Emissão de bilhete de identidade já é realidade na ilha do Príncipe

Publicado em 17 Dez 2008
Comentários; fechado

33 anos dprincipe1.jpgepois da independência nacional, o Primeiro Ministro Rafael Branco, emitiu dois primeiros bilhetes de identidade na região autónoma do Príncipe. Um acto histórico que prova o atraso do Príncipe. Os cidadãos que residem na ilha já não precisam gastar mais de 100 dólares apenas em custo de transporte aéreo para São Tomé a fim de ter o documento de identificação.Lentamente Príncipe liberta-se do isolamento e do atraso. Os 6 mil habitantes da ilha, eram obrigados a viajar para São Tomé para ter um bilhete de identidade. Actualmente a passagem de avião custa 1 milhão e 700 mil dobras, valor superior a 100 dólares. Para uma população praticamente sem rendimentos, este acto de exercício de cidadania esteve sempre em causa.

Tudo mudou esta terça-feira. O Primeiro-ministro Rafael Branco, fez história ao emitir dois primeiros bilhetes de identidade na cidade de Santo António. «Isso faz parte da filosofia deste governo no sentido da implementação da verdadeira cidadania, porque não fazia sentido que os cidadãos são-tomenses que vivem no Príncipe, tivessem que ir para São Tomé para fazer o bilhete de Identidade», explicou o Ministro da Justiça e Administração Pública, Justino Veiga.

O membro do governo de Rafael Branco, acrescentou ainda que algumas acções vão ser desenvolvidas no próximo ano para dar maior competência aos serviços de registo e notariado da ilha do Príncipe. «Comprometo-me aqui que em Janeiro de 2009 estaremos aqui com uma equipa para organizar e criar condições para que os outros serviços como o registo predial, comercial e outras actividades no âmbito do registo civil, possam ser realizadas aqui na região do Príncipe», concluiu o ministro.

Note-se que a emissão de passaportes bio métricos, é realidade na ilha do Príncipe desde o início deste ano. Faltava o bilhete de identidade, que finalmente se concretizou.

Abel Veiga