MLSTP/PSD e o PCD defendem a realização das eleições este ano seja dentro ou fora do prazo

Os dois partidos políticos que formam a maioria parlamentar, que sustenta o governo, subiram quinta – feira o Mouro da Trindade para encontro em separado com o Presidente da República Manuel Pinto da Costa. A questão da realização das eleições autárquicas e regionais dominou a conversa.

O MLSTP/PSD foi o primeiro partido a ser recebido pelo Presidente da República Manuel Pinto da Costa, no jardim do Mouro da Trindade, residência oficial para Chefes de Estado de São Tomé e Príncipe.

Com uma bela vista da cidade da Trindade e da capital do país mais ao fundo, no Mouro o MLSTP/PSD ouviu preocupações do Presidente da República sobre a realização das eleições autárquicas e regionais. Segundo a lei, no próximo dia 28 Pinto da Costa deve marcar a data das eleições que deverão ser realizadas em Julho.

No entanto o processo está muito atrasado. O recenseamento de novos eleitores, ainda não foi feito, por causa de anomalias detectadas na base de dados da Comissão Eleitoral Nacional. «Entendemos que tecnicamente as condições não estão reunidas. Existem alguns constrangimentos que são do domínio público. O que procuramos é que esses constrangimentos sejam ultrapassados para que as eleições tenham lugar, no seu devido momento, isto é no seu prazo legal», referiu Peregrino Costa, porta voz da delegação do MLSTP ao encontro.

Peregrino Costa que é doutorado em matemática auxilia a delegação do MLSTP nos cálculos com vista à realização ainda a tempo das eleições autárquicas e regionais. Se não for à data prevista por lei, será mesmo fora do prazo. O que o MLSTP quer são eleições para os poderes local e regional, em 2013. « O MLSTP partido responsável que é, partido que pugna pela legalidade, partido que defende a democracia quer que as eleições tenham lugar conforme a lei. Queremos que as eleições tenham lugar», sublinhou.

Pelas contas do matemático Peregrino Costa, a questão financeira não pode dificultar a realização das eleições. «Você acha que o governo deste país vai impedir que haja eleições por motivos financeiros? Eu não creio. Julgo que o Governo já esta a trabalhar neste sentido. Julgo que o grande problema está na resolução dos problemas técnicos. Depois disso se verá», respondeu à questão colocada pelo Téla Nón, sobre os constrangimentos financeiros.

São necessários mais de 570 mil euros para financiar a realização das eleições autárquicas e regionais.

Por sua vez o PCD, também considera que as eleições devem ter lugar este ano. O partido assegurou que já está preparado para o embate eleitoral. « Se até dia 28 tecnicamente estiverem reunidas todas as condições estamos prontos para ir às eleições», referiu Arzemiro dos Prazeres, Secretário Geral do PCD, após conversa entre a delegação do seu partido e o Presidente da República.

No entanto o PCD percebe que as contas estão baralhadas em termos do cumprimento do calendário eleitoral, previsto por lei. « Fazemos as nossas contas e temos as nossas dúvidas. Segundo consta uma delegação técnica da África do Sul que deveria estar aqui desde 25 de Março ainda não chegou, e não sabemos até que ponto este atraso pode influenciar a pré-disposição dos aparatos informáticos relacionados com o processo eleitoral», precisou Arzemiro dos Prazeres.

Esta manhã, o Presidente da República recebe o partido MDFM-PL no poder e também o partido ADI na oposição. Ambos encontros estão a decorrer no Mouro da Trindade.

Abel Veiga

  1. img
    Jorge Spenser Responder

    Pinto devia aproveitar a ocasião e sair dessa.

    Dissolver esse parlamento de faz de contas e convocar eleições legislativas, autárquicas e regional.

    Fui

  2. img
    Lote Responder

    Ok,ainda bem que defendem a eleição este ano.pk não é bom o Sr Presidente da Assembléia nacional pega dois Homens da segurança da UPDE a fazerem trabalho de guarda de bois na sua roça em cantágalo ,meus sabem como é feita a rendição ?com carro da escolta .

  3. img
    faca faca Responder

    Se esse comentário for verdade, sr. presidente da assembleia não brinque conosco. Defenda a democracia, abaixo o oportunismo. Sr. deve servir o POVO e não servir-se dos bens do POVO.
    Atenção, porque senão é melhor o sr. ir cuidar dos seus carros velhos lá no Bobo Forro!!!

  4. img
    zeme Almeida Responder

    Nao fiquei a entender o ultimo paragrafo deste artigo!O MDFM/PL no poder?Quando é que se conferiu este partido no poder?Só por terem um elemento que é o Oscar Sousa,significa o partido do poder ou partido apoiado ao poder!Ou um dos partidos que fizeram assalto ao poder.Quando é que este partido ganhou as eleicoes e outros que fizeram o assalto ao poder!Quando?Quero saber.Este artigo nao nos convence.

  5. img
    zeme Almeida Responder

    MLSTP/PSD,PCD,MDFM/PL partidos que foram sancionados nas urnas que assaltaram a revelia do povo.Na democracia é o povo que elege os seus representantes.Nao estes que estao no poder na boleia dos outros.Só em S.Tome e Principe e Guine Bissau.

    • img
      emiliano Responder

      Sr.Zemé
      Em democracia só deve governar a força politica que mostrar que tem a maioria absoluta ou seja 27+1,no nosso caso, ora na ultima eleição o povo não conferiu ao ADI maioria absoluta, logo o Presidente da Republica Fradique de Menezes nunca deveria dar posse ao governo minoritario do ADI; como não obedeceu a uma das regras basilares da democracia, estamos todos hoje a pagar. Recorda o que aconteceu em Timor Leste com a fretilim,ganhou as eleições,mas como não tinha a sustentabilidade parlamentar o Presidente Ramos Horta deu o poder ao partido que tinha sustentabilidade parlamentar. Repare em São Tomé e Prínicpe este povo jamais irá dar maiortia absoluta a nemhum partido, O Sr PT pode trazer todo o dinheiro que tiver, se ganhar será com maioria relativa logo, não terá condições de governar, porque hoje existe de facto uma coligação de partido com verdadeiros patriotas,não obstante uma falha ou outra.Logo ao meu ver não será tão facil o ADI chegar ao poder nos proximos tempo.Logo para mim dever-se-ia em 2014 reralizar as eleições autarticas, regional e legislativa de uma só vez e neste espaço de tempo o parlamento proceder a revisão da Lei Eleitoral de forma que as eleições autarticas e regional se realzem de quatro em quatro anos e se possivel Presidenciais,Legislativas,Autarticas e Regionais de cinco em cinco, para fazermos parar os parazitas que só querem as eleições para meterem dinheiro no bolso;e neste espço de tempo levar a cabo programas de esclarecimento e formação da nossa população nesta matéria.

  6. img
    Paulo Costa Responder

    é so pra chamar atençäo, a esses malandros k apresentam diplomas falsos com o k aconteceu ao Miguel Relvas em Portugal. portanto, meus senhores väo estudar a serio e deixem de enganar as pessoas e o pais. Concé na ca moe ngue bega fa.

    • img
      PATRIOTA DA NAÇÃO Responder

      meu caro também estou de acordo contigo quanto a isso.

      mas para o tema em causa acho-te um pouco fora do contexto.
      o que tem os diplomas falsos que todos estamos carecas de saber que existem espalhados por pais todo a ver com fazer ou não fazer eleições dentro ou fora do prazo?????? no mínimo é patético este seu comentário

    • img
      PATRIOTA DA NAÇÃO Responder

      Caro irmãos santomenses bom dia ou boa tarde conforme a hora em lerem este comentário

      Pelo que percebi os três partidos políticos que sustentam o poder estão a procura de uma via para que as eleições Autárquicas e regionais sejam realizadas este ano.
      O que acho bem no entanto deixo 4 perguntas:
      1. Eu não conheço (sublinho não conheço) o OGE deste ano mas creio que esta verba foi contemplada
      2. Se a dita verba esta contemplada, o orçamento já foi promulgado por sua excelência o Srº P.R?
      3. Será que a eleição autárquicas e regionais é neste momento prioridade para o país?
      4 Na elaboração das grandes opções do plano esta eleição foi contemplada com o imperativo que parece ter?

      Bem fico a espera que me elucidem de forma a poder contribuir positivamente. Um bem aja a todos os santomenses do MLSTP, ADI, PCD, MDFM, UDD,TPS, FDC, Côdô, Feçô Baçôla, e aos outros, e para aqueles que não pertencem nenhuma fileira política STP é de todos nos os decissores políticos só existem por nossa causa é nosso dever cívico critica-los e apresenta-los o nosso ponto de vista como alternativa em determinada circunstância.

  7. img
    manuel alves Responder

    nao sabem faser mas nada,a nao ser usufruir o bem do povo e assssaltar o poder tornando s.t.p a nossa linda ilha num pekeno enferno a onde o (LUCIFER) O tal …..

  8. img
    nada Responder

    Um pais com menos de 200 mil habitantes necessita deste tao grnade montante para realizar eleicoes autarquicas (sublinho autarquicas). Quando nao ha cao caca-se com gato ou mesmo ate com patos. Havendo vontade, com uma boa lideranca e uma boa mobilizacao isto faz-se sem chegar a terca parte deste valor. Podiamos usar megafones e convocar reunioes e esclarecer tudo mesmo atraves dos megafones.

  9. img
    Mé Pó Feladu Responder

    na minha opinião como não existe condições para a data estipulada o que aconselho o senhor PR a fazer um esforço junto aos seus homologos de forma que as eleições sejam realizadas ainda este ano mesmo fora do prazo, portanto todos sabemos que a democracia tem custo. força, viva democracia viva stp viva o povo marterizado pelas politicas baixa dos sucessivos governos e partidos que apoiam um bem haja a todos

  10. img
    João Carlos Responder

    Essa é conversa para boi dormir, tudo isso não passa de uma jogda e montagem política, para dizer qu estão preocupados com a realização das eleições, porque sabem que isso tudo ficará mal visto pela comunidade internacional num estado de direto democrático, como nosso São Tomé e Príncipe. Nem se quer orçamentaram nada das eleições este ano.

  11. img
    joven de 90 anos Responder

    este pais numca mais ira mudar com pessoas desse tipo,imventao ,mentem ,especulao ,è bom que sejamos serios e termos bom senso.
    se nao estamos mal.

  12. img
    zangado e indignado Responder

    Acho bem que se realizem as eleições ainda este ano, por outro lado, penso que ja é momento para alguns parasitas de politica e outros que só vivem de joelho como pedintes ao Patrice Trovoada, ganhem vergonha na cara. ADI deveria procurar outra fonte de financiamento e se libertar do Patrice Trovoada para definitivamente se torne num partido politico e todos possam falar livremente, sem o medo de não ofender o patrão.A democracia faz-se com o contraditório dentro do parlamento, discutindo, apresentado ideias, projetos e soluções e não fora dela, estando em cima do “muro” como intocaveis e a mandar bocas e palavriado. É necessario que os homens comecem a ter carater, orgulho e dignidade.A fonte PT vai secar…tenham certeza disso, depois virão todos falar mal daquele que lhes sustentou.

  13. img
    pedro Responder

    VIVA MLSTP/PSD e o PCD

  14. img
    João Rodrigues Serôdio Responder

    Não há condições logísticas e técnicas para realização de eleições?Continuam a tratar o Povo como uma cambada de Parvos.O que estes Senhores estão à espera,é do dinheiro para puderem esbanjar a seu belo prazer em campanha eleitoral.Decididamente,nada muda,é sempre mais do mesmo,já não há paciência para aturar estes Idiotas.

  15. img
    loqueto iambongo Responder

    cambadas de ignorantes!
    onde está delfim e companhia, é sempre fértil em ignorância.
    mal formados!conversas da treta é com eles.

  16. img
    F.Jacob Responder

    GENTES!
    Isto é muito SÉRIO.Se não há condições para se fazer Eleições,não tem que tentar dar jeito para a fazer apenas para agradar alguém!Tem seus riscos e consequências.
    Se há,claro que faça.
    Esta é minha opinião enquanto militante do ADI.

  17. img
    Carlos Mena Responder

    TÉLA NÓN, agradeço, e apoio a iniciativa que permite a todos aqueles que, acedendo à respectiva página pretendam estabelecer e desenvolver uma relação baseada na troca de ideias, intercâmbios de informação, reflexões e discussões abertas e profícuas.
    Nessa medida, venho dessa forma expor o seguinte;
    A ausência de planos de ordenamento e de gestão para as áreas protegidas em S.Tomé põe em causa a riqueza e diversidades do nosso País.
    “A ausência de planos de ordenamento e gestão tem facilitado a construção de inúmeras infra-estruturas com impacte extremamente negativas”
    Exemplo disso é o caso do empreendimento que invade o mar na praia “Lagarto”
    Venho sensibilizar a opinião pública e os decisores políticos para a necessidade de se preservarem as Áreas Classificadas, em especial as que se situam nas zonas costeiras, até porque existem compromissos internacionais subscritos, em que este se compromete a salvaguardar os valores naturais no longo prazo. Essa sensibilização tem que ser reforçada com mecanismos de consciencialização, muitas vezes através da instauração de processos judiciais que visam repor a legalidade das decisões tomadas pelos detentores de cargos públicos.
    É também natural que, do ponto de vista dos empreendedores imobiliário-turístico, estas áreas sejam alvo de cobiça no sentido de se obterem mais valias num espaço de tempo mais curto do que em qualquer outro negócio. Só assim se compreende que, no caso vertente, um exemplo típico do ABUSO imobiliária, numa área sujeita a fortíssimas restrições ao nível dos instrumentos de gestão territorial? No caso concreto, o “Espaço Turístico” viola de forma clara o Plano Ecológico e o Paisagístico, Neste capítulo, em nossa opinião, estão claramente subavaliados os impactes cumulativos das construções numa paisagem com cada vez mais elementos da presença humana que descaracterizam o espaço natural protegido, partindo-se do princípio que é sempre aceitável mais um impacte paisagístico, por mais pequeno ou mitigado que seja. Estão pois subavaliados os impactes visuais da implantação dos edifícios, dado que uma simples análise das Infra-estruturas de Projecto permite verificar que a área de visibilidade é muito extensa.
    Conclusões
    Considerando que o projecto não está em conformidade e não é compatível com os instrumentos de gestão territorial aplicáveis.
    Considerando que estão subavaliados os impactes resultantes do empreendimento na paisagem circundante.
    Na posição não entendo como pode ser emitida um parecer Favorável ou Favorável Condicionada a este Empreendimento Turístico????? Aguardo Respostas dos meus irmãos são-tomenses.

  18. img
    Barão de Água Ize Responder

    Em vez de Mouro o nome correcto não será MORRO da Trindade?

  19. img
    Barão de Água Ize Responder

    E se pensassem em estudar uma boa nova Constituiçaõ Presidencialista (democrática)para acabar com este “romances”politicos de traição, amor e ódio, que só mantêm o povo de STP na pobreza.
    Haja coragem para novos caminhos com novos politicos.

  20. img
    tchuna baby Responder

    Se Vcs políticos pensam que o povo não sabe que isso é estratégia maquiavélica para continuarem no poder na boleia estão enganados… podem fazer… o País é de nós… Vai haver tempo em que isto tudo acabará…

Deixe um comentario

*