Juventude são-tomense exprime desesperança na semana nacional dos jovens

Publicado em 10 Nov 2009
Comentários; fechado

jovens-em-cultura.jpgFuturo incerto, desespero e desânimo, foram expressados pelos jovens são-tomenses na semana nacional da juventude, que começou no passado dia 5 de Novembro.

O Téla Nón saiu a rua para saber  qual a opinião dos santomenses em relação a actual situação da juventude. Todos partilharam a mesma opinião: que a juventude santomense está muito desorganizada.

Antonio Quintas acredita que a juventude santomense precisa se organizar mais« eu vejo a nossa juventude desmembrada. A juventude precisa de se unir. Principalmente  aquela parte da juventude que não pertence a lide partidária. Quanto mais dividido os jovens estiverem mais complicado ou mais difícil torna a vida para eles. Parece que este país anda desgovernado. Já conheci muitos governos neste país. Nem aí nós temos estabilidade. Eles não têm tempo para preocupar com o país quanto mais com a juventude. O homem é muito ganancioso neste país. A juventude não pode perguntar o que o outro pode fazer por ele, eles é que devem se organizar, preocupar com o futuro e deixar de pensar somente no presente.»

 Anita Bandeira sublinhou que o governo tem feito muito pouco pela a juventude santomense.«a juventude santomense esta cada dia mais frustrado. Falta emprego, mais solidariedade, falta muita coisa. O governo tem feito muito pouco. Os jovens devem ter mais força de vontade.»

Jose da Conceição «a nossa juventude hoje em dia, a juventude precisa de se organizar melhor. Há um pouco de desorganização no seio da juventude. Falta uma estratégia da própria juventude.  O governo na minha opinião tem criado politicas para a juventude. Os problemas são tantos, os furros são tantos e é complicado para governo tapar to esse furo. Mas a medida do possível o governo tem preocupado em conceder bolsas de estudo, em formar jovens. Sabemos que isso não chega a todos os jovens porque são muitos mas quem sabe para o futuro as coisas melhorem.»

Para Joaquim Nascimento a juventude santomente tem estado a sofrer desnecessariamente «a juventude santomense é uma tristeza. As coisas cada dia que passa esta mais cara.»

Os jovens constituem um quarto da população activa, representam metade do total de desempregados. O mercado de trabalho tem dificuldade em assegurar aos jovens empregos estáveis, que lhes ofereçam boas perspectivas, excepto quando são altamente qualificados. Sem um trabalho condigno, os jovens tornam-se particularmente vulneráveis à pobreza, o que, por sua vez, dificulta o acesso à educação e a serviços básicos de saúde, limitando ainda mais a sua empregabilidade.  

Ectilsa Bastos