FASTP está mais madura

As Forcas Armadas de São Tomé e Príncipe celebraram 38 anos da sua instituição no dia 6 Setembro com uma cerimónia de juramento de bandeira de novos soldados.

366 novos mancebos se incorporaram nas FASTP. 9 são raparigas. Na mensagem do Brigadeiro Felisberto Segundo, Chefe de Estado maior das Forças Armadas, deixou ficar bem claro as Forcas Armadas se apresentam neste ano 2013, como uma Instituição em construção, que se afirma na vida quotidiana do arquipélago num percurso difícil para se identificar com o património de princípios e valores, de zelo, de aptidão de dedicação a causa pública e acima de tudo, de comprometimento com a modernidade e com os problemas e as ameaças do nosso tempo. « Estamos, igualmente, a viver momentos de reforma estrutural, decorrente da revisão dos documentos estruturante da defesa nacional. Fomos chamados ao serviço do país e dos santomenses, os nossos valores e a nossa capacidade para ajustarmos a realidade. Estamos convictos que com o trabalho, dedicação e sentido do dever iremos encontrar as melhores soluções para dar resposta aos desafios do presente e as respostas para o futuro», afirmou o Chefe de Estados Maior das forcas Armadas de São Tome e Príncipe, Felisberto Segundo, que está enfileirado nas FASTP desde 1977.

Felisberto Segundo, garantiu que as suas energias, capacidades e competências centram-se entre a necessidade da implementação do novo modelo estrutural e simultaneamente, as exigências do cumprimento da Missão que lhes são atribuídas, mantendo a capacidade operacional, garantindo o adequado nível de prontidão e assumindo os encargos decorrentes dos engajamentos regionais e internacionais com vista a garantir a Paz da colaboração na execução da política de defesa nacional e da participação no apoio da política externa do Estado.

Para o Presidente da República, Manuel Pinto da Costa, o processo de reforma militar levado a cabo, quer do ponto legal, quer orgânico e operacional, é um bom exemplo de que é possível dar passos seguros na modernização de uma instituição que é fundamental na projecção da imagem externa de São Tome e Príncipe.

Quanto aos progressos alcançados no domínio da Defesa Nacional, apesar dos constrangimentos decorrentes da realidade orçamental do arquipélago; são a prova de que com pouco se pode fazer muito e felizes dos que acreditam sem ter visto, sobretudo em dar passos seguros no sentido de adaptar a Instituição Militar as necessidades do Pais e a sua estratégia de desenvolvimento.

«Militares nos últimos anos foram levadas a cabo importantes reformas de modo, a cada vez, mais adequar a Instituição aos novos desafios que a posição geoestratégica de São Tome e Príncipe no seio do Golfo da Guine coloca no âmbito das missões que do ponto de vista militar estão destinadas», afirmou categorica e energicamente, Pinto da Costa.

O Chefe do Estado Santomense, que visitou a Guarda Costeira na véspera de 6 de Setembro, deu seu testemunho que a criação deste organismo traduz uma aposta que considera ser estratégica e essencial para o Pais no seu ponto de vista. E vai mais longe: a aposta no mar e nos seus vastos recursos que existem ao favor dos santomenses, tem-se que saber aproveitar ao serviço do crescimento económico e do desenvolvimento sustentável de um país que viu a nascer em 1975.

«Esta aposta no mar e nas vastas potencialidades da nossa zona económica exclusiva permite ainda afirmar, no plano externo, a capacidade do Pais dar resposta aos modernos desafios que se colocam no âmbito da segurança da região nomeadamente no combate eficaz aos novos fenómenos como pirataria marítima, o trafico de droga, a defesa do ambiente e o controlo dos nossos recursos económicos a par de outras missões que extravasam a âmbito militar mas cuja importância para a sociedade em geral e preciso sublinhar», sublinhou Manuel Pinto da Costa.

Inter Mamata

  1. img
    Danilo Salvaterra Responder

    Tal como já escrevi em tempos, continuo a achar que a existência das Forças Armadas´em S.Tomé e Príncipe é um erro que tem sim servido para satisfação de vaidades pessoais. É uma cobardia dos diferentes governos e presidentes, manter esta pesada estrutura, agora com vários brigadeiros, coronéis e até tribunal militar. A logistica e os objectivos de umas forças armadas não coadunam com um país como S.Tomé e Príncipe. Precisa-se sim de uma força de segurança e ordem interna altamente preparada e dotada de qualidades ajustadas aos novos paradigmas, preparadas para os desafios regionais disponíveis para participarem em missões de de paz quando solicitadas. Não defendo a policia de intervenção como existe hoje, porque a esta lhe faltou a preparação cultural. Mas ainda é a que melhor serve se novos valores e conhecimentos lhes forem transmitidas.

    • img
      luisó Responder

      Para sua informação só existe um Brigadeiro, que é o Chefe do Estado Maior, Brigadeiro Felisberto Segundo.
      Para ficar correcto.

    • img
      luisó Responder

      …As Forcas Armadas de São Tomé e Príncipe…
      Diria …as Forças Armadas… porque forcas são para os que vão ser enforcados.

      …Felisberto Segundo, que está enfileirado nas FASTP desde 1977…
      Diria … Felisberto Segundo que está nas fileiras desde 1977… ou que é militar…, porque enfileirado dá a entender que está numa fila qualquer, talvez do pão…

      …O Chefe do Estado Santomense, que visitou a Guarda Costeira na véspera de 6 de Setembro, deu seu testemunho…
      O PR não foi testemunha de ninguém para dar o seu testemunho, no mínimo terá afirmado que ou constatou que…

      As únicas partes deste artigo que estão bem escrito são as partes transcritas de discursos ou de papeis que o senhor Mamata leu porque o resto, por amor de Deus…
      Pergunta: o que faz a redacção do Téla?

      • img
        luisó Responder

        … que estão bem escritas…

    • img
      fastp Responder

      o senhor nunca deve ter passado pela vida militar. não deve saber nada sobre sobre historia. todo pais soberano deve ter uma estrutura militar, então nunca seria soberano. dependia de terceiros para salvaguardar a sua integridade territorial.

  2. img
    João Pinto Responder

    As frutas quando estão maduras devem ser colhidas. No caso contrário elas apodrecem e estragam
    Acho que este é o caso das Forças Armadas de STP. Está muito madura e está a quase podre
    JP

  3. img
    João Almeida Responder

    Pera benes

  4. img
    Cidadania Responder

    Caro Danilo Salvaterra, que Deus te oiça!Veja a seguinte história: Os Suíços e suas armas:um dado momento perguntou ao comandante do exercício: Quantos homens em armas você possue? Foi-lhe respondido: Um milhão. O príncipe, posteriormente Kaiser da Alemanha, então indagou: O que você faria se cinco milhões de meus soldados cruzassem sua fronteira amanhã? Ao que o comandante suíço replicou: Cada um de meus homens daria cinco tiros e iria para casa! Um abraço aqui de Cabo Verde!

  5. img
    Santiago Responder

    Quanto a escrita Jornalística e não só, este texto está francamente pobre.
    Má interpretação dos factos,
    Frases longas,
    Dificuldades em dedilhar na tecla do computador, etc.

  6. img
    Cidadania Responder

    Para o Presidente da República, Manuel Pinto da Costa, o processo de reforma militar levado a cabo, quer do ponto legal, quer orgânico e operacional, é um mau exemplo do emprego da língua do Camões…ficaria melhor assim: quer do ponto de vista legal, quer do ponto de vista orgânico e quer ainda do ponto de vista operacional. Mas, mais o autónimo de enfileirado é:dasalinhado. Um abarço aqui de Cabo Verde..

  7. img
    Ancrajoty Responder

    Felisberto Segundo, iniciou a sua vida militar 27 Agosto de 1973.

Deixe um comentario

*