Sem categoria

Unesco condena ataques mortais a jornalistas em três países

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Chefe da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, mencionou atentados a funcionários da mídia em Afeganistão, Colômbia e Malta; para Irina Bokova, trabalho da imprensa é essencial para a democracia.

Foto: Jonathan Ernst/Banco Mundial

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.* 

A morte da repórter investigativa Daphne Caruana Galizia, em Malta, na segunda-feira, foi condenada pela chefe da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, Irina Bokova. Ela também condenou dois outros ataques mortais a jornalistas no Afeganistão e Colômbia.

Em uma declaração, Bokova saudou um compromisso feito pelo governo maltês de investigar o ataque com um carro-bomba que matou Caruana Galizia.

Rádio e televisão

A chefe da Unesco também condenou a morte da radiojornalista Efigenia Vásquez Astudillo em 8 de outubro em Tumaco, sudeste da Colômbia, e o ataque a tiros, quatro dias depois, do diretor de televisão afegão Shir Mohammad Jahish.

No atentado feito por homens armados não-identificados na província de Baghlan, Jahish ficou levemente ferido e seu guarda-costas morreu.

De acordo com a Comissão para Proteção de Jornalistas, até o momento este ano, 27 repórteres foram mortos.

Democracia

Irina Bokova declarou que ameaças às vidas de trabalhadores da imprensa ameaçam sua capacidade de continuar seu trabalho que, segundo ela, é essencial para a democracia e boa governança.

A chefe da Unesco emite declarações sobre o assassinato de trabalhadores da mídia conforme resolução 29 adotada pelos Estados-membros da agência em 1997. O documento é chamado “Condenação de Violência a Jornalistas”. As declarações são publicadas em uma página dedicada à questão na internet.

*Com reportagem de Daniel Johnson, em Genebra.

Notícias Relacionadas:

Unesco condena mortes de jornalistas no México e na Síria

Unesco quer investigação do assassinato de dono de jornal em Minas Gerais

Unesco promove segurança de profissionais da imprensa

Unesco revela que mais de 100 jornalistas foram assassinados em 2016

Unesco: mais de 800 jornalistas foram assassinados na última década 

 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo