Príncipe berço da tartaruga SADA em vias de extinção a nível mundial

Estado de conservação das tartarugas marinhas é tema de um estudo divulgado no dia 29 de Setembro último. São Tomé e Príncipe tem uma palavra a dizer nesta matéria, uma vez que conserva na ilha do Príncipe, população importante desta espécie de tartarugas em vias de extinção.

O estudo divulgado hoje (29 de Setembro de 2011) e levado a cabo pela IUCN - Marine Turtle Specialist Group (MTSG) é considerado como a primeira avaliação mundial integrada sobre o estado de conservação das tartarugas marinhas, e sobre os seus riscos de extinção. O documento é, consequentemente, uma ferramenta crucial para a definição de prioridades de intervenção.

A Ilha do Príncipe, onde decorre o Programa SADA, acolhe uma das 11 populações de tartarugas marinhas com máximo risco de extinção em todo o mundo. As ameaças, na Ilha do Príncipe, como em outros locais do mundo, são a captura no mar, voluntária, por pescadores e mergulhadores submarinos, a captura nas praias, das fêmeas reprodutoras e dos ovos, e a continuação do comércio de artesanato feito em escama de tartaruga sada.

A República Democrática de São Tomé e Príncipe, e especialmente a Ilha do Príncipe, onde as SADAS são ainda relativamente numerosas, tem, por isso, uma palavra a dizer sobre a matéria, e uma responsabilidade cada vez mais internacionalmente reconhecida.

Artigo enviado ao Téla Nón pelo projecto SADA.

  1. img
    De Longe Responder

    Cá em Portugal, muitas são as vezes em que os pássaros nidificam em casa das pessoas, porque a noção da protecção dos animais já está muito avançada.
    Outra coisa: até os animais como galos e outros, têm princípios de cortesia. Mas só é quando têm a barriga cheia.
    Sabemos que se deve coagir os caçadores furtivos, mas não é também altura de coagirmos os destruidores da economia nacional que levam a que muitos mais coitados tenham que irradicar animais para sobreviverem?

Deixe um comentario

*