Inspecção das Finanças cai em cima das constas da ENAPORT esta semana

Publicado em 07 Set 2009
Comentários; fechado

enaport.jpgA denúncia do alegado desvio de fundos da ENAPORT, por parte da administração interina é sustentada por 8 anexos recheados de facturas comprovativas e outros documentos com destaque para o plano financeiro e de investimentos da empresa. O dossier entregue ao governo pelo grupo de técnicos e funcionários administrativos, acabou por forçar a inspecção das finanças a abrir um inquérito as contas da empresa, já nesta semana. Isto depois da denúncia ter sido feita através do Téla Nón. Mas o governo já tinha o dossier em mãos desde o início de Agosto. O administrador interino da ENAPORT, que também recebeu uma cópia do documento emitido desde 4 de Agosto passado, falou a imprensa na última semana para dizer que a denúncia é absurda. Uma reacção que acontece só depois da denúncia ter sido publicada on line.  Diogo Nascimento, administrador interino da ENAPORT desde o ano passado, em substituição do administrador efectivo ausente do país por razões de saúde, diz que a denúncia de corrupção envolvendo vários biliões de dobras, «é um absurdo total. Esta administração conseguiu até dar a volta a situação em que a empresa se encontrava. Tínhamos um défice de menos 2 bilhões e 500 milhões de dobras há um ano atrás. E hoje temos uma empresa com esta disponibilidade financeira no banco», declarou.

O dossier que sustenta a denúncia e que o Téla Nón teve acesso, está recheado de facturas comprovativas das transferências dos valores, nomeadamente os mais de 100 mil euros para aquisição de equipamentos e acessórios, mas que segundo os trabalhadores denunciantes, tais equipamentos e acessórios nunca deram entrada na empresa.

Também é exibida a factura de compra dos tecidos Sarja, para confecção de uniformes a preço de 225 mil dobras o metro, quando segundo os denunciantes o produto é vendido no mercado nacional a 75 mil dobras o metro.

O Administrador Interino da ENAPORT, confirmou para a imprensa são-tomense que a inspecção das finanças já tomou conta do caso, isto depois da denúncia ter sido feita através do Téla Nón. «Essa auditoria vai começar dado aos problemas que tem agora», frisou.

O Téla Nón apurou junto a inspecção das finanças que o sector decidiu avançar com a auditoria após ter tomado conhecimento do caso na publicação feita pelo jornal. A inspecção das finanças já mandou pedir ao grupo de trabalhadores da ENAPORT, uma cópia da carta denunciante e as respectivas facturas anexas. A auditoria vai começar esta semana, garantiu a fonte da inspecção das finanças.   

Enquanto isso, Diogo Nascimento, director interino, aproveitou para acusar a anterior administração da ENAPORT de gestão danosa e acrescentou que os autores da carta faziam parte da antiga administração. «Há um grupinho que tendo sido destronados da administração acha que deve criar embaraços a nova administração é só isto», precisou.

O núcleo sindical da ENAPORT, também saiu ao cais de São Tomé, para dizer que a administração interina está a prestar bom serviço. No entanto o sindicato que também recebeu uma cópia do dossier, prefere ficar em cima do muro quando é questionado sobre o desvio de fundos retratado no documento. «Não estamos a dizer que aquilo é verdade ou mentira. Cabe aos tribunais, e a auditoria das finanças fazer o seu trabalho. Esperemos é que esse cenário não venha a interromper o bom trabalho que a administração interina está a fazer», afirmou o responsável sindical.

A empresa de administração dos portos de São Tomé e Príncipe, tem 110 trabalhadores e de ano em ano tem sido denunciado com mais ou menos provas, como sendo um dos sectores do estado são-tomense dominado pela corrupção.

Abel Veiga