São Tomé e Príncipe cria plano estratégico para combate ao tabaco

Publicado em 23 Out 2009
Comentários; fechado

cigarro.jpgO país precisa de 649 mil dólares para implementar o plano estratégico de combate contra o Tabaco. O consumo de tabaco constitui uma das causas, evitável mais importante da mortalidade no mundo. Segundo a previsão da OMS 4 milhões de mortalidades anuais no mundo são causadas pelo tabaco. Em São Tomé e Príncipe um estudo realizado em 2007 sobre a prevalência do tabaco, revela que 15% dos adolescentes e jovens escolarizados consomem tabaco.

Diante dos números o ministro da Saúde Arlindo Carvalho considerou necessário o esforço de todos para eliminar este mal no país. «Torna-se necessária uma acção conjugada com vista a eliminação de todas as formas de uso e consumo de tabaco. Torna-se necessário um compromisso firme para estabelecer e apoiar  no âmbito nacional medidas multi-sectoriais e integrais e respostas coordenadas  para reduzir o consumo de tabaco e todos os seus derivados, com vista a prevenir de conformidade com os princípios de saúde pública, a incidência das doenças, de incapacidade prematura e da mortalidade associadas ao consumo do mesmo» declarou o ministro.

O estado são-tomense, pretende dar um passo importante na luta antitabaco. Depois da Assembleia Nacional ratificar a convenção quadro da OMS da luta anti- tabaco, há outros instrumentos que o governo e o país devem dispor, nomeadamente as leis que podem permitir a execução de medidas que estão previstas na convenção 4. «A indústria de tabaco esta a dirigir as suas armas aos jovens, e as mulheres. Acho que temos que entender os riscos desta doença. se nós não tomarmos as medidas necessárias ela será a próxima epidemia do país» sublinhou Piery Kousy representante da OMS no país

Integração no serviço Nacional de Saúde, reforço institucional para o desenvolvimento das principais acções de luta contra o tabaco, promoção de uma intervenção coordenada e alinhada com os vários parceiros e intervenientes existentes, complementaridade das acções com a família e a comunidade e aproveitamento e reforço das boas experiencias já desenvolvidas, são alguns dos eixos do plano estratégico.

O governo pretende-se com este plano melhorar a saúde das crianças, adolescentes, jovens e população em geral através da promoção de ambientes saudáveis livre do fumo de tabaco; proteger os não fumadores contra o fumo passivo e melhorar a qualidade de vida dos fumadores, reduzindo a mortalidade e morbilidade dos mesmos.

Durante  os próximos cinco anos  espera-se  que os parceiros sejam sensibilizados e formados em matéria de luta anti-tabaco e desenvolvem acções de promoção e sensibilização anti-tabaco; que os temas ligados á luta anti-tabaco e metodologias estejam integrados no corricula dos alunos e na formação dos professores e educadores.  O orçamento indicativo para a implementação da plano nacional de luta anti-tabaco é de 649.000 USD.

Com a execução das acções plasmadas neste plano estratégico  num futuro próximo, STP poderá vir a estar  livre do tabaco.

Ectylsa Bastos