Principal investidor turístico congratula-se com a decisão do governo em abolir a apresentação do comprovativo de vacina contra a febre-amarela para quem viaja da Europa para São Tomé e Príncipe

Publicado em 15 Abr 2009
Comentários; fechado

O grupo Photel-pestana.jpgestana, principal investidor na área do turismo em São Tomé e Príncipe congratula-se com a decisão tomada pelo conselho de ministros, e diz que ficam eliminados os obstáculos para a entrada no país. O grupo Pestana que administra 3 maiores unidades hoteleiras do país, prevê para o próximo verão um importante aumento de turismo no arquipélago. 

A decisão do conselho de ministros, que pôs fim a obrigatoriedade dos visitantes oriundos da Europa, apresentarem comprovativos de vacinação contra a febre amarela, para ter visto de entrada no país, é para o grupo Pestana a eliminação de um dos grandes obstáculos a escolha de São Tomé e Príncipe, como destino turístico. «Não podemos deixar de nos congratular com esta acertada decisão que, a para da quase eliminação da incidência de malária/paludismo, remove uma forte contingência para a afirmação de São Tomé e Príncipe como destino turístico, contribuindo assim para a concretização das perspectivas de crescimento recentemente apresentadas pelo WTTC para o País, neste sector, nos próximos 10 anos», afirmou Florentino Rodrigues, Administrador do Grupo Pestana.

Para a administração do grupo Pestana, São Tomé e Príncipe afirma-se como grande alternativa de férias e para investimentos na área da imobiliária turística nos próximos anos.

O grupo empresarial português, domina três grandes unidades hoteleiras em São Tomé, nomeadamente o Pestana Equador, localizado no Ilhéu das Rolas, 0 Pestana São Tomé, que conta com um casino e uma discoteca, e o Hotel Miramar by Pestana, o mais emblemático da cidade capital e do país, que será alvo de uma remodelação em breve.

Ao mesmo tempo, o grupo hoteleiro, promove acções de apoio social. Recentemente distribuiu centenas de pacotes de leite e chocolate, para idosos e crianças, através de várias instituições de caridade e solidariedade de São Tomé e Príncipe.

Abel Veiga