Saakachvili e Biden discutiram posições em relação à entrada da Rússia na OMC

O presidente da Geórgia, Mikhail Saakachvili, e o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, discutiram em Roma problemas da segurança e da economia, comunicam os canais televisivos georgianos.

SECTOR DE IMPRENSA E CULTURA

2 de Junho de 2011

DIÁRIO INFORMATIVO

Fonte: RIA – NOVOSTI e imprensa diária

SUMÁRIO:

  • Saakachvili e Biden discutiram posições em relação à entrada da Rússia na OMC
  • Lavrov: Federação Russa não discute possibilidades de dar garantias a Kadafi
  • Petrolífera Lukoil vai investir 1.000 milhões de dólares em projectos na África Ocidental
  • · Gazprom destina fundos para o desenvolvimento das inovações

Saakachvili e Biden discutiram posições em relação à entrada da Rússia na OMC

Tbilissi, 2 de Junho – Interfax.

O presidente da Geórgia, Mikhail Saakachvili, e o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, discutiram em Roma problemas da segurança e da economia, comunicam os canais televisivos georgianos.

Conforme disse aos jornalistas após o encontro o secretário do Conselho de Segurança Nacional da Geórgia, Guiga Bokeria, no encontro foram discutidas todas as questões actuais ligadas à Geórgia.

Nas suas palavras, foram discutidas também a entrada da Rússia na Organização Mundial de Comércio e a posição da Geórgia em relação a este assunto.

“Não gostaria de abordar os pormenores deste encontro que foi bastante frutífero”, disse Bokeria.

Lavrov: Federação Russa não discute possibilidades de dar garantias a Kadafi

Moscovo, 2 de Junho – RIA Novosti.

A Rússia não efectua quaisquer conversações ligadas à concessão de “imunidade ou garantias” ao líder líbio, Muammar Kadafi, ao mesmo tempo que alguns outros países discutem tais possibilidades, declarou o ministro dos Negócios Estrangeiros da FR, Seguey Lavrov, citado pela agência Bloomberg.

“Não estou a revelar nenhum segredo quando digo que os líderes dos países que podem influir na situação discutem activamente tais possibilidades”, disse Lavrov.

Nas suas palavras, a Rússia reforça as tentativas diplomáticas que podem levar a tal solução do problema líbio, que obrigue Kadafi a sair e a NATO – a terminar as acções militares na Líbia.

Os participantes da cimeira do G8 em Deauville discutiam diferentes variantes do futuro de Kadafi – “de uma vida tranquila de um simples beduíno no deserto líbio ao destino de Milosevic em Haia”, destaca a agência, citando o dirigente do Comité Internacional do Conselho da Federação da FR, Mikhail Marguelov.

Em meados de Fevereiro, na Líbia, começaram manifestações maciças contra o regime de Muammar Kadafi que governa o país desde há mais de 40 anos, que se transformaram posteriormente em confrontações armadas entre as forças governamentais e os rebeldes.

A 17 de Março, o CS da ONU aprovou uma resolução que previu criar uma zona de exclusão aérea por cima Líbia. Para proteger a população civil e garantir a observação da zona de exclusão aérea e o embargo aos fornecimentos de armas, uma coligação de países ocidentais começou a 19 de Março uma operação militar na Líbia, que dentro de alguns dias passou a ser comandada pela NATO. A 1 de Junho, a aliança prorrogou a operação por 90 dias – até ao fim de Setembro.

Petrolífera Lukoil vai investir 1.000 milhões de dólares em projectos na África Ocidental

Moscovo, 02 de Junho – RIA Novosti

A Lukoil, a maior petrolífera privada da Rússia, vai investir em 2012 mais de 1.000 milhões de dólares m projectos na África Ocidental, revelou o porta-voz da companhia, Andrei Gaidamaka.

“Destinaremos mais de 1.000 milhões de dólares a investimentos”, afirmou Gaidamaka a jornalistas durante um fórum económico.

O responsável explicou que a petrolífera prevê perfurar um poço na Costa do Marfim após terminar as negociações com o seu novo governo. Para além disso, está a desenvolver intensa actividade noutro país africano, o Gana, no qual tem implementado “diferentes projectos”.

A companhia russa anunciara anteriormente, entre os seus principais objectivos para 2011, continuar as obras de prospecção geológica na plataforma continental da África Ocidental.

No fim do ano passado, a Lukoil aumentou os seus lucros líquidos em 28,5%, tendo alcançado 9.006 milhões de dólares.

A produção petrolífera da companhia reduziu-se 1,7%, para 95,99 milhões de toneladas, enquanto a produção de gás aumentou 25%, situando-se em 18.550 milhões de metros cúbicos.

O capital social da Lukoil ascende a 21,26 milhões de rublos (760.000 dólares) divididos em acções de 0,025 rublos.

O presidente da petrolífera, Vaguit Alekperov, controla, directa ou indirectamente, 20,6% das acções, e o vice-presidente, Leonid Fedún, outros 9,3%.

RBK daily

Gazprom destina fundos para o desenvolvimento das inovações

O consórcio de gás Gazprom é a primeira empresa pública a reagir às críticas do presidente Medvedev, feitas nos finais de Janeiro na reunião da comissão para o desenvolvimento tecnológico e a modernização, informa o jornal RBK daily.

O Conselho Directivo da Gazprom submeterá hoje à consideração com posterior aprovação do programa de desenvolvimento da empresa até 2020.

Prevê-se destinar à sua implementação o astronómico número de 2.7 biliões de rublos (67.500 milhões de euros). Um dos objectivos do programa será de dispor dentro de dez anos de um sector aeroespacial próprio e de meios de perfuração tecnologicamente mais avançados.

No quadro da sua implementação dever-se-á reduzir os custos de produção, economizar recursos energéticos, melhorar a qualidade do produto, aumentar a produtividade e, finalmente, assumir a liderança económica do sector a nível mundial.

A Gazprom foi a primeira empresa a elaborar este tipo de plano de desenvolvimento e a coordená-lo com o Ministério do Desenvolvimento Económico, Energia e Educação.

Deixe um comentario

*