Sociedade

Estimativa de mortes no naufrágio do barco Therese já atingiu 18 pessoas

A estimativa iigreja.JPGnicial apontava para 14 mortos, cujos corpos até então não foram encontrados. Mas as contas que estão a ser feitas na ilha do Príncipe junto as famílias que perderam os seus entes queridos, desde a última quarta-feira indicam 18 mortes, a maioria crianças. Dentre elas conta-se uma criança de 6 meses. Há famílias que perderam 5 membros, outras 4, e há um caso em que o homem que tinha duas mulheres ficou sozinho. Ambas sucumbiram com o navio Therese.  Segundo o correspondente do Téla Nón no Príncipe o inquérito sobre o número de mortos ainda não terminou.

O estado são-tomense decretou um dia de luto nacional, na última quinta-feira, mas no Príncipe, lágrimas e dor continuam a enlutar a ilha. Famílias foram dizimadas, e os dados sobre pessoas que desapareceram no naufrágio são actualizados todos os dias. Na última semana as autoridades são-tomenses, indicaram cerca de 14 pessoas dadas como desaparecidas ou mortas no naufrágio. Mas o trabalho de terreno feito pelo governo regional, junto as famílias vítimas do desastre, fez o número saltar para 18.

O correspondente do Téla Nón na ilha do Príncipe, apurou que há agregados familiares que perderam 5 membros. Outros dois, três, um, etc. Uma criança de 6 meses também está na lista dos mortos, uma vez que desde o dia do acidente 16 de Setembro, até a data presente ainda não se conseguiu encontrar qualquer vestígio do barco naufragado, ou dos corpos dados inicialmente como desaparecidos.

Os registos da capitania dos portos indicavam a existência de 27 pessoas no barco, incluindo a equipa de tripulação, mas na primeira operação de resgate, foram encontradas 31 pessoas no mar. O número de mortos ou desaparecidos não é conhecido, de 14 já subiu para 18, e ainda as autoridades do governo regional não terminaram o inquérito das famílias que perderam os seus entes queridos.

O luto no Príncipe é real, ainda mais quando a ilha está mergulhada na escuridão, por causa do naufrágio de Therese. Os cerca de 10 mil litros de combustíveis que estavam a ser transportados para garantir o fornecimento de energia eléctrica na região autónoma, também foram a PIK.

Até esta semana Príncipe só tem electricidade das 17 horas até as 24 horas. Um processo de racionalização do fornecimento, que deve terminar brevemente, passando a fase de ausência total de corrente eléctrica, caso não seja feito o reabastecimento da ilha em combustíveis, apurou o Téla Nón no local.

O Téla Nón sabe que o único “barco”, da mesma categoria de Therese, que ainda aventura na ligação entre as ilhas chama-se Tornado, e deverá ser contratado pelo governo para executar a operação de transporte de combustível para a ilha. Note-se que também esta embarcação com nome turbulento, já viveu momentos difíceis na travessia entre as ilhas, graças a deus, sem perdas de vidas humanas.

Abel Veiga

Recentemente

Topo