Caso está sério na vizinha Guiné Equatorial

O governo de Teodoro Obiang N´Guema, que tinha proibido a divulgação pela rádio e televisão dos acontecimentos que estavam a ter lugar na Tunísia e no Egipto, acabou esta semana por suspender as emissões em língua francesa na rádio estatal, e ordenou a expulsão de um jornalista da Rádio, apenas por este ter feito referência ao nome da Líbia num programa de entretenimento. Repórter Sem Fronteiras denuncia a onda de censura imposta nos últimos dias pelas autoridades da Guiné Equatorial a Rádio – Televisão da nacional da Guine Equatorial(RTVGE), um órgão do estado sob vigilância do Ministro da Informação Jeronimo Osa Osa.

No passado dia 3 de Março as emissões em língua francesa da Rádio Estatal foram momentaneamente suspensas. «Por ordem de uma autoridade superior, ficam momentaneamente suspensas as emissões em língua francesa” indica uma nota assinada pelo director da rádio Jose Esono Bacale. O documento que não apresentou qualquer justificação para a suspensão da emissão, adianta que tal decisão “inclui os noticiários e os programas de entretenimento».

Na Guiné Equatorial a rádio estatal conta com uma redacção em língua francesa, desde 1998 a segunda língua oficial do país.

Por outro lado na mesma semana Juan Pedro Mendene animador de emissão na Rádio-Televisão da Guiné Equatorial foi suspenso. Tudo indica que as autoridades equato-guinienses, o relaciona com a difusão pela rádio da situação reinante na Líbia, ainda mais quando foi interdita no país a divulgação das revoltas que estão a ter lugar nos países árabes: « Fui suspenso por ter dito na emissão que sou guia do programa e não guia líbio». afirmou o jornalista.

Alguns segundos depois o secretário de estado encarregue da informação na Rádio e na Televisão, Federico Abaga, chegou e «pediu ao técnico que fechasse o microfone. Ele me pediu também para abandonar não só os estúdios, mas também a rádio», acrescentou o jornalista.

Juan Pedro Mendene, acrescentou que foi agredido pelo guarda-costas do secretário de Estado, no momento em que ele saia da rádio. Uma versão confirmada por várias testemunhas, que pediram anonimato.

Reporters Sem Fronteiras, está escandalizado pelo comportamento das autoridades de Malabo, que não hesitam em censurar os jornalistas e os programas da estação pública. Essas suspensões são não somente injustas mas também absurdas, porque o governo da Guiné Equatorial, não poderá definitivamente esconder à população os acontecimentos políticos que estão a fazer estremecer o resto do mundo.

No passado dia 15 de Fevereiro quando Juan Tomas Avila Laurel, escritor, proprietário de um blog, e director de uma revista, decidiu entrar em greve de fome como protesto pela falta de liberdade na Guiné Equatorial, o Re+porters Sem Fronteiras, denunciou o “black-out mediático” desencadeado pelas autoridades da Guiné Equatorial em relação a revolta no mundo Árabe. (http://fr.rsf.org/guinee-equatoriale-un-blogueur-et-directeur-d-une-15-02-2011,39557.html).

«O Ministro da Informação e porta voz do Governo, Jerónimo Osa Osa, deu instruções claras ao pessoal da Rádio e Televisão do Estado, para que não dessem cobertura aos acontecimentos que estavam a decorrer na Tunísia e no Egipto», havia denunciado a Repórter Sem Fronteiras.

Informações recolhidas pela Repórter Sem Fronteiras, indicam ainda também que o site na Internet Afrol News(afrol.com), muito crítico da política das autoridades de Malabo, registou nas últimas duas semanas uma redução drástica de visitas na Guiné Equatorial.

que  Não é possível descortinar se é um problema técnico ou uma tentativa do Governo em bloquear o site. Certo é que cada vez mais é difícil entrar no site “afrol.com” a partir da Guiné Equatorial.

Guiné Equatorial ocupa o 167º lugar entre 178 países na classificação mundial da liberdade de imprensa, p0ublicada em 2010 pela Reporter Sem Fronteiras. O Presidente Teodoro Obiang N´Guema está há vários anos na lista de predadores da liberdade de imprensa. http://es.rsf.org/predator-teodoro-obiang-nguema,37246.html).

—-
Ambroise PIERRE
Bureau Afrique / Africa Desk
Reporters sans frontières / Reporters Without Borders
47, rue Vivienne
75002 Paris, France
Tel : (33) 1 44 83 84 76
Fax : (33) 1 45 23 11 51
Email : afrique@rsf.org / africa@rsf.org
Web : www.rsf.org
Twitter : RSF_RWB

  1. img
    luisó Responder

    este é um dos que um dia destes também vai cair.
    o povo teve a independência para estes tipos virem a fazer mais mal que os antigos colonos.
    um dia destes a revolta começa ao lado de cabo verde e vai acabar em angola.
    vivam os povos e viva a liberdade.
    abaixo os josé eduardo , os n´guema e outros que tais que atriçoam e violam os seus próprios povos após as independências

    • img
      Banana Pão Responder

      Cuidado o homem é muito amigo do Fradique de Menezes e muito amigo do Trovoada pai e filho.
      Acada bô bodom

  2. img
    Mafioso Responder

    Se Calhar as ordens para o DR Carlos Veiga de Cabo Verde não falar veio daí.
    Hummmm!!
    as coisas começam a cheirar petrol(dolar).
    As ditaduras têm um Tempo, exemplo da URSS(União da Republica Socialista Sovietica).

  3. img
    Celsio Junqueira Responder

    Meus Caros,

    Quando se tem uma profissão, uma carreira, e se governa bem com honestidade, não se teme a nada, nem mesmo a queda.

    O que acontece a esses líderes que temem as Liberdades de: Expressão, Informação e Manifestação; é o que seria deles sem o cargo que ocupam!

    Devemos todos reflectir sobre a rotatividade dos cargos públicos e politicos e a temporalidade dos mesmos.

    Finalizando, não podemos esquecer que sem a economia as conquistas politicas valem pouco senão nada.

    Abraços,

  4. img
    António Martins Gomes Responder

    Para quando uma “Nova Ordem Mundial”?

  5. img
    Edson Costa Responder

    Este senhor, ainda esta no poder? Mas este homem não foi condenado por corrupção? Por causa de dirigentes como este senhor é que a Africa esta como esta!

  6. img
    pantufas Responder

    E ainda mais grave,é o actual presidente da União Africana.e esta!!!!!!!!

  7. img
    adeus Responder

    Foi bom terem passado esta notícia para muitos saberem de concreto o que é violação da liberdade de imprensa….
    Fui

  8. img
    duca Responder

    estes desgracado estao a fazer de afriaca uma propriedade propria e dos africanos seus empregados,esto tem que acabar,senhores,zedu zemaria teodoro frederi etec,etc,o fim esta cuase,força irmaos, estamos juntos

Deixe um comentario

*