“É uma figura que constitui por si só um valor para São Tomé e Príncipe”

Publicado em 09 Mar 2010
Comentários; fechado

fernanda-pontifice.jpgCom lágrimas nos olhos, Fernanda Pontífice, ex-Ministra da Educação e Cultura e actualmente Reitora da Universidade Lusíada de São Tomé e Príncipe, diz que perdeu o seu ponto de referência. Alda Graça, foi sua professora, amiga e figura de referência.

«Desde muito nova que comecei a conviver com ela, desde a minha quarta classe que tive o privilégio de frequentar a casa dela e receber lições. Foi ela que me ensinou que o mundo não é só São Tomé e Príncipe. Ela é                que me ensinou, a mim e as pessoas da minha geração, o que eram certos fenómenos que se vivia neste mundo. O apartheid, a descriminação racial, foi ela que me deu a conhecer as grandes figuras da humanidade. Foi ela que me deu a ler os livros que eu lia as escondidas porque no tempo do fascismo, certas leituras eram proibidas», explicou Fernanda Pontífice.

Apesar de ser militante de um partido político, o MLSTP/PSD, Alda Graça acabou por ser vista e vivida pela maioria dos são-tomenses como uma figura supra-partidária. Fernanda Pontífice é militante do PCD, dirigente da organização feminina deste partido que sempre foi antagónico com o MLSTP/PSD. 

Mas Alda Graça, nunca deixou a política atrapalhar a união dos são-tomenses por causas comuns de progresso. « Lembro-me até de ter o meu pai muito apreensivo com muito medo da polícia política por eu frequentar a casa da dona Alda. É uma figura que constitui para si só um valor para São Tomé e Príncipe. Pelos exemplos de trabalho, pelos exemplos positivos que ela passou. Ainda recentemente ela me disse que aquilo que tinha feito por São Tomé e Príncipe e muito pouco em vista daquilo que queria ainda fazer pela nossa terra», concluiu.

Abel Veiga