisão. Caso contario,vamos ter um nigeriano ou libanez presidente da republica. NO ultimo recenseamento geral da população constatou-se um crescente aumento da população devido aos Nigerianos, que têm vindo a fazer varios filhos com as mulheres santomeneses. REVISÃO JÁ. Caso contrario dentro de 50 ou 100 anos vamos ter presidente Nigeriano.

  25. img
    um sá cú leva Responder

    mas somente quem nasceu e cresceu numa terra e que saberá e terá consciência de como é a vida do cidadão local como o povo faz p sobriver e muito mas e consequentemente poderá fazer algo d bom p satisfazer as necessidade do povo santomensse

Deixe um comentario

*