“A FAO E A PROMOÇÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR UNIVERSAL”

Este artigo de Ignacy Sachs (diretor de estudos honorário da École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris), é direcionado a todos que querem contribuir para o combate à fome no mundo. Decidi escrevê-lo em apoio à candidatura do meu amigo José Graziano da Silva a Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a FAO.
Este texto é direcionado a todos que querem contribuir para o combate à fome no mundo. Decidi escrevê-lo em apoio à candidatura do meu amigo José Graziano da Silva a Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a FAO.

Muito ainda precisa ser feito para garantir a segurança alimentar mundial e isso passa, necessariamente, pela reforma e fortalecimento da FAO e a consolidação de práticas agrícolas socialmente includentes e ambientalmente sustentáveis, especialmente da agricultura familiar. Para tanto, tornou-se necessário potencializar o papel das instâncias nacionais e garantir uma gestão mais descentralizada que permita mais protagonismo aos países, especialmente aos países em desenvolvimento.

Graziano já provou que reúne as condições para conduzir essa tarefa. Como subdiretor-geral da FAO e representante regional para América Latina e Caribe, esteve à frente da Iniciativa América Latina e Caribe sem Fome, por meio da qual os países da região se tornaram os primeiros no mundo a assumir o compromisso de erradicar a fome antes de 2025. Também foi figura central do processo de articulação entre a FAO e agências do Sistema das Nações Unidas, como Cepal, PNUD e OIT, e organismos internacionais, como IICA e OEA.

Graziano tem sua trajetória pautada em ações voltadas ao desenvolvimento rural e à luta contra a fome. Um exemplo são as exitosas políticas de combate à fome e à subnutrição desenvolvidas a partir de 2003 no Brasil. Foi Graziano quem coordenou a elaboração do “Fome Zero”, programa que, em cinco anos, possibilitou a 24 milhões de brasileiros deixarem a condição de pobreza e reduziu em 25% a subnutrição no país usando apenas 0,5% do PIB brasileiro.
A história do Brasil é marcada por importantes contribuições às ações da FAO. Um dos brasileiros relevantes na história da Organização é Josué de Castro, autor dos livros Geografia da Fome e Geopolítica da Fome. O primeiro é um estudo pioneiro sobre a situação no Brasil e o segundo, uma análise da fome em todo o mundo.

É importante lembrar que a FAO foi criada com o objetivo de garantir a segurança alimentar no planeta. Apesar dos esforços e dos avanços, este objetivo ainda não foi alcançado. Passados mais de 60 anos da criação da Organização, uma em cada sete pessoas no mundo ainda passa fome.
Esse é o principal motivo da necessidade de a FAO assumir o desafio da erradicação total da fome no mundo por meio de acções efectivas, investindo nos recursos destinados à promoção do desenvolvimento rural sustentável, na intensificação da cooperação Sul-Sul e do intercâmbio e da solidariedade entre as nações. É fundamental fortalecer a agricultura familiar e as políticas públicas para a permanência dos agricultores e das agricultoras no campo; melhorar a infra-estrutura produtiva; criar oportunidades de acesso ao crédito e à assistência técnica e à extensão rural de qualidade para produzir e comercializar os produtos. É necessário e urgente reconhecer a função dos pequenos e médios produtores como guardiões da biodiversidade, da integridade das paisagens rurais e da segurança alimentar. Essas práticas devem estar associadas à intensificação da cooperação internacional, especialmente entre países com biomas semelhantes.

Este é o caminho para garantir a crescente necessidade de oferta de alimentos saudáveis para a população mundial, que, em meados do século, vai atingir nove bilhões. Por seu perfil de alta competência académica e profissional, Graziano da Silva reúne as condições necessárias para liderar este desafio.”

POR :Ignacy Sachs

  1. img
    Trinta Mil Barris Responder

    São tretas, 1945 a FAO disse que ia acabar com fome!
    Acabou?
    O pai da revolução verde, o Mexicano falecido, fez o possivel, dos impossiveis com a Haber Bosch.
    o melhoramento genetico, mas a conclusão é o que ja se sabe.
    Os projectos da FAO, eles retem 30% do montante, para as despesas de funcionamento, certo?

  2. img
    senhor! Responder

    bem, pra nao deambular em palavras, diria que:

    -A FAO, nao acabou com a fome, nem acabará!

    -O FMI nao acabou com a pobreza e igualdade social, nem acabará!

    A ONU nao acabou com á guerra , nem acabará!

    -As religioes principais, nao caminharam a Deus, nem caminham rumo a Ele!

  3. img
    Trinta Mil Barris Responder

    FAO é sinonimo de FAOME, Igual a FOME.

Deixe um comentario

*