Julgamento dos Búfalos entra nas alegações finais

Publicado em 19 Out 2009
Comentários; fechado

juizes.jpgEsta manhã o Tribunal da Primeira Instância, vai ouvir as alegações finais do julgamento dos ex-Búfalos e membros do partido FDC, implicados na alegada tentativa de subversão da ordem constitucional. Após 10 dias de audiência, chegou a hora dos advogados e o ministério público esgrimirem os argumentos finais que sustentam a acusação e a defesa. Na última sessão de julgamento, ficou provado que a liderança do partido FDC, tinha na sua posse armas proibidas.

Até a última sexta – feira o tribunal da primeira instância tinha ouvido todos os 18 réus e as cerca de 30 testemunhas. Mas o destaque foi para a intervenção dos peritos em armamento das forças armadas são-tomenses. Descreveram as armas apreendidas pela polícia durante a detenção dos membros do partido FDC, como sendo perigosas e de uso exclusivo das unidades militares. Destacam-se AK-47, Pistolas Makaroff e uma espingarda telescópica, num total de 7 armas segundo a acusação feita pelo ministério público.

arlecio-costa.jpgNo entanto a defesa representada pelo advogado Gabriel Costa, discorda da acusação de 7 armas, e da designação feita pelo ministério público como sendo um arsenal. «Parece-me exagerado que no quadro da acusação do ministério público fala-se um arsenal bélico, quando os peritos vieram cá demonstrar que existiam, 2 pistolas e 2 armas AK», Referiu o advogado.

Gabriel Costa em representação do grupo de 4 advogados que defende os arguidos, acrescentou que «a defesa não contestou a questão de posse de armas. Se bem que há muito que se diga. Porque em São Tomé todos sabemos que há uma utilização muito normal de armas que deveriam estar na posse das entidades competentes», reforçou.

Nas alegações finais desta segunda – feira, o corpo de advogados promete jogar todas as cartas, apresentar todas as provas para absolver os seus constituintes. «Pedirei a aplicação da lei. Vou fundamentar para demonstrar que tudo isto que andou a volta da prisão das pessoas não tem fundamento. Está-se a procura de incriminação sobre associação de malfeitores. A lei é clara. É preciso ter uma organização com fito de cometer crimes. O que não é o caso», concluiu.

Os 18 réus são acusados de crimes de actos preparativos contra a segurança do estado, actos equiparados a rebelião, e crime de associação de malfeitores. Sobre o líder da FDC Arlécio Costa pende também a acusação de posse de 7 armas ilegais.

Abel Veiga