Destaques

“A estabilidade não é apenas uma questão de aritmética eleitoral….”

São palavras do Presidente da República Manuel Pinto da Costa, na cerimónia de cumprimentos ao corpo diplomático acreditado em São Tomé e Príncipe, por ocasião do novo ano.

O Chefe de Estado são-tomense, disse ao corpo diplomático, que o resultado das eleições de 2014, gerou um quadro político no país, que tem todas as condições para proporcionar um clima de estabilidade. «Mas, como repetidamente tenho afirmado, a estabilidade não é apenas uma questão de aritmética eleitoral num regime democrático com o desenho constitucional como o nosso», declarou, o Presidente da República, chamando assim a atenção do corpo diplomático.

Logo a seguir Pinto da Costa, detalhou para os representantes da comunidade internacional, presentes no salão nobre do Palácio do Povo, os aspectos que estão para além da aritmética eleitoral, e que são fundamentais para a estabilidade, num país com desenho constitucional como é o caso de São Tomé e Príncipe. «Para que a estabilidade que, todos concordam, tão necessária é para o desenvolvimento, seja de facto uma realidade, exige-se o respeito pelas leis, pela constituição, pelas instituições do Estado, pelos direitos das minorias, e, sobretudo, uma cooperação institucional baseada no diálogo, nos valores democráticos, na complementaridade entre todos os órgãos de soberania e nas competências próprias de cada um. Gostaria de vos transmitir que é minha convicção que estão criadas todas as condições para que tal aconteça», precisou o Chefe de Estado são-tomense.

Antes de falar da estrutura que a estabilidade pode ter para forjar o desenvolvimento de São Tomé e Príncipe, Pinto da Costa, ouviu o discurso do embaixador de Angola, Alfredo Mingas, a qualidade de decano dos embaixadores acreditados em São Tomé e Príncipe. Um discurso que caracterizou a situação política e sobretudo económica a nível mundial, como sendo bastante instável e com impactos graves para os países mais vulneráveis.

Diagnóstico idêntico fez o Presidente de São Tomé e Príncipe, da situação a nível do continente africano, com destaque para a sub-região da África Central e do Golfo da Guiné, que se confronta com o terrorismo promovido pelo grupo islamista radical Boko Haram. «Para além das ameaças à paz, da instabilidade que ainda afecta vastas áreas do continente, o fenómeno do terrorismo, a epidemia do ébola, a pobreza e a fome, associa-se ainda a persistência de uma crise económica internacional. Os efeitos da queda dos preços do petróleo, assumem particular relevância na região do Golfo da Guiné, dependente em grande parte das receitas petrolíferas. Esta é uma nova equação cujo impacto na economia da região é ainda difícil de determinar e que afectando parceiros importantes de São Tomé e Príncipe na região poderá também, por isso, ter consequências no desenvolvimento do nosso país», frisou.

A posição de São Tomé e Príncipe, em relação a instabilidade na sub-região, foi destacada pelo Presidente da República, num discurso cujo teor o Téla Nón publica na íntegra. Clique –Discurso PR

Abel Veiga

    6 comentários

6 comentários

  1. santola

    9 de Fevereiro de 2015 as 7:55

    Para boa entendedor, meia palavra basta sr Presidente. O sr. sim é um politico de verdade, e quer de facto o bem deste país. Não se intimide sr. Presidente, “quando o inimigo nos persegue, é porque estamos no caminho certo” força aí.

  2. arroz podre

    9 de Fevereiro de 2015 as 9:08

    …”pelos direitos das minorias, e, sobretudo, uma cooperação institucional baseada no diálogo” quando O Sr. Presidente da República e o seu grupo encontram-se em desvantagens.
    Lembre-se de Dezembro/2012 quando houve manifestação gigantesca que o senhor disse” o povo só manda na urna” , agora aguenta até 2016.
    O ADI vai exercer o seu poder de acordo com a Lei da República, batatinha não haverá.

  3. Entendedor

    9 de Fevereiro de 2015 as 10:41

    Eu entendi e muito bem o que PR quer dizer.

  4. Bom sinal

    9 de Fevereiro de 2015 as 12:04

    Senhor arroz podre! És mesmo podre para não perceber que o povo deu maioria mas está a dormir? Achas que o povo não conhece bem e o mal? O teu comentário mostra claro que és de em determinado partido politico que quer instabilidade no pais e que desrespeita o Presidente da República mas o povo não quer isso pork estamos farto de instabilidade. Se o povo tivesse mesmo a dormir não terias tantos votos contra no seu comentário e só um a favor que deve ser teu próprio voto.

  5. manga

    9 de Fevereiro de 2015 as 14:02

    Os nossos alunos têm tomado santo quase diariamente nas nossas escolas, mas a comunicação social nem fala do assunto. Porque será?

  6. Original

    10 de Fevereiro de 2015 as 19:20

    lamentávelmente,comentários deste querido jornal é como uma luz dentro de casa com porta e janela fechada.Comentários que ficam entre nós leitores e população não tem acesso às questões que são apresentados aqui.Eu e outros,independentemente de comentários de cada um,estamos a contribuir porque temos que conviver com diferenças sem impor aos outros o nosso ponto de vista.A lógica das coisas é sustentado através de ciência e e comentários também são sustentados através de conceitos e preconceitos dependendo se estamos do lado da lógica de razão ou se fomos moldados para dar resposta de forma cega aos acontecimentos como tem acontecido.Neste momento não existe Partido padrão para S.Tomé e Principe nem o papá como alguns pensam e acho que este povo a que pertenço é tão ignorante que se alguém incutir na cabeça de um elemento de que a sua mão esquerda é direita e vice versa,aceita.O nosso povo deixou de pensar com a sua cabeça, ver com os seus olhos, passando a repetir o que outros querem chegando ao ponto esquecer de si devido migalhas que nem dá para sobreviver.Todo ser humano deve viver com honra e orgulho.Viver de suborno e às custas de graxa,acabamos por ser humilhados e servimos de zombaria por parte daqueles a quem batemos porta.Temos que ter orgulho e este orgulho começa pelo nosso próprio nome que temos que defender para que a nossa família ande com cara levantada na sociedade.Ser pobre e honrado vale mais que rico avarento e soberbo porque tudo quanto acontece debaixo do céu Deus sabe e sua justiça leva tempo para dar-nos oportunidade de reflectirmos mas se ignorar-mos que tudo que tem princípio tem fim quando chegar a hora,muitos que riem passam a chorar e vice versa.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo