Sociedade

São Tomé e Príncipe presta última homenagem a Alda Graça Espírito Santo

urna-funebre.jpgOs restos mortais da poetisa Alda do Espírito Santo, chegaram ontem a São Tomé. O corpo foi recebido no aeroporto internacional com honras de estado. O acto fúnebre realiza-se esta tarde no cemitério do Alto São João.

O regresso de Alda Graça de Luanda, inspira os são-tomenses para uma poesia de sabedoria. Sabedoria de uma vida dedicada a construção de uma nação. Morreu aos 83 anos de idade, após doença prolonga e enlutou São Tomé e Príncipe e a comunidade lusófona.

urna-funebre-1.jpgLouvores e clamores acompanharam o cortejo fúnebre do aeroporto internacional, até o centro da cidade que viu nascer Alda Graça em Abril de 1926. Laureano Costa, Juvelina Fernandes, são nomes de cidadãos comuns que expressaram condolências e sentimento de orgulho pela mulher que marcou a história e a cultura de São Tomé e Príncipe.

No seio da classe política, a consternação é total. Os principais partidos políticos através dos seus líderes, manifestaram condolências e realçaram o papel singular desempenhado por Alda Graça Espírito Santo na construção da nação são-tomense.

Angola, país que recebeu Alda Espírito Santo para tratamento médico, junta-se a São Tomé e Príncipe no luto pela figura que também é referência para o país de Agostinho Neto, amigo e companheiro de luta de Alda Graça. Aliás a própria Ministra da Cultura de Angola Rosa Cruz e Silva, que trouxe os restos mortais para São Tomé, confirma o facto. «Tivemos a ocasião de declamar poesias numa correspondência que foi feita entre Dona Alda e o saudoso Presidente Neto. Então acredito que é uma perda também para nós, e acredito que vamos ser capazes de honrar a memória dela, divulgado e colocando a sua obra a disposição das novas gerações para que se perpetue o seu legado», referiu a ministra angolana no aeroporto internacional de São Tomé e Príncipe.

alda-graca.jpgNo descanso eterno, a poetisa que alimentou o nacionalismo são-tomense, nos seus escritos e nas acções de cada dia, fez paragem demorada na sua casa de trabalho dos últimos anos, a sede da União dos Escritores e Artistas de São Tomé e Príncipe.

Três membros da união dos escritores angolanos também acompanharam o cortejo fúnebre. «Penso que perdemos uma grande mulher, uma grande escritora, uma amiga de Angola, conforme podemos verificar na sua própria obra uma homenagem que ela presta a momentos muito particulares da vida de Angola através de companheiros seus», reforçou a ministra da cultura de Angola.

Esta sexta – feira os são-tomenses prestam derradeira homenagem a Alda Graça, que vai a enterrar no final da tarde de amanhã, no cemitério do alto São João. Entre os filhos da terra ficam as referências que não devem ser esquecidas. O Presidente da República Fradique de Menezes é um deles. «Privei com a camarada Alda em 1975. Sabe que foi ela quem tratou tudo para que eu regressasse ao país. Foi ela que voltou a dar-me os sentimentos são-tomenses para voltar, porque eu estava na Bélgica desde 1969. Foi ela e a Doutora Julieta que me acolheram. Deram tudo, alojamento roupa e comida, porque eu tinha perdido tudo na viagem que passou de Luanda», explicou Fradique de Menezes, para depois reconhecer que nos últimos tempos, não estava a ter boas relações com a Mãe do Nacionalismo são-tomense. «Ultimamente nos afastamos um bocado, um bocado devo confessar. É a política que fez-nos separar. Mas em todas as ocasiões em que encontrava com ela como Presidente rendia-lhe a homenagem com toda vénia», concluiu o Chefe de Estado.

Com honras militares. Alda Graça do Espírito Santo vai a enterrar no final da tarde desta sexta – feira.

Abel Veiga

    4 comentários

4 comentários

  1. ron-nie cabral

    9 de Agosto de 2010 as 11:39

    Perdemos uma grande referencia ,alguém que não era diferente de ninguém,certo é que ninguém era igual a ela(ALDA GRAÇA ESPÍRITO SANTO).

  2. joão santos

    29 de Janeiro de 2011 as 16:22

    Porque razão não se escreve com toda profundidade sobre o Dr Ayres Sacramento de Menezes?
    Todo percurso tanto em Angola ,São Tomé,Moçambique,Portugal e todo que ele fez como actividade política e tudo que norteou os seus ideais e a liderança e força e popularidade que gozou pelos seu carisma,senso de justiça e de progresso anti racial.
    A sua figura deveria ser valorizada e reconhecida ao nível de outras figuras.
    Também deveria ser explicado a razão do seu envenenamento em Angola onde ele esta sepultado no Dondo.

  3. João santos

    13 de Fevereiro de 2011 as 3:26

    Lamentavelmente mataram a historia do passado e reinventaram outras sem notoriedade.
    As governações anteriores tudo fizeram para neutralizar apagar todos vestigios do verdadeiro nacionalismo.
    Mas a verdadeira herança do passado esta bem resguardada e em breve tudo saira com todo vigor.

  4. Sofia

    29 de Novembro de 2014 as 0:09

    Boa noite, gostava de saber qual é a relação entre Alda Graça Espírito Santo e Julieta Graça Espírito Santo. A Dra. Julieta foi aluna no Insituto de Odivelas, em Portugal, e a Alda? Obrigada!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo