00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

OGE para 2014 avaliado em 159 milhões de dólares

O Primeiro Ministro, Gabriel Costa que entregou o projecto do Orçamento Geral do Estado para 2014 ao parlamento, disse que é realista e apontou o combate a pobreza como sendo o principal alvo da política orçamental para o próximo ano.

Educação, Saúde e promoção da criação de empregos, são segundo o Chefe do Governo as áreas que absorvem a maior fatia do Orçamento geral do Estado para 2014, avaliado em 159 milhões de dólares.

Combate a pobreza é segundo o Governo, o principal objectivo do projecto de orçamento para 2014. Gabriel Costa realçou melhorias registadas na arrecadação de receitas em 2013, acção que disse deve se intensificar em 2014.

Reconheceu que a massa salarial prevista para 2014 atingiu o limite, por causa das responsabilidades assumidas com os profissionais da saúde e educação. Anunciou que os salários absorvem 50% das receitas que são arrecadadas pelo Estado.

A outra metade das receitas é insuficiente para sustentar o funcionamento do país. Por isso segundo Gabriel Costa o Orçamento Geral do Estado para o próximo ano depende em 90% da ajuda financeira internacional.

O Primeiro Ministro deu mão a palmatória quando assumiu dificuldades na execução do orçamento geral do Estado para 2013. Não houve financiamento suficiente para dar cobertura a muitas acções inscritas. A crise financeira internacional que provoca retracção dos parceiros, foi apresentada como uma das causas do fracasso parcial. «A ajuda pública ao Desenvolvimento continua a diminuir, isto fez com que determinadas tarefas que tínhamos programado para 2013 não foram executadas em termos de investimentos quer ao nível dos distritos e das infras-estruturas», assegurou.

Mas para 2014, o Chefe do Governo está mais confiante. « Há sinais bastante positivos relativamente aos acordos financeiros assinados com alguns parceiros. Continuamos a privilegiar a cooperação sul – sul», referiu indicando assim, que São Tomé e Príncipe conseguiu acordos financeiros com os países da sub-região para financiar o OGE.  Angola é um dos países que alimenta a cooperação financeira sul – sul, com São Tomé e Príncipe.

Com  política orçamental de contenção das despesas, projectada para 2014, o executivo acredita que a economia vai crescer 5% e a inflação vai rondar os 7%. «Estamos a desenhar um crescimento económico na ordem de 5% do produto interno bruto, prevemos uma inflação que deve rondar os 7%. Até o final do ano podemos conhecer uma inflação mais baixa dos últimos 20 anos», explicou Gabriel Costa.

Ainda neste ano o parlamento deverá analisar o projecto de Orçamento Geral do Estado para 2014

Abel Veiga

  1. img
    Féla Balía Responder

    Se não fosse a obstaculização feita pelo Patrice Trovoada, quem sabe teríamos conseguido mais.

    • img
      Bom menino Responder

      Diferentemente de aquilo que aconteceu no Parlamento, espero que no OGE2014, apareça o valor da vende do crude. Assim o povo saberá para onde foi esse dinheiro. Nao se entende o porque de tanta insistencia do primeiro ministro em mentir o povo.

    • img
      feijoada Responder

      Es parvo ou k? Um homem consegue bloquear um país? Se este tem tanto poder assim então é ele capaz de ser tudo neste país. Vamos ser franco, o Gabriel não é dinâmico. So o PR e o MLSTP reconhece o Gabriel como bom PM. O Gabriel vai afundar o MLSTP. Podes crer…

    • img
      ferpenapandopo Responder

      E o dinheirinho da venda dos combustiveis que estavam supostamente nos barcos, a onde é que ele está???
      Continuo a espera que alguém me diga por favor.

  2. img
    Lévé-Léngue Responder

    OGE 2014 = Orçamento pré-eleitoral… na certa, estará cheio de promessas por cumprir nos 6 primeiros meses do ano de eleições. Pelo bem de todos, faço votos que a sua execução não fique tão aquém da meta fixada como ficou o OGE 2013. Bem haja a todos!

  3. img
    Energia de Cassuma Responder

    É bom mas Sua Exª Gabriel Costa a energia de Cassuma zona insolada pelos vários governos situado perto de batepá que ainda se encontra nas escuras, tanto como uma estrada digna,agua sem cuidado da EMAE o OGE esta contemplado estas situações básicas?

  4. img
    zeme Almeida Responder

    Para combate a pobreza do proximo ano?No proximo ano de 2014 o primeiro ministro Gabriel Costa de certeza absoluta que ja estará sentado nesta cadeira!Mais uma promessa que ficará para traz nas{Gavetas} e mais tarde virao com desculpas que nao tiveram o tempo suficiente para emplementar o programa tracado pelo governo!Já estamos habituados a estas conversas de tangas dos nossos derigentes.Viva RDSTP

  5. img
    zeme Almeida Responder

    erro{No proximo ano de 2014 o primeiro ministro Gabriel Costa de certaeza absoluta ja nao estará sentado nesta cadeira!

  6. img
    zeme Almeida Responder

    Promessas para guardarem nas gavetas e para fazerem o boi dormir.

  7. img
    Védé! Responder

    Este “governo” não devia ter orçamento nenhum!

  8. img
    madalena Responder

    8 a 9 milhões estão garantidos, pela venda do CRUDE.

    • img
      f Responder

      Mas a onde é que está o DINHEIRO ???
      Está difícil alguém responder…

  9. img
    Kanimambo Responder

    E qual foi a execução do Orçamento de 2013? Brincadeira! Já agora, Gabriel, Ana Rita e o nosso Presidente, viram como é que o miúdo preparou o cemitério de Alto De S.João para a vossa visita? Eu lá estive e nunca vi o nosso cemitério assim tão limpinho. Mais uma xapada de mão fechadas. E consta que o Gabriel passou pelo Kiney e nem o cumprimentou. Gabi o que é teu está a chegar.

  10. img
    Santiago Responder

    Eu acho que existe grande bolo que via sair deste OGE para “Banho” eleitoral que se avizinha. Bandos de………….

  11. img
    Wadson Almeida Responder

    Alguém sabe me dizer qual foi a percentagem de execução do actual OGE??
    Gostaria que a Jornalista São de Deus Lima voltasse a convidar o Senhor Gabriel Costa para mais um programa “Cartas na mesa” para ele desvendar de onde virá o financiamento para mais um OGE…
    Não acredito neste Governo, sem perspectivas, sem programa de Governo, sem orientação, direcção nem liderança. A nossa sorte é que teremos eleições em 2014 para o POVO quando for chamada a ter voz, expressar a sua ira, a sua revolta e a sua insatisfação para com este governo sombra.
    Viva a democracia e viva o povo de STP…

  12. img
    João Martins Responder

    Para este Orçamento vão buscar o dinheiro aonde, vão vender os burros- não chega -, vão vender os prados que ofereceram aos oficiais do exercito ou vão buscar a china popular? Já sei o Pinto vai ficar de braços esticados no Rossio

  13. img
    .A. Gomes Responder

    Como é que fica as mil casas prometidas por um ministro deste governo
    Como é que fica os três mil postos de emprego prometido por um ministro deste governo
    Como é que fica a formação dos 3000 atletas prometidos por um ministro deste governo
    Bem Haja
    Gomes

    • img
      Toni Responder

      Realmente é tudo aos mil de cada vez, e o resultado aritmético é igual a zero!!!!

  14. img
    Joao Chatiça Responder

    Concordo com as preocupações sobre a execução orçamental de 2013. Afinal o que foi feito e o que não foi feito? Quanto é que se conseguiu encaixar e donde vieram ops fundos?
    Por estas e por outras que dou mãos à palmatória reconhecendo o que o ex-presidente Fradique Menezes fazia e que muitos consideram que ele estava a imiscuir nas questões governativas. Entendo a governação como um todo e nenhum dirigente do Estado está acima do Presidente da Republica, logo os presidentes da república também têm poderes como o de obrigar os governos a dizerem o que andam a fazer. Como não queriam dizer nada, foram eles proprias se demitindo ou deixando sinais claros para suas demissões. Mas infelizmente com este PC, todos lhe fazem de gato e sapato.

  15. img
    Barão de Água Izé Responder

    Enquanto o modelo económico / agrário (Lei(s) da Terra), não for alterado para a privatização de milhões improdutivos de hectares de terreno que estão na “mão” do Estado, podem suceder-se inúmeros OGE que a pobreza estará bem colada à nossa Terra.
    Essa reprivatização iria, entre outras vantagens, iri acriar um verdadeiro mercado financeiro estimulando os Bancos que operam em STP financiar a Economia (agricultura, pescas e turismo) de uma forma bem importante, iniciando-se a descolagem da pobreza.

  16. img
    Cão mudu. Responder

    Dois Antigos Responsáveis máximo da JMLSTP. Parabéns para vocês, porque estão a colher o que plantaram de boa fé, neste País da Juventude.

  17. img
    Massarico musseque Madeira Responder

    não ser´´a mais um orçamento sem verbas a espera de esmola como outros fizeram? at´´e a data n h´´a salario p professor e tecnicos da saude , ser´´a possivel ir a escola c fome? Sabem o preço do arroz na praça j´´a vai a 30 paus para pobre, mesmo arroz podre de delfim neves ja esta na rua fortemente, dê uma vista de olhos no mercado isso n ´´e critica ´´e realidade

  18. img
    Toni Responder

    Quando é que STP começa a ter Políticas viradas para a produção, exportação dos seus únicos produtos, aproveitar a sua posição regional.
    Não consigo entender estes orçamentos de estado, realmente o nosso Pais será sempre pobre.
    Os USA tem a voz da América, ouvi que pagam 200 mil dólares anuais, ridículo que uma superpotência tenha um centro de comunicações estratégico em África quase de borla. Em PT pela base dos Açores os USA pagam cerca de 2 mil milhões de dólares por uma base que quase não tem interesse. Eu trabalho numa multinacional que factura anualmente em África 500milhoes de dólares, com 80 funcionários nesta área . Mas de facto estamos a falar de um Orçamento de um Estado Independente e com riqueza natural!!!!

  19. img
    tlabâ sâ lenço Responder

    não ingana o povo, por favôr… estamos num pais onde a senceridade não funciona, conciência já não se fala, vcs só estão preicupado com vossos bém estar.. Deus venha ao mundo, pra progridir o bém e acabar com maldade de gabriel costa.

Deixe um comentario

*