Destaques

Portugal e Japão presidem o grupo de amigos do Golfo da Guiné

O grupo de amigos do Golfo da Guiné, criado para promover a segurança e as actividades comerciais na região que envolve São Tomé e Príncipe, é composto pela Alemanha, Canadá, Estados Unidos de América, Itália, Japão, Reino Unido,, França , Bélgica, Correia do Sul, Dinamarca, Espanha, Noruega, Holanda, Portugal, Suíça, União Europeia, o Organismo das Nações Unidas Contra a Droga e a Criminalidade(ONUDC), a INTERPOL e o Brasil na qualidade de observador.

O Grupo que esteve reunido recentemente em Abidjan capital da Costa do Marfim, elegeu a sua nova presidência. Portugal e o Japão, sucederam a França e a Alemanha na liderança do grupo dos amigos do Golfo da Guiné.

Na quarta – reunião do grupo, as autoridades presentes, destacaram o facto do Golfo da Guiné conservar importantes recursos halieuticos, minerais, e petrolíferos. Mais ainda a região em que São Tomé e Príncipe se encontra localizado, regista intensa actividade comercial. É considerado um espaço de trocas comerciais e estratégico.

Por isso, os amigos do Golfo, pretendem contribuir na melhoria da segurança marítima, promover a coordenação da luta contra a pirataria marítima e outros actos ilícitos que tendem a aumentar na região.

Abel Veiga

    6 comentários

6 comentários

  1. Yordanis Ferreira Sousa Pontes

    17 de Dezembro de 2015 as 4:46

    Temos que ter quidado com estes grupos, tou seguro que por detras se seguridad está os seus interesse pessoais. e com as tecnologias que têm essa gente nao vai descansar enquanto nao acabar com os nosso recursos. chegou moentoo de abrir os olhos.

    • MIGBAI

      17 de Dezembro de 2015 as 11:27

      Vai aprender a escrever criatura de Deus.
      E depois de aprenderes a escrever, por favor, aprende um pouco de maneiras sociais. OK.

    • Tony de cá

      17 de Dezembro de 2015 as 19:19

      Sr quais recursos vêm roubar…. As frutas? O peixe? Meu amigo disso eles têm muito e barato.

      O petróleo!!, a menos de 40 uso, não o querem, custa mais tira lo do que o preço actual de venda, e até hoje (2015) que eu saiba , só venderam concessões, tirar que é o que da guito nada.

      Não temos onde cair mortos e vejo o seu comentário, sobre a patrulha e vigilância da nossa costa marítima, em que não temos condições nem meios para o fazer, entende.

      Seja humilde e agradecido por alguns países amigos darem algo para aqui, de facto tem acontecido desde 1975, caso não fosse , diga me como Stp estava….

  2. luisó

    17 de Dezembro de 2015 as 11:11

    Das duas uma caro Yordanis: ou o senhor é menos esperto ou não sabe ler.
    Anda o País a queixar-se por todos os lados que não tem meios para proteger a nossa costa contra tudo e todos e a pedir ajuda para esta luta e depois o senhor vem com esta conversa?
    É melhor continuar como estamos?
    Santa paciência, com gente como o senhor eu se fosse tuga nem cá punha os pés e a gastar o meu dinheiro nisto.

  3. timberlake

    17 de Dezembro de 2015 as 12:33

    Quais recursos ?

  4. Yordanis Ferreira Sousa Pontes

    17 de Dezembro de 2015 as 16:46

    Queria muito agradecer a todos (timberlake,luisó e MIGBAI) pelo vosso comentarios. Talvez têm Razão e realmente os terei em conta. Mais que isso, peço desculpas. Ah!!!, Para responder a timberlake, o texto faz referencia a “Golfo da Guiné conservar importantes recursos halieuticos, minerais, e petrolíferos”.Admais, si o companheiro para e analisa a regiao onde se encontra o nosso país e os recursos que têm os nosso vizinhos, dará conta que a possibilidade de que tenhamos alguns destes recursos é bastante alta para nao lhe dizer que ha documentos oficiais que nao só prova que temos recursos (Petrólio), sinao que há santomenses que fizeram acordos patéticos e injustos com tais recursos, igual que há Santomenses que Lutaram ou tentarao uma negociacao mais justa e coherente com os interesses do povo.
    Gracias. Ah!!!, alguns erros, de pontuacao é por problema de teclado e outros vou melhorando.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo