Política

Ministro da Defesa e Ordem Interna denuncia assalto a uma embarcação nas águas territoriais são-tomenses

Tenente Coronel Óscar Sousa(na foto), Ministro da Defesa e Ordem Interna, indicou o mar territorial da ilha do Príncipe, como zona mais vulnerável nas acções piratas e outras operações ilícitas. Na última segunda feira uma embarcação foi assaltada por piratas perto da ilha do Príncipe.

Segundo o Ministro, a embarcação assaltada pediu socorro às autoridades navais da ilha do Príncipe, face ao ataque a que foi alvo. «Infelizmente não tivemos oportunidade de socorrer a embarcação em causa», declarou o Ministro da Defesa e Ordem Interna.

Tratou-se de um navio comercial, que se encontrava a 40 milhas da ilha do Príncipe. As acções dos piratas nas proximidades da ilha do Príncipe, são abundantes. O Ministro Óscar Sousa deu mais um exemplo. «Ainda em Março último, há 180 quilómetros da ilha do Príncipe ocorreu uma situação, em que um navio pediu socorro por causa de ataques», sublinhou.

A subunidade da guarda costeira na ilha do Príncipe, não tem meios navais para dissuadir os ataques piratas e outras operações ilícitas que têm ocorrido no mar da região autónoma. «Nós estamos no centro do golfo da Guiné, estamos desprovidos, e onde tem sido muito vulnerável é a região autónoma do Príncipe», confirmou o ministro.

O Tenente Coronel de Infantaria, Óscar Sacramento e Sousa, realçou a importância da palestra organizada pela embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe. Dezenas de militares e membros da sociedade civil marcaram presença no evento. «Muito importante e num momento oportuno. Temos um processo que corre os seus tramites nos tribunais. E é um dos casos que se assiste na nossa região», concluiu.

Abel Veiga

    26 comentários

26 comentários

  1. Fruta Fruta

    16 de Abril de 2013 as 21:41

    De facto temos de confessar as nossas fragilidades. Sem por em causa a nossa independencia, porque não recorrer a ajuda internacional para garantir a segurança da circulação marítima nas rotas pré definidas nas águas próximas. Nºao percebo nada do direito internacional.De facto não dispomos de recursos para dar resposta a este tipo de ação. Não poderemos “vender” a nossa posição estratégica no golfo da Guiné para garantir a circulação entre o hemisfério Norte e Sul. Porque não disponibilizar apenas para fins de logistica a nossa posição para apoiar esse comércio? Disponibilizar a titulo de beneficio em investimentos em plataformas que permitam criar riqueza e emprego a nivel interno. A riqueza dos paises está no aproveitamento dos seus recursos nomeadamente humano. Concerteza que o Sr. Ministro conhece melhor que eu a estratégia a seguir. Temos de saber transformar desaires em boas oportunidades.

    • ddd

      17 de Abril de 2013 as 10:33

      Então eu pergunto.

      Ao senhor Ministro da Defesa: Quando foram solicitados uma interversão de socorro por parte das guardas costeiras o Sr. ficou de mãos atadas e vens a praça publica expor a sua fraqueza e incompetência por sua parte não é pela primeira vez que estas no poder, deverias equipar e solicitar acordos que lhe dê condições de trabalho necessário e não vir cá chorar por me que não tenho o que fazer.

    • Saotomense

      17 de Abril de 2013 as 16:59

      TELA NOM, POR FAVOR RESPEITE O DIREITO DE EXPRESSÃO E DE OPINIÃO DOS COMENTADORES,AFINAL VOCÊS SÃO UM JORNAL PRIVADO OU UMA CASA DO GOVERNO.ACHO QUE DEVEM DAR EXEMPLOS DA DEMOCRACIA. VOCÊS SÃO PAGOS PELO GOVERNO? OU TAMBÉM CHUPAM O DEDO NO MEL?

    • Saotomense

      17 de Abril de 2013 as 17:01

      TELA NOM, POR FAVOR RESPEITE O DIREITO DE EXPRESSÃO E DE OPINIÃO DOS COMENTADORES,AFINAL VOCÊS SÃO UM JORNAL PRIVADO OU UMA CASA DO GOVERNO?ACHO QUE DEVEM DAR EXEMPLOS DA DEMOCRACIA. VOCÊS SÃO PAGOS PELO GOVERNO? OU TAMBÉM CHUPAM OS DEDOS NO MEL DO PETRÓLEO ? A VERDADE VOS IRRITA TANTO ASSIM?!

  2. Danilo Salvaterra

    16 de Abril de 2013 as 21:45

    Em Julho de 2008 o telanom publicou o comentário que transcrevo

    Um Problema Chamado Forças Armadas
    14 Julho 2008Comentario encerado

    Danilo Salvaterra, são-tomense engenheiro técnico em electrónica e computadores, radicado em Portugal defende a abolição das forças armadas. Opinião sustentada tudo indica com base num recente artigo publicado no Téla Nón.

    Ao ler um dos diários on-line de S.Tomé e Príncipe, a propósito da visita da Ministra da Defesa ao Quartel das Forças Armadas, vi-me compelido a escrever sobre o papel das Forças Armadas. Não fui militar, nem pretendo dar lições da matéria aos sabedores. Sou sim defensor da teoria e a arte da guerra como instrumento para as nossas actuações quotidianas, razão suficiente para munir-me e estudar os principais tratados da guerra.

    Entendo que a existência de umas Forças Armadas, pressupõem capacidades de reacção ou de ataque em caso de ameaças. É regra corrente na maioria dos Estados existirem umas Forças Armadas como elemento estratégico dissuasor das possíveis ameaças. Mas afinal S.Tomé e Príncipe necessita ou tem capacidades para ter o que convencionou-se chamar Forças Armadas, o Exército Militar?

    Claro que não. É demagogia pensar que sim. Pode ser também falta de coragem ou miopia politica o insistir na manutenção de umas Forças Armadas em S.Tomé e Príncipe. É de natureza militar a existência de uma forte logística, envolvendo equipamentos e outros meios necessários para uma acção de combate.

    Escusado será que as condições reais de S.Tomé e Príncipe, permite-nos abordar com seriedade o tema logística militar. O Comandante das Forças Armadas durante a visita referido, reconheceu a débil logística existente. Hoje a guerra faz-se e ganha-se com tecnologias, relegando para segundo plano a tradicional infantaria, como era referido no artigo do jornal que serviu-me de inspiração.

    Vamos à parte prática. S.Tomé e Príncipe, dada a sua dimensão não constitui ameaça para país algum, nem tem capacidade para reagir a um ataque. Seríamos aniquilados na primeira acção da guerra. Seria irracional pensarmos que podemos sair vencedor em um confronto, mesmo em pequena escala com com qualquer dos nossos vizinhos.

    Assim sendo, só nos resta uma solução, CRIAR OU FACILITAR UMA POLITICA DE BOA VIZINHANÇA. Perguntarão como então garantir a soberania e integridade territorial ? A solução passa por reestruturar o exército, abolindo as forças armadas, criando um corpo forte, de Defesa Segurança e Ordem Interna.

    O país precisa de ter as suas fronteiras livres de contra bandos, actividade que a ser assegurada por um corpo de intervenção rápido tecnologicamente bem equipado e tecnicamente preparado. Internamente a ordem seria assegurada por uma polícia de elite, não confundir com os actuais ninjas, modernamente preparada e estruturada.

    O caminho passa por adaptação às circunstâncias e às condicionantes. Neste caso a dimensão do país incluindo física e humana. Todo o resto são conversas de caserna.

    • A chave

      17 de Abril de 2013 as 9:35

      Verdade. Eu não sou saotomense mas nunca percibí porque STP tem forças armadas. O custo de manutenção das forças armadas poderia ser destinado á policia, bombeiros, sanidade, guarda costeira… E para a defensa do pais so tem que assinar um acordo com USA.

    • Cobló

      19 de Abril de 2013 as 16:09

      Caro Danilo,
      Belo texto se o que está em causa fosse causado por agentes do estado ou a mando deles. Pirataria se insere na política de boa vizinhança? Em que medida? Tratam-se de indivíduos cujas ações não dependem do estado, mas de seus únicos onteresses. Os estados vizinhos também vítimas, mesmo os de onde os piratas são oriundos. Estamos lidando com vizinhanças cujos sistemas de seguranças são frágeis, diferente da Europa. Cuidado com a transposição mera e simples de cenários sem levar em contas as características de cada país e/ou região e os atores envolvidos.

  3. Danilo Salvaterra

    16 de Abril de 2013 as 21:51

    Partes de uma reflexão minha sobre as Forças Armadas em S.Tomé e Príncipe, publicado em Julho de 2008 no diário Tela Non
    . . .
    Assim sendo, só nos resta uma solução, CRIAR OU FACILITAR UMA POLITICA DE BOA VIZINHANÇA. Perguntarão como então garantir a soberania e integridade territorial ? A solução passa por reestruturar o exército, abolindo as forças armadas, criando um corpo forte, de Defesa Segurança e Ordem Interna.

    O país precisa de ter as suas fronteiras livres de contra bandos, actividade que a ser assegurada por um corpo de intervenção rápido tecnologicamente bem equipado e tecnicamente preparado. Internamente a ordem seria assegurada por uma polícia de elite, não confundir com os actuais ninjas, modernamente preparada e estruturada.

    O caminho passa por adaptação às circunstâncias e às condicionantes. Neste caso a dimensão do país incluindo física e humana. Todo o resto são conversas de caserna.

  4. Filipe Samba

    17 de Abril de 2013 as 7:15

    Amigo D.S
    Por favor, Saiba respeitar e preservar o pouco que tens, quanto tiveres mais será um progresso
    O progresso é acçao do homem sobre a tecnologia

  5. verdade

    17 de Abril de 2013 as 8:07

    Mesmo assim, “gentes” bem posicionadas do anterior governo do PT, não gostaram de se ter prendido esses dois barcos. Qual é a leitura que eles esperam que se faça deles? Só uma- fazem parte do grupo de piratas.
    Disse!

  6. má fé

    17 de Abril de 2013 as 9:10

    ” Verdade” tens razão. Muita gente do ADI não está a gostar da detennção dos barcos, caso do Levy, Afonso Varela o jornalista politico Oscar Medeiros. Andam a fazer reuniões politicas criticando a situação. Não só este caso, andam a criticar a decisão de governo em ter insentado visto aos Angolanos por um periodo de 15 dias. Este caso até não é muito estranho. O Miguel Trovoada nem o maldoso filho Patrice Trovoada nunca gostaram dos angolanos. O único de quem eles gostavam e adoravam era SAVIMBI, o homem que tinha o mesmo caracter deles.

  7. P. T

    17 de Abril de 2013 as 9:18

    OS BARCOS PIRATAS SÃO DO PATRICE TROVOADA. TODOS OS DIRIGENTES DO ADI ESTÃO DESCONTENTES PELA APREENSSÃO DOS DOIS BARCOS, SÓ PODEMOS CONCLUIR DUAS COISAS: 1º- TUDO INDICA MESMO QUE UM DIRIGENTE DELES É QUE DEU AUTORIZAÇÃO DE ENTRADA DOS DOIS BARCOS. 2º- ELES TODOS SÃO SÓCIOS DE UMA MÁFIA ORGANIZADA. COMO TAL EXISTE EM GUINÉE BISSAU.

    • P. T

      17 de Abril de 2013 as 9:19

      O ALMIRANTE SANTOMENSE É PATRICE TROVOADA.

  8. Andre

    17 de Abril de 2013 as 10:18

    Solucao:
    Deslocar a base do nosso Navio-Patrulha radicado em São Tomé, que esta’ mais afastada
    d plataforma continental, para o Principe, onde
    a pirataria sao mais frequentes.

  9. jorge desalmado

    17 de Abril de 2013 as 11:20

    Tela Non … uma vergonha. Censura na democracia é crime. O ministro da defesa é seu parente? Ditadura outra vez?

  10. Maguita tuatuá

    17 de Abril de 2013 as 12:07

    A apreensão dos navios petroleiros e a multa foram com o propoósito de os corruptos e ladrões do povo bem conhecidos, useiros na delapidação da coisa pública, antes e depois dos 15 anos da ditatura quererem sim, se a multa for paga dividir o dinheiro entre eles, falando já das percentagens: isso é servir a nação? A ver vamos! Vamos esperar o fim da história dos cinco milhõse de Euross. E lembrem-se que a história dos cinco milhões é hábito desses bandidos! STP-TRADING…

  11. verdadeiro

    17 de Abril de 2013 as 16:39

    Boa tarde

    Ate a presente data esperava do Abel veiga uma postura de um grande Jornalista, não sei se ele sabe mesmo qual é o Papel de um Jornalista e de um Jornal.
    Ora vejamos, ele postou tanto artigo em defesa dos Trabalhadores que engajou todos, que é uma causa Justa que poderiam abraçar.
    Agora eu gostaria que ele responde-se, se o que está acontecer com o seu colega tendo ordem de prisão como se fosse um assassino ou talvez alguém que cometeu um grande crime contra Estado de STP, neste momento o mesmo está sobre termo de residência.
    Isto não é notícia! Ou não é um grande artigo para os Leitores?
    O seu papel principal é investigar, especular e informar, e não fazer papel de um Politico e feio, desculpa meu amigo a verdade tem que ser dita.

  12. Saotomense

    17 de Abril de 2013 as 16:59

    TELA NOM, POR FAVOR RESPEITE O DIREITO DE EXPRESSÃO E DE OPINIÃO DOS COMENTADORES,AFINAL VOCÊS SÃO UM JORNAL PRIVADO OU UMA CASA DO GOVERNO.ACHO QUE DEVEM DAR EXEMPLOS DA DEMOCRACIA. VOCÊS SÃO PAGOS PELO GOVERNO? OU TAMBÉM CHUPAM O DEDO NO MEL?

  13. Cassuma-Sofredor

    18 de Abril de 2013 as 13:53

    Em uma mais valia graça a diferença que o actual Ministério de Defesa e Segurança publica estão materializar esforços contra as anomalias reinante no país. Em apelar o actual Ministro dizendo me a verdade força e tenha coragem para enfrentar os que usam as nossas águas territórias como passagem ilícitas ou ilegal como exploração Comercial o que já vinha acontecendo com anterior Governo. Em que tudo era deixa andar.

  14. Toni

    18 de Abril de 2013 as 20:02

    Não consigo entender que um estado queira combater a pirataria no mar sem meios! Mais vale estar calado e sim fazer o trabalho de Ministro para que a nível internacional ajudem neste sentido, dado que se trata de navios de origem estrangeira , caso contrario serão esses estrangeiros a efectuar a devida segurança em STP aos seus navios , e como fica a soberania de STP? Senhores Ministros trabalhem objectivamente conforme o título que tem, decidam ! Deixem paraturás a vaidade de que sao Ministros, isso dura pouco, deixem obra feita. Os grandes Homens sao os que deixam algo cá . Obrigado

  15. Toni

    18 de Abril de 2013 as 20:08

    Desculpe Sr Ministro, mas não consigo aguentar , qualquer forca militar estrangeira com um contigente de 200 a 300 homens devidamente equipados tomam STP em poucas horas. Eu sei do que falo , não tem exercito, não tem forca aérea , não tem marinha… Faca o seu trabalho, deixe marca de Homem , quando digo desculpe êh porque Você êh o actual Ministro e a mensagem êh para todos os potenciais e antigos Ministros da Defesa.

  16. Jacinto Lucas

    19 de Abril de 2013 as 0:27

    Vamos a isto sr ministro.

  17. manuel romeu

    19 de Abril de 2013 as 0:29

    Ate quando as censuras de opinioes que nao vos convem?

    • gualter almeida

      21 de Abril de 2013 as 13:04

      amigo é verdade neste pais não há liberdade de expressão quando se faz algum comentário contra alguém que é amigo nunca é publicado tenho feito alguns a desmascarar um dito LÚCIO NETO AMADO nunca publica só publica as que convém que sejam isentos e neutros os bandidos e a suas podridões devem ser desmascarados

  18. gualter almeida

    21 de Abril de 2013 as 12:59

    senhor ministro cuidado com colesterol o senhor esta muito gordo não coma tudo deixa um bocado para os pobres

  19. politogolo

    29 de Abril de 2013 as 13:24

    tem que haver uma nova revisao costitucional

    para limitar os mandatos eu nao vejo o motivo ou seja curriculum adquado para este senhor voltar ao poder um tentador do golpe do estado merecia estar preso mais como o mesmo esta acima da lei os seu poderes coloca lhe de novo no poder senhor pr da republica nao tem legitimidade nem respeito pelo povo santomense nao es filho desta terra nem deste povo tenho factores que um dia revelarei contro tudo e todos aqueles que cometeram crimes economicos em breve saberam as puras verdades ja fui ameaçado por um senhor de nome nada revelo ameaças corporais por lhe dizer umas verdades e fatos sabendo ele os factos reais ate prometeu em troca valores altos mais e lhe disse que nao vendo nem venderei as verdades politicas e economicas a mesma pessoa que refiro sabe o que estou a
    dizer abrem os olhos meus caros compatriota

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo