Sociedade

Situação da terceira idade cada vez mais complicada

idosa-com-pao.jpgA direcção do Lar de Idosos, Simoa Godinho, veio anunciar mais uma vez que a situação dos idosos é cada vez mais complicada. O número de velhos abandonados não pára de aumentar, e a Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe e outras instituições caritativas, têm tido muito trabalho.  Já não há espaço para albergar os idosos abandonados.

«Nós fazemos o que podemos, não temos condições para acolher muita gente. Este ano temos estado a fazer  campanha de sensibilização para aceitação dos mais velhos na família. Começou em Julho e tem como finalidade fazer com que a população se sinta responsabilizada pela situação dos idosos», disse Elsa Costa directora do Lar D.Simoa Godinho.

Para o provedor de Santa Casa da Misericórdia Padre Domingos, o papel da família na vida destes idosos é fundamental« há alguém que nós devemos envolver que é a família. Mas nem sempre as famílias têm as condições necessárias para dar algum acompanhamento a pessoas doentes e cansadas  e é essa a missão  da Santa Casa da Misericórdia,  da Cruz Vermelha e outras instituições que trabalham com pessoas de idade. É necessário também dar algumas condições para que os familiares possam acolher e cuidar dos idosos e não os deixar abandonadas. Realmente a situação é preocupante , há um crescente numero de idosos a passar dificuldades no país e nós não temos condições para acolher todos os idosos», reclamou o Padre.

No lar Simoa Godinho vivem  neste momento 83 idosos. Fazem todas as refeições, no lar onde têm actividades recreativas. «Neste momento temos um espaço de fisioterapia de activação, comemoramos aniversários, eles ajudam na cozinha, na limpeza. Nesses últimos tempos os idosos têm recebido muitas visitas, eu penso que isso deve-se ao trabalho de sensibilização que estamos a fazer e é muito bom para ele sentir o afecto e o carinho da família» sublinhou Elsa Costa.

A Cruz Vermelha é outra instituição que tem trabalhado muito em prol das pessoas da terceira idade. A organização de apoio social tem um centro de dia que se situa na antiga roça Vigoso. Alí são atendidos 33 idosos diariamente «eles vão todos os dias ao centro, toma pequeno almoço, almoço e levam o jantar para casa.Têm direito a consulta e a medicamentos gratuito. Lá eles não se sentem abandonados, tem actividades de lazer  também Para além de contos e bisca eles fazem trabalhos para gerar rendimento. Fazem cestos, vassouras e não só. Porque eles são idosos mas não são inúteis por isso temos que saber aproveitá-los», disse Maria Tomé Palmer, activista da Cruz Vermelha de São Tomé e  Príncipe.

Dar mais conforto as pessoas da terceira idade é o principal meta da Cruz Vermelha. Segundo Maria Tomé Palmer nesta idade da vida o que as pessoas mais precisam é de afecto.

Nem todos os idosos têm o privilegio de ser acolhidos por essas instituições que têm diminuído a solidão e o isolamento dos idosos. Muitos estão atirados a sua sorte, isolados nas suas casas sem ninguém para lhes dar de comer ou de vestir. A activista da Cruz Vermelha, considera que «o Governo, a segurança social juntamente com as ONG devem trabalhar juntos para traçar uma meta para dar melhor apoio aos idosos. Porque o que eles recebem da pensão não dá para comerem um dia, quanto mais um mês. É necessário  trabalharmos juntos para pelo menos diminuir o abandono das famílias. O governo tem que pôr mão e tem que ver o problema dos idosos como um problema. Quanto a família, não podemos abandonar a os nossos velhinhos. “Cada velho que morre é uma biblioteca que se acaba”.Então é bom que preservemos a nossa biblioteca»sublinhou Teresa Palmer.

Por sua vez o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe, Padre Domingos,  acredita que  com a existência da lei do Mecenato tudo seria mais fácil. «A lei do mecenato deveria existir e seria uma mais valia para o apoio a acção social e também a questão da lei dos jogos sociais. Os responsáveis do país poderiam dar mais atenção, mais tempo a estas duas leis. Porque se existissem, o governo e as ONG iriam buscar fundos reais teriam mais condições para ajudar as pessoas da terceira idade. E na minha opinião já é tempo destas leis  estarem cá fora», frisou.

De realçar que no passado dia 1 de Outubro foi comemorado o dia internacional da terceira idade. A data não passou despercebida no país. A Santa Casa da misericórdia em parceria com o governo através do ministério do trabalho e a cruz vermelha organizou  um almoço no parque popular da cidade capital, no salão da UCCLA com os idosos da segurança social , do Lar Simão Godinho e aqueles que estão ao cuidado da Cruz Vermelha. Actividades recreativas não faltaram: os velhinhos dançaram Ússua, contaram histórias, Soía entre outras coisas.

Ectylsa Bastos

Recentemente

Topo