Govermo promete desbloquear esta semana verba para aliviar desespero dos estudantes

O Ministro da Educação e Cultura disse que tem registado, os gritos dos estudantes que ecoam a partir de diversos cantos do mundo. Segundo Jorge Bom Jesus, o país chega a gastar 3 milhões de dólares por ano, em pagamento de bolsas de estudo. 

Segundo estimativas do Ministério da Educação, mais de 400 estudantes são-tomenses estão espalhados pelos quatro cantos do mundo. Cerca de 3 milhões de dólares são desbloqueados anualmente pelas finanças públicas, para pagar as bolsas. « Chegamos a atingir 3 milhões de dólares para financiar os estudantes no exterior. Os recursos são parcos e a demanda é grande. Mesmo assim há uma pressão enorme para mais estudantes saírem para o exterior», referiu o ministro da educação e cultura.

Uma situação insustentável acrescentou Jorge Bom Jesus. O Governo só encontra uma saída para o futuro. «Temos que inverter esta situação. Criarmos condições aqui no país, para que se possa pelo menos realizar a formação inicial, e podermos complementar os cursos no exterior através de mestrados e doutoramentos. Isso como forma de diminuir os custos, e inverter este quadro de grande pressão sobre o erário público», frisou.

Mas para já o executivo tem que lidar e resolver o problema do atraso no pagamento das bolsas. O Téla Nón tem sido o palco privilegiado dos estudantes no estrangeiro para gritarem por socorro. São vários meses de atraso no pagamento das bolsas. «Tudo aponta para que nesta semana consigamos resolver essa questão, não são só para os estudantes em Angola. Temos gritos que vêm de Moçambique, de Cabo Verde onde temos meia dezena de estudantes, do Brasil, de Portugal, etc», realçou.

Para os estudantes em Angola, o Ministério da Educação promete pagar 3 meses de bolsa em atraso, como primeiro sinal para uma dívida que já dura mais de um ano. «Eu próprio nesta semana estarei em Angola e terei oportunidade para conversar com esses estudantes. O Governo vai pagar 3 meses em atraso», assegurou.

Os cerca de 30 estudantes que estão em Angola, foram segundo, o ministro beneficiários de vagas na Universidade Agostinho Neto. Os familiares em Angola assumiram por escrito o compromisso de comparticipar nas despesas, mas depois tudo mudou. Não honraram o compromisso, e o Estado teve que arcar com tais responsabilidades.

Abel Veiga

  1. img
    Cienfuegos Responder

    Boa fazendo muita bm
    Porque muita fome …..

  2. img
    Mario Responder

    n se esquendo dos estudantes em cuba .. marrocos pois tb sao estudande , e n é uma questao de aliviar mais um comprimisso vosso vis a vis dos estudantes

  3. img
    observador Responder

    Há que inverter o quadro, formando internamente as pessoas no País, perde-se em duas frentes enviando as pessoas em formação inicial para o exterior;
    1- São milhares de dólares gastos a pagar 3-4 anos de bolsas de estudo para cada um dos estudantes
    2- Muitos desses estudantes já não regressam ao País

  4. img
    Jornalista Amador Responder

    Meus Srs politicos, mentirosos e demogosgos:
    - Os seus filhos e familiarias mais proximos tambem estão enquadrado nos novos planos de formação nacional ( fazer formação no país9
    - Não devemos ver apenas os custos de formação, mas si m beneficios futuros de uma formação.
    - Quanto custa os Jeep que os dirigentes compram assim que sobem para poder? Esse valor serve para formar quantos alunos durante quanto tempo.
    - Se quiserem que fale mais, avisa…. deixem de 2 tretas, pensem com cerebro e resolve oproblema dos estudante…. problema de STP não é falta de dinheiro….. nmas sim caminho errado em

    • img
      Jornalista Amador Responder

      o dinheiro é obrigado a seguir pelos politicos mal intencionados……

  5. img
    Eusebio Neto Responder

    ja e tempo para nutrirmos a imagem do pais que anda bastante esfomeada. Esforcos devem ser feitos para que os nossos futuros dirigentes sejam alimentados tecnica, cientifica, moral e estomacalmente. Se um desses sustentos for ignorado, correremos risco serio de perdermos esses futuros tecnicos e ou termos tecnicos com graves carencias, nomedadamente no que respeita a disposicao de servir o seu pais. E preciso que as nossas autoridades saibam distinguir o principal do urgente. Vamos acreditar nas palavras do senhor Ministro da Educacao.

  6. img
    cienfugos Responder

    bem nao esquecer mesmo dos estudante de Cuba porque tambem estamos na mesma ou peor situcao que os de mas estudante….
    tambem penso que nao e necessari que os estudante fazem misivas de SOS depois para que o governo diz que nos ira pagar, penso que si o pais envia estudante deve saber que os estudante necessita do seu subicideo

  7. img
    Original Responder

    Amem!

  8. img
    sum pochi Responder

    Antes de tudo ,gostaria mesmo de que o dinheiro fosse enviado aos estudantes , apesar de tudo.Sinceramente e inacreditavel o facto de se enviar coitados(as) para o exterior e depois olvidar-los nos paises alheios. E insuportavel a quantidade de humilhacao que os estudantes S.Tomenses passam no exterior , coitados que por inumeras vezes ate produtos de primeira necessidade lhes faltam : Sabao,pasta de dente ….etc e etc para nao proferir de alimentacao como e obvio. Nao entendo como e que os futuros trabalhadores e servidores do pais possam ser tao maltratados pela nacao que o viu nascer. Nao entendo , que tipo de tecnicos , medicos, economistas, juristas etc…e etc queremos. Que sera do pais com estes ? Ja ouvi da boca de particulares que muitos provindos do estrangeiro muitas vezes nao oferecem seguranca habilitaria e capacitaria ou seja ,,, estudou e estudou mas no sabe nada,,,,,Bem isto nao e dificil de explicar , uma vez que passam fome , semtem maltratados e abandonados por parte da patria Sao tomense. De muito longe um bem estar a todos os Sao Tomenses….ate a vista

  9. img
    luisó Responder

    Espera mais um pouco que vem aí o dinheiro da venda do combustível do navio!!!!!

Deixe um comentario

*