1º de Junho vai ser comemorado de forma diferente este ano

Publicado em 01 Jun 2009
Comentários; fechado

 Palácio 1-de-junho.jpgdos congressos  foi palco este domingo da cerimonia de abertura oficial  de 1º de Junho. Um concerto, animou a abertura da festa das crianças, que prossegue esta segunda – feira. O ministério de educação resolveu este ano adoptar uma nova filosofia nas celebrações do dia das crianças.

Este ano toda as escolas de São Tomé e Príncipe, acolhem o acto central da festa do dia internacional das crianças. «Nos anos anteriores nós só tínhamos um acto central mas para o envolvimento das autarquias e poder local nas actividades nós fizemos no ano passado uma nova experiência fazendo actos distritais. Terminando o central onde todas as baterias estavam voltadas fizemos actos distritais. A experiencia foi positiva. Este ano estamos a experimentar uma outra modalidade.  Fizemos o central, o distrital e este ano vamos fazer por escolas. Isto significa que em cada escola haverá um acto. Nós não podemos denomina-lo de central, mas é um acto oficial em que irão as entidades convidadas a escolas, jardins e creches onde haverá a primeira parte solene e depois actividades recriativas e almoço de confraternização. É uma nova modalidade e estamos a experimentar. Todas as escolas já enviaram programas haverá mesmo mensagens de pais encarregados de educação, de crianças de uma entidade que estiver na escola» disse Helena Botelho, directora do ensino básico.

O ministério da educação e a comissão encarregue dos festejos desta actividade está preocupado com “o exagero ” dos pais neste dia»A vontade dos pais em proporcionar alegria as crianças leva-os a vestir e enfeitar as crianças de uma forma que muitas vezes as crianças não sentem bem. Isto é cabelos apertados, com muitas miçangas, sapato muito justo em vez de uma sandália que ela pode movimentar melhor. Portanto nós gostaríamos que este 1º de Junho fosse diferente. Fosse um dia que a criança sentisse alegre, festejando com os pais a volta e todo o pessoal docente e não docente participasse na festa da criança.» sublinhou Botelho.

Para a realização desta festa e as actividades do dia da criança africana, o ministério põe a disposição uma verba que ronda os duzentos milhões de dobras para  cerca de quarenta mil crianças existentes nas escolas no país. A distribuição é feita em função ao numero de crianças de cada escola.

Ectylsa Bstos