São Tomé e Príncipe sobe no ranking da percepção da corrupção

Publicado em 24 Nov 2009
Comentários; fechado

nota-de-50-mil-dobras.jpgO nosso país está no 111º lugar da tabela do Índice de Percepção da Corrupção, com uma classificação de 2,8, registando uma ligeira evolução positiva em comparação à 2008 (121º lugar de 180 com a classificação de 2,7).

 

Dados publicados num relatório divulgado no dia 17 do mês corrente pela Transparency International, num momento em que o pais assiste a casos como STP-Trading e GGA.

Em primeiro lugar, e com o estatuto de país menos corrupto do mundo, a Nova Zelândia apresenta uma classificação de 9,4. Já a Somália está no último lugar  (180º) com uma classificação de 1,1.

A Transparency International é uma organização não-governamental que luta contra a corrupção e avalia a percepção do nível de corrupção que afecta a administração pública num determinado país.

O Índice de Percepção da Corrupção é composto por 13 inquéritos independentes feitos junto de empresas ou de especialistas, que atribuem uma classificação numa escala de 0 (alto grau de corrupção) a 10 (fraco grau de corrupção)  à 180 países.

Muitos dos países incluídos no Índice de Percepção da Corrupção de 2009, tem classificação abaixo de 5 numa escala de 0 (altamente corrupto) a 10 (menos corrupto).

“Combater a corrupção requere uma forte supervisão pelos parlamentos, um bom desempenho da magistratura, agencias de auditoria correcta e independentes  anti-corrupção,  rigoroso cumprimento da lei, transparência nos orçamentos públicos, bem como espaço para os meios de comunicação social independentes e uma sociedade civil dinâmica,” afirmou Chair Huguette Labelle da Transparency International.

De acordo com a Transparency International, as classificações mais altas reflectem estabilidade política e bom funcionamento das instituições públicas.

 

Katya Aragão