Destaques

“É neste contexto de recessão que nós queremos crescer”

É uma declaração determinada do Ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares, Afonso Varela, no encontro no fórum da banca nacional, realizado nesta semana.

O Ministro fez tal declaração, após ouvir a explanação da Governadora do Banco Central Maria do Carmo Trovoada, que mostrou o estado da situação económica e financeira do país.

Uma situação difícil, num ano em que ao contrário das projecções do Governo, que apontavam para um crescimento económico na ordem de 5%. «Estima-se que a actividade económica tenha evoluído de forma moderada e o crescimento possa situar-se em torno de 4%. Os indicadores do sistema financeiro continuam a revelar um conjunto de constrangimentos de uma economia com sérios problemas estruturais», declarou a Governadora do Banco Central.

O país que nos últimos anos registou crescimento económico na ordem de 5%, como aconteceu em 2014, ficou estagnado em 2015.

O cenário internacional, aponta para a persistência da crise financeira. Mas o Ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares, por sinal segunda figura do Governo, garantiu aos operadores bancários, que é no meio da crise financeira mundial, que São Tomé e Príncipe vai crescer a partir de 2016. «É neste contexto difícil, é neste contexto de recessão que nós queremos crescer. É neste contexto difícil que queremos transformar este país. Mas é neste contexto difícil que nós temos, todos, que sobreviver», pontuou Afonso Varela..

Uma determinação em vencer a crise, sustentada pelo plano de transformação do país, elaborado pelo Governo e submetido aos parceiros internacionais em Outubro de 2015. O Ministro Afonso Varela, explicou para a banca nacional, os meandros da estratégia, que pretende criar um novo país emergente.

A Governadora do Banco Central, também aposta no plano de transformação como tábua de salvação para o país nos próximos anos. «Esta crise pode ser uma oportunidade para São Tomé e Príncipe. Estamos convencidos que o programa de transformação estrutural do executivo vai reflectir num maior dinamismo da actividade económica e consequentemente do sector financeiro. Por isso é importante que este sector seja um parceiro activo neste processo», confessou Maria do Carmo Trovoada.

A retracção do crédito por parte dos bancos, é um dos factores que tirou dinâmica a economia nacional em 2015. Maria do Carmo Trovoada, confirmou o facto. «Apesar do excesso de liquidez existente no sistema o crédito a economia tem decrescido, e neste ano contraiu em mais de 3% Reflectindo uma atitude ultra conservadora dos bancos, face ao contínuo crescimento do crédito em incumprimento», precisou.

Abel Veiga

    11 comentários

11 comentários

  1. Vexado

    23 de Dezembro de 2015 as 12:44

    Sempre a mesma conversa, a economia de STP crescerá na ordem dos 5%! Mas nota-se que não cresce.
    Mais do mesmo, constrangimentos no mercado: Quais constrangimentos? Não conseguem apontar ou sabem e fazem de conta que não sabem? Estão no cargo para resolver o problema.

    Certo é que a “economia” de certas pessoas estão crescendo e muito. 2016 já então…vai estoirar..!

    O duende varela tem que começar a ser honesto, anda a praticar corrupção e vem a praça publica apregoar conversas fiadas. Patrice deveria perguntar ao varela mais o ministro gomes, porque estes são socios, o que andam fazendo…corrupção total! Engordar a conta bancaria. Largou o escritorio de advocacia para engordar no sector publico.
    Se o Patrice não tirar varela em 2016, é porque um tem rabo preso do outro, cumplices.

    Depois, quando vem a justiça não digam que é perseguição.

  2. Almeida Teolo

    23 de Dezembro de 2015 as 14:58

    Claro que com todo este cambalacho deste governo só poderia servente resultado.
    Como Gabriel Costa conseguiu atingir os 5%?
    Porque não usava fundos públicos para PARÓDIAS por ex como tem feito este governo.
    Este governo está apenas interessado em SAQUEAR os cofres de estado e nada mais.
    Olhem só o alto grau decdesnvolvimento da corrupção que está ocorrendo nas empresas públicas como ex a EMAE, ENAPORT, ENASA etc!
    Veja a questão dos títulos de tesouro!
    É COMO QUEM DIZ:
    O governo FIA o Banco Central MILHÕES DE DOLARES, e para pagar quando houver dinheiro!
    E agora está dando no que está a dar.
    É o,pior ainda está pra vir.
    Que Deus salve S.Tome e Príncipe deste governo de ADI.
    E vamos rezar para que o Japão não saiba que este Governo está comercializando ARROZ PODRE de 13 Contos.
    Senão….nóm molê.

  3. FCL

    23 de Dezembro de 2015 as 15:06

    Realmente, a começar pelo PT e passando pelo senhor, com crise ou sem crise, desde que entraram no governo, vocês nao param de crescer, ou melhor “engordar”…

  4. Manuel Pinto Correia de Jesus Afonso

    24 de Dezembro de 2015 as 8:49

    Varela brinca muito. Varela é um homem sem caracter. Eu tinha muito respeito pelo Afonso Varela mas agora considero-o um dos mais corruptos e lambe botas do PT. Afonso Varela deixou de pensar:

  5. ANCA

    24 de Dezembro de 2015 as 10:39

    Fala-se da situação económica e financeira.

    Fala-se de situação difícil.

    Fala-se de crescimento económico ou falta dele.

    Fala-se de actividade económica.

    Fala-se num maior dinamismo da actividade económica.

    «Estima-se que a actividade económica tenha evoluído de forma moderada e o crescimento possa situar-se em torno de 4%. Os indicadores do sistema financeiro continuam a revelar um conjunto de constrangimentos de uma economia com sérios problemas estruturais.»

    Fala-se de uma economia com sérios problemas estruturais»

    Pois a realidade dos números indicam reflectem bem mais do que somente problemas estruturais económicos e financeiros.

    Reflecte problemas estruturais à nível social, cultural, administrativo/gestão, ambiental, energético, de água, justiça saneamento de meio, desportivo, politico, económico e financeiro,…etc, etc, logo problemas de falta de paz.

    Que sem a organização/estruturação/qualificação/formação, fiscalização das instituições, que têm por objectivos dar respostas aos problemas estruturais à níveis acima, o mesmo significa apanhar água com cesto.

    Desengane quem achar dever ficar de fora pois atribuições são de todos nós enquanto cidadãos SãoTomenses.

    A fé o culto no somente estruturação económico e financeiro, sem inclusão de valências sociais culturais ambiental económico e financeiro especificas de cada região/distrito, pode parecer a solução mais fácil rápida(toque de varinha mágica) como tábua de salvação para o país(Território/População) nos próximos anos….pelo contrario, leva à crises, à miséria, à pobreza à fome que por sua vez gera mais miséria, pobreza e fome.

    Basta atentar a realidade dos números, não obstante evolução nalguns domínios sociais.

    Para um País dependente à 120% de ajudas financeiras internacional, que somente produz 10% da riqueza interna.

    Falar que a crise económica e financeira internacional pode ser uma oportunidade para São Tomé e Príncipe;

    Exige ponderação humildade e verdade, conhecendo a realidade dos problemas falta de estrutura/organização, social, cultural, modernização administrativa/gestão(saber, saber fazer), ambiental, energético, de água, justiça saneamento de meio, desportivo, politico, económico e financeiro, etc, etc,… logo problemas de falta de paz.

    É bom ter um plano, mas ter outros tantos planos a curto médio e longo prazo em carteira é fundamental,se se algo de imprevisto ocorrer, quando se espera que outros tenham disponibilidade financeira para que nos dêem apoiem-nos económica e financeiramente anualmente, é preciso organização estruturação qualificação formação monitorização das instituições internas, a força a necessidade a confiança a crença de uma sociedade civil organizada evoluída social cultural ambiental desportiva politicamente económica e financeiramente.

    O sector instituições da Justiça, Defesa, Segurança Ordem interna fundamentalmente.Organização formação qualificação, monitorização.

    O sector da Banca pode deve ser um excelente máximo, mas com cautela, ponderação, supervisão, monitorização.É uma mais valia, jamais um fim em si mesmo.

    A questão da produção, distribuição da riqueza por Região/Distritos, obtidos pelo crescimento económico e financeiro, impõe condução de planos de verificação distribuição. Assim se pretende de sociedade moderna evoluída, no combate à miséria, pobreza, fome.

    O tempo é hoje e agora

    Se se queres ver o País(Território/População/Administração/Gestão)bem.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  6. ANCA

    24 de Dezembro de 2015 as 10:53

    A humildade, ponderação, responsabilidade sentido de Estado(da qual todos fazemos parte), exige-se.

    Há muito a fazer executar, tarefa de todos, enquanto cidadãos Sãotomenses, a cultura de gosto trabalho a cultura de responsabilização de saber saber fazer, de justiça, de ordem, de organização impõe-se, para a modernidade.

    Ao qual cada cidadão deve reflectir sua conduta, acusar seu pensamento.

    As questões violação infantis, adolescentes, crimes, da miséria, da pobreza fome, problemas crises sociais, culturais, ambiental, energético, dá água potável para o consumo, problemas crises ambiental, desportiva, política, económica e financeira, exige outra postura/responsabilização das instituições, dos cidadãos, da sociedade civil organizada.

    O tempo é hoje e agora

    Acredita

    Se se queres ver o País(Território/População7Administração/Gestão) bem.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  7. Economista

    25 de Dezembro de 2015 as 7:22

    A Governadora já deu provas que é uma incopetente, não sei porquê ainda continua no cargo!!! Com discursos repititivos e decorados! Só muda no visual do cabelo, volta e meia muda de estilo de pirucas e de côr

  8. Povo pequeno

    25 de Dezembro de 2015 as 11:05

    Governo mais corrupto e incompetente que STP já teve. Pior é que a comunicacao social (Tvs e Radio Nacional) passam o tempo a desinformar a populacao, so passam imagem de que o governo esta a trabalhar muito (inauguracao de chafarizes, postes de luz, casas de vanplega e lavandarias). Pois é, aproveitam os pontos fracos do povo p os enganar, enquanto vao aprontando das suas, viagens a atrås de viagens, com subsidios gordos e cofre de estado cada vez mais vazios. Alguém de direito que investigue o programa de empreendedorismo jovem e a conta bancaria dos envolvidos, Instituto da juventude.

  9. seabra

    25 de Dezembro de 2015 as 14:19

    Ah Varela,quem te ouviu e quem te ouve…onde se encontra aquele Varela que tinha ideais progressita e positivo para STP? O que é feito desse A. Varela da JOTA? Onde está esse Varela que condenava e combatia firmemente a política do clã Trovoada?….
    Hoje,o individuo politico dos + corruptos em STP,é este anão-balão do Afonso Varela.
    Falo em nome de todos os camaradas que conheceram o Varela outrora,que todos estámos profundamente decepcionados,do que ele é hoje”um montao de lixo ambulante,puxa saco,ladrão descarado,oportunista,calculador…”,em suma,indigno de respeito.
    Ele hoje está à destruir aqueles q representam o pai dele,a familia dele…gente do povo,muito pobre…eis os coitados que ele e corja,exploram,roubam,esmagam!
    Quem é o Varela finalmente? Qual será o fim dele?
    Estámos atentos…observamos…veremos!!!

  10. Descamisado

    29 de Dezembro de 2015 as 9:56

    Tanto o senhor Afonso Varela como a senhora Maria do Carmo,por ser Governadora do Banco Central do Estado pensam que a Sociedade Santomense é formada e constituída somente pelos analfabetos.
    Mesmo os Países altamente desenvolvidos, afectados pela crise financeira mundial têm dificuldades na sua poupança externa e interna, quanto mais uma República Democrática de S. Tomé e Príncipe, país pedinte, que continua de braços estendidos com uma balança comercial deficitária, com muita corrupção a aumentar nas grandes Instituições como é o caso da EMAE, ENAPORT, ENASA em que os seus responsáveis em colaboração com alguns Directores e Ministros fazem das suas enchendo bolsos.Ainda por cima com uma péssima justiça e um Ministério Público que não funciona, colado aos decisores políticos.
    Por tudo isso o País não se vai emergir sem cumprir com as orientações do FMI(Fundo Monetário Internacional) e do BAD (Banco Africano de Desenvolvimento). São estes parceiros que ditam as regras. Por outro lado, a República Democrática de S. Tomé e Príncipe não consegue emergir, porque não tem uma produção que gere ou cria riqueza.
    Se o senhor Afonso Varela e a senhora Maria do Carmo Trovoada apontar alguma produção em grande escala para a exportação que informem de concreto as populações, à não ser com o crédito mal parado, como é o caso dos cambistas em que o próprio Governo não consegue controlar.

  11. Vexado

    29 de Dezembro de 2015 as 15:05

    Não é que o Sr. Varela também foi ministro em outras legislaturas anteriores. Fez parte, contribuiu para o estado do país e hoje anda cuspindo no prato que comeu e come.

    Quando vier a justiça…não diga que é perseguição pilitica e nem nutre raivas, porque haverá vacina: cadeia.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo