Carta do Chefe de Estado entregue a Pinto da Costa

Uma carta do Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, para o homólogo de São Tomé e Príncipe, Manuel Pinto da Costa, foi entregue esta quinta-feira, pelo ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussúmua.

Em visita de trabalho ao arquipélago, o governante angolano disse que a audiência com Pinto da Costa serviu, além da entrega da referida mensagem, para passar em revista as relações de amizade e de cooperação entre os dois povos e países.

João Baptista Kussúmua disse ainda ser importante não haver um vazio nas relações bilaterais. “Apela-se a consultas regulares nos diferentes assuntos. É importante que não haja um vazio e haja consultas”, explicou.

O governante angolano manteve, na quarta-feira, encontro com o Primeiro-Ministro, Gabriel da Costa. A cooperação bilateral esteve igualmente à mesa. À chegada ao arquipélago, na véspera, Kussúmua reuniu-se com a ministra dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades, Natália Umbelina.

O Ministério da Saúde é outra instituição para onde Baptista Kussúmua se deslocou, à chegada ao arquipélago, e manteve encontro com o titular da pasta, Leonel Pontes. Além de reuniões com autoridades locais, o visitante constatou o funcionamento de projectos sociais, como os ligados à protecção de menores e idosos em situação de vulnerabilidade.

De acordo com João Baptista Kussúmua, a sua presença em São Tomé e Príncipe visou também colher a experiência deste país no apoio a pessoas vulneráveis. Os encontros foram testemunhados pelo embaixador de Angola em São Tomé e Príncipe, Alfredo Mingas.

Kussúmua visitou, por exemplo, o Projecto Integrado de Desenvolvimento de Lembá. Este inclui carpintaria e marcenaria, jardim-de-infância, casa de costura, lar de acolhimento e escola, que envolvem mais de seiscentas pessoas. A visita de trabalho do governante angolano termina na sexta-feira.

Téla Nón

  1. img
    Barão de Água Ize Responder

    Angola e STP são dois Paises irmãos.
    Quando um irmão vê o outro em dificuldades, deve poder ajuda-lo para sair das dificuldades que parecem ser intransponiveis. Angola, se quiser, com uns meros O,005 do seu Produto Bruto pode ser o motor de arranque da Economia Sãtomeense da qual tambem poderia beneficiar.

  2. img
    Jerónimo Xavier de Sousa Pontes Responder

    Caros
    gostaria que me informassem sobre a questao de PACOTE DE AJUDA DO GOVERNO LUXEMBURGUES A CABO VERDE E A S. TOME E PRINCIPE; O QUE QUE É QUE ESTAO A FAZER COM ESSE DINHEIRO E QUAL O PARADEIRO DO MESMO: QUEM FISCALIZA ESSE MONTANTE? SERÁ QUE ESSE APOIO ALGUMA VEZ FOI DADO? SE FOI, QUE SEJA DEVIDAMENTE PUBLICITADO!

  3. img
    eduardo Responder

    Será que Angola vai mesmo ajudar?
    Vai ficar â espera do assunto Rosema.
    Nao pode esquecer o que fizeram ao filho da terra (Mello Xavier). Roubaram a fábrica.
    E agora estáo a tentar vende-la aos Camaroneses. Como é possivel?
    As entidades Judiciais o que é que estão a fazer? Ou estão no mesmo grupo do Varela que ´faz parte das negociaçòes com
    os Camaroneses.

  4. img
    borbuleta Responder

    zeme u’m cono

  5. img
    Carlos Mena Responder

    SALVAR SEM PERDER GRANDE COISA
    Depois de Robinson Crusoe se ter abrigado em terra, após o naufrágio, e depois de ter retemperado as forças, recordou-se das capacidades de um bom cidadão: inspecionou a carcaça do navio; elaborou um inventário; estabeleceu um balanço das suas possibilidades; e analisou a sua situação.

    No que à S.Tomé e Príncipe diz respeito, encontramos na situação de Robinson.
    NAUFRAGÀMOS. Isso é grave, mas não é uma catástrofe, desde não percamos o moral, não entremos em pânico, sejamos capazes de aprender e tenhamos determinação e persistência suficiente, para nos reorganizamos. Toca , pois, a fazermos um inventário. Elaboremos um levantamento do saber e separemos o essencial do acessório. Examinemos as nossas referencias. Corrijamos os nossos erros. E, ao procedemos deste modo, recuperemos a nossa capacidade de discernimento. Qual é, então, a situação se tirarmos os óculos cor-de-rosa?

    As três irmãs monstruosas: as górgones
    As medidas estruturais de uma sociedade democrática transformou-se num reino das trevas. No seu interior evaporaram-se as ideias sobre o que devemos, afinal, aprender. Uma reflexão séria, apoiada numa base científica sólida, sobre os objectivos das medidas, é algo que não se vislumbra acontecer em parte alguma. Em vez disso pontificam as duas irmãs – a grande insegurança e a grande confusão.
    A sociedade regressou ao principio da economia de troca directa. O facto de tudo poder ser combinado com tudo, de tudo ser permutável de ser compensado, conduziu à consagração da terceira irmã górgone: a grande aleatoriedade.
    O principio fundamental de qualquer de qualquer ordenamento hierárquico dos diversos conteúdos do saber foi posto de parte: a distinção entre o essencial e o acessórios, entre o central e o periférico, entre o dever e a escolha, entre o nuclear e facultativo.
    O mito e a cosmologia ensinam-nos: quando o desenvolvimento bate no fundo, é tempo de arrepiarmos caminho. A noite mais longa é, ao mesmo tempo, o solstício; após a descida ao inferno segue-se a ressurreição. Por isso são horas de acabarmos com o domínio das três irmãs que são a grande insegurança, a grande confusão e a grande aleatoriedade. Uma das górgones mitológicas é a Medusa, cujo olhar é mortífero; se a confrontarmos com um espelho. Ela mata-se a si própria. Comecemos, pois, por aí.
    S.Tomé e Príncipe país sem Rei e sem Rock…

  6. img
    Sacode puera Responder

    Senhores tem a vergonha na vossa cara o pais esta assim Afonso Varela serra que estas a pensar bem nao se esqueça que o mundo da volta e estamos cá para ver um a outro . Esqueceste dos irmãos angolanos e estas a vigarizarmos .vender a fabrica do Melo Xavier para os camaroneses ? Ainda continuas dentro desta sujeira! Pensa bem o que estas a fazer e fique bem

Deixe um comentario

*