Destaques

Bloqueio parlamentar terá forçado visita surpresa de deputados ao hospital central

Os deputados das bancadas da oposição que visitaram o hospital Ayres de Menezes na quarta – feira, para se inteirarem da doença de origem desconhecida que está a alastra-se pelo país, denunciaram o posicionamento do Presidente da Assembleia Nacional, José Diogo. «A quinta comissão especializada da Assembleia Nacional, vocacionada para questões sociais, solicitou autorização para que viesse visitar o hospital, e o Presidente da Assembleia Nacional indeferiu o pedido», denunciou o deputado Jorge Amado, que falou na qualidade de porta-voz do grupo.

Para os deputados da oposição, a doença de origem desconhecida, que está a preocupar as autoridades sanitárias do país e a comunidade científica internacional contactada para investigar a sua origem, terá se transformado num tabu para o Presidente da Assembleia Nacional. «A quinta comissão introduziu pedido para auscultar a ministra da saúde. O Presidente da Assembleia Nacional indeferiu o pedido», pontuou Jorge Amado.

O bloqueio das acções da comissão especializada do parlamento para questões sociais, terá forçado os deputados das bancadas da oposição a agirem no sentido de se inteirarem de uma situação que é de interesse público e nacional, a doença de origem desconhecida.

Os deputados da oposição enviaram uma carta a ministra da saúde, Maria Trovoada, anunciando que iriam visitar o hospital, na quarta – feira pelas 10 horas, para conhecerem a realidade face ao surto da doença desconhecida.

A hora indicada, os deputados da oposição entraram pelo hospital central, sem acompanhamento do director geral, que segundo Jorge Amado, disse não ter tido conhecimento da visita.

E a visita aconteceu. segundo o grupo de deputados os pacientes e o pessoal clínico relataram o drama provocado pela doença de origem desconhecida.

Abel Veiga

    13 comentários

13 comentários

  1. Luis Silva

    9 de Fevereiro de 2017 as 3:38

    Doença de origem desconhecida ou falta de leitura ?

    Úlcera de Buruli(Infección por Mycobacterium ulcerans)

    Tratamiento

    El tratamiento consiste en una combinación de antibióticos y tratamientos complementarios (véase “Minimización de la morbilidad y prevención de discapacidades/rehabilitación”). Hay orientaciones terapéuticas para los profesionales sanitarios en la publicación de la OMS titulada Tratamiento de la enfermedad por Mycobacterium ulcerans (úlcera de Buruli).
    Tratamiento de Mycobacterium ulcerans (úlcera de Buruli) – en inglés
    Recomendaciones para los profesionales de la salud

    Antibióticos

    Se utilizan diferentes combinaciones de antibióticos durante ocho semanas para tratar la úlcera de Buruli con independencia de la fase de la enfermedad. En función del perfil del paciente, se puede utilizar una de las siguientes combinaciones:
    una combinación de rifampicina (10 mg/kg una vez al día) y estreptomicina (15 mg/kg una vez al día); o bien
    una combinación de rifampicina (10 mg/kg una vez al día) y claritromicina (7,5 mg/kg dos veces al día); se ha utilizado utilizada aunque su eficacia no se ha demostrado mediante ensayos aleatorios.

    Dado que la estreptomicina está contraindicada en el embarazo, la combinación de rifampicina y claritromicina se considera también la alternativa más segura para ese grupo de pacientes; o una combinación de rifampicina (10 mg/kg una vez al día) y moxifloxacina (400 mg una vez al día), utilizada también aunque su eficacia no se ha demostrado mediante ensayos aleatorios.

    • Maria de Fatima Santos

      9 de Fevereiro de 2017 as 9:07

      Por favor! As autoridades sanitarias em momento nenhum confirmaram ser esta (Ulcera de Buruli) a doença que afeta o pais neste momento. De acordo com a Min. da Saude o Instituto Ricardo Jorge esta ainda a fazer os seus estudos. E o especialista que ca esta na abordagem a imprensa tambem nao confirmou. Portanto, ate prova em contrario, esta é sim uma doença desconhecida e de origem tambem desconhecida.

      Entretanto ha sim fatores que as autoridades deviam ter tomado em conta ha muito tempo que teria sido por exemplo implementar medidas de emergencia para a limpeza e saneamento da cidade e arredores, onde parece a olhos de qualquer leigo, ser o possivel foco de doencas quer desta quer de outras que ainda possam vir a surgir. A nao ser que se esteja a inventar um projeto a ser aprovado em Cons. de Min. para implementar a limpeza obrigatoria da cidade… com financiamento sei la qde quem…

    • Quidide

      9 de Fevereiro de 2017 as 11:38

      Caro comentador Luís Silva, se se tratasse de Úlcera de Buruli efetivamente, não haveria razões para pranto. Talvez tenha alguma semelhança mas não sei de facto é. Nem eu nem os meus colegas que se encontram no terreno a lidar diariamente com a situação. Desejo que tudo se esclareça o mais brevemente possível, e que as autoridades competentes cheguem rapidamente ao tratamento eficaz para que não haja necessidade de amputação ou de cirurgia plástica para os doentes afetados.

  2. Ralph

    9 de Fevereiro de 2017 as 3:40

    Espero que as autoridades de saúde consigam identificar a origem desta doença e desenvolver uma cura o mais rápido possível. É muito triste ver cenas como estas.

  3. baluba

    9 de Fevereiro de 2017 as 7:30

    Huummm….. Isto esta a ficar cada vez pior. Um presidente da Assembleia a indeferir um pedido de uma,comissão especializda da assembleia? Quem disse isso. Alias, i que é que o senhor Diogo Baluba entende disso. E o que estará a senhora da ministra a esconder para não aparecer nem informar o director do hospital? Isto esta ficar muito pior…..

  4. Rei na Barriga

    9 de Fevereiro de 2017 as 10:58

    Finalmente a opoposição acordou. Uma ministra impede deputados da nação a entrar num hospital? Só em STP!STP não se respeita entidades, noutros países a ministra era logo demitida. Deputados, convenhamos!

  5. Revoltado com ADI

    9 de Fevereiro de 2017 as 11:07

    Oposição acordou, STP agradece…

  6. EX

    9 de Fevereiro de 2017 as 11:25

    Essa Assembleia e esse Governo querem de qualquer maneira ofuscar a Oposição.
    A Oposição não tem voz nem vez na Televisão Estatal, caso se for para elogiar o Governo, e agora na Própria Assembleia isso acontece, só nos falta começarem a mandar prender quem ousar criticar esse Governo.

  7. Geoge Dunkerque junior

    9 de Fevereiro de 2017 as 12:35

    Eu não percebo o Ministro Varela.Se calhar depois do Almoço não é de bom tom que ele dê entrevistas.

    Então ele quer chamar responsabilidade aos Deputados da Nação? Onde é que se viu isto? Dizer que os deputados violaram as leis da República? Quais leis?
    Qual é o papel dos deputados? Senhor ministrozinho? Então quem anda a violar as leis da República a torta e direita? Não é o Governo do ADI e o seu PR?
    Diga lá? Diga lá verdade. Abra a comunicação social Pública para o povo e para a oposição, uma vez que estamos na democracia e há liberdade de opinião, de pensamento e do contraditório?

    Que brincadeira. Léte bôo sa fogo zha.

  8. Carlos de Oliveira Martins

    9 de Fevereiro de 2017 as 12:42

    Chey, então quer dizer que o Presidente da Assembleia Nacional é um grande Bloquei a Democracia?
    Este Baluba? Só pode ser mesmo um Zairense.
    Um Gabonês todo poderoso, e outro zairense presidente da Assembleia , estamos fdidos.

  9. Quiostide Sousa

    9 de Fevereiro de 2017 as 13:45

    Os deputados da oposição são uma vergonha para STP. Serão eles profissionais de saúde ? Não sabem cumprir as regras básicas de ética e privacidade dos doentes que neste momento sofrem com a doença? Terão eles levado alguma solução para esses doentes ou foram lá fazer política num dos locais menos apropriados para o fazer? O Jorge Amado e os que o acompanharam ao hospital, não passam de desordeiros e indisciplinados que fazem política com a saúde das pessoas em local errado e ainda mais sem autorização das autoridades responsáveis pela área de Saude. Jorge Amado e os da sua laia só nos sabem envergonhar. Tem sorte que está doença aparentemente não se transmite facilmente, caso contrário, sem os devidos preparativos, perante uma doença cuja etiologia ainda está por identificar correram sérios riscos de saírem do Hospital infectados pela doença com essa visita extemporânea.

  10. Vexado

    9 de Fevereiro de 2017 as 15:26

    Isto está fora do controlo. O ministro varela maior aldrabão da republica, criticando o outro de violador das leis?
    Quem comeu dinheiro de orçamento do cidadão/Estado?

    A oposição fez mais do que a sua obrigação,ver in loco a situação dado que o Presidente da Assembleia NAcional segue orientações superiores do Primeiro Ministro.

    Varela para cadeia de alta segurança já…

  11. Seabra

    10 de Fevereiro de 2017 as 0:18

    A.Varela,PT/ADI…estão a provocar grandes danos à instituição são-tomense.
    O hôspital é um patrimônio de todos e ninguém tem o direito de dedtrui-lo.
    A pedagogia do MLSTP ( partido cujo o Varela foi militante de destaque beneficiando e gozando das vantagens ),está sendo traída pelos seus ex.previligiados militantes prestigiados,outrora.
    A linguagem do Varela é sem ética.
    As consequências podem tornar-se imprevisíveis e até mesmo fatal,porque há muito abuso do PODER…DITADURA.
    O Varela esqueceu-se do dia de ONTEM.
    Em STP tem-se vivido tempo de golpes e de destruição,esquecendo o ideal de construção. É de facto muito incômodo e até mesmo perigoso para manter-se viva as instituiçoĕs,grupos e referências que dão sentido ao Estado-Nação.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo