Governo desafiado a se pronunciar sobre a marcação das eleições autárquicas

O Presidente da Comissão Eleitoral Nacional Alberto Pereira, pediu aos jornalistas para interpelarem o Governo, sobre a marcação ou não das eleições autárquicas na ilha de São Tomé e as eleições regionais na ilha do Príncipe.

O escrutínio para a eleição dos membros para as câmaras distritais em São Tomé e para a Assembleia Regional no Príncipe, deverá segundo a lei ser realizado neste ano. O tempo de mandato dos poderes locais e regional, é de 3 anos. As últimas eleições para tais poderes locais, aconteceram em 2014. «Essa resposta talvez somente o governo poderá dar», afirmou Alberto Pereira, quando interpelado pela imprensa, sobre a realização das eleições locais.

A CEN passa a bola para o Governo, e anuncia ao povo de que da sua parte está a preparar as condições logísticas, para que o exercício do poder político aconteça ainda este ano, para escolha dos novos representantes do povo nos poderes locais.  «Nós a CEN estamos a preparar toda a logística para as eleições autárquicas. Segundo o que está previsto deverá acontecer ainda neste ano. Se houver alteração ou não, não será da nossa competência. Mas, logísticamente estamos a preparar para tal», precisou Alberto Pereira.

As eleições para os poderes locais e regional foram realizadas no ano 2014 em simultâneo com as eleições legislativas. Na altura, o poder local, tinha o seu tempo de mandato bastante expirado.

O ciclo de eleições em São Tomé e Príncipe é praticamente anual. Em 2014 realizaram-se as eleições autárquicas regionais e legislativas.2015 foi o ano de folga, para em 2016 o povo voltar a mandar nas urnas.

Por imperativo legal em 2017, o povo pequeno e grande deve ser chamado para mandar nas urnas. O mesmo povo que deverá estar activo novamente em 2018, para mais uma vez, mandar nas urnas.

Abel Veiga

 

 

Notícias relacionadas

  1. img
    EX Responder

    Não sei se esse Governo quer realizar as eleições, sejam elas qual for.

    Mas deixo como ideia porque não alargar o Mandato das Câmaras para 4 anos e do Governo para 5 anos de forma a dar tempo para se trabalhar, creio que 3 anos para o poder local não é suficiente para se chegar organizar a casa e implementar seja la qualquer tipo de projecto sabendo que anti mão sempre quando sai um Presidente e entra outro há muitos erros a corrigir. e o mesmo se passa com o Governo, tendo em conta que o nosso pais depende em demasia de ajuda externa os Governantes devem ter tempos para criar boas relações com instituições estrangeiras de forma a conseguirem apoios e poderem executar os planos e programas.

  2. img
    Cuidado com a Fraude Responder

    Acho que esse recenseamento cheira muita fraude. Os partidos políticos da oposição que tomem cuidado porque isto tá cheirar muito mal desde arranque do novo recenseamento….Onde já se viu até hoje a TVS não passa calendário das atividades da CEN por distritos?

  3. img
    explicar sem complicar Responder

    ALERTA AOS :
    Santomenses e comunidade internacional.

    Detectada vícios no sistema de base de dados da Comissão Eleitoral Nacional que está efactuando registo de raiz dos eleitores santomenses : Qualquer cidadão com a mesma impressão digital, mesma foto do documento, mesma assinatura, só alterando o nome consegue obter vários cartões de eleitor. Já existem provas.

    Até então este sistema vem sendo aplicado no Gabão e no Uganda.

  4. img
    Carlos Pinheiro Responder

    Já que estamos a globalização e tudo copiamos, devemos seguir as normas(3) autarquias e 4 legislativas.

  5. img
    Nosso Dubai Responder

    Queremoa eleições já este ano. Lei tem que ser cumprida.

  6. img
    abelha Responder

    Pois, levar eleição pra 4 ou 5 anos te dá grande jeito. Na minha opinião, eleição devia ser de 2 em 2 anos, este país é muito penso e não precisa de tanto anos no poder. Repare, países maior que nosso e com maior população eleição é realizada de 4 em 4 anos, mas como o senhor tira proveito com isto por isso queres que leve as eleições pra 5 anos.

  7. img
    Vexado Responder

    Muito cuidado com esse governo mais a cne. A oposição deve fiscalizar o porquê de criação de novos círculos eleitorais. O porquê de mudar as coisas sem a assembleia saber?
    A oposição deve pedir explicações , os pareceres jurídicos que fundamentou essa decisão.
    o presidente polígomo deve pronunciar sobre o assunto.

    Patrice vinga piter, seu sobrinho, no negócio de gás. Augerio está amuado e vai boicotar as leis do governo. Ou Patrice e varela vão tirar augerio da presidência?

  8. img
    mezedo Responder

    Na minha opinião a oposição deve imediatamente accionar mecanismos para que haja maior controlo possível das acções da CEN.
    Chamar comunidade internacional para fiscalizar esse recenseamento, caso contrario o ADI volta a ganhar.

    A lei obriga e as autoridades devem cumprir a eleição deve ser marcada para este ano.

    Se isto não acontecer fica bem clara as reais intenções deste Governo e do seu lider.

Deixe um comentario

*