Sociedade

Ciclo de formações em gestão integrada de resíduos para funcionários do setor de salubridade

Entre 4 e 8 de Abril funcionários do setor de salubridade dos vários distritos de S Tomé e Príncipe estiveram presentes num ciclo de formações intitulado “Gestão Integrada de Resíduos: Princípios e Boas Práticas”

Na última semana, cerca de 300 (trezentos) funcionários do setor de salubridade das várias Câmaras Distritais de São Tomé, incluindo os serviços municipais da Região Autónoma do Príncipe, participaram num ciclo de formações sobre a gestão integrada de resíduos sólidos, numa iniciativa inserida no âmbito do projeto “Consolidação do apoio às Câmaras Distritais para a melhoria do sistema de recolha de resíduos sólidos” executado pelas ONG’s ADAPPA, ALISEI, Fundação da Criança e da Juventude e MARAPA, financiado pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento.

Nas onze sessões ministradas pelo Eng.º João Vaz, consultor internacional com vários trabalhos realizados na área em diferentes países incluindo São Tomé e Príncipe, foram abordados diversos temas sobre a gestão integrada de resíduos sólidos e limpeza de espaços públicos. Os conceitos apresentados incidiram especialmente sobre a identificação e caracterização de resíduos, prioridades na limpeza urbana e as várias fases da gestão integrada de resíduos desde a produção à deposição final, passando pela recolha/transporte e a valorização.

Nos primeiros dias em que foram convidados, vereadores, técnicos superiores e zeladores foi dada especial atenção aos instrumentos regulamentares e a aspetos económico-financeiros, como forma de munir as Câmaras Distritais de ferramentas de sustentabilidade financeira e organizativas capazes de assegurar a melhoria do setor. No que respeita à gestão integrada de resíduos foram focados com pormenor a deposição final – componente normalmente esquecida – e a valorização de resíduos, tendo em conta a necessidade cada vez mais premente do destino final adequado dos resíduos recolhidos pelas Câmaras Distritais e da sua valorização económica, como forma de aproximar os sistemas existentes de sistemas integrados de gestão.

Tratou-se de mais um passo no sentido da melhoria do serviço prestado pelo setor de salubridade, sendo que, considerando a crescente capacitação dos funcionários, será oportuno o reforço por parte das Câmaras Distritais dos aspetos organizativos.

Artigo escrito no âmbito do projecto “Consolidação do apoio às Câmaras Distritais para a implementação de um sistema regular de recolha dos resíduos sólidos” financiado pela AECID e executado pelas ONG’s ADAPPA, ALISEI, Fundação da Criança e Juventude e MARAPA

    1 comentário

1 comentário

  1. Virtual

    11 de Abril de 2011 as 10:28

    É clara a importância de uma gestão integrada de RSU no entanto, acho que no nosso país nunca saímos desta etapa de elaboração de planos e articulação de políticas. Precisamos é de mudar o rosto, pois já passamos da hora de pularmos de etapa, julgo eu… Pois, o que se precisa é incutir nos decisores nacionais a capacidade de tomar medidas necessárias para que de facto e efectivamente tenhamos uma gestão de RSU neste país!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo