Sociedade

Abaixo-assinado a favor da continuidade do programa “EM Directo” sob a competente moderação de São de Deus Lima conquista são-tomenses em Portugal

O artigo é do Jornal português, PÚBLICO. É uma bola de neve que começa a agigantar-se. Em Janeiro próximo o caso deverá atingir o climax. O Téla Nón vai acompanhar até o fim.

Foi colocado a circular em Lisboa um abaixo-assinado a favor da poeta são-tomense Conceição Lima, cujo programa na televisão foi mandado silenciar pelo primeiro-ministro Patrice Trovoada.

A ideia de que a visada teria “uma atitude prejudicial para a imagem do Estado são-tomense” foi contestada pela professora universitária da mesma nacionalidade Inocência Mata, uma das pessoas que se sentiu chocada com o facto de Maria da Conceição de Deus Lima, antiga correspondente do PÚBLICO, estar a ser vítima de silenciamento no seu país natal, onde é o mais destacado elemento da comunicação social, para além de poeta inserida em antologias de várias nacionalidades.
“O primeiro-ministro, incomodado com a sua frontalidade, deu ordens para que o contrato de São Lima com a televisão não fosse renovado, de maneira a silenciar o programa que ela assina”, “Em Directo” . que era o de maior audiência, refere-se no abaixo-assinado actualmente a circular em Portugal.

“Desde quando é que a função de um jornalista deve depender da ‘imagem’ do Estado?!! A função do jornalista é informar e não informar de acordo com o ‘patriotismo’. Este é, aliás, um equívoco em que incorrem políticos de cultura e mentalidade muito pouco democráticas, que pensam que um jornalista deve seleccionar informação de acordo com a imagem que vai dar do país”, escreveu Inocência Mata, estudiosa das literaturas africanas de língua portuguesa.

“ São Lima, com uma experiência de mais de 20 anos na BBC, especialista em Estudos Africanos, com mestrado no King’s College, é a maior poeta viva de São Tomé e uma das maiores da poesia contemporânea em língua portuguesa e de África. É demasiado grande para as mentalidades atrofiadas das elites no poder em São Tomé”, lê-se no abaixo-assinado colocado a circular no mundo lusófono contra este atropelo à liberdade de informação.

“O desemprego atira-a de novo para os camihos da diáspora. Vamos deixar que a devorem, sem pelo menos mostrar a nossa solidariedade? Creio que é o momento de mostrarmos que ela não está sozinha a lutar pela liberdade de imprensa e informação, pela nossa liberdade. Subscrevam o abaixo-assinado, por favor!”, diz o texto transmitido ao jornal PÚBLICO (http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/7729).

    30 comentários

30 comentários

  1. ipsis verbis

    15 de Dezembro de 2010 as 18:10

    QUE A BENDITA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA ESCREVA UM DIA AO JORNAL PÚBLICO PARA FAZER ECOAR PELO MUNDO FORA A DESGRAÇA DOS SEUS COMPATRIOTAS DE TENRA IDADE QUE NUNCA FIZERAM AS TRÊS REFEIÇÕES DIÁRIAS. ESTARIA ASSIM A DAR MELHOR PROVA DA GRANDEZA DA SUA ALMA. HÁ CAUSAS E HÁ CAUSAS. TENHO DITO

  2. Jose Alberto Rocha

    15 de Dezembro de 2010 as 18:11

    Nao suscitem “casos” onde naos os ha…. sejam mais construtivos e nao queiram encontrar “chifres em cabeca de cavalo” !!!…

  3. mano

    15 de Dezembro de 2010 as 19:03

    Dizem que a Senhora Inocência Mata é professora Universitária!

    Ao chamar as elites no poder de mentalidades atrofiada? Que Professora que não sabe escolher palavra para manifestar o discontentamento? Professora vai estudar.

    Se calhar ela usou uma figura de estilo. Muita gente em S.Tomé sabe o que é uma figura de estilo. Será que a professora tem consciência do que disse? Como disse “ipsis verbis”, a professora devia fazer o abaixo acinado ao jornal Público, record, noticias, I, el mundo, figaro e mesmo no “wiklis” para pedir comida as criaças são-tomenses que em muitos casos têm só uma refeição por dia, porque ela se calhar deita os restos ao lixo em Lisboa.
    Deixem o Governo Trabalhar a campanha já acabou.

    Vamos agora fazer abaixo assinado para ajudar o governo a recuperar a credibilidade intsrnacional, atrair investimento e tirar o povo da miséria.

    Abaixo inimigos do governo do povo. Abaixo Inocência Mata.
    Viva

    • João da Costa Pereira

      15 de Dezembro de 2010 as 23:35

      Isto começa a ser muito parecido com a outra época, até nos slogans políticos. “Abaixo inimigos do governo; Viva o governo.” Onde é que eu já ouvi isto? Nossa Senhora de Fátima… Quem viver verá, como disse o outro.
      João da Costa Pereira

    • Dònòchadu

      16 de Dezembro de 2010 as 7:08

      Irmao Manu, posso chamar-te CEGO? Es CEGO! Nao ves que isto que se passa em STP è o inìcio da Ditadura? Ou ès um daquelas mentes atrofiadas? MENTE ATROFIADA!
      Com Humildade

    • Melhores dias virao

      16 de Dezembro de 2010 as 23:38

      O senhor nao tem noçao do que diz.A professora Inocencia tem razao.A Sao nao merece passar o esta a passar,se realmente houvesse liberdade de expressao em Sao Tomé e Principe.Nao quero aqui julgar o governo,mas quero a justiça.Sao tem que voltar aos ecrans com o seu programa que trouxe muita polémica.Que Deus abençoe Sao tomé e Principe!

      • ipsis verbis

        17 de Dezembro de 2010 as 11:43

        Se calhar, pelo seu talento singular, nem é na TVS que a jornalista merece estar. Que se mova uma corrente de apoios, com abaixo assinado se for necessário, para que a mesma volte a BBC de Londres, já que este é uma canal com mais dignidade, gerida por “gentes sem mentes atrofiadas”.

  4. Jacinto João

    15 de Dezembro de 2010 as 20:00

    Parem com isto. Já chega do tempo de antena que deram à situação relacionada com a entrevista que não foi realizada com Carlos Veiga. Para quem conhece a realidade política (falsa, hipócrita, oportunista, para não dizer outras coisas piores) já percebeu que o que está em causa, no essencial desta questão, é o protagonismo de São Lima. O país não deve estar apenas a discutir esta questão. Há outros problemas mais prementes e prejudicial para a Nação. Olhemos, por exemplo, o caso dos medicamentos que vão ser queimados por terem ficado nos armazéns das alfandegas e ficaram estragados porque não foram retirados a tempo quando na altura o hospital bem precisava deles.

  5. jocymar Trindade

    15 de Dezembro de 2010 as 20:12

    É uma pena o que está a passar-se com a jornalista Conceição Deus Lima. Se mais pessoas não assinaram o documento é porque não perceberam a dor da menina ou não receberam a carta confidencial que ela enviou a sua amiga, a ilustríssima professora Cency Mata, para quem todos os alunos, sobretudo aqueles que após os seus estudos decidiram regressar ao país são burros, não percebem da democracia e das liberdades, têm mentalidade atrofiada. Mas ela pode falar assim dos santomenses, pois ela já tentou ser angolana. Infelizmente, não conseguiu.
    Mas continuo a pensar mesmo que a jornalista terá razão. Não se pode vociferar tanto quando não se tem razão. Mas a verdade é que o país tem outras coisas, outras pessoas que sofrem.Sou herdeiro da família Lima, proprietário de toda a Zona de Atrás do cemitério, tenho também algum sangue da jornalista, mas mente como respira. Quando a jornalista chegou a TVS, não havia o programa GRANDE ENTREVISTA? Não se debatia política?
    Não se lembra que foi a jornalista e o seu camarada do PCD, o anterior Ministro que correram com o Mateus Ferreira e fizeram aquele contrato de sete meses, não renovavel para todos os jornalistas, convencido que o PCD e o MLSTP iriam ganhar as eleições e a jornalista jamais sairia da direcção e não seria afectada pelo contrato.
    Mas a jornalista foi igualmente corrida da Rádio nacional. Porque não se queixou?
    Foi igualmente corrida da BBC de Londres, porque não apelou a paladina do saber, a professora, o Liberato eporque não a Rainha da Inglaterra para a socorrer?
    Uma jornalista pode ser membro da equipa de estratégia de um candidato as eleições presidenciais? Porque continua a participar nas reuniões de estratégia do candidato Filinto Costa Alegre?
    Em boa hora a senhora foi corrida e bem. Porque a senhora não escreveu quando O PCD e o MLSTP sequestrram e enviaram para angola o português Jorge Oliveira? Porque não escreve quando GIBELA demite centenas de pessoas e não os paga salários e indemnizações? O seu governo deixou estragar nas alfandegas toneladas de medicamentos, escreveu uma linha?
    Vá dar uma volta e não creiam que São Tomé vosso. Não sabe fazer outra coisa? Vá ao Correio da Semana e tão boa como é, encontrará certamente uma saída.

  6. zeme almeida

    16 de Dezembro de 2010 as 2:57

    Abaixo assinado em Lisboa?Aonde.Parece que estamos numa guerra sem fim a vista.Nao e preciso fazermos desenhos para nos fazer entender que esta jornalis- ta teve e tem um preposito unico de defender o seu partido o MLSTP/PSD.A sua qualidade de boa jornalista,todos reconhe- cemos o seu excelente trabalho ao servico do povo.Na democracia tambem ha regras e temos que cumpri-las.O Governo foi eleito ultimamente o povo esta cansa- do disto.Viva S.Tome and Principe

  7. Pata cu pogi

    16 de Dezembro de 2010 as 4:48

    Mas isso é jornalista de renome?Ou por causa desta e outras foi corida do estrangeiro? Cuidado prq quem nao humilha sera exaltado.A razao vem sempre de cima.Professora deveria aconselhar a Sao a criar um progama na tvs com os mais novos,incentivar a nao defecar nas prais,atras das escolas,lixos nos contentores,ajudar o Kney,a contorlar os caes vadios passeio da capital,nao acha?.Pelo visto a sua aluna nao é uma pera doce,francamente até que ponto que isso chegou,nao esquece que isso é nossa terra.Hé sa pogi,pata sé ca bié men,baixo assinado

    • Edson Costa

      19 de Dezembro de 2010 as 18:17

      E tu, o que jà fizeste para o bem do teu paìs? Devido mentalidades iguais à tua é que o nosso querido São Tomé està como està!

  8. Jose Antonio

    16 de Dezembro de 2010 as 7:36

    A professora veio confessar que foi realmente Sao a autora do tal email a si dirigido.

  9. fidelito

    16 de Dezembro de 2010 as 8:12

    Minha cara dra Inocência Mata,
    O nosso querido país está cheio de problemas igualmente sérios.
    Portanto, não seria muito imparcial da sua parte, dinamizar apenas este caso que é uma gota de água no oceano.
    Gostaria que esta iniciativa (dinamica) fosse igualmente extensiva às questões que se prendem com “elevadíssima taxa de desemprego que empobrece a nossa população activa, a falta de infraestruturas básica como estradas, água potável (nem a cidade capital tem),saneamento de meio, indice de pobreza que afecta cerca de 54% da nossa população,etc, etc.
    É BOM QUE SEJAMOS SÃO-TOMENSES A TODO MOMENTO.

    • Edson Costa

      19 de Dezembro de 2010 as 18:13

      Meu caro, tu achas mesmo que este problema é uma “gota de àgua no ocenao”? Tu tens noção do que disseste? Então houve um atentado contra a democràcia no nosso paìs e tu achas que é pouco?

  10. idalecio Quaresma

    16 de Dezembro de 2010 as 8:37

    Que bonita prenda de natal. A carta esta resultando. Não é isto que esperamos. Queremos é trabalho.Mobiliza meios para desenvolvimento e não para trabalhadas.
    Que bela jornalista que tanto defende STP.
    “Assunto: URGENTE, UMA PROPOSTA
    Cency,
    Algumas pessoas cá acham que elementos da diáspora em Lisboa poderiam escrever uma carta registada, endereçada ao PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RDP e ao Director da RDPAfrica, denunciando a submissão do seu correspondente ao governo. Se ele em duas ocasiões, no espaço de uma semana, enquanto director da TVS, cancelou uma entrevista com uma eminente personalidade por ordem do governo e vergou-se à ordem do governo para matar o programa que sabes e despedir, retaliatoriamente, uma colega, não obedecerá ele a todas as ordens do governo contra a oposição? Que garantias de isenção dá ele? E a RDPAfrica, porque razão não deu QUALQUER cobertura a nenhum dos casos, ao contrário de outros órgãos internacionais? Está em causa a imparcialidade e isenção da RDPAfrica em relação à cobertura noticiosa de São Tomé e Príncipe, sobretudo quando se aproximam as eleições presidenciais.
    Se acharem a ideia exequível, juntem à carta cópias dos artigos do A Semana de Cabo Verde, da VOA, o meu artigo sobre a entrevista que Carlos Veiga não deu, e os artigos do Abel Veiga sobre o meu caso.
    Diz-me alguma coisa e responde-me o mais depressa possível. Isto, sem prejuízo de escreverem em órgãos de comunicação aí em Lisboa, na net. Tu, se escreveres alguma coisa, coloca aqui em STP simultaneamente no Correio da Semana e no Tela Non. E vê se há mais pessoas dispostas a escrever. É preciso fazer barulho, o mais barulho possível, não deixar que o caso caia rapidamente no esquecimento. Vou falar com o Mia Couto. Vê se falas com o Loja Neves. Fala também com o Zé Luís Almada e companhia.
    Abraço
    São
    É lamentavel esta atitude.

  11. zeme almeida

    16 de Dezembro de 2010 as 10:00

    O meu comentario desde as 2 da madrugada ainda aguarda moderacao.Que {TRISTEZA}Jornal Tela Non.Daqui a pouco vai desaparecer da lista.Viva liberdade de ex- pressao.Viva S.Tome and Principe.

  12. Terra Minha

    16 de Dezembro de 2010 as 11:27

    É por essas e outras que o país está como está. Acontece algo grave debaixo das vossas barbas, mas infelizmente lá vem o santomense dizer ” deixem lá, há coisas mais importantes” É claro que há problemas mais importantes, mas isso não quer dizer que façamos orelhas mocas perante arbitrariedades como essa que estamos a acompanhar. As pessoas, quer seja governo ou particulares, devem ser assacadas responsabilidades.
    Sejamos mais responsáveis nesse país.

  13. Amélia Posser

    16 de Dezembro de 2010 as 17:24

    Este país só vai mudar quando o Mestre Hector Costa for Ministro. Pois ele fez um retrato social fiel de S.Tomé e Príncipe. Tudo quanto estamos a assistir o Hector Costa, já tinha feito a Previsão.
    Venha buscar o Hector Costa da Universidade de Coimbra e coloca-lo com chefe de governo.
    O Hector será o novo Fernando Henrique Cardoso de S.Tomé e Príncipe.

    • ipsis verbis

      16 de Dezembro de 2010 as 19:39

      Para os que já saíram da Universidade,há algum tempo, a verdade das verdades é esta: uma coisa é a universidade outra coisa é a governação. Uma coisa é pensar outra coisa é fazer. Uma coisa é ser pai e outra é ser filho. São situações completamente diferentes, quer pelo prisma quer pela responsabilidade inerente. Tenho dito

    • Atanásio Costa

      17 de Dezembro de 2010 as 14:00

      Esta é mesmo para rir… hehehehehehehe
      Sinceramente! Cada doido com sua coisa.
      Ir buscar quem é????? Para pôr aonde?
      Dona Amélia deve estar louca.
      Atanásio Costa

  14. Melhores dias virao

    16 de Dezembro de 2010 as 22:39

    Melhores dias virao!!!

  15. zeme almeida

    17 de Dezembro de 2010 as 13:27

    A carta a {a Apolinaria}gostei imenso da forma como foi escrita e pelo facto de ela ter utilizado a nossa linguagem tal e qual como e falada na ilha. Contudo, esta Sao pecou em algumas das suas afirmacoes que discordo.Ela tinha dito a Apolinaria, imigrante saotomense vivendo em Portugal o seguinte: `Kando frio passa oce, oce vem e`. Que significa isto senhora Sao? Se e que os imigrantes apanham frio isto significa que voce nao deve ter direito ao nosso abaixo-assinado. E da boca e que morre o peixe. Viva Sao tome and Principe!

  16. zeme almeida

    17 de Dezembro de 2010 as 14:21

    Temos habitos de dizer saottomense em Lisboa porque nao em Portugal.Os saotomenses estao em toda parte de Portugal.Esta muito frio nao podem fazer o abaixo-assinado senhora Sao.Falta de neste correria acho que eles nao te podem desta?

  17. zeme almeida

    17 de Dezembro de 2010 as 14:24

    Quero dizer{falta de tempo e nesta correria eles nao ti podem salvar desta?

  18. João Rita

    18 de Dezembro de 2010 as 21:06

    Mais tarde ou mais cedo, a “cultura informativa” da São de Deus Lima acabará por se associar aos inconfornados condenados para de vassouras em punhos varrer os “úcues,Sãn Pônhan,Sun Nhéngué,Sun Mé Sólo,Sãn Quêtê…”de S.Tomé e Príncipe.

  19. Mina di Célivi

    19 de Dezembro de 2010 as 0:44

    Acho se ler-mos com mais atenção, temos alguns menbros do governo neste forum e com cara de demónio!!!
    IDENTIFIQUEM!!!

    Este governo é ditador, tambem pelas algumas parcerias estratégigas que o nosso PM tem tomado como referencia…só lhe falta o Laurent Gbagbo…
    Fui

  20. Edson Costa

    19 de Dezembro de 2010 as 18:09

    Eu não comprendo certas criticas dirigidas aqui a pr Inocência da Mata. Ela como santomenses, deu a sua opinião e teve no meu ponto de vista uma excelente inciciativa, a contràrio de muitos q se dizem “santomenses” e sò sabem se expremir por de tràs de um pseudònimo! Não é preciso fazer um desenho, para q as pessoas entendam q este governo é anti-democràtico! Fui um dos q apoiou o sr Trovoada, e hoje estou totalmente arrependido!

  21. OLHOS VIVOS

    19 de Dezembro de 2010 as 20:24

    Olhos Vivos-19.Dez.2010- O comentário que se me oferece partilhar connvosco mais uma vez a cerca desta polémica é o seguinte: A verdade vem sempre a tona.O jornalismo sensacionalista que vende a sua própria alma não serve um estado de direito Democrático.Cada vez mais estamos a juntar as peças e tudo aponta para o cair do pano de um abaixo assinido mal calculado,precipitado e inventado.A psico-mania de um egocentrismo sem medir as consequncias que isto representa para a imagem externa do Pais,da-nos conta de que estamos a desviar as nossos atenções no que é essencial neste momento para o nosso País a curto médio prazo e que possamos erguer em voz alta e com orgulho o nome de S.Tomé e principe dentro ou fora do País.O cair da mascara que cobre e desfarça a cara do demónio orquestada por uma aluna e uma professora,cuja coordenação e estratégia falhou redondamente.A força de bloqueio e de bota a baixo tem dias contados.Um desespero total de quem o quer fabricar ao ponto de querer passar a ideia, tratando os internautos do jornal Tela Non de mentes atrofiadas e quiça…, a todo povo de S.Tomé e principe.Acho quue a Ceency, deveria retratar-se.Ela está de cabeça perdida e mereciámos um pedido de desculpas por se tratar de um espaço digno de respeito entre os seus utilizadores.Entretanto,vindo de quem vem não nos espantanta.Alias…alguem já o havia dito.Só estou apenas a reforçar. Uma pessoa que para além de querer ser Angolana,até bolsa de Angola já recebeu.Só temos que tolerar ignorá-la!O jornalismo é uma arte muito séria. É um acto de coragem e de paixão e estar de lado dos desfavorecido, da desigualdade, da innjustiça social e ao meu ver tem como tarefa principal, retratar o dia-a-dia de um povo sobre todas os aspectos da vida, do ponto de vista político,económico,cultural e social acerca dos temas de interesse público com o objectivo de informar e formar com verdade e insenção e não pode servir de um instrumento para influenciar a opinião pública e torná-la um caminho para atingir plataformas que levem a ascenção de cadeira ao poder.Mais estamos todos atententos na luta pela conquista de bem estar e a paz social para a nossa querida Pátria e os Sao Tomenseses de uma maneira geral e ninguem pode pensar que é proprietário de um país,pois a Democrácia tem regras de convivencia e em todos os quadrantes a hierarquia também faz parte desta regra.Estou certo de que S.Tomé e principe, resistirá ao oportunismo das comadres e ao compadrio e a todas as tentações e maldades.Queiram permitir-me,caros leitores(as),amigos(as) e internautas do meu País que eu vos dirija uma palavra de apreço a todos quantos deram o seu contributo a existencia do espaço digital Tela Non , tornando-o extensivo a grandes nomes da Comunicação Social, mesmo àqueles que uma forma directa ou indirecta no anonimato sem execpção,manifestou a sua insatisfação e denunciou atitudes menos licita e males que enfermam STP, ao longo destes 35 anos, enquanto estado.Porque o jornalismo é um trabalho de equipa,onde apreendem uns com os outros desde que haja humildade e muito profissionalismo e não é um mundo de estrelas em quea as vezes só uma é que pensa que brilha mais doque as outras.”ANO MOLADU CÚ MANCHI”.Feliz Natal e próspero ano Novo. Convicto de que temos muita tarefa pela frente e que, para o ano há mais e estaremos cá para mais relatos dos acontacimentos nos próximos combates.Viva S. Tomé e príncipe e viva a Democracia.
    Esta é a reflecção que deixo para toda a família Sao Tomense para fechar o ano de 2010 e boas entradas com pé direito no ano de 2011.Com cordealidade!Olhos Vivos.

    • António P.

      20 de Dezembro de 2010 as 19:15

      Como é que uma pessoa, aparentemente iletrada, pelo conteúdo deste texto, pode ter a lata e tanta falta de vergonha de querer insultar alguém que passou parte importante da sua vida recolhendo, tramsmitindo a acrecentanao valor ao nosso património cultural colectivo? É triste! É óbvio que eu nem sequer vou falar de erros básicos que o referido texto apresenta. Isto não é nenhuma novidade para quem se auto-proclama locutor da R.D.P – África. Mas não é isto mesmo que o país quer? Contentem com a mediocridade e, de vitória em vitória, vamos construindo um país mais pobre.
      FUI
      António P.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo