Governo entrega parcelas abandonadas a agricultores sem terra

A entrega aconteceu ontem, na Pinheira, na presença do Ministro da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural.

Depois de treze anos, os pequenos agricultores de Pinheira, Uba Budo Velho e Algés começaram a receber títulos de posses e  mapas das respectivas parcelas de terras. Um facto que foi recebido com muita alegria pelos agricultores.

‘’Eu sinto muita alegria, o que eu recebi agora faz os agricultores serem mais activos no trabalho para um dia qualquer receber mais do que aquilo que nós recebemos, fico mais confiante e

trabalhar a terra, já temos filhos e netos, portanto temos com mais força para trabalhar’’, disse o Presidente da Associação dos Pequenos Agricultores de Pinheira.

A entrega dos títulos de posse e dos mapas das parcelas foi extensiva a pessoas de Uba – Budo Velho e Algés que beneficiaram das terras abandonadas que o governo confiscou de alguns titulares e foram entregues a algumas pessoas que têm a vocação para a prática agrícola.

‘’Sinto-me satisfeito, isto porque a minha idade está avançar e temos que que trabalhar a terra, porque amanhã, quem sabe lá, os nossos filhos poderão estar garantidos’’, disse um dos beneficiários.

Se os novos benificiários não trabalharem a terra dentro 45 dias, poderão vir a perdê-las, anunciou o ministro António Dias no acto de entrega dos títulos aos novos agricultores.

«Anualmente o ministério da agricultura vai fazer o seguimento das parcelas, quem não quiser perder as suas parcelas tem que as trabalhar e até é uma questão de justiça. Se uma pessoa tem uma parcela abandonada ela não tira nada, se não tira nada, isto quer dizer que não precisa dela. Temos que entregar a quem não tem nada, não tem qualquer emprego e quer trabalhar».

No quadro desta nova dinâmica do Ministério da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural os três melhores agricultores e novos beneficiários receberam materiais agrícolas.

  1. img
    Patriota Responder

    Isto sim é governar,muito justo, vai em frente meu caro ministro e amigo.

    • img
      graca Responder

      sera que voces ainda nao intenderam a vontade do povo?…
      agora e tarde de mais …
      povo e como mulher….
      quando elas ja nao querem um homem ele pode
      ofercer de tudo !…
      …facam favor de marcar as eleicao…
      nem parcelas de terras, nem com burros ; nem com bois e nem carroca….
      o povo clama por eleicao…
      fui……

  2. img
    Jornalista Amador Responder

    Ministro faz bem….assim quando eles estiverem com fome… eu compro as terras… porque é isso que vai acontecer.
    Um pais que quer desenvolver agricultura tem que ter outra postura em relação a distribuição de terras… não se iludam com estas propagandas baratas…. daqui a 10 ou 15 anos falamos sobre isso…

    Faça um estudo e plano idóneo para desenvolvimento Agrícola, mesmo que leve tempo e custe dinheiro….coloquem cérebro funcionar

  3. img
    Bobuwabo Responder

    O Sr Ministro de Trabalho já esta a pensar de pedir ajuda externa em termo de alimentação para a população de Ribeira Peixe Monte Mário Emolve e redores, Porto Alegre e Arredores, onde esta direção já destrói td a favor de Agripalma mutas Fruteiras, jaqueiras, bananeiras, coqueiros e mais outras arvores de fruas. o Sr sabe das dificuldades tem esta zona? como é q o seu Ministério ainda por atrás volta aproveitar da pobreza a propor com exigência pra cada um q tem seu campo para negocia senão ira perder tudo, sabem que neste espaço de expansão é zona reservado a esta comunidade de R.Peixe e não só como as dependências da mesma, ainda me lembro na crese que em 1983 Ribeira Peixe fui uma das Empresa que fornecia alimento a capital é bom que o va com seus próprios pés afim de compreender esta situação.
    e sobre a indeminização das parcelas pra estar no seu conhecimento a parcela q já fui dada a Agripalma q os nomes dos benificiário não estão na listas do respetivo credito.

  4. img
    Barão de Água Izé Responder

    Politica agrícola de pensar pequeno.
    Cerca de 85% das terras agrícolas não estarão praticamente abandonadas? Sem politicas agrícolas de escala (grande dimensão), abertas ao sector privado e com títulos de propriedade, significando a privatização das empresas agrícolas consideradas públicas, a politica de pensar pequeno só vai produzir vegetais para o camponês comer em casa.
    Pergunte-se ao Sr. Ministro: STP exporta ananáz? Produz batata suficiente para o mercado interno? Onde está o limão? Politicas sem ousadia, só levam a mais do mesmo.

  5. img
    Mé Gueba Responder

    “já temos filhos e netos, portanto temos com mais força para trabalhar”

    nao se esqueçam de dar dar um casal burro a esta familia para permitir que os netos possam ir a escola estudar e tornarem-se homens de amanha.

    • img
      Jóia rara Responder

      Antes de mandares ir a escola vá você primeiro , reparaste no erro do outro no entanto cometeste um erro também, é casal de burro e não casal burro. ok sr. Mé Gueba.

  6. img
    Stwart Afonso Responder

    Essa politica é para fazer o burro dormir. So para informação sabem quantos hectares cada politico detêm e nada fazem?
    Pois façam essa investigação.

    • img
      Barão de Água Izé Responder

      Caro Stwart Afonso: O que escreve é um dos principais problemas e grave, que impede a alteração da politica económica desde o pós-independência. Houve uma enorme perversão nos resultados decorrentes das Nacionalizações. Vai ser difícil, muita gente abrir mão de bens públicos nacionalizados. Não haverá imóveis públicos utilizados para fins privados e que o Estado nem renda recebe e se ela existe, é o Estado que está a ser explorado, ou melhor o povo a ser prejudicado? Terão que surgir políticos que olhem com realismo para a sociedade Sãotomense e a transformem.

  7. img
    desta terra Responder

    Sr Ministro, está na hora de começar a retirar as médias empresas matagais pertencentes aos políticos.

    O sr deve ter a coragem para lhes retirar essas grandes extensões de terras matagais e entregar àqueles que realmente querem trabalhar.

    A começar por Gaudêncio Costa que tem mais de três médias empresas espalhadas pelo país, onde nenhuma está cultivada.

    Está a espera de uma oportunidade para as vender para estrangeiro.

    Bando de políticos preguiçosos.

  8. img
    rsrsrsrrrs Responder

    Ministro, primero, primero, uno, uno …

  9. img
    Pen Drive Responder

    Coisa simples é com politicos santomenses!Populismo é que continua a destruir S. Tomé e Príncipe. Sentem-se na cadeira com postura de homem médio e tracem políticas justas.Daqui há 20-30-40 anos vão buscar terras ao mar para distribuir aos santomenses?

  10. img
    Mestre do costume juridico Responder

    O Ministro de Agricultura tem que ser um pouco mais diplomata na forma como expressa, parece ser muito sanzaleiro e isto não fica bem para um politico…

  11. img
    Cassuma-sofredor Responder

    Neste âmbito o crédito agrícola(dinheiro) e utensílios(machim,enxada, ansinho) também deve entrar no projecto do governo. Pelo menos para os grupos de formandos na área de agricultura, horticultura e a pecuária neste momento em CATAP-Centro de Aperfeiçoamento técnico agro-pecuária. merece uma outra referencia para além de ter técnicas sem investimento ou crédito agrícola. A minha visão é que o Governo que gosta de Agricultura deve diminuir crédito Comercial e faculta crédito Agricola embora tem mau ano agr. e leva mais tempo. Obrigado sua excel.Ministro de Agricultura.

  12. img
    Tuá-Tuá Responder

    Com a postura deste ministro dá vergonha ser ministro, sinceramente!
    A começar da sua forma de estar e falar até do jeito descarado de pura campanha que anda a fazer junto àqueles pequenos agricultores! Não há critério nenhum naquilo que ele anda a fazer! Nota-se claramente que é uma orientação do PCD, para que ele vá ao terreno fazer campanha, porque o partido está em queda livre! O seu rosto tem causado aborrecimento cansaço aos telespectadores. Está sempre na televisão, por tudo e por nada, a falar, falar, falar… Só não falou foi na altura da recepção dos 28 burros, pq deu conta que se tratava de um recado das autoridades angolanas e lhe servia também, pois de burro ele tem muito!!!!

  13. img
    pagaguno Responder

    Meus caros, enquanto não for possível transaccionar as terras, poder de hipoteca ao Banco, ou seja enquanto não houver um mercado fundiário em S.T.P. O pequeno agricultor vai continuar pobre,e vai continuar a abandonar as terras. Terra Capital trabalho, sem um dos componentes nada feito. Qual medo de dar títulos definitivos ? como poderei continuar a investir em terras que não me pertencem? devemos ter a coragem de dar o passo. Recordem as terras não podem sair daqui nunca….

Deixe um comentario

*