Bairro de elite (campo de milho) provoca crise de água do hospital central

pediatria.jpgA situação no hospital Ayres de Menezes agravou nas últimas semanas por causa da falta de água. A falta de higiene está a complicar a vida dos pacientes, que nem se quer têm água para tomar banho. Consequentemente o principal centro de saúde do país, está a transformar-se num centro de transmissão de doenças por causa da falta de água. Figuras políticas e do mundo empresarial que vivem no bairro do campo de milho, violaram a canalização que transporta água para o hospital central.

Nos arredores do bairro de elite, mais concretamente na zona verde que confina com a estrada pública, o Téla Nón, descobriu com apoio de um militar das forças armadas e agentes do ministério da agricultura, a rede de desvio de água da canalização que alimenta o hospital central.

desvio-agua.jpgVários tubos foram instalados na conduta principal, canalizando toda água para residências de luxo, pertencentes a figuras políticas e do mundo empresarial que vivem no campo de milho. Uma acção pirata, segundo a administração da EMAE, empresa que gere a distribuição de água a população, e que está a contribuir para a degradação da situação no hospital de referência do país, o Ayres de Menezes.

Ronísia Brito uma das mães que está internada com o seu filho na pediatria II do hospital Ayres de Menezes, explicou a situação de imundice que se vive no hospital central, por causa da falta de água. «Não há água, nem se quer para tomar banho. Ficamos com fraldas das crianças com fezes amontoam-se na pediatria provocando mau cheiro. As enfermeiras zangam bastante e com razão, mas o que fazer se não há água», afirmou Ronísia Brito.

Numa altura em que São Tomé e Príncipe está a ser assolado por calor intenso, os pacientes vivem um inferno no hospital Ayres de Menezes. Muita secura no hospital de referência, porque o poder político e financeiro instalado no campo de milho decidiu tomar para si a água que foi canalizada especialmente para o hospital.

desvio-de-agua-1.jpgTemóteo Costa Director do departamento de água da EMAE, considera o acto praticado no campo de milho como sendo pura pirataria. «A EMAE tomou contacto com esta situação há muito tempo. Sabemos que existem acções piratas e temos feito tudo para desmanteladas. Para o hospital instalamos uma só conduta que sai do reservatório de Mesquita até o hospital, e com fornecimento de água 24/24. Mas devido a falta de água nos arredores muitos canalizadores particulares intervêm ao longo da conduta fazendo o desvio de água. A medida que desmantelamos eles voltam a intervir. Esta é a causa da diminuição do caudal de água para o hospital central», explicou o Director.

O Ministro da Saúde Arlindo Carvalho, que denunciou tal situação na semana passada, reafirma que o hospital central está a ser vítima de desvio de água. Situação que em condições normais nunca poderia ter acontecido. «Como foi desviada não sei. Se a água não chega ao hospital, há duas hipóteses ou há rotura do cano, ou há desvio. E o desvio está confirmado», referiu o ministro.

Arlindo Carvalho reconhece que a falta de higiene é grave no centro hospitalar. «A situação é difícil nas enfermarias. Para problemas ligados a infecções temos tentado colmatado com a importação de desinfectantes para as mãos, mas não é suficiente. Há o problema de higiene dos próprios doentes, higiene dos lençóis e do próprio hospital», pontuou.

Com tanta falta de higiene por causa da vandalização da conduta o hospital que deve tratar de enfermidades, transforma-se no principal fogo de transmissão de doenças. O estado são-tomense através do governo que deveria exercer autoridade para repor o fornecimento de água ao hospital, não fez nada para resolver o problema através de medidas coactivas. Aliás o exercício da autoridade em defesa do bem público como o hospital, fica difícil quando são exactamente os homens e mulheres fortes da nação que estão a praticar pirataria, cortando água ao hospital central.

Abel Veiga

  1. img
    Eula Responder

    Esta não é a situação nada agradável.
    Espero que esse PROBLEMAÃO já esteja resovido.
    PESSOAL!Temos que dar mais atenção a saúde da população.Muitos problemas de saúde que STP apresenta poderiam muito bem ser resolvido por nós mesmos com extrema facilidade, se tivessemos EMPATIA, INICIATIVA E COMPRIMISSO.
    Atenciosamente Eula

  2. img
    Marilsel Responder

    Mas o q fazer a uma situação cm esta?! É muita má fé por parte destes senhores. Só um país cm S.Tomé e Príncipe para ter coisas dessas , muita vergonha. Quando estamos rodeados de rios por toda parte…

  3. img
    Helmer Neves Responder

    Realmente, muita vergonha, muito frustrante essa situação, ainda mais quando todo mundo sabe que ninguém vai ser penalizado pela “pirataria”, como disse o ministro da saúde. Ou seja, a situação vai se repetir em outros lugares e de outras formas. Os são-tomenses devia começar a respeitar menos os ditos “senhores”, tirando, claro, almas que ñ o merecem…! Mas infelizmente isso não vai acontecer porque parece que quem devia punir faz parte da mesma teia que os piratas…..é muita brincadeira!

Deixe um comentario

*