“O nosso rendimento foi reduzido em 30%, esperamos que no ano económico de 2010 esse rendimento seja reposto”

Publicado em 06 Out 2009
Comentários; fechado

miguel-dassuncao.jpgA advertência ao Governo, é feita pelo Sindicato dos Professores e Educadores de São Tomé e Príncipe. O SIMPRESTEP, que estava prestes a paralisar todo o sistema de ensino em Fevereiro de 2009, para exigir a reposição do rendimento alegadamente retirado por um decreto governamental, acabou por não materializar a greve anunciada, devido aos acontecimentos que ocorreram naquele mês e que terminaram com a detenção dos búfalos. No dia do professor, 5 de Outubro, Miguel d´Assunção líder do sindicato, avisa que o rendimento da classe tem que aumentar e que o governo deve aprovar o estatuto da carreira docente antes de 2010.

No dia dos professores, 5 de Outubro, o sindicato da classe, denuncia que 60% dos professores são-tomenses não têm formação. A mesma percentagem de professores está mais de 20 anos a espera de enquadramento. Há 10 anos segundo Miguel d´Assunção, que os professores batalham pela aprovação do estatuto da carreira docente. «Estamos a espera do estatuto de carreira docente há cerca de 10 anos. Promessa nunca faltou. Este ano vimos o governo aprovar um decreto que diminuiu o rendimento dos professores. Estamos a trabalhar com o ministério em busca de uma solução», afirmou o líder sindical, para depois, descrever a falta de motivação no seio da classe. «Temos neste momento 60% dos professores a espera do seu enquadramento e já trabalharam mais de 20 anos. Temos professores que já deram 40 anos de serviço e vão para casa com um salário de 100 mil dobras, (menos de 5 euros)», reclamou, Miguel d´Assunção.

Segundo o líder sindical estão em curso negociações com o governo no sentido de dignificar os professores. «Estamos a negociar com o ministério a questão do estatuto da carreira docente. Esperamos ver o estatuto resolvido ainda no primeiro trimestre do ano lectivo. O nosso rendimento foi reduzido em 30% e esperamos que no ano económico de 2010 esse rendimento seja reposto», reforçou.

O SIMPRESTEP, que no início do ano 2009 ameaçou paralisar todo o sistema nacional de ensino, por causa da não aprovação do estatuto da carreira docente e da redução dos rendimentos dos professores em consequência de um decreto governamental, diz que a greve é uma hipótese, que não está afastada, mas é o último recurso.

Note-se que o movimento grevista da SIMPRESTEP, em Fevereiro de 2009, foi suspendo por causa dos boatos que ligavam a ameaça de greve dos professores, com o alegado movimento de desobediência civil em preparação que iria atingir o ponto máximo com a subversão da ordem constitucional.

Abel Veiga