Sociedade

Putin preside a reunião sobre programa de fabrico de armamentos para 2011-2020

A reunião teve lugar na fábrica de Votkinsk, produtora dos temíveis mísseis Iskander-M e Topol-M, e também produtora dos mísseis navais Bulavá.

DIÁRIO INFORMATIVO

  • Primeiro-ministro de Israel não cancelou visita a Moscovo apesar do atentado terrorista em Jerusalém
  • Duma de Estado manifesta-se pelo fim do fogo na Líbia e as conversações com a participação da Rússia
  • Prikhodko: Rússia não pode censurar aqueles que lutam contra Kadafi
  • Processo judicial intentado contra o antigo chefe do Metro de Moscovo, Dmitry Gaev
  • Moscovo recuperou o título de capital dos multimilionários
  • · Putin preside a reunião sobre programa de fabrico de armamentos para 2011-2020

Primeiro-ministro de Israel não anulou visita a Moscovo apesar do atentado terrorista em Jerusalém

Moscovo, 24 de Março – RIA Novosti.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, partiu quarta-feira à noite paraMoscovo, não tendo cancelado a visita por causa do atentado terrorista em Jerusalém, comunicou à RIA Novosti o secretário de imprensa do chefe do Governo israelita, Alex Selsky.

Um engenho explosivo, accionado quarta-feira numa paragem de autocarros no centro de Jerusalém, matou uma mulher idosa e feriu mais 38 pessoas, três das quais se encontram em estado grave.

O interlocutor da agência disse que a hipótese de  cancelamento da visita de trabalho de Netanyahu à Rússia foi discutida de facto, mas foi declinada.

“Logo após o acto terrorista em Jerusalém, o primeiro-ministro convocou reuniões extraordinárias com dirigentes das forças de segurança de Israel. Foi proposta uma variante de cancelamento da visita à Moscovo, mas devido à sua importância foi tomada a decisão de não cancelar a visita, mas adiá-la até ao fim das reuniões”, comunicou Selsky.

Quinta-feira, o presidente da Federação Russa, Dmitry Medvedev, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, discutirão o estado e as perspectivas da regularização do conflito árabe-israelita no contexto dos últimos acontecimentos no Médio Oriente, comunicou o serviço de imprensa do Kremlin.

A visita de trabalho de um dia do chefe do Governo israelita a Moscovo decorre em condições da estagnação do processo negocial entre Israel e a Palestina no contexto de um agravamento brusco da situação militar e política na zona do conflito.

Duma de Estado manifesta-se pelo cessar-fogo na Líbia e conversações com a participação da Rússia

Moscovo, 24 de Março – RIA Novosti.

A Duma de Estado adere às exigências do Conselho de Segurança da ONU de estabelecer imediatamente o regime de cessar-fogo, de deter a violência e as ataques à população civil na Líbia e apela a que a direcção daquele país e os países participantes da coligação sigam incondicionalmente a resolução aprovada do CS da ONU.

Os parlamentares consideram ainda que a Rússia deve intervir como mediadora nas conversações com vista a pôr fim à violência na Líbia, diz-se na deliberação “Sobre a situação na Líbia”, que os deputados aprovaram quarta-feira.

A favor do documento votaram 350 deputados, 32 parlamentares não apoiaram a deliberação.

Desde meados de Fevereiro, na Líbia têm ocorrido manifestações de protesto contra o regime de Muammar Kadafi que governa o país há mais de 40 anos. Organizações internacionais informam sobre milhares de mortos em resultado dos confrontos entre rebeles e tropas governamentais. A 17 de Março, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução que prevê a possibilidade de efectuar uma operação militar estrangeira contra as forças de Kadafi.

Actualmente, na operação na Líbia, que começou a 19 de Março, participam os Estados Unidos, a Grã-Bretanha, a França e alguns outros países. Desde o seu início, cerca de 160 mísseis já foram lançados contra o território líbio. A Rússia absteve-se da votação da resolução no CS da ONU.

A Duma de Estado expressa ainda a preocupação com a envergadura e as formas do uso da força militar contra a Líbia e apela a que os Parlamentos da França, da Grã-Bretanha, dos Estados Unidos, da Itália, do Canadá e de outros países da coligação, que efectuam a operação, contribuam para o fim imediato das acções militares que levam a novas vítimas entre a população civil e a destruições de estruturas pacíficas da Líbia.

Os deputados destacam a falta de selectividade durante o uso da força militar contra a Líbia, o que pode adiar as perspectivas de normalização da situação naquele país.

Na opinião da Duma de Estado, as acções militares contra a Líbia podem levar à intensificação de tentativas de alguns países de desenvolver os programas nacionais de criação de armas de extermínio em massa. A Duma de Estado salienta que a Resolução 1973 do CS da ONU “não impõe limites claros do uso da força militar”. A aplicação desta resolução revelou a aspiração de uma série de Estados a aproveitá-la como pretexto para alcançar outros objectivos, consideram os deputados.

Os parlamentares solicitam que o presidente da FR, Dmitry Medvedev, encarregue o MNE de continuar a envidar os necessários esforços no Conselho de Segurança da ONU, para que o cumprimento das suas resoluções sobre a Líbia corresponda rigorosamente aos objectivos humanitários, à Carta da ONU e aos princípios e normas do Direito Internacional geralmente reconhecidas.

Prikhodko: Rússia não pode censurar aqueles que lutam contra Kadafi

Moscovo, 24 de Março – RIA Novosti.

A Rússia continua a manter as relações diplomáticas com as actuais autoridades da Líbia, mas não censura aqueles que lutam contra o seu actual líder, Muammar Kadafi, declarou o assessor do presidente da FR, Serguey Prikhodko.

“Mantemos as relações diplomáticas com as actuais autoridades da Líbia”, disse quarta-feira Prikhodko aos jornalistas.

Ao mesmo tempo, na opinião da Rússia, a causa principal daquilo que acontece hoje na Líbia são “acções inadmissíveis do próprio Kadafi”, destacou.

“Por isso, a posição moral daqueles que lutam contra ele é absolutamente evidente e não pode ser censurada”, apontou o assessor do presidente.

Prikhodko salientou que, nos seus contactos, a Rússia “partirá de uma avaliação equilibrada da situação na Líbia”.

Questionado sobre a disposição do líder líbio para efectuar conversações com a oposição, Prikhodko disse que Moscovo não dispõe de tais informações. “Não temos sinais sobre a disposição de Kadafi para efectuar  conversações”, disse.

Intentado processo judicial contra o antigo chefe do Metro de Moscovo, Dmitry Gaev

Moscovo, 24 de Março – RIA Novosti.

Foi intentado um processo judicial contra o antigo presidente do Metro de Moscovo, Dmitry Gaev, comunicou quinta-feira à RIA Novosti a representante do Comité de Inquérito junto do Ministério do Interior da FR, Irina Dudukina.

“O processo foi intentado no quadro do artigo 201 do Código Penal da FR (abuso de poder), disse.

EM FOCO NA IMPRENSA RUSSA

Vedomosti

Moscovo recuperou o título de capital dos multimilionários


Serguei Smirnov

De acordo com a Forbes americana, há de novo mais multimilionários em Moscovo do que em qualquer outra cidade do mundo, ou seja, a capital russa recuperou o título anteriormente perdido em resultado da queda dos mercados de matérias-primas. O país tem 79 multimilionários oficiais, um terço dos 300 que vivem na Europa e 15 integrantes da lista dos top 100, mais do que nos demais países BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) em conjunto.

A geografia da riqueza mundial mantém as mudanças que marcaram a lista do ano passado. Por exemplo, durante um ano a quantidade de multimilionários dos países BRIC aumentou em 108, tendo ultrapassado toda a Europa (301 contra 300, respectivamente). O número dos bilionários asiáticos, por sua vez, quase triplicou depois de 2008: agora, é de 332. Além disso, o mais rico da China é Robin Lee, com 9,4 biliões de dólares, que não é um magnata de matérias-primas, mas sim fundador do motor de busca Baidu. No entanto, o Japão, outrora centro económico da Ásia, tem apenas 26 bilionários.

Na Rússia, durante dois anos seguidos, a liderança é de Vladimir Lisin, accionista principal do Complexo Metalúrgico de Novolipetski. Em 2011, ele aumentou a sua fortuna em 24 biliões de dólares) e alcançou o 14º lugar no ranking mundial. É o único russo na lista do top 20. O segundo lugar foi conquistado pelo director-geral da Severstal, Alexei Mordachov, que tem 18,5 biliões de dólares e ficou em 29º lugar na lista mundial.

As posições seguintes são de Mikhail Prokhorov, líder da lista russa em 2009, com 18 biliões; Vladimir Potanin, com 17,8 biliões; Alisher Usmanov, com 17,7 biliões  e Oleg Deripaska, com 16,8 biliões. A nível mundial, eles ocupam os 34º, 35º e 36º lugares, respectivamente.

Ainda segundo a Forbes, a fortuna de Mikhail Fridman constitui 15,1 biliões. Os últimos colocados na lista dos dez multimilionários russos são Vaguit Alekperov (50º lugar no ranking mundial, com13,9 biliões, Roman Abramovitch (53º lugar, com 13 biliões) e Victor Vekselberg  (57º lugar, com 13 biliões de dólares).

Iuri Milner, um dos criadores do fundo de investimentos DST Global – bilionário russo com fortuna não baseada nos activos no sector de matérias-primas – ocupa o 1.140º lugar. Dois milionários abandonaram a lista russa do top 10: Victor Rachnikov, accionista principal do Complexo Metalúrgico de Magnitogorsk (MMK), e Dmitry Ribolovlev, ex-proprietário da empresa Uralkali.

Moskovski KomsomoletsNezavisimaya Gazeta

Presidente russo propõe projecto de lei de garantias sociais dos polícias

Na terça-feira, 22 de Março, o presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, reuniu-se com funcionários de alto nível do Ministério do Interior para discutir o desenvolvimento da reforma na Polícia, escrevem os jornais Moskovski KomsomoletsNezavisimaya Gazeta.

Na reunião, Medvedev informou que havia enviado à Duma de Estado um projecto-lei de garantias sociais dos polícias. “Não é perfeito, assinalou o presidente, mas esta primeira versão abrange todas as garantias que devem ter os agentes que prestam serviço no Ministério do Interior”.

O presidente prometeu aumentar as pensões e os vencimentos dos polícias, concretizando que, por exemplo, a retribuição de tenente ascenderá a 40.000 rublos (1000 euros).

Para além disso, Medvedev reiterou que a reforma está a ser levada a cabo sob a sua supervisão pessoal e recordou que a Lei da Polícia, que entrou em vigor na Rússia a 1 de Março deste ano, não se limita à mudança da designação (de Militsia para Polícia) mas prevê uma profunda reestruturação do Ministério do Interior.

De facto, após a realização a 15 de Março da primeira reunião da comissão de certificação profissional, apenas 145 dos 179 funcionários de alto nível do ministério irão ser recontratados. Medvedev advertiu que poderão ser despedidos cerca de 50 altos dirigentes.

Moskovski komsomoletsKomsomolskaya pravda

Putin preside a reunião sobre programa de fabrico de armamentos para 2011-2020

Há dias, o primeiro-ministro, Vladimir Putin, deslocou-se à cidade de Votkinsk (república de Udmurtia, região no Volga), tendo inspeccionado uma empresa produtora de mísseis, escrevem os jornais Moskovski KomsomoletsKomsomolskaya Pravda.

Para além disso, Putin presidiu a uma reunião dedicada à execução do novo programa de produção de armamento e material para 2011-2020, que se realizou na fábrica de Votkinsk, produtora de mísseis Iskander-M e Topol-M, para além dos mísseis navais Bulavá.

O presidente Dmitry Medvedev aprovou recentemente o Programa Federal de Desenvolvimento de Armamento e Material Bélico para 2011-2020, num montante de 22,5 biliões de rublos (726.000 milhões de dólares), mas os peritos duvidam que a indústria militar nacional seja capaz de cumprir as tarefas colocadas.

No seu discurso, Putin centrou a atenção na necessidade de modernizar o sector militar industrial do país, prevendo-se aumentar em 100% a produção de mísseis até 2013. O chefe do Governo recordou que estão a ser destinadas enormes recursos para a indústria militar, recursos que devem ser justificados.

Segundo ele, não resta dúvida que é necessário reforçar a capacidade defensiva da Rússia, tendo em conta a situação em torno da Líbia. Actualmente, os EUA e os seus aliados tomam muito rapidamente decisões sobre o uso da força militar contra outros países soberanos, destacou Putin.

    4 comentários

4 comentários

  1. benavides pires sousa

    29 de Março de 2011 as 12:44

    Pois é, se fosse cuba ou qualquer outro país com recursos naturais em áfrica ou medio oriente, pois os aliados europeus (inglatera, franca, alemanha, sobretudo) e os chefinhos reis do norte da america, pois já diriam que : ” estao a armar-se ilegalmente e que há o perigo de uma ameaca nuclear é periga contra a humanidade”. portanto, o resultado já seria uma intervencao ali, usurpando o petroleo e com a dita NATO ” nao faz nada” a apoiar-los cinicamente.

    mentira ou verdade, meus amigos? mas como é a Russia, pois, calados todos.

  2. Adriano Malé Bobo

    29 de Março de 2011 as 17:04

    Qualquer pessoa ainda que fosse parvo, comentava o seguinte:
    – como é que a NATO, ou ONU, vai apoiar os rebeldes em Libia, isto é uma autentica fantuchada da Coligação e os aliados, o que querem é roubar o petroleo de Kadafi,
    – Porquê que a França e Inglaterra não apoia Portugal que esta em crise

  3. J. Maria Cardoso

    29 de Março de 2011 as 19:38

    Estar contra o ataque dos ocidentais a Líbia não é o mesmo k apoiar ao Kadhafi como alguns defensores da guerra vêm declarando neste painel.
    Enquanto a Comunidade Internacional desde o primeiro momento da movimentação reivindicativa contra os ditadores, elegeu o diálogo na Tunísia e no Egipto, o mesmo não se notou em relacção a Líbia. Porquê? Velhas dívidas.
    Ninguém dve defender a carnificina de qq ditador contra o seu povo ou seja contra vizinhos.
    Num cenário hipotéctico os portugueses das ilhas saem a rua exigindo as cabeças de Alberto João Jardim e de Carlos César k começam a responder a revolta com a força das armas. K me desculpem o infeliz exemplo jamais desejado! O Conselho de Segurança das Nações Unidas reune e decide defender o povo das ilhas. Nigéria, África do Sul e Senegal no dia seguinte começam a bombardear os meios bélicos nas ilhas(sempre com vítimas civis), estaríamos todos aqui a gritar viva os militares africanos na defesa dos portugueses?
    Tchetchénia (Rússia) e Tibete (China), são sinais recentes de matança, onde esteveram os testes de caças europeus e dos EUA?
    Na Costa do Marfim, o povo grita pela Comunidade Internacional.
    Um bem-haja.

  4. lino

    30 de Março de 2011 as 6:55

    parvoice completa meu amigo!!!
    Você acha que o petroleo é do kadafi!!!!?
    Mas que alma pequena você tem meu amigo!!!
    Os recursos de um país nao devem constituir fonte de riqueza para quem governa e seus familiares. Na libia é isso que se verifica.
    Aquilo é da familia kadafi. As migalhas …as sobras é que vão para o coitadinho do povo.
    Alguns…..aqueles que estão do seu lado neste conflito tb são os que andam de barriga cheia.
    Apenas isso.
    Esse senhor kadafi deve ser capturado …julgado e enforcado como outros tirano.
    E existe outros pelo mundo fora como ele.
    Devia ter o mesmo fim.
    Amigo…não sejas parvo nem condescendente com individuos como kadafi.
    Abra os olhos para o mundo….e para a vida.
    obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo