Advogado Adelino Izidro indiciado em furto de processos judiciais

Publicado em 21 Set 2009
Comentários; fechado

augerio-amado-vaz.jpgSegundo o Juiz Augério Amado Vaz, não é a primeira vez que o advogado que é também membro do conselho superior judiciário, indicado pelo Presidente da República Fradique de Menezes, é indiciado em furto de processos. O Juiz deu exemplos, e por isso mesmo, é que emitiu o mandado de detenção contra Adelino Izidro. O Juiz acrescentou que o mandado teve êxito porque o advogado entregou ao tribunal o processo que ele tinha retirado ilegalmente da secretaria. Augério Amado Vaz, acusa ainda o advogado de tentativa de corrompê-lo para facilitar a decisão final do processo a favor do cliente de Adelino Izidro.

O juiz Augério Amado Vaz que tem nas mãos o processo de restituição provisória de posse, que tem como requerente Victor Manuel Gomes Egídio e requerido Ana Maria Matonse Antunes, fez graves denúncias contra o advogado Adelino Izidro.Segundo o Juiz, o processo judicial em causa que está prestes a transitar em julgado foi retirado ilegalmente da secretaria do tribunal por Adelino Izidro. «Ao contrário daquilo que disse o doutor Adelino Izidro, aproveitando-se da distracção do pessoal da secretaria o doutor Adelino izidro levou o processo para casa», afirmou o juiz.

Augério Amado Vaz diz que o advogado Adelino Izidro ficou com o processo mais de uma semana. «Sendo o doutor Adelino Izidro, é meu amigo pessoal, é membro do conselho superior judiciário, órgão que subentende as agistraturas, é deputado a Assembleia Nacional, por diversas vezes falei com ele pessoalmente, falei com o escrivão para que tentasse contactar com ele, e o senhor Adelino Izidro disse ao escrivão que ele já tinha combinado comigo. Embora sendo ele meu amigo, eu nunca entro neste tipo de esquema. O mais grave é que este processo praticamente já está transitado em julgado. É uma providência cautelar», explicou o Juiz.

Adelino Izidro é advogado de uma das partes, trata-se de Victor Egídio. Ana Maria Matonse, cidadã portuguesa que vivia no armazém com os filhos, de Victor Egídio, chegou a fazer uma vigília no tribunal, reclamando o direito sobre o armazém.

Anos depois o tribunal está prestes a tomar uma decisão. «Foi mesmo através do doutor Adelino Izidro, que tomei conhecimento que o objecto em litígio que faz parte deste processo, embora estivesse sob a posse de um fiel depositário até conclusão final do processo, este objecto que é um armazém aqui na avenida marginal 12 de Julho, foi vendido para um cliente do doutor Adelino Izidro, e este cliente posteriormente vendeu para terceiros. Devem estar a recordar de uma senhora, portuguesa que uma vez esteve aqui diante do tribunal a fazer uma vigília, portanto tem a ver com este armazém. O armazém foi restituído a posse provisoriamente a Victor Egídio e estava sob alçada do tribunal e não poderia ser vendido. Talvez o senhor Adelino Izidro pode explicar melhor esta situação», fundamentou o juiz.

Augério Amado Vaz, justifica a sua decisão de mandado de captura contra o advogado porque, Adelino Izidro é suspeito de práticas ilícitas. «Não é a primeira vez que o doutor Adelino Izidro, eventualmente está indiciado nesta prática de furto de processos. Recentemente tive que reformular um processo em que constava como executante o banco BISTP, em que o doutor Adelino é advogado, e o senhor Noronha, esse processo desapareceu misteriosamente do tribunal», precisou.

Segundo o Juiz, até o bastonário da ordem dos advogados, que é advogado da parte de Ana Maria Matonse, no processo que ASdelino Izidro retirou do Tribunal, tinha-lhe pedido para estar atento. «O bastonário da ordem dos advogados que é defensor da outra parte, já tinha-me alertado sobre as intenções do doutor Adelino Izidro. Ele me disse toma muito cuidado porque sei como é que isto funciona», referiu Augério Amado Vaz.

No que concerne a acusação de Adelino Isidro que o indica como tendo jantado com Delfim Neves, ou estar ao serviço do deputado em causa, Augério Amado Vaz, declarou que o seu amigo pessoal é Adelino Isidro. Amigo e companheiro de festas de fim-de-semana e no passado companheiros nas campanhas políticas pelo partido MLSTP/PSD. «Relativamente a questão do senhor Adelino Isidro querer relacionar-me com o senhor Delfim Neves, isso até dá para rir. Porque as pessoas que me conhecem sabem que antes de eu ser juiz, sempre fiz campanha para u m partido em que o doutor Adelino Isidro é membro. As pessoas que me conhecem sabem que eu passo a maior parte do tempo com o senhor Adelino Izidro, aliás fazemos parte de um grupo que todas as sextas feiras comemos concon, numa determinada parte desta semana. Ao contrário do senhor Delfim Neves que é até uma pessoa mais de família, e eu nunca tive se quer 5 minutos de conversa com o senhor Delfim Neves», frisou.  

Para o juiz o mandado de captura cumpriu o objectivo porque permitiu a reposição do processo na secretaria do tribunal. No entanto garantiu que os oficiais de justiça e outros funcionários do tribunal, que não colaboraram para que o mandado fosse executado de imediato serão alvos de processos disciplinar e criminal.

Abel Veiga