Sociedade

Mais contentores e equipamento de limpeza em Mé-Zochi e Lobata

Desde a semana passada que os recursos materiais para o sector de salubridade da Câmara Distrital de Mé-Zochi (CDMZ) e Câmara Distrital de Lobata (CDL) foram reforçados através da entrega de 70 contentores de 240 e 120 litros e de um lote de equipamentos e materiais, respectivamente. Estas entregas vêm no seguimento do trabalho realizado pelo projecto de “Consolidação do apoio às Câmaras Distritais para a melhoria do sistema de recolha de resíduos sólidos”, financiado pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e executado pelas ONG’s ADAPPA, Alisei, Fundação da Criança e Juventude e MARAPA.

No distrito de Mé-Zochi a Câmara Distrital tem ainda sérias dificuldades na realização das suas actividades de limpeza e recolha. A falta de contentores é um dos pontos críticos, pois não permite que os serviços da CDMZ possam estender a recolha a outras localidades que já fazem parte do percurso actual. A correcta utilização dos equipamentos entregues é o passo que se irá seguir à sua distribuição e que deverá ser realizada durante as próximas semanas. Actualmente a CDMZ está já a realizar acções de informação, sensibilização e responsabilização junto da população, tendo em vista a manutenção dos equipamentos agora existentes.

No distrito de Lobata foram entregues na passada terça-feira, um lote alargado de equipamentos e materiais de limpeza, identificados pela CDL como materiais necessários ao sector de salubridade, com o objectivo de melhorar as condições de trabalho dos trabalhadores e simultaneamente conduzir a uma melhor prestação de serviço por parte desse sector, que embarca além da limpeza das ruas e a recolha de resíduos, também a manutenção de jardins e cemitérios do distrito.

A entrega destes materiais e equipamentos associada à sua boa gestão é fundamental à manutenção da situação agora melhorada. Dado o aumento gradual do património existente, cabe às Câmaras Distritais gerir a reposição necessária de material, pelo que a curto prazo, será necessária a aplicação de soluções de financiamento integradas numa correcta gestão camarária. A sustentabilidade destes resultados irá por isso depender fortemente da capacidade das Câmaras em elaborar e aplicar regulamentos internos ou outros instrumentos capazes de organizar o serviço e simultaneamente gerar receita pública. A Taxa de Impacto Ambiental, definida no Decreto-Lei nº 14/2203, é outro instrumento fulcral que se espera ser revisto rapidamente, tendo em conta a sua aplicação já em 2011 e que permitirá às Câmaras Distritais ter à disposição uma fonte de financiamento, até agora inexistente, de modo a cobrirem parte dos custos da gestão de resíduos no seu distrito.

Artigo escrito no âmbito do projecto “Consolidação do apoio às Câmaras Distritais para a implementação de um sistema regular de recolha dos resíduos sólidos” executado pelas ONG’s ADAPPA, ALISEI, FCJ e MARAPA com o apoio da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento

    10 comentários

10 comentários

  1. Osama bin Laden

    21 de Dezembro de 2010 as 15:30

    Esses contentores vai ser para salga de peixe.

    Kua li bili endeu Pia…..
    Aka samé suba…….

  2. MASCARADO

    21 de Dezembro de 2010 as 15:39

    São mais lindos que JÓJÓ este sim era uma pouca vergonha.
    Continuem a trabalhar.

  3. piló

    21 de Dezembro de 2010 as 23:16

    Mas são caixotes do lixo ou contentores?

  4. jorgeK

    22 de Dezembro de 2010 as 13:32

    lol

  5. camblé

    22 de Dezembro de 2010 as 14:26

    grande parte desse contentores vão pra casa dos nosso dirigente, isso sim,

  6. BLAGA PENA

    23 de Dezembro de 2010 as 8:05

    cuidado, a tempos os contentores postos na zona de lucumi eram vendidos pelos presos a populaçao quando iam fazer limpezas
    suba mé suba êêê… osama bin laden

  7. garrido

    23 de Dezembro de 2010 as 9:04

    eu espero que a nossa populacao façam o bom uso destes contentores.

  8. 540 vs 35 anos

    23 de Dezembro de 2010 as 22:33

    estes são parecidos com os que deambulam por lisboa.São para pôr lixo, e São de “PVC” como os que se vêem, aliás por toda a europa. Os outros de aluminio que estão espalhados pelas vilas e luchans de STp eram para pôr que tipo de lixo…???? casca de banana e cascas de Buzio???

  9. Barbara Chavez

    24 de Dezembro de 2010 as 6:01

    Mas são caixotes do lixo ou contentores?

  10. assis mata

    3 de Abril de 2012 as 13:59

    eu faço das minhas as palavras do sr.garrido,que a nossa população faça um bom, uso desses contentores,mas pra isso a população tem ke esta sensibilizada pra tal,

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo