Sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social insurge contra o teor do Comunicado do Governo

Após reunião com os representantes da Comissão dos Trabalhadores da Rádio Nacional, o Sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social, considera que o comunicado do Governo lido por Abnildo de Oliveira, desvirtua o espírito do encontro realizado no passado dia 10 entre o Governo e a Comissão dos Trabalhadores.

Após auscultação da comissão dos trabalhadores da Rádio Nacional, o Sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social, chegou a conclusão que «o comunicado do Governo desvirtua o espírito do encontro realizado no dia 10 do corrente mês, na sede do Governo».

O Sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social, acrescenta que o Comunicado do Governo, «refere-se à “inflexibilidade” dos trabalhadores da Rádio Nacional, mas não faz qualquer referência ao que ficou acordado no final da primeira sessão de trabalho, em que a comissão deveria apresentar uma proposta de subsídio transitório para a melhoria dos salários até a conclusão das negociações sobre o futuro da instituição. Por outro lado a Comissão apresentou uma segunda contra-proposta e manifestou-se sempre aberta a negociá-la», explica o Sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social.

O Sindicato faz questão de salientar que « o governo face as propostas apresentadas pela Comissão dos Trabalhadores, até então não apresentou qualquer contraproposta para ser discutida».

Talvez porque a inflexibilidade está do outro lado da barricada, o sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social, «insta o governo a apresentar uma contraproposta».

O Sindicato fecha o seu comunicado, esclarecendo que a intenção de enquadrar a solução das reivindicações no aumento em 10% da massa salarial na proposta do Orçamento Geral do Estado apresentada à Assembleia Nacional, não satisfaz tendo em conta as especificidades do trabalho deste órgão, Rádio Nacional.

Abel Veiga

  1. img
    NINA Responder

    MAU SINAL

  2. img
    zeme almeida Responder

    yes

  3. img
    Anca Responder

    Que tal cavar terra?

  4. img
    Anca Responder

    Cavar terra, plantar e produzir, que tal?

    Que tal trabalhar, para aumentar a produtividade nacional?

  5. img
    Responder

    geral

  6. img
    Malébobo Responder

    O quê que este parasitas da Radio Nacional fazem que estão a exigir este salário balurdio, ao governo, e quem produz que sera deles

    • img
      cotrim Responder

      meu caro meymadra
      os q vecem mensalidade de 130M,90M,80M,54M,48M,etc qual é a produção destas individualidades, portanto o q esta em causa é a distribuição de riqueza, pq não pode haver cidadao de 1ª e 2ª 3ª por ai fora
      gostaria de ver o sr a viver com 822.000,00 ou 3.500.000,00 mensal por é uma questão de justiça, será que as pessoas que estao nos projectos que constitui divida para povo de stp pagar ganham o mesmo que os povinhos ganham
      olha ha reformados q trabalharam tanto para este pais e tem 490 M Db e quem vai para casa com 50.000.000 isto é justiça

  7. img
    Feijoada Responder

    Vamos privatizar a rádio nacional.

  8. img
    meymadra Responder

    Não entendo como os trabalhadores da Radio Nacional podem exigir tanto, si não fazem nada.
    Uma rádio que esta matando a cultura são-tomense, uma rádio que so tem dois programas dignos de realce: Visão de Sábado e Jornal das 7.
    Uma rádio assim até creio que recebem muito

Deixe um comentario

*