Sociedade

Custo de Vida dispara em São Tomé e Príncipe

Em São Tomé e Príncipe, viajar de táxis actualmente está mais caro; o alto preço dos transportes reflectiu também no valor dos produtos agrícolas no mercado.

Os habitantes da zona sul de São-Tome, são os que mais estão a sofrer com o encerramento da empresa de transportes colectivos (ATC).

Há já três meses, que o calvário começou; viajar por exemplo para Porto Alegre, ida e volta custa 200 mil dobras, cerca de 8 euros, sendo cada viagem o passageiro desembolsa 100 mil dobras.

“”Eu deslocava três vezes por semana para comprar peixe seco para vender no mercado só vou uma vez tendo em conta que o valor de táxi é insustentável”, diz Maria Inácia, entrevista pelo Tela Nón.

Para aquela região do arquipélago, os transportes colectivos cobravam cerca de 35 mil dobras, equivalente a cerca de 1 euro. O impacto dos altos preços dos transportes teve uma consequência de bola de neve, os produtos agrícolas, estão mais caro.

O quilo de tomate e cenoura, custa 15 mil dobras, as vendedoras explicam que só vendendo mais caro é que conseguem manter o negocio. “Não temos outra alternativa, pago vinte mil dobras e cada saco cobra 10 mil dobras, trago as hortaliças de Monte Café”, explicou uma das vendedoras.

Para a cidade industrial de São Tomé situada na zona norte, os taxistas cobram, 20 mil dobras por pessoa, anteriormente custava metade do preço.

A vida das famílias santomenses de baixa renda tornou-se insustentável, por causa do encerramento, da Agência de Transportes Colectivos, a comissão de gestão da empresa diz, que ela está atravessar dificuldades financeiras.

O Ministro do Plano e Desenvolvimento, Agostinho Fernandes, mandou instaurar uma auditoria financeira na empresa; em resposta a audição feita pelos agentes da Inspecção de Trabalho a comissão de gestão da ATC, devido a utilização indevida do dinheiro de três anos para a segurança social dos cerca de 70 trabalhadores.

Queremos apenas salvaguardar o futuro dos trabalhadores, sabemos no entanto que passaram a festa do natal sem dinheiro”, disse o governante.

Ramusel Graça

    37 comentários

37 comentários

  1. ámí sá mí mé

    18 de Janeiro de 2011 as 23:02

    È de lamentar a situação que o nosso arquipelago esta vivendo
    com estes tipo de aumento aonde chegaremos »?

    • Miguel Matos

      17 de Abril de 2016 as 22:01

      Olá colega, você é de São Tomé e Príncipe? Cumprimentos

  2. ate quando

    18 de Janeiro de 2011 as 23:18

    Eum descalabro total com aumento de custo de vida vai tambem aumentar meninos de rua, trabalho infantil, assalto(roubo)prostituicao enfim ate que ponto estamos caminhando uma terra com grande potencial para agricultura ninguem faz nada e de lamentar tudo quanto tem acontecido em s.tome so coragem…

  3. Ze Bimbi

    18 de Janeiro de 2011 as 23:24

    Pois e! Ai esta o resultado da declaracao do Sr governador do Banco central, que afirmou que a inflacao baixou se consideravelmente em consequencia do acordo de paridade cambial. Para dizer que a inflacao nao so depende da paridade cambila, mas sim existem outros factores que condiciona isso.

  4. Alberto Nascimento

    19 de Janeiro de 2011 as 0:56

    Tamos em Londres ou que?

    • De quem é a culpa?

      19 de Janeiro de 2011 as 1:10

      Em Londres gasta-se bem, mas também ganha-se bem…Um universo completamente diferente!

    • Dlima

      19 de Janeiro de 2011 as 10:29

      Não caro leitor, ja estamos mesmos ao nível de custo de vida de Luanda/Angola…

  5. justiça

    19 de Janeiro de 2011 as 1:50

    Este acordo de paridade câmbial, sempre foi um erro, e o custo de vida que se sente só justifica isso.

  6. Fernando Augusto(Cocas)

    19 de Janeiro de 2011 as 7:41

    Abram as portas para as empresas privadas dos transportes colectivos mesmo que seja estrangeira.Nao podemos viver assim haja a resoluçao imediata.SAUDADES DO EDUARDO CASTELA,NOVO MUNDO,TRANSCOLMAR E DO TAXISTA TIRI-RI,TILINHA,TINY,ROSARIO,EPOCA,MAURICIO E OUTROS…

  7. Irmão colombo

    19 de Janeiro de 2011 as 8:58

    Como diz o irmão Colombo São Tomé e Principe nunca mas levanta, isto porque o nosso gorveno não percupa com seu povo,
    deixa eles morrerem porque não são gente.
    Essa alteração subita de transporte isto porque a nossa estrada precaria que liga cidade capital e zona sul de São Tomé não só a muitas coisas em causa

  8. Osama bin Laden

    19 de Janeiro de 2011 as 10:27

    Mais isso é Brincadeira, Governador de Banco Central a menos de 1 mês disso que tudo cresceu, que inflação caiu abaixo de 13%, agora somos deparados como uma notícia dessas!!!? Oh senhor Governador, quero saber na boca da sua Santidade, o que tem a dizer sobre isso….
    Sinceramente o senhor anda assegurar vela para alguém…

    • ate quando

      19 de Janeiro de 2011 as 12:43

      Entao acreditaste nisso,enquanto estivermos sempre dependente da ajuda externa nunca vamos dar passos.o que os sucessivos gonernos deveria ter feito e pedir ajudar e investir nas zonas xave que pudesse impulsionar o desenvolvimento,como pesca, agricultura e turismo,quanto a turismo ha muitas lacunas nessa area porque para termos um bom turimos temos que lavar a nossa face..

    • Tonga

      23 de Janeiro de 2011 as 22:26

      Olha Osama esses tipos não compreendem patavina de cálculos.Falam td o q lhes vem à boca menos a realidade.São uns analfabetos letrados.
      Tenho pena da minha linda terra S.Tomé.Tudu cuá quentchi cá fiá-

  9. Nikilay Monteiro

    19 de Janeiro de 2011 as 10:40

    Isso, o que quer dizer?Quer dizer que o governo deve invistir fortemente na Agricultura,horticultura,pesca transporte de passageiros,construção de estradas etc..; por forma a aumentar a produçao local com os bens e serviços,que contribuirá para que os preços desses bens e serviços conheçam uma queda ou seja mais barratos.O que falta em São Tomé é a política dos investimentos,não porque não há financiamento, é porque os dirigentes desse Pais são todos curruptos.Ao em vez de aproveitar os fundos disponibizados pelos paises amigos e de cooperação, para invetir nas areas fundamentais na economia do país não, poêm nas suas contas bancarias e não fazem nada.E o resultado é aquilo que tem acontecido e está acontecendo nesse lindo Arquipégo com menos de 200.000HBTS.

  10. CELSIO JUNQUEIRA

    19 de Janeiro de 2011 as 11:22

    Caros

    É lamentavel que tenha de ser uma vendedora (micro-empresária)Maria Inácia de produtos horticolas a ter que dar lições de economia ao Sr. Ministro do Plano e Desenvolvimento, Agostinho Fernandes.

    Pergunto, aos que dizem (incluindo Governo) deixem trabalhar o Governo, então que resposta tem que ser dado a quem sente na pele a ineficacia governativa? Deixem trabalhar o Governo?

    Vamos com calma, o Governo erra como toda a gente, mas não deve levar a mal as criticas e os alertas, afinal, ainda pode corrigir.

    Para concluir, sem uma politica de transporte público e subsidiado pelo Estado, as micros, pequenas e médias empresa podem estrangularem com todas as consequências que isso traduz.

    Abraços,

  11. Quebra Ossos

    19 de Janeiro de 2011 as 11:52

    seja la o que Deus quiser.
    O nosso destino esté nas mãos de Deus.
    Mas veja so!,
    Aqui se deve aqui se paga.
    Que lindo país do mundo!!!!….
    Assim aja.

  12. caboverdiano

    19 de Janeiro de 2011 as 12:30

    é crise mundialcom tantos vendedores e poucos trabalhadores o que se espera

  13. Joao Honesto

    19 de Janeiro de 2011 as 12:52

    Pensemos assim:
    Todos os Estados se organizam e reorganizam se para garantir certos direitos a suas populaçoes dentre eles, esta o direito a vida, a liberdade, e a felicidade.
    O nosso nao funcina neste sentido!!! Kea

  14. Mimi

    19 de Janeiro de 2011 as 14:35

    Era de esperar. Num país sem rendimentos… este é o começo do fim!

  15. Fernanda Alegre

    19 de Janeiro de 2011 as 15:53

    Pois é, mais um desastre no nosso País…
    dessa vez passou tds os limites. E agora o k será feito? Estamos atentos!!
    E esperamos uma solução rapida.

  16. o suspeito de sempre

    19 de Janeiro de 2011 as 16:13

    o governo nao faz nada é sempre mas do mosmo, bomba com eles tipo terrorista…

  17. F por tudo i$o...

    19 de Janeiro de 2011 as 16:27

    Muitos reclamam mas não têm ideia quanto a isso, e é nesse leve leve que encontramos. E o pior é que existem transportes do Estado que passam por aquelas localidades tão longe, e não facilitam essas mesmas pessoas e eu sou uma delas, como exemplo do transporte escolar. Que pelo menos o Governo poderia facilitar até encontar a solução mais viável

  18. N.C

    19 de Janeiro de 2011 as 18:26

    A situacao que estamos a viver e consequencia de deixar andar e nada fazer.Embora esses factores(aumento de custo de vida,desemprego)sejam facores globais,penso que o governo embora sem condicoes(dependentes da ajuda externa)deveria fazer um esforco no sentido de atenuar o sofrimento desse povo.Quando das declaracoes tanto do Governador do Banco Central bem como do Ministro do Plano e Financas progectaram o crescimento economico do pais,muitos foram os que nao concordaram.Aqui esta mais uma prova que a economia do pais nao cresce com esses indicadores.Se as grandes economias internacionais crescem em centimos e que muitas das mesmas encontram-se em recessao.Gostava de saber porque esses precos subiram na ordem dos 100%?Emboras as estradas estejam pessimas,as pecas e acessorios a precos exorbitantes,houve aumentos de combustiveis que justificassem essa inflacao dos precos?Porque se assinou o acordo de paridade cambial?Porque os produtos locais sao vendidos a precos de ouro?Porque os sucessivos governos nunca envestiram o suficiente na agricultura,criando creditos e apoios financeiros,materias e escoamentos dos produtos.Nao existe uma entidade reguladora de precos?A inspecao de actividade economica so funciona para punir uns e beneficiar os outros?Ate quando o acaba o martirio e sofrimento desse povo?Penso que essa avalanche dos precos merecem um esclarecimento do governo.O sr 1 Ministro e seu elenco tem que parar dessa arrogancia,dessa prepotencia,desse autoritarismo e comecar a dar a cara pelo povo.Sao arrumados em grandes elegantes mas nao passam de cinicos e mentirosos.Hoje dizem uma coisa,amanha dizem outra,depois dizem que nada disseram e a seguir vem com mais promessas pedidndo mais votos.Enfim sem fim a vista o sofrimento desse povo

  19. Edson Costa

    19 de Janeiro de 2011 as 18:40

    Esta situação não me surprende. Eu defendo uma politica de descentralização no nosso paìs, uma vez q tudo se encontra concentrado em Agua-Grande o que obriga as populações das zonas longiquas (zona sul e norte) a pagarem uma pequena fortuna para se deslocarem a cidade. Os nossos governantes passam ao lado da realidade social, muitos deles desconhecem o dia a dia do povo, governar um paìs não é somente viajar,estar no gabinnete… é também ir ao terreno para verificar de perto a situação lamentàvel e critica em que vive o povo. Eu pergunto: aonde andam os transportes publicos financiados pelos anteriores governos? O que levou a falência dessa tal empresa? E o dinheiro do povo que foi investido nesses transportes, como serão recuperados? Enfim! Senhores governantes não brinquem com os santomenses!!

  20. Edson Costa

    19 de Janeiro de 2011 as 18:53

    Este é somente um dos mais inùmeros exemplos que certifica a dificil situação em que vivem os nossos irmãos santomenses. Alguns pseudo-peritos na matéria procuram branquiar a situação caòtica e miséravel que vive o povo santomense com a desculpa sobre a crise mundial. Mas eu digo que tudo isso não passa de uma falta de vontade politica e de muita ma fé dos nossos governantes em ajudar o povo. Muita gente não tem noção de como vivem certas populações da zona norte e sul do paìs, soube que existem pessoas que vivem com menos de um dolàr por dia, familias nomerosas em que o acesso a educação é uma miragem, a àgua potàvel ainda continua a ser um sonho, pois nunca foi uma realidade, pessoas q não vivem sò existem… Com muita pena minha o meu STP torna-se cada vez mais num paìs onde a elite social é a ùnica classe que aproveita de facto as riquezas do paìs!!

    • CELSIO JUNQUEIRA

      20 de Janeiro de 2011 as 17:14

      Caro Edson Costa,

      A miséria existente em STP é anterior a crise mundial (resultado de 35 anos de politicas economicas falhadas dos sucessivos Governos da Ditadura a Democracia), sim, tem toda a razão.

      Mas estará de acordo comigo que o nosso Orçamento de Estado que necessita de mais de 90% da receita de proveniência externa, a Crise Mundial afectara os nossos doadores também.

      Logo é muito dificil conseguir dadivas e doações quer financeiras ou de generos/produtos para amenizar e suavizar os nossos pobres.

      Existe solução interna e externa através dos Santomenses detentores de capital. Se o Governo criar incentivos a criação de Micros, Pequenas e Medias Empresas é uma solução geradora de emprego e sustentavel.

      Vamos investir (os que têm é claro) em unidades produtivas geradoras de postos de trabalho. Sejam elas agricolas até turisticas. Ideia + Capital + Vontade de trabalhar = Solução para os nossos problemas.

      Abraço e felicito o seu post,

      • Edson Costa

        21 de Janeiro de 2011 as 11:16

        Concordo claramente contigo amigo CELSIO JUNQUEIRA, porém acredito que se os nossos governantes reduzissem um pouco as assustadoras despesas que fazem com viagens, compras de carros de luxo, subsidio, haveria sim algum capital para “amenizar e suavizar os nossos pobres”. Com mais de 35 anos de independência até quando o nosso orçamento dependerà de 93% de ajudas externas? Eu defendo que com gestos muito simples como a diminuição de despesas desnecessàrias dos nossos governanantes, a vida de muitos dos nossos irmão santomenses melhoraria! Abraço de Lyon!

        • CELSIO JUNQUEIRA

          21 de Janeiro de 2011 as 16:31

          Meu Caro Amigo Edson Costa,

          Gosto do seu raciocinio e em tempos de crise e Mundial como está, a Solidariedade e a Austeridade devia ser a palavra de Ordem.

          Pergunta bem, até quando a dependência da Ajuda externa? Simplesmente, do ponto de vista económico é dificil prever, mas certo é que a nossa dependência económica é crónica e cristalizada. Talvez, se houvesse alguém/algum grupo económico para despoletar nuam ideia inovadora como aconteceu com a Nokia na Finlândia e a Samsung na Coreia Sul e por arrasto o país ser todo mobilizado.

          É com tristeza que vejo e sei que não é facil arrancar para o desenvolvimento, a nossa situação.

          Abraço de Santarém-Portugal

  21. rapaz de riboque

    19 de Janeiro de 2011 as 19:13

    a culpa é sempre dos governos embora temham razao porque ao longo destesw 35 anos pouco ou nada se fez no nosso pais o que se fez foi distruir o que herdamos da era colonial uma coisa vos digo nao se iludam porque isto nunca vai melhorar primeiro nao temos politicos a altura de governar segundo a nossa vontade de trabalhar queremos ser grandes sem termos possibilidades crticamos andamos a falar mal uns dos outros somos mal agradecidos e garganteros assim nao vamos a lado nenhum e nao a governo que resista

  22. BLAGA PENA

    20 de Janeiro de 2011 as 6:06

    Penso eu devemos criticar mais também apresentar alternativas, e isto é a participaçao do cidadao no processo de desenvolvimento do país.
    Acho que o estado deveria criar uma politica de incetivo para cativar os emigrantes santomenses a investirem no país em várias vertentes e assim ficariamos todos a ganhar e séria um contributo,os emigrantes quer individuais quer em grupos associados, poderiam dar a sua cota parte. Isto é a minha opiniao pessoal como santomense. A nivel da agricultura nao sei se ha, mais deveria haver uma cartografia agricola, temos que saber que tipo de culturas produzem, quem sao os produtores, aonde estao, qual é a quantidade que produz, as condiçoes em que produzem, as tecnicas que aplicam e fazer um mapa por zona, na pecuaria seriam o mesmo, ajudaria o estado ter mais controlo e a planificar

  23. O Povo é Quem mais Ordena

    20 de Janeiro de 2011 as 10:38

    Caríssimos,

    Julgo que enquanto continuarmos a ter incompetentes à frente dos destinos do nosso País,estaremos sempre na mesma. Então a nossa economia não tinha crescido 5% – segundo o governador do Banco central(BCSTP)? Pelos visto o governador vive num país aparte que não o STP real. Ou será que o governador do BCSTP é incopetente? Os titulares de cargos públicos têm de ser responsáveis e não mentir aos cidadãos – e quando o fazem há que haver consequências (porque não o demitir, já que mal consegue prever/estimar o estado real da economia-o seu crescimento?)
    Os Santomenses têm de exigir mais dos governantes,dos titulares dos cargos públicos.
    Será que os nossos dirigentes não andam informados…não vêm notícias e o que se passa noutras paragens? – veja-se o caso da Tunísia: o Povo Tunisino fartou-se e destitui os Senhores do regime que o colocavam no desemprego e na miséria – é a força da revolução popular e pacífica!

    Governantes e Senhores de STP, O Povo é mesmo Quem mais Ordena!A Paciência tem limites!

    Viva STP!

  24. O Povo é Quem mais Ordena

    20 de Janeiro de 2011 as 10:42

    Caríssimos,
    Julgo que enquanto continuarmos a ter incompetentes à frente dos destinos do nosso País,estaremos sempre na mesma. Então a nossa economia não tinha crescido 5% – segundo o governador do Banco central(BCSTP)? Pelos vistos o governador vive num país aparte que não o STP real. Ou será que o governador do BCSTP é incopetente? Os titulares de cargos públicos têm de ser responsáveis e não mentir aos cidadãos – e quando o fazem há que haver consequências (porque não o demitir, já que mal consegue prever/estimar o estado real da economia-o seu crescimento?)
    Os Santomenses têm de exigir mais dos governantes,dos titulares dos cargos públicos.
    Será que os nossos dirigentes não andam informados…não vêem as notícias e o que se passa noutras paragens? – veja-se o caso da Tunísia: o Povo Tunisino fartou-se e destitui os Senhores do regime que o colocavam no desemprego e na miséria – é a força da revolução popular e pacífica!
    Governantes e Senhores de STP, O Povo é mesmo Quem mais Ordena!A Paciência tem limites!
    Viva STP!

  25. Humilde

    21 de Janeiro de 2011 as 13:12

    Os alunos de cuba andavam a gritar kidalêoooooooooooooooo, que iriam mudar STP, após terem chegado ao País, fizeram até um gesto de solidariedade com o País que via toda sua cidade se transformar na maior sujeira. Passando uns tempos todos foi encaixado através de tachos, hoje ninguém quer saber de mais nada. É nisso que dá quando toda gente tenta viver de acordo ao sistema, é um erro grave e ninguém reconhece.

    Sobretudo andamos numa terra onde ninguém pode expor a verdade. Mas duma coisa tenho certeza. Os dirigentes que andam a agir de ma fé duvido que chegue 70 anos sem turbulência… Tenho dito!

  26. " HeCoS "

    23 de Janeiro de 2011 as 23:10

    uhmmm… uhmmm… uhummm… zémé cabóca flá cuá lumado. rica terra, rico arquipélago, pobre o seu povo sofredor. Até quando ? “o povo põe, o povo tira”, nalguns países SIM mais em S.T.P. é que NÃO. Bem haja!

  27. Liliana

    7 de Novembro de 2015 as 22:47

    É muito difícil obter o visto para viver em São Tomé? E qual o preço médio de uma casa para compra?

  28. Mário Nascimento

    16 de Março de 2017 as 14:44

    Gostaria de viver em São Tomé e Príncipe.
    Com 20.000 euros o que posso fazer como: casa e negócio.
    se for possível umas dicas agradeço

    José Nascimento

  29. antonio marquez

    23 de Março de 2017 as 8:55

    muito bom dia gostaria de ir viver a reforma para s. tome mas antes estou a pensar umas ferias nessa ilha. gostaria de ter contatos com pessoas dessa região se possível ok abraço

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo