Análise

Carta pá Apolinária

Tera, minh’amiga, tá aqui. Sentada n cima du mar, com bôka dela fêchada, com olho dela aberto, com mão dela n quêxada, a vê genti, a vê genti só, a  purguntá genti com olho dela di mãe tristi o que é qui genti quer fazê com ela.(Crónica modificada)

Escrever na Areia

Carta pá Apolinária

São de Deus Lima

Minh’ amiga Apolinária:

Ôcê mandô dizê como ôcê quer vi n’bora. Kuesa kê posso dizê ôcê, é:

todo sítio tem vivê, todo sítio tem morê. Minha avó San Nôvi tinha uma kuesa di siora qui siora custumava dizê:

«Inem prima só sêbê kwa d’inem prima».

Si ôcê kansô di frio, kansô di limpa chão, di limpa escada, kansô di pensá família, vem pá tua tera. Kuesa non tá bem, kuesa tá wixi-waxa, mas nossa tera é nossa tera. Ninguém podi corê com ôcê daqui, ninguém, nem êssis qui tomô tera fez roça di pai dêlis, nem êlis non podi mêtê ôcê n’avião.

Minha tia Joana diz saudadi non mata ninguém. Mas genti qui já saltô água, genti que já saltô seti mar, sabe. Saudadi di tera mata como doença, mata como faca, mata como espada. Pissôa seca como folha, seca desde fundo di raiz como flor qui non vê água.

Si ôcê quer vi n’bora, vem. Mas vem preparada, porqui tera mudô muito. Tem pissôa qui diz tera non mudô, mas tera mudô muito, piquena.

Bubo-Budo, Trás Cimitério, San João,  Ponti Graça, Boa Morte, Ôkê da Rê, Misquita, mudô dimás. Sítio qui era mato, agora é casa só. Estrada di vua satá, agora é caminho d’alcatrão, largo, camião passa. Todo êssi canavial,  n trás di casa di Sô Adálio, todo êssi campo di cana macaco lá n Cóbó Gita, acabô. Casa só. Viuvinha, bicu-di-lacri, ôcê non vê más. Keblankaná, ôcê non vê más. Suim-suim, kurukuku, keleketê, custa pá ôcê vê. Burbuleta, ôcê prucura com candinhêro, ôcê non vê. Ê tô aqui com um ano já, nenhuuuma buburbuleta só ê non vi ainda a vuá aqui n cidade, com asa delas, com cor delas como guache, com priguiça delas. Ê non sê si burbuleta subiu, si burbuleta desceu, si burbuleta fugiu pá ôbô, si burbuleta môreu.

Salambá, aqui n cidade, ôcê non vê más. Farrôba, uma 7 conto, ê comprê aqueli dia n Escola Maria Jisus. Dia siguinte ê fui, non tinha. Ôtro dia ê fui, non tinha. Ê disisti.

Nosso pêssêgu, ôcê ainda vê, com sorte, quando é tempo dêli.

Tera mudô, Apolinária. Bunzu di mato virô nzanvé ô maxipombô. Más ainda do qui nzanvé ô maxipômbô. Genti comi bunzu assado, caldêrada di bunzu, espetada di bunzu, caril di bunzu, bunzu refogado com coco, bunzu refogado sem coco. Pikiniki tem bunzu, bêra di toda estrada tem bunzu, festa di campanha non falta bunzu, baptizado tem bunzu, aniversário tem bunzu, nozadu tem bunzu, até casamento agora tem bunzu.

Ôtra kuesa qui genti tá a cumê di kasu sério, é gato. Genti tá a cumê gato qui dá ôcê medo. Gato virô galinha. Ôcê vai visita genti, genti diz ôcê tem refogado de gato, si ôcê non é sirvida. Colega purgunta ôcê si ôcê non tem gato para vendê. Genti troca gato com galo. Genti tá a róbá gato piquinino como robava frango. Si ôcê tiver umas 3 mãe di gato paridêra, ôcê sáfa um koche.

Essa kuesa di gato tem seti vida, podi sê nôtro sítio, aqui n San Tomé, gato non tem seti vida más. Si minha avó San Nôvi non tinha môrido di siora já, ingraçada como siora era, siora já tava a dizê:

– Sumu ê, na damu vida gato fá, punda vida gato bilá tlubuladu muntu ê. Latu ku fingui, só ská dá kebla, kwa kwa kwa!

Caranguêjo qui vai pá guera, esses qui nosso tempo os rapazi sentava n cima di muro di praia a caçá com ilástico, di bariga cheia, só pá fazê pontaria, esses qui carro passava n cima dêlis fazia krrrrrrr, também tá a virá pitisco.

Tera mudô muiiito, Apolinária. Quem diz qui tera non mudô, tá com olho fêchado ô tá a vê pulitika só.

Nôstempu, quando avó fazia zaquênti ô calulu ô jógo, avó tinha toda essas tamina d’alumínio flor-flor pá mandá um bocadinho dessa cumida pá toda tia, toda prima, toda vizinha. Ôcê andava di castigu, upé kansava pá i intregá toda essa tamina. Agora,  genti vai pá repatição vendê zaquênti fêto já.

Tera mudô. Agora, Dia di Dêfuntu, genti vai pá cimitério cumê, bêbê, dansá, dá mortu cumida, dá mortu cacharamba. Dá mortu cumida, dá mortu bêbida, non é kuesa d’ôji, mas cumê, bêbê n cimitério Dia di Dêfuntu non era custumi.

Agora, até conjuntu toca n cimitério Dia di Dêfuntu.

Moto ta n cidadi , capim! Todos dia más moto. Campanha tá a vi, ôcê vai vê moto só a entrá.

Ôtra kuesa qui ôcê vai vê, é doido n cidadi. Genti sempre teve nosso doido. Genti conhecia todo nosso doido, genti sabia nomi dêlis, genti coria n trás dêlis, provocava êlis, brincava com êlis. Genti tinha Paquita, com vistido dela flor-flor, corpo dela di catorzinha, um olho dela txofodu, a falá esse espanhol dela di Fernã du Pó. Genti tinha Peri, com todo plantu dela. Gen’tinha San Ma Dié. Gen’tinha Féli, gen’tinha Júlio Carinha, Horácio Pisa Mulato, Miguel ‘Cinco’, San Ma Plétu, Gringo. Genti tinha esses qui non era bem doido, qui era más pateta: Malé Fili, irmã dêli Alice, Juven. Genti tinha Daimonde com continência dêli e inglês dêli inguiçado, Sum Maria, tocador di banjo, com bariga dêli grandi. Quando Sum Maria sentava a tocá banjo, com saudadi dêli di Muçambiqui n curação, todo passarinho calava bôka; todo anjo dêxava deus sôzinho a tomá conta di céu pá vi poisá n cima di árvori a ôvi dôr dêssi banjo. Ôcê lembra, Apolinária?

Gen´tinha Raúl Vira Ngwyia Tira-Ponha, qui conhecia toda roça di San Tomé. Daimonde agora tá n’asilo, cidadi já non podi com êli, êli já non podi com cidadi. Juven ainda tá aqui a subi a dêsê, com sapato dêli trocado  e  cara dêli di criança velha. E tinha Coboncóni também, ôcê lembra? Di Tragédia Formiguinha, qui genti provocava, mas non era doido, era pextli e respondia genti com bôka suja: ‘ C… mém bô!Um bá Putugá, bô bé? Um cumé bacaiá, bô cumé’?

Agora, doido tá n cidadi pu! Mas ninguém sabe nomi dêlis, ninguém repara nêlis, ninguém sabe sítio qui eles sairam dêli. Tem qui anda nu, tem qui anda vistido com casaco, tem qui fala com vida dêli, tem qui faz discurso, tem doido jovem intelectual, tem qui ri ri só, tem qui anda com trôxa grande como mundo n cima di cabeça, tem qui anda com cara bluxado qui dá ôcê medo.

Apolinária, nossa cidadi ficou grandi, nossa cidade cresceu, nossa cidadi cegô, nossa cidadi non conhece doido dela más, non vê doido dela más.

Nossa zona mudô, Apolinária, nossa cidadi mudô, nossa tera qui virô país também mudô, tá a mudá todo dia e genti non vê.

Quando ôcê chegá, genti fala. Muita kuesa, kuesa muito, kwa lumadu.  Mas toda kuesa tem tempo dêli, cada kuesa tem dia dêli. Ôji, genti non vai falá dessas kuesas.

Ôcê lembra, Apolinária, quando genti saía di escola di Madre, com chuva a chovê, quando genti brincava n’baxo di chuva, até chegá casa?

Esses dôs, três dia, chuva choveu di verdadi, mas calor ainda tá aqui. Êssi ano, gravana non quiria acabá. Uma kuesa qui non mudô aqui ainda, é êssi chêro di baro molhado, quando água rebenta como kuesa qui deus tá a dispejá todo rio di céu pá cima di genti, pá cima di planta, pá cima di tera. Esse chêro qui ôcê non pode senti, porque baro non chêra lá nesse sítio qui ôcê tá, porqui nem baro lá ôcê non tem.

Si ôcê kansô di frio, vem.

Tera, minh’amiga, tá aqui. Sentada n cima du mar, com bôka dela fêchada, com olho dela aberto, com mão dela n quêxada, a vê genti, a vê genti só, a purguntá genti com olho dela di mãe triste o que é qui genti quer fazê com ela.

    102 comentários

102 comentários

  1. António Pinto

    9 de Novembro de 2010 as 12:00

    Parabéns São Lima pelo excelente retrato feito e pela actualidade do mesmo.
    É com enorme prazer que vou lendo as tuas crónicas no Téla Nóm. Felicitações e continua na senda do sucesso e com a clarividência até agora demonstrada.

    • Voz do Povo (Num Estado democratico, a voz do Povo eh a vontade e palavra de Deus)

      9 de Novembro de 2010 as 18:39

      São de Dues,

      Ê gostô bué di tua carta. Fêz´êu fica a gosta d’ôcê. Ê queru pidi ôcê uma kuesa.

      Ê ké casa cu’ôcê! Casa cumigoh! Éh!? Ê gosto d’ôcê bué!

      São De Deus, grande jornalista, trabalho perfeito. Gostei.
      Aquele abraço de Londres!

    • Heulla Afonso

      12 de Novembro de 2010 as 15:07

      Querida Sao,
      Foi com imenso prazer e emocao q li a tua carta a Apolinaria. Fez-me recordar o passado,visto ser um retrato vivo do que fomos e no que se transformou infelizmente a nossa sociedade. Este mesmo retrato fez-me identificar as amarguras pelo que passam os nossos imigrantes.
      Votos de muita saude e felicidades, continua a escrever coisas lindas como esta
      mimi

  2. MORENO

    9 de Novembro de 2010 as 12:09

    Parabens pelo artigo, nao e facil a escrita , muitos parabens.

  3. Nelo Santos

    9 de Novembro de 2010 as 12:12

    São miga dimim!
    Kuá lumadu.
    ê gostê muito déçá cuêsa c’ôcê escreveu é.
    fez mu lémbrá mê témpo,coração chorou deli ê fiquei triste as vezes genti chora sem sabê.ê queria dizê uma cuêsa mas si você comprendi dialeto:zémé sá tamém di flá.minha miga são deus paga você.Télá nguê bilá uwãn módu si genti não ri genti chóra.quandu genti lembrá di licéu,praia PM,sinécia,parque popular etc etc.lembrança muito é.
    Pura realidade Sãotomense.Muito obrigado por esse bocado e continua fazendo o que é seu trabalho profissional.
    Um abraço.

  4. Silvino Palmer

    9 de Novembro de 2010 as 12:14

    São,

    Li este teu texto e só tenho uma coisa a dizer: Tiro o meu chapéu para ti.

    Um abraço,
    Silvino Palmer

  5. P.F.

    9 de Novembro de 2010 as 12:24

    Lindo,lindo!…É isto mesmo São. Põe o sentido de humor nisso que faz-nos imensa falta!Ainda que imagináriamente o cheiro da terra molhada apasígua o espírito.Um pouco de humor de vez em quando ajuda a relaxar e reduz um pouco as amarguras da vida é teraupetico e bem vindo e, é bonito. É o que o nosso povo gosta.E, é o que se pode pedir as mulheres e os homens que amam STP e que exercem a nobre função de comunicadores(as),destas duas maravilhosas Ilhas.Gostei e sem comentários. Parabens,São que Deus te abençoe.Sou P.F.

  6. BURO BAXANA

    9 de Novembro de 2010 as 12:56

    tas de parabens, sao!

  7. João Pedro

    9 de Novembro de 2010 as 13:18

    São,ôcê é forte éééééééé!!!!

    Viva São, Vida Apolinária, Viva STP

  8. Renato Correia

    9 de Novembro de 2010 as 13:30

    brilhante emocionante e real…abraços

  9. Nelson Pires

    9 de Novembro de 2010 as 14:40

    Adorei, continua assim
    Parabens….

    • NIVALDA CORREIA

      9 de Novembro de 2010 as 15:23

      Parabêns amiga é mesmo bom

  10. Alcino Pinto Lima

    9 de Novembro de 2010 as 14:57

    Um grande abraço que te vem de França.
    Fizestes-me lembar com muita emoçao a nossa querida patria.
    Felicitaçoes e continua com os teus trabalhos a nos brindar informaçoes e coisas boas. Os que estao como eu muito longe de STP te dizem muito obrigado.
    Um grande abraço
    Alcino

  11. Alecas

    9 de Novembro de 2010 as 14:59

    É de lovar uma jornalista como tu , gostei da caracterização feita sobre o pais , e da linguagem usada . Valeu muito o teu trabalho.

  12. Hilaria Lima De Menezes

    9 de Novembro de 2010 as 14:59

    O que dizer? Tudo esta dito?Eu penso que sim. Lendo, apetece chorar. Tive muita trsteza, muita emoçao,muita nostalgia. Sera que sou eu a dita Apolinaria? Nao, eu sou uma das Apolinarias ,ha muitas e muitas Apolinarias como Apolinarios a quém esse texto foi dirigido.Que elas estejam no estrangeiro como na terra patria.E verdade que nostalgia. Eu nao quero aproveitar do vagao da caroça, mais quero somente sugerir que ponhas esse texto tambem de maneira oral, que ele seje divulgado para todos os jovens de hoje que nao conheceram aqueles tempos e para aqueles e aquelas que infelizmente nao têm accesso à escrita, embora saibamos todos que nao se pode viver somente do passado seje ele feliz ou infeliz.Mais aquele que nao tem passado nao existe.
    Um grande abraço para ti assim como a Ana Maria.

  13. José Silva

    9 de Novembro de 2010 as 15:49

    Muito emocionante, isto é o verdadeiro retrato Santomense, os meus cordiais parabens.

  14. J. Maria Cardoso

    9 de Novembro de 2010 as 16:15

    Sem palavras!
    Um dia assumi perante os meus conterrâneos k negam a semântica do nosso leve-leve falado, bonito de ouvir esse português di nós, temperado e adoçado nos nossos funka-kunkas, único nesse mundo lusófono, fiquei solitário a falá pá parede como gente k gente levantô fasso.
    Agora, a vi d´ôcê São Lima como luz di candeeiro di azêti ki fez nossos dôtôres, essa música kantô un fundo di mê curação.
    Cantou como Sô Kamblê, Sô Bêgi Dôki Darê, Sô Varela di Torres Dias e ôtros nossos mais velhos dançavam rumba, nossas rumbas di Sangazuza di Aidé India un fundão com as nossas mais velhas a dá saia roda e a tira kuêsa di curação un chão di pé. Ôcê lembra doce di nossas rumbas?
    Un dia pôcê nossos filhos vão vira nossa tristeza un nossa alegria pá nós vira nosso supiá un nosso cantá.
    Assim, tua amiga Apolinária e bué di Apolinárias e bué di Apolinários ki correm-correm un mundo sem norte vão matá saudade di terra, ki un longi non morre!
    São, ôcê tá di parabéns!

  15. António Moniz

    9 de Novembro de 2010 as 16:23

    SÓ TU PARA FAZER CHORAR MUITOS QUE ESTÃO NA DIASPORA.
    ESTAS A TORNAR UMA JORNALISTA INCRIVEL,PARABENS E MUITA FELICIDADE.BEIJO

  16. Aguaizense

    9 de Novembro de 2010 as 16:40

    Brilhante….Um retrato real.
    Que esse texto tenha de facto significação que imagino ter para todos nós. Para os que estão dentro e fora do País

  17. sr

    9 de Novembro de 2010 as 16:57

    PARABENS SAO
    esse texto trouxe o meu passado nu e cru
    fez-me lembrar muitas coisas, sitios e pessoas, espero em breve estar de volta pra sentir “esse chêro di baro molhado ki aki n genti non podi senti”

  18. Celsio Junqueira

    9 de Novembro de 2010 as 17:09

    Junto-me a todos, meus PARABENS.
    Incrivel.
    Por favor continue a escrever sobre a nossa realidade e também sobre os que não têm voz. Uma delicia de leitura e de recordação.

    Um Abraço e muito obrigado,

  19. Zé mé

    9 de Novembro de 2010 as 17:33

    AS MINHAS SINCERAS FELICITAÇÕES, ÉS MESMO O ORGOLHO DE JORNALISMO EM STP

  20. UNeto

    9 de Novembro de 2010 as 17:42

    Retrato certo daquilo que todos nós conhecemos, sendo sem duvida essas lembranças que nos faz ter esperança na melhoria de todo o resto.
    Parabéns pelas palavras certas neste texto magnífico, com a linguagem que mais nos devia identificar.

  21. Josefa

    9 de Novembro de 2010 as 17:46

    sÃO QUERIDA AMIGA.
    eSQUECESTES DOS 21 DE DEZEMBRO NO PARQUE POPULAR, DE CONCURSO DE DANÇO CONGO, DE BAILÉ, DE SOCOPÉ, PUITA, DAS REBOLAS DE MÊ pEXIN, DOS CONJUNTOS MINDELO, AFRICA NEGRAM UNTUENS, MOCIDADE. ISSO É FAZER A HISTÓRIA, LEMBRAR O PASSADO, QUEM NÃO CONHECE A SUA HISTÓRIA IGNORA A SUA EXISTENCIA. MAIS, SERIA BOM QUE ESSE TEXTO FOSSE PASSADO NAS ESCOLAS, ISSO É A NOSSA CULTURA, ISSO É A NOSSA HISTÓRIA. LANÇO ESSE DESAFIO AO MECF. HÁ MUITA COISA A SE APROVEITAR. DA MINHA PARTE, A LIÇÃO É ESSA. STP É NOSSO, DE TODO PEQUENO QUÉ É, A NÓS CABE TODOS…VAMOS DE BRAÇOS DADOS ERGUER UM STP, ONDE TEM TUDO PARA NÓS,ORGULHEMO-NOS DELE

  22. Ze Maria

    9 de Novembro de 2010 as 19:09

    Parabéns,
    Realçaste bem a nossa realidade que muitos fazem a questão de esconder a forma como a maioria da população se expressa oralmente.

    És um exemplo de inovação, seriedade e profissionalismo que queremos que se multiplique cada vez mais nessa verde terra, São Tomé e Príncipe.

  23. jaka doxi

    9 de Novembro de 2010 as 19:12

    MUITO OBRIGADO SÃO LIMA.
    É DISTO QUE O NOSSO PAÍS PRECISA.
    ABRAÇOS.

  24. De Longe

    9 de Novembro de 2010 as 19:29

    São, é pra rir pra ou chorar?
    Não me surpreendes. Simplesmente aprecio-te mais.
    Preocupa-me que fales em língua cuidada e alguns comentários são duros. Falas também artisticamente na língua familiar e os comentários são estes. Estamos a esquecer que queres que o conteúdo seja analisado e comentado com vista a melhoria da nossa terra. Ou não é esse o teu propósito?
    Até da massificação da loucura falaste como consequência dos contornos da nossa mudança. Quereremos isso? Não podemos mudar?
    Porqê que só nos lembramos do estilo em que falas e não da gravidade do que dizes?
    Começa a doer.

  25. Andrade Catanhede

    9 de Novembro de 2010 as 20:42

    São, a tua imaginação é riquíssima. Deste jeito, com todo o respeito que tenho pelos demais escritores e poetas são-tomenses, só tu sabes escrever. Parabéns !… Continue a dar largas as tuas aspirações. Fartei-me de rir, não pela desgraça em si, mas pela forma satírica como tudo foi narrado !…
    Espero que a mensagem tenha passado. Cada um que interprete como quiser, de acordo com a sua capacidade e nível de imparcialidade.
    Seria bom que os nossos artistas de teatro transformassem e levassem essa narrativa ao palco. Senhores da Direcção da Cultura, e outros que amam a nossa cultura, aí têm um bom material.
    Abraços

  26. Elias da Costa Queirós

    9 de Novembro de 2010 as 22:39

    Pessoa singular

  27. Leonel Batista de Sousa

    9 de Novembro de 2010 as 23:14

    São! Muito obrigado. Isto é uma tremenda fotografia do passado e do presente e da incerteza do futuro…. Simplemente memorável.

  28. Leonel Batista de Sousa

    9 de Novembro de 2010 as 23:16

    São! Muito obrigado. Isto é uma tremenda fotografia do passado e do presente e da incerteza do futuro…. Simplesmente memorável.

  29. COCO NZUCU

    9 de Novembro de 2010 as 23:54

    Muito Bom. Optimo. Isto cala fundo. Quem ao ler isto e nao se sentir tocado pelo sentimento patrio, entao, nao e’filho de STP. Quer pelo conteudo, forma, estilo, musicalidade, intensidade enfim…tudo. Trata-se da nossa pronuncia usual para exprimirmos os nossos anseios e sentimentos de cada dia e que merece mais atencao dos nossos escritores. Sabe, por favor, nao pare, pois a sua missao ca na terra e’ esta’: Comunicar. Sao de Deus, OBRIGADO E QUE DEUS TE CONSERVE POR LONGOS ANOS E COM SAUDE.

  30. APOLO/2010

    10 de Novembro de 2010 as 1:35

    Queria expressar o meu apreço por esta crónica de São Deus Lima.
    Li a sua crónica e devo dizer que fiquei um tanto quanto feliz e outra nem por isso. Como fiz-lo em voz alta, estas
    palavras, sons, e o sentido dessas palavras no nosso dia a dia teve um sabor especial, há quanto tempo que não coisas dessas. Sinceramente, eu ri bastante
    quando fazia esta leitura. Se não for demais que gostaria que você aflorace um tema sobre FIGURAS idóneas, referências para os SANTOMENSES.
    Felitações.

  31. Chocolate-Biológico

    10 de Novembro de 2010 as 4:49

    Excelente,

    Bravuroso São …!!!

    „San Tomé kú Santantóni“, têm consigo devolta a sua filha.

    Bem sabia que o especulativo jornalismo e os recentes posicionamentos opinistas, com tons tendênciosos e insinuantes – permita-me este aparte – nunca fizeram, pelo menos, no por mim de ti já lido, dizia, nunca fizeram parte do teu character, nem fazem parte duma jornalista séria e objetiva, que sempre demonstras-te ser.

    Cá a temos, a nossa escritora São de Deus Lima; ela está de volta, partilhando connosco o que nela do melhor tem, sabe e produz.

    Parabems São, e um bem-haja de regresso as tuas raízes do nosso “doce Micondó” e, a tua arte e “santidade de escrita”, de que nos habituaras.

    Força rumo ao nosso Desenvolvimento Cultural e a autenticidade inédita, da nossa São Lima.

    Um salve a todos
    Chocolate-Biológico

  32. X9

    10 de Novembro de 2010 as 6:44

    sÃO,
    Que visao extraordinaria.Gostei, sem comentarios.
    Beijos mil.

  33. Joaquim Jose da Costa

    10 de Novembro de 2010 as 7:10

    Gosatei imenso do artigo. Ate parece uma carta enviada para mim. Este artigo me fez voltar no pensamento a terra e ver todos aqueles lugares de outrem onde ja nao e como hoje. Receba os meus parabens pela verdade que faz gritar calado o coracao e chorar sem lagrimas de saudades.

  34. V. Pina

    10 de Novembro de 2010 as 8:45

    É a primeira vez que deixo nesta paragem as minhas observações, mas nunca deixei de contemplar as contribuições de todos. Umas de felicitar e outras nem tanto, mas todas são bem-vindas. Democracia tem disso.
    Hoje não pude me conter, diante deste texto tão poético, tão artístico e ao mesmo tempo tão cultural. As falas são Ricas! Estrondosas e extraordinárias! Simplesmente estupendas!
    Que bom que ainda temos pessoas que se preocupam com a cultura, História e Estórias deste país.
    Bela prosa!!! Meus mais profundos parabéns a São Lima

  35. Mimi

    10 de Novembro de 2010 as 10:06

    Excelente!!!

  36. zeme almeida

    10 de Novembro de 2010 as 10:33

    Excelente texto,da nossa jornalista Sao Deus Lima.Nos fez rir e refrescar um pouco a noossa memoria,principalmente para aqueles que nasceram nos anos 60.Meus parabens.

  37. Fernando Rodrigues

    10 de Novembro de 2010 as 10:40

    São: Desde sempre admirei a tua cpcidade de compreensão, interpretação e exposição. Não tinaha dúvidas e cada dia que passa demonstras merecer toda nossa admiração e, de todo modo, o nosso agradecimento por assim seres, teres nascido em S.Tomé e Príncipe e assumido essa verdade de ser Santomense integralmente. Permita que te felicite uma vez mais: Parabéns

  38. Eurídice

    10 de Novembro de 2010 as 10:51

    Não pude conter as lágrimas que inundaram os meus olhos ao ler esse texto extraordináriamente belo. Lágrimas de saudades da nossa terra, das nossas gentes, dos nossos costumes, das nossas histórias, do nosso “eu”, unicamente santomense.
    Não pude controlar as lágrimas de tristeza daquilo que, sem darmos por isso, fomos nos tranformando, da indiferença, do indivudualismo, da insolência, do egoísmo, da ambição,ganância, enfim…
    Ainda assim, sinto-me feliz por ser santomense e pertencer a essa Nação verdejante erguida sobre as linhas do Equador.

  39. lvingada

    10 de Novembro de 2010 as 11:26

    Excelente.A tua imaginacao e` infinita.Obrigada.`

  40. Rocky

    10 de Novembro de 2010 as 12:19

    São: és a melhor!

  41. São Tomense

    10 de Novembro de 2010 as 12:32

    Fina lélé.

  42. Abílio Neto

    10 de Novembro de 2010 as 12:48

    São, obrigado. Com este artigo resgataste o grande país que São Tomé e Príncipe é, recuperaste o melhor que nós somos! Continua, pf, obriga-nos a ser melhores, porque podemos e devemos.

  43. Assuncao

    10 de Novembro de 2010 as 13:24

    Querida Sao, sou eternamente tua fa. Simplesmente fant’astico. Retrato fidedigno da nossa gente, nossa fala, nossa terra, nossa realidade, nossas coisas.
    Parabens, uma leitura agradavel, e k nos apetece reler, e reler.
    Um bem haja ‘a todas as nossas (os)Apolin’arias espalhados por este mundo fora.
    Com cumprimentos.

  44. BLAGA PENA

    10 de Novembro de 2010 as 14:34

    Viva Sao Lima
    Vive a minha terra natal STome e Príncipe
    A luta continua

  45. Osvaldo Abreu

    10 de Novembro de 2010 as 14:50

    Oi São
    Não me surpreende o teu/nosso texto, sublime expressão de tantas capacidades que vens demonstrando e que de certeza estão longe de esgotar.
    O que me surpreende e me deixa estupefacto é a capacidade que demonstraste nesta escrita de juntar os gregos e troianos santomenses. Isto podes crer é obra. Repare, por exemplo, na quantidade de comentadores em nomes próprios aqui registados!
    Nós os santomenses parecemos estar moldados pra falar mal (algumas votações negativas é prova disso) contudo, fizeste através da “carta pá Apolinária” um verdadeiro e lindo milagre.
    São, quem sabe acabaste de descobrir através desta semântica santomense aquela “coisa” que precisamos e que nos faça ser/estar orgulhosos de nós. Que nos faça mais patrióticos, mais nacionalistas, mais santomenses.
    Quem sabe !!!
    Meus parabéns. O meu abraço fica para breve.
    Ganhaste mais um aluno
    Osvaldo Abreu

  46. Pico Papagaio

    10 de Novembro de 2010 as 15:14

    Nosso dinheiro de petróleo também tem bunzu, está a ser comido pelos gatunos Apolinária, terra está só com ladrão Apolinária, Nigeriano já fala no dialecto Apolinárial
    roubo só Apolinária, gatunagem só, Apolinária deram dinheiro para comprar comida para povo eles comeram os 5 milhões dólar, toda gente já sabi quem, justiça não tem Apolinária, justiça só pra pobre Apolinária, coisa muito Apolinária, coisa muito, agora agora mesmo gato Varela disse que eles furtou 1 milhão dólar de nós Apolinária.
    Vem Apolinária, pra gente junta mão pra gente lutar contra esses gatos….

  47. Jovem quadro

    10 de Novembro de 2010 as 15:19

    Comentários pra quê????

    A São Lima è sem dúvida uma grande grande jornalista,e não só, com um grande amor a sua terra.
    São pessoas como essa que nos faz ter alguma esperança…
    Viva STP e todos aqueles que com seu trabalho e competência, vai acendendo aquela luz que persiste em continuar no fundo do túnel

  48. O FURRACÃO

    10 de Novembro de 2010 as 15:19

    Parabéns Grandeeeeee Jornalista São, e obrigado por me fazer voltar as origens com essas frases, . Só uma coisa , mude essa foto ai , ela remete a alguem triste e resignada, a foto contrasta com a pessoa q escreve , uma pessoa alerta atenta e pronta pra os grandes desafios
    Um bem Haja
    O FURRACÃO

    • José Silva

      10 de Novembro de 2010 as 18:53

      Caro Furração

      Os meus cumprimentos; esta foto se bem reparas-te vem em todos os artigos publicados pela jornalista e retrata o ultimo paragrafo deste artigo que ao meu ver (posso estar enganado) a jornalista vinha ha algum tempo preparando esta cronica. É de salutar esta inspiração, a embrião originaria da nossa Santomensedade. Abraços.

  49. lino

    10 de Novembro de 2010 as 15:31

    são …li e vieram-me lágrimas aos olhos.
    Nostalgia. Fizeste um regresso ao passado e de uma forma muito nossa de facto . Muito profundo.esta é a nossa forma peculiar de expressão ….a mais transversal da nossa querida terra.
    ADOREI.
    OBIGADO.
    vou voltar a ler.

  50. Zé Manel Noronha

    10 de Novembro de 2010 as 16:22

    Querida colega,
    Que Deus e a alma da nossa “mãe” Alda do E. Santo (DEus a tenha), te elevem cada vez mais. Imagino o que seria o comentário da nossa Alda em relação ao texto. Parabéns.
    Zé Manel

  51. Dasafrica

    10 de Novembro de 2010 as 16:51

    Adorei, foi uma cronica tipicamente santola.
    Força

    • Polvo Paul

      17 de Novembro de 2010 as 15:07

      Adoraste a cronica? Ou a dona da Cronica? , malandro…..Estou olho em ti..

  52. Antoninho

    10 de Novembro de 2010 as 17:05

    Existem muitos Apolinaria(o)s aqui dentro.
    Muitos de nos estamos dentro mas fora. Parece que agora estamos a ficar cada vez mais fora.

    Parabens pelas tuas cronicas. Leio-as sempre.

  53. Antoninho

    10 de Novembro de 2010 as 17:06

    Existem muitos Apolinaria(o)s aqui dentro.
    Muitos de nos estamos dentro mas de fora. Parece que agora estamos a ficar cada vez mais de fora.

    Parabens pelas tuas cronicas. Leio-as sempre.

  54. Matabala

    10 de Novembro de 2010 as 17:15

    Batimbora lá bô carta…
    Kêi São, ôcê non sabi komu ê fiquei gostadu pa…
    Acho que este e outros dados culturais de São Tomé ja são mais que motivos suficientes para que este arquipélago se inscreva na UNESCO, para para fazer parte do Património da Humanidade…

  55. Diogenes Aguiar

    10 de Novembro de 2010 as 19:20

    Este seu primoroso texto nos remete a momentos hilários e de reflexão. De uma formosa jocosa descreve o momento atual do país sem deixar de criticar os danos causados ao meio ambiente.. Parabéns e continue nessa linha que nos brindará sempre.

  56. kua muntu

    10 de Novembro de 2010 as 19:56

    casa que eu fiz no campo de milho APOLINARIA TIVE QUE DESVIAR AGUA QUE IA PARA O HOSPITAL APOLINARIA…COISA MUITO PIQUENA…EU NAO SEI COMO VIM ENTRAR NESSE CIRCULO VICIOSO E. COISA MUDO MAS NOSSO POLITICO NAO MUDOU NAO E. CONTINUA A ROBAR DINHERO DE POVO SO.AREPORTO JA CABO OBRA…

  57. Mana Télé

    10 de Novembro de 2010 as 21:13

    Em nome de todos e todas,deste uma boa catanada a aqueles e aquelas que a uns dias atrás quiseram brincar com a tua capacidade.
    Eu nunca tive dúvida!Força e muita força porque tu nestas coisas de jornalismo é como se costuma dizer na nossa abençoada terra “bô cá balí quinté cú supiá ni bóca” que Deus te proteja dos invejosos desta nossa terra.

  58. Eusébio Pinto

    10 de Novembro de 2010 as 21:53

    A criatividade e a originalidade deste texto, aliado ao realismo e a vitalidade do seu conteúdo, faz despertar o sentimento patriótico a qualquer santomense.

    Parabéns Sra. São Lima!
    Eusébio Pinto

  59. marinela pereira

    10 de Novembro de 2010 as 23:27

    Podem haver certas atitudes que nos levam a não gostar de alguém. Mas todos noós seres humanos temos os nossos defeitos e tu tb és um ser humano. Na semana passada li uma crónica tua que muito me desagradou. Mas esta…lavou a minha alma São. Parabéns pelo teu profissionalismo, pela tentativa de resgate da nossa cultura que tem estado adormecida. Adorei, e que isto sirva de alerta a nossa Direcção Nacional de Cultura que tem estado numa letargia preocupante.Como dizem os brasileiros valeu! a maneira satírica como caracterizastes o STP do passado e do futuro. Tiro o chapéu e faço a minha vénia senhora jornalista.

  60. Joe d' Alva

    11 de Novembro de 2010 as 8:59

    Olá São,
    Sublime.
    E vai tocando a tua campainha sempre pois, “Quem canta seus (nossos)males espanta”!
    Beijos

  61. Armindo Fonseca Dos Santos

    11 de Novembro de 2010 as 16:02

    É de louvar o seu trabalho,mas é pena que nem todos os santomenses em S.Tomé e Príncipe têm oportunidade de lêr a tua crónica.
    Meus parabéns.
    Continua assim que estás em bom caminho.
    Um grande abraço para ti.

  62. Rodnusca

    11 de Novembro de 2010 as 18:30

    Oi Sao
    O teu talento é monstruoso es sem duvida a melhor jornalista de stp continue dando asas a tua imaginaçao e brinde-nos com os teus maravilhos textos .
    Um abraçao Fininha

  63. Digno de Respeito

    12 de Novembro de 2010 as 3:44

    Olá São,

    Estamos perante uma verdadeira reliquia santomense. O presente retrato revela-nos o amor pelos aspectos culturais do nosso STP. A linguística é a parte integrante da verdadeira riqueza de São Tomé e Príncipe que carece de um estudo científico mais aprofundado. Muito recentemente, tive conhecimento através duma Conferência sobre a Língua no contexto globalizado de que o “português santomense” serviu de ponte para o Brasil através do triângulo comercial. Achei interessante mas, até hoje não vejo qualquer documentação como fonte de pesquisa linguística santomense. Razão porque questiono:
    Ate quando a existência dum Dicionário do português santomense como uma deriva da lingua portuguesa?!! Será que a Cultura não poderia aproveitar da nossa(STP) localização geográfica para beneficiar dos recursos da SOCIEDADE BANTÚ em benefício de STP??!!
    A prosa de autoria São Lima é sem dúvida a verdadeira carta destinada á muita(os) da(o)s nossa(o)s APOLINÁRIA/OS ….e alguns “fica cu mão un quexada fazê tudo lévi lévi só é é é…” Até quando?!

    São Lima és uma excelente remetente. Bem haja….

  64. Digno de Respeito

    12 de Novembro de 2010 as 3:47

    digo: “derivada” (…)

  65. Alexandra Bandeira

    12 de Novembro de 2010 as 9:34

    Oi São,
    Eu gostei dimás!!! PARABÉNS por teres retratado aquilo que vai na alma de cada um de nós, de forma tão simples e tão comovente. As lágrimas e o riso se misturaram num ritmo candente, sem saber qual a prevalência de cada um.
    Um muito Obrigada.

  66. PURA AFICANNA

    12 de Novembro de 2010 as 11:33

    NATURAL NOSSA FALA,CULTURAL NOSSA FALA E OBJECTIVA
    SÃO ESTAS PALAVRAS USADAS POR MIM ESPECIALMENTE PARA CARACTERIZAR O EXCELENTE TRABALHO FEITO PELA SÃO LIMA
    (A ÚNICA EM S.TOMÉ)QUE NOS FAZ REFLECTIR PROFUNDAMENTE SOBRE MUITAS COISAS Q TINHAMOS E AGORA N TEMOS COISAS Q SÓ A NOSSA TERRA GERAVA OUTRORA EM GRANDE QUANTIDADE,ACTUALMENTE MUITO REDUZIDA E VERIFICAR Q PERDEMOS MOTS VALORES IMPORTANTES. SÓ TENHO Q AGRADECER A SÃO PELA RECORDAÇÃO E FELICITA-LE PELA CAPACIDADE QUE TEM E QUE NUNCA DEIXE-A PERDER
    PARABENS!!!

  67. Luís Eduardo Trindade

    12 de Novembro de 2010 as 20:11

    Olá Conceição Deus Lima,
    Sinceramente que me fartei de rir a tua custa, aliás, você tem um geito para contornar as palavra!… É preciso ter talento para narrar o conteúdo da carta dessa forma, traduzindo, efectivamente, o geito peculiar de alguns conterrâneos, falar. Parabens!…
    Continue que eu sou teu fã.

  68. Leonel Carvalho

    13 de Novembro de 2010 as 10:12

    Quero te parabenizar pelo texto e sentido poético e satico do mesmo. E aproveitando essa leva queria te deixar um desafio, porque não transformar esse texto numa expressão oral, certamente muitos passaria a compreender e dar valor a nossa formar particular de expressar em português.
    Obrigado uma vez mais pelo trabalho.

  69. COCO NZUCU

    13 de Novembro de 2010 as 16:41

    Queh piquena verdadi mesmu, cuesa entroh tera dimas. Voce faloh nesses nosso malucu fez-mu lembra essis cu genti deh tiru. Pulicia, piquena. Toh a lembla di soh Conceicao qui era conditor di camiao, toh a lembra dum rapaz chamdu Lomba’ di ospital, otru otru mas queh ja esqueci nomi delis. Eh tem estadu a pergunta otras pissoas doutra tera, elis dizem qui na tera delis nao e’ assim nao. Piquena, como qui tera podi i pa frenti assiem, com uma data dessis ma fe’, entao pulicia nao podi da malucu tiru nu pe? E’ pricisu da pa mata? Ohh Djabu ca lev’inem, mina. Quando era piquininu, non era assim nao, sao 3 ou 4 malucu cu pulicia ja matoh assim, depos di independencia. Cuesa muituem piquena, ate meh computador ta cu sinal tudu trocadu trocadu i faz-mu escreveh doutra manera! Pia mina n’bezaeh, bo ka fla tudu inen mina mantchan-eh, bo ka fica ku Dessueh. Lega zentchi ku tela d’inen-eh, punda kua sa kua pe’ d’inen, so’so’so’… Hummm.

  70. ibrantina Silva

    14 de Novembro de 2010 as 1:23

    Parabens Sao!!
    realmente sem palavras! So depois de ler o texto dei-me conta das muitas coisas que disseste sao verdades. Detalhes que com o tempo e o dia a dia nao nos percatamos, mas depois de ler, cai na realidade das tuas palavras! E verdadii e piquena, terra mudo muito!! Sao- tome ja escondi gente! Oce vai pa terra pa oce pode ve tuas amigas, oce tem que liga, pedi pa ve, coisa no e mas como antis que gente via gente asi so na rua, parava pa fala un con otro, queee piquena, tera mudo di verdadiiieeee!
    Valeu, sigue nesta onda. Felicitationes!!!

  71. argomeli~y

    14 de Novembro de 2010 as 15:57

    Muito obridago, so assim alguns possam tirar da sua cabeca o preconceito de nao escrever nem ler a sua lingua materna..

  72. Jacinto

    15 de Novembro de 2010 as 8:40

    São, meus parabens!!
    Muita saúde e felcidade.
    Continue tendo inspiração para nos brindar sempre com coisas semelhantes.

  73. Danilo Santos

    15 de Novembro de 2010 as 9:03

    Felicidades. Não me surpreendes. A tua qualidade é inquestionável. Para os residentes em STP, basta ver e rever o “EM DIRECTO”, a forma como conduzes !!! A qualidade, pertinência das questões!!! … … … …
    Sem comparação.
    Continue priminha.

  74. Carlos

    15 de Novembro de 2010 as 10:23

    Esplêndido,incomensurável, brutal…etc etc…são alguns dos adjectivos que uso para caracterizar este retrato puro e real da nossa sociedade! Aguardamos pelos próximos epsódios…!

  75. Eugénio Silva

    15 de Novembro de 2010 as 12:09

    SUBLIME!!!

  76. Sigalda Neto

    15 de Novembro de 2010 as 19:55

    Cara São Lima
    Os meus parabéns!
    Téla Nón sá son de lenda…
    Muito obrigada pelo retrato que frisas-te.
    Existem coisas que a distância não separa… o berço é uma delas.
    Gostei imenso da criptógrafa.
    Beijinhos

  77. Pintacabra

    15 de Novembro de 2010 as 21:15

    Felizmente ainda temos aquelas pessoas como a Sao Deus Lima que nos tem dado essas alegrias quando escreve, baixando ate ao limite profundo da nossa linguagem corrente.Fez-me recordar muitos momentos da minha infancia e como lidavamos com as pessoas.Obrigado por me fazer rir,refletir e titar algumas licoes.

  78. Leoter Viegas

    15 de Novembro de 2010 as 23:42

    Melhor retrato sobre o passado e o futuro de S.Tomé e Príncipe é impossivel.
    Quem quiser conhecer o passado “social” de S.Tomé lê esta crónica. E quem quiser conhecer o presente volte a reler.

  79. Zumbakuê

    16 de Novembro de 2010 as 12:33

    Antes de mais, felicito a jornalista pelo seu artigo.
    Tantos anos ausentes da minha maravilhosa S.tomé, ela fez-me reviver e retornar a minha infância.
    Imagens que ficaram na minha mente, e alguns figurantes da nossa cidade, foram relembrados com mestria.
    Parabéns “São” e continue a trazer-nos realidades da nossa terra.
    Esqueceu-se do “Pega- Pata” e do “Chiquitole Senkuá”..ehehehehe

  80. IDALECIO PEREIRA DA FONSECA

    18 de Novembro de 2010 as 13:51

    Obrigada SAO LIMA por este artigo ,que faz chorar a todos os santomenses que desejam ver SAO TOMÉ E PRINCIPE melhor , na verdade é uma grande contribuição literária mostrando a real situação do PAÍS ,que espero ter alguma sensibilidade ,para aqueles que o destino coube que ,governasse a Nação . Esta crónica de lamentaçao ,retrata a dor de parto de alguém que espera ,ser ajudado . Mas enfim ,depois de tantas observação ,pelo menos da forma teatral espero ,que seja recado para aqueles que a vóz da consciencia fala e geme pelo País. Pena que os mortos não fazem comentarios . Deixo os meus parabens pela ´boa contribuiçao …..SAO TOMÉ E PRINCIPE será vencedor ……O povo sonha ,ora ,reza,e um dia escreveremos com lágrimas de suor , vendo SAO TOME melhor. SAO a nossa ilha foi dada o nome de SAO TOMÉ , TOMÉ segundo a tradiçao ,é aquele que não acreditou na ressureiçao de JESUS ,após ter ,visto PEDRO o negar . e JUDAS vender por trintas moedas de prata ,mas foi o uníco que posicionou ,que acreditaria se visse a marca e tocasse.Assim como TOMÉ chegará a vez da nossa ilha ter um rumo melhor e reencontrar com o seu ”messias”. Um abraço a todos , SANTOMÉ NON ADEJUÉ , A CA LEMBLA CUMA TLABÉ SÁ LENÇU ,NGUÉ CU NA MALE-FA CA CLAGUÉN GIBELA,……… MIXIDAGI ZÓ FÉ MUALA VÉ BA TI OMÉ ,ZONLO FLONTA PIXI MANDE CONÇê CANTSHIN DI BUDu …… andeji cua cá dá ni we lixi cá cole awa…….. IDALECIO FONSECA ———-RESIDENTE NO BRASIL.

  81. Diasporano.CV

    18 de Novembro de 2010 as 15:00

    Parabens, São de Deus Lima!… por esse retrato linguístico-social da nossa terra, muito bem tratado e retratado,com muita genialidade,na tua crónica.
    Parabéns!

  82. Alda Cravid

    21 de Novembro de 2010 as 20:41

    Parabens pela linguagem e retrato real do nosso querido país que deixa muitas saudades. E para aqueles se encontram ausentes se lembrem e façam algo para o bem do mesmo.

    Um abraço São,

    És estupenda!!!

  83. Signalda Neto

    22 de Novembro de 2010 as 2:06

    Cara São Lima
    Os meus parabéns!
    Téla Nón sá son de lenda…
    Muito obrigada pelo retrato que frisas-te.
    Existem coisas que a distância não separa… o berço é uma delas.
    Gostei imenso da criptografia.
    Beijinhos

  84. Jovem da mil dobras

    22 de Novembro de 2010 as 13:50

    São, gostei muito desta história…
    Você está muito boonita…
    Fica com nosso Senhor querida

  85. Gilker Nascimento

    23 de Novembro de 2010 as 22:14

    Sinceramente,só agora vi esta cronica,Sao de Deus,em bom sentido da palavra és um monstro do jornalismo.Tu fizeste-me verter lagrimas.Obrigado

  86. Marta

    24 de Novembro de 2010 as 15:08

    Gostei muito desse texto.
    Quero felicitar a Lornalista Sao de Deus Lima pelo trabalho, ta muito lindo, fiquei emocionada.
    Es uma grande jornalista, ,tos parabéns.
    Deus da ôcê vida cu saude pa ocê vivê bastante e consegui fazê toda cuesa qui ocê gosta.
    Um grande abraço!

  87. Marta

    24 de Novembro de 2010 as 15:12

    Essa carta reflete algo muito serio, a forma em q o nosso pais ficou, é bom q reflitamos muito sobre as realidades patentes nessa carta.

  88. Marta

    24 de Novembro de 2010 as 15:16

    Si a matriaraca Alda Do Espírito Santo estivesse viva, Q Deus a tenha, iria emocionar-se muito ao ler esta crónica.
    Sao de Deus Lima, nesse campo acho q es uma nova versao da nossa Alda do Espírito Santo.

  89. tomé da costa

    25 de Novembro de 2010 as 23:06

    QUÉM FALA VERDADE NÃO BANCO PARA CENTAR…
    MAS O FUNDAMENTAL É QUE TODOS NÓS MOREMOS UM DIA..QUER SIM,,QUER NÃO…
    NÃO FALO MAS NADA PORQUE: TÉLA NÚMIGO CLÓNCÓ NÁTÉ ÓSSÓ FÁÉ..
    FORÇA

  90. Yanira Tiny

    1 de Dezembro de 2010 as 6:04

    Esta carta é reflecte profundamente sobre a realidade actual de São Tomé e Príncipe,levando a uma introspecção do leitor… Nela, encontramos bem patente o princípio latino: “ ridendo castigat mores ” (“é a rir que se castigam os costumes”).

  91. Yanira Tiny

    1 de Dezembro de 2010 as 21:18

    Esta carta é uma excelente obra jornalística que reflecte profundamente sobre a realidade actual de São Tomé e Príncipe,levando a uma introspecção do leitor… Nela, encontramos bem patente o princípio latino: “ ridendo castigat mores ” (“é a rir que se castigam os costumes”).

  92. Eugenio da cruz

    7 de Dezembro de 2010 as 12:41

    melancomia, vontade de chorar… parabens!

  93. Carpe diem

    31 de Janeiro de 2011 as 14:04

    Êsse trabalho tá muito bom. ôcê sabe fazê cuesa..São de Deus Lima, ôcê fez gente ri muito éé..

    Um bem haja..força nisso..estamos juntos..

  94. Jeka

    28 de Outubro de 2012 as 10:58

    Parabéns São Lima.
    Para além dos atributos literários, que mesmo os teus detratores reconhecem nos teus escritos, desta feita, despertaste-nos para “o retrato vivo”, mas certamente que alguns leitores foram para além do retrato e viram o que está por detrás dele – O reino do bunzu. E este, na minha ótica, é o cerne da questão. Mas, minha querida São podes ter a certeza de que “não há império que dure para sempre”. Nem o Romano e o Otmano foram capazes. Acho que o Bunzu não será um paradigma dos novos tempos.
    Estamos contigo.
    Jeka.

  95. PS

    30 de Outubro de 2012 as 12:11

    Sinceramente está carta emociona, mais como somos sensatos e queremos o melhor para a nossa vida, logo devemos prosseguir a vida com optimismo, dedicação, sempre numa perspectiva de um melhor futuro. Mesmo que o mundo encontra-se em crise e em particular o Pais em que a carta foi dirigida, estou confiante que mesmo assim ainda encontramos as melhores alternativas por ca.HAVEMOS DE VOLTAR..bem haja

  96. Nadiney Santana

    26 de Janeiro de 2015 as 12:26

    Fiquei simplesmente deslumbrada com essa carta….pena a ter descoberto só agora.Deu para vislumbrar S.Tomé, a realidade do país. É como se eu tivesse viajado para stp ao lê-la .Obrigada e meus parabéns.
    hasta la vista

  97. Marnilda Deus Lima

    1 de Janeiro de 2016 as 2:54

    Não consigo descrever o orgulho que sinto de si neste momento. A sério. INSPIRAÇÃO <3

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo