“Não concordo com aqueles que falam da descriminação, que falam que os cabo – verdianos não são bem tratados aqui em São Tomé e Príncipe”

Publicado em 21 Set 2009
Comentários; fechado

carlos-veiga.jpgA declaração é do antigo Primeiro-ministro de Cabo Verde, e provável líder da oposição em Cabo Verde, Carlos Veiga. Numa palestra sobre a integração das comunidades cabo-verdianas no mundo, realizada na ilha do Príncipe, o político e jurista cabo-verdiano, disse que a integração dos seus concidadãos em São Tomé e Príncipe, é real e a um nível máximo. Carlos Veiga tomou como exemplo a ilha do Príncipe onde segundo ele, é o lugar do mundo fora de Cabo Verde onde o número de descendentes cabo-verdianos é maior que o resto da população.

Para Carlos Veiga, as pessoas que dizem que a comunidade cabo-verdiana em São Tomé e Príncipe é marginalizada, e mal tratada, cometem injustiça. «É uma comunidade que vive os mesmos problemas dos naturais do Príncipe. Têm os mesmos sucessos e as mesmas dificuldades. Não concordo com aqueles que falam da descriminação, que falam que os cabo – verdianos não são bem tratados aqui. Sou contra esta afirmação, acho que não corresponde a realidade, e é injusta para a comunidade de São Tomé e Príncipe, porque os cabo-verdianos aqui estão inseridos», afirmou o antigo chefe do governo cabo-verdiano, na cidade de Santo António do Príncipe.

Na reflexão feita sobre a integração das comunidades cabo-verdianas no mundo, Carlos Veiga, considera que o caso são-tomense é positivo. «A comunidade cabo-verdiana está diluída na comunidade são-tomense. Você não distingue os cabo-verdianos dos outros cidadãos deste país. É claro que têm uma descendência cabo-verdiana, há uma ligação a cultura cabo-verdiana, mas esta ligação a cultura não excluiu o sentir-se são-tomense. E por isso podemos dizer que a comunidade cabo-verdiana te m o grau máximo de integração», pontuou.

A ilha do Príncipe tem um valor acrescentado para na avaliação da integração da comunidade cabo-verdiana. «Príncipe é uma excepção, é o ponto do mundo fora de Cabo Verde, em que os descendentes cabo-verdianos são em número mais significativo do que o resto da população. Aqui temos o máximo da integração da comunidade cabo-verdiana», acrescentou.

Uma integração sólida, que tem sido comprovada pela reacção dos cabo-verdianos que foram contratados há desde o início do século XX para garantir a produção agrícola em São Tomé e Príncipe. «Muitos cabo verdianos que vieram para aqui há muitos anos, quiseram regressar foi-lhes possibilitado o regresso, foram e voltaram porque sentem melhor integrados aqui», frisou Carlos Veiga.

Pelo desenvolvimento da região do Príncipe dominada por gentes de origem cabo-verdiana, o antigo Primeiro-ministro e provável cabeça de lista do partido MPD, as eleições legislativas cabo-verdianas, destacou a cooperação entre o governo regional da ilha do Príncipe as câmaras municipais cabo-verdianas, na execução de projectos de apoio social e económico.

Abel Veiga