Governo põe em marcha campanha de nacionalidade para os ex – serviçais e os seus descendentes

Mão-de-obra Angolana, Moçambicana e Cabo-verdiana começou a vir para São Tomé e Príncipe no início do século XX, e em condições especiais de semiescravatura, para garantir a produção do cacau e café.  Na década de 40 do século XX, aconteceu o boom dos serviçais cabo-verdianos para as roças.

Os mesmos cabo-verdianos, angolanos e moçambicanos, continuaram a ser o braço potente de São Tomé e Príncipe, na produção da única fonte de receitas do país depois da independência, cacau e café.

A independências em 1975, deu- lhes o Estatuto de São-tomenses. A democracia pluralista nascida em 1991, retirou-lhes tal Estatuto. Tudo porque a política da nova República nascida em 1991, temia o poder de voto dos ex- serviçais, e dos seus descendentes.

A maioria absoluta da ADI nas eleições de 12 de Outubro de 2014, considerada pela liderança do partido como uma nova revolução em São Tomé e Príncipe, devolve aos ex-serviçais a cidadania são-tomense.

O Governo decidiu em conselho de ministros atribuir nacionalidade são-tomense a todos os cidadãos estrangeiros que residem em São Tomé e Príncipe a data da independência.

Acto contínuo a decisão do Conselho de Ministros, o Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, inaugurou a campanha de nacionalidade a nível nacional. «Todos aqueles que a data da independência residiam em São Tomé e Príncipe, terão direito, sendo são-tomenses de origem. Queremos avisar a todas as pessoas que poderão dirigir aos postos em todos os distritos e na região autónoma. E esse processo está isento de qualquer pagamento, em suma um processo gratuito», anunciou Roberto Raposo, Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos.

Segundo o Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, a campanha de nacionalidade decorre de 8 de Março a 8 de Agosto.

Para além dos milhares de cabo-verdianos e seus descendentes que constituem parte significativa da população de São Tomé e Príncipe, os ex-contratados angolanos e seus descendendes espalhados pelas roças e bairros do país, alguns moçambicanos já na terceira idade, e também portugueses que a data da independência residem no arquipélago, são abrangidos pela campanha de nacionalidade são-tomense.

Recuperam a cidadania são-tomense e dentre outros direitos, o de elegerem e serem eleitos.

Abel Veiga

Notícias relacionadas

  1. img
    Seabra Responder

    Li com muita atençao o artigo do Abel Veiga…como sempre muito interessante.
    Mas acho que nao é um FAVOR que de atribuir a nacionalidade a todos aqueles que participaram na construçao do pais, STP…é um direito.O novo governo nao fez NADA DE ESPECIAL, quanto a este assunto de NACIONALIDADE, que aliàs,este direito à NACIONALIDADE jà existia logo apos à independência…foi o Miguel TROVOADA que veio desfazer o que jà estava feito, por medo de ver estes esclarecidos votarem. Foi simplesmente por ABUSO destes Trovoadas, que se julgam donos e proprietàrios de STP, como se se tratasse de uma roça, ora que nem meios têm eles para serem propriètàrios de uma vivenda, se nao fosse o ROUBO que têm feito, nos desvios dos BENS sao-tomenses.
    Até aqui, este governo P.TROVOADA-ADI, nada têm feito do prometido, durante a campanha das eleiçoes…DUBAI, tecnologia “partout” etc…para enganar o Zé Povinho, vao saindo com umas informaçoes antigas “renovadas”, sobre um direito ELEMENTAR, para fechar os OLHINHOS do resto do que nao se passa, como PRO-ME-TI-DO! Capiscci?!
    Patrice, Afonso Varela (testas de Ferro…), andam a querer fazer engolir o seco pelo molhado…cuidado , Malandros, porque quando vocês cairem, nao vai ser como O Charlie, mas sim “je ne suis pas Afonso da Graça Varela”, “je ne suis pas Patrice Trovoada”.Vai ser HO-RRI-VEL!!! Estàmos aqui para VER, a vossa “CHUTE” como as estàtuas do muséu de MASSOUL.
    Serà como o “dicton”diz: “cà se faz, cà se paga…”.

  2. img
    Francis Mekano Responder

    Ironia da história. Foi o ADI que 1993 na altura capitaneado pelo Carlos Neves,Edgar Neves,Flavio Santos e Gabriel Costa apoiado pelo Presidente Miguel Trovoada passaram uma lei no parlamento retirando cidadania aos angolanos,moçambicanos e sobretudo aos caboverdianos com medo do poder de votos dessa franja da nossa sociedade porque era sabido que eles votavam normalmente no MLSTP. Passados 22 anos o ADI quer tirar dividendos de uma mal que eles criaram…enfimm. O mais importante é repor a justiça.

  3. img
    Ê Bilá Úcu Plôcô Responder

    -Foram os Trovodas a desfazerem e devem ser os mesmos a concertarem.

  4. img
    filipe Muhongo Responder

    Pinto da Costa, enquanto garante da Constituição do seu país, tem fortes responsabilidades morais, para garantir um dos direitos fundamentais dos cidadãos, o direito à segurança e à vida dos (Ex-Assalariados desterrados da patria natal feitos escravos no campo de concetração nas roças)
    Abel, o senhor sabia que Portugal e Angola, tem estado a financiar a casa dos idosos em Sao-tomé como uma divida?
    Poderia, publicar o documento decretado que faz menção a anulação de estatuto de cidadania após a segunda República, que teve o seu inicio em 1991.
    Estou grato pelo artigo
    Os meus melhores cumprimentos

  5. img
    nono Responder

    aisnacionalidade é uma coisa muito importante , não podemos dar nacionalidade a pessoa sem pedir registo craminal nen gratuitamente, temos q pensar na nossa segura , com muito assalto a ser realidao no pais esto é uma maldade contra cinadão sao-tomense q não recebe nacionalidade gratis em este paises.cv, pt ang.munssabq

  6. img
    Seabra Responder

    Agradeco ao senhor Francis Mekano, pelos nomes dos “decisionarios” sobre esta posição abusiva de tirar a nacionalidade aos residentes de longa data, gerações já nascidas em STP que como já disse contribuíram para o desenvolvimento do país…é um direito. Ainda bem que há pessoas q ñ têm a memória curta , como o Francis, q nos informam ou lembram-nos o importante.
    O Gabriel Arcanjo Alamao Ferreira da Costa, Outro grande militante da JOTA (que até optou o penteado, os óculos o estilo igualito ao Pinto da Costa, que ele venerava),aproveitou muito bem do estatuto da JOTA , para andar a lorear as povides com as mulatas , exclusivamente caboverdeanas (Fatinha, …), e outras tantas mestiças que ele andou a desgraçar ( Margarete, Alvim…..), e quando esteve em França fez a mesma desgraça, com tantas outras, inclusive com à sobrinha do Pinto da Costa, à Lúcia Ceita.
    O que ele fez as filhas dos outros?….destruir! Cedo ou tarde haverá justiça.
    Talvez o Gabriel quis se vingar daqueles caboverdeanos, moçambicanos, angolanos….que foram clientes das irmãs. Aliás, o comportamento de abuso que ele tem com as MULHERES, sobretudo as de bons princípios morais, ele tenta espezinhar, fazer sofrer, destruir e depois abandonar.
    Ele foi estrangeiro e viveu fora de STP, ele conhece o problema relacionado com a situação regular, dito legal pelos documentos…ele pretende ser da esquerda e humano. Como pôde ele alinhar nesta escandalosa decisão?
    A ambição “démesuree”,pode levar certas pessoas à matarem pai e mãe para obterem o desejo cobiçado.
    Conheci muito bem o Gabriel,apesar de muitas más condutas que parece ele ter tido ,ainda quis eu acreditar que sobrava uma pequena boa coisa dele.
    Definitivamente NÃO! É triste….

  7. img
    filipe Muhongo Responder

    Estamos perante a Politica de Discriminação Racial, eu qualifico isto assim, onde anda aqueles juristas e provedores dos Direitos Humanos, da Comunidade Lusofona, e seus representantes? Agora se fosse em Guiné-Equatorial, poderiam vir ao publico lamentar violação dos Direitos Humanos lavrado na carta das Nações Unidas.
    Quem vai defendar a honra e dignidade desses roceiros e seus descendentes indefesos. Eles devem fazer uma queixa com um abaixo assinado às entidades ou Institutos Internacionais, se ainda funcionam em STP, se bem que esta violação deveria ser, registrado e publicado no relatório anual das Nações unidas sobre a Africa e no da Organização não Governamental. Repor o estatuto é metade da solução, ainda falta uma indemnização pelo abuso do acto cometido e pedir desculpa aos descendentes: Angolanos, Caboverdianos e Moçambicanos.

    Em memoria dos mortos e dor dos feridos
    Ngola Kiluange Ya Samba

  8. img
    ANCA Responder

    Muito bem

    Acto de Justiça, da nossa identidade, traço claro da nossa constituição, como povo SãoTomense.

    Quem dúvida tiver que se desengane, e jamais voltemos a dividir para reinar, como no colonialismo, como na primeira República pós independência, assim como nos primeiros anos do advento do pluralismo-democrático no País.

    Outro Acto que considero de Justiça e facto Histórico, são as Estátuas de João de Santarém e Perô Escobar Homens que descobriram e povoaram as ilhas hoje chamada de São Tomé e Príncipe, tal como o Rei Amador, embora este último, deve-se fazer um esforço nacional para provar com documentos, marcas geológicas da presença de povos no sul da ilha de São Tomé, a quando da chegada dos primeiros Portugueses, (quer gostemos ou desgostemos de factos Históricos, e toda a História e enredo que aconteceu no solo designado hoje de São Tomé e Príncipe, pois estas estátuas deviam servir de visão estratégica no enquadramento Geo-Político regional e mundial, na interação com a África, Europa, com a America e Asia, deviam estar no devido, alpendre, enquadrado na cidade, como parte representação Histórica daquilo que fomos ontem e aquilo que somos hoje (poder contar a nossa História sem medo nem vergonha, vergonha esta que deve ser daqueles que escravizaram, e jamais nossa hoje como povo livre), faz parte da nossa realidade, Histórica Cultural, ao em vez de estarem junto ao mar a se estragarem com salitre, seria um marco com fonte de divisa do sector do Turismo, se bem enquadrado nos pontos Turistícos estratégicos, para quem nos visita, assim como toda a arquitetura colonial Portuguesa, casas e vivendas coloniais, onde algumas delas deviam ser transformadas em museu histórico de referência turística, uma fonte de receita.

    Ser Altruísta é pegar na Herança que recebemos e transforma-la em mais valia económica social e financeira para o País.

    Assim como o marco da representação Geográfica Física do Centro do Mundo, devia servir de ponto de referência turística, enquadrado com a História por detrás desse marco, assim teríamos, Empresas Turismo, Guias Turísticos nacionais.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  9. img
    Pedro Sancara Responder

    Pessoal gostaria saber o porque os governos anteriores não fizeram isso.

    Como alguém ja falou isso é um Direito, mas por outros governos não fizeram.

    O ADI vai colher os louros com isso sim, e quem vai pagar somos nós porque o Patrício vai Concorrer as eleções preciais e com a popularidade que tem tudo indica que pode ganhar. Com a maioria parlamentar podem mudar a constituição e fazer td que quer em stp. Até estragar o processo democratico de alternancia de poder bem consolidado em STP.

    • img
      Maria Responder

      Patrice sempre defendeu Democracia e nunca defendeu ditadura do Pinto da Costa

  10. img
    santomense Responder

    Pedro Sancara, até as eleições presidenciais muita água deve correr, por isso vamos rezar para que o povo abra os olhos e entenda que neste país, com os governantes que temos, não podemos ter um governo e um presidente da republica do mesmo partido politico.

    • img
      Maria Responder

      Força P.Trovoada! Estamos contigo nas eleicções Presidencias! Doa a quem doer!
      -O País já estava na mão do MLSTP/PSD com P.República e 1º Ministro do MLSTP no poder.
      -O País já estava na mão do MDFM/PL com P.República e 1º Ministro do MDFM/PL no poder.
      E agora é vez do ADI governar com todos os orgão de soberania e tirar esse país do ABISMO.

  11. img
    nono Responder

    a nossa seguransa é mais importante q dar nacionlidade gratituita poderia compra este dinhero serviria para faser hospita escola e coisa mais importantate nacionalidade não se oferece a ninguen

  12. img
    santomense Responder

    O Governo do ADI não está a fazer mais do que sua obrigação,não é favor nenhum, foram eles que acabaram com esta história de nacionalidade. E esta ideia de dar nacionalidade aos antigos serviçais das roças e seus descendentes não é ideia do ADI, foi um assunto falado e decidido pelo dialogo nacional que o ADI não participou.Lembram-se que foi o Tozé Cassandra que levantou esta questão no Dialogo Nacional?

  13. img
    Jose Sousa Responder

    Meus caros compatriotas!

    Nao facam papel do Primeiro Miniostro de Israel (Netanyhau), que sempre que viaja para Estados Unidos de America, fa-la, levando consigo uma mala cheia de mentiras para os Republicanos engolirem a mil gargalhadas, porque o mesmo nunca teve e nao tem nada de jeito para oferecer em termo de alternativa.
    Nao quero me referir que sou opositor das criticas, mas sim pretendo apelar a todos compatriotas que expoem-nas de um modo construtivo, que so assim esteremos na via certa para dar a nossa nobre contribuicao para o bem estar da nacao em geral.

    Um abraco a todos.
    Ze Manel

  14. img
    Fiote Responder

    O ADI pretende tirar proveito disto, mas não o vai. Concidadãos penso que foi o Governo de Gabriel Costa que tomou a referida decisão e consta em um dos Diarios da República de 2014. Por desconhecimento, e pelo facto do governo do ADI, pelo facto de não ter passado o testemunho, não se preocupou em recebe-lo e por isso desconhece da referida decisão.Devia ter consultado o dossiê que o Gabriel mui habilmente preparou e deixou.
    O Governo de Gabriel isentou tudo mais alguma coisa. Os nossos irmãos só deviam trazer as suas fotos.Só por isso a coisa não andou. Vamos ver como é que Patrice vai lidar com isto

  15. img
    ATINO Responder

    Façam o que quiserem , mas eu sou português porque a minha família também o foi.
    Que consigam do governo de Portugal, que não nos sejam retirado o nacionalidade português.
    Nós não somos coisas, somos pessoas que quer ser tratados por portugueses.
    Não queremos ser são tomemneses mas sim portugueses.

Deixe um comentario

*